Pular para o conteúdo principal

O sonho do PT é transformar Gilmar Mendes em Ministro Supremo O vídeo protagonizado pelo deputado Wadih Damous lidera merecidamente o ranking dos mais sórdidos momentos da política brasileira


Por Augusto Nunes

O vídeo em que o deputado federal Wadih Damous, do PT fluminense, comenta a aliança entre a seita a que pertence e Gilmar Mendes lidera há alguns dias, merecidamente, o ranking dos mais sórdidos momentos da política brasileira. Depois de repulsivas investidas contra a Lei da Ficha Limpa, o ex-presidente da OAB do Rio começa a erguer o monumento à sem-vergonhice.
“Eu tive ontem com o Gilmar”, revela. Os botões da camisa sucumbindo à pressão da barriga obscena sugerem que
Damous não sabe que alguém está gravando o palavrório. Conta que se encontrou com o ministro do STF para repassar-lhe papéis produzidos por um vigarista amigo, especializado em infâmias que têm por alvo o juiz Sergio Moro. “Quem vai botá a boca no trombone pra apurar as denúncias?”, pergunta Damous. Ele próprio responde: “É Gilmar Mendes”.
A aula de cafajestagem avança para o clímax: “Nós temos de aprendê o jogo do xadrez e a fazê política”, ensina o torturador de verbos no infinitivo. “O Gilmar é nosso aliado. Amanhã ele volta a ser nosso inimigo, mas hoje ele é nosso aliado, e nós somos aliados dele”, conclui o devoto de Lula. Em outro vídeo divulgado no dia 13 de abril, ele informou como seria o pontapé inicial de outro jogo que batizou de “redesenho do Poder Judiciário” caso o PT voltasse ao poder: “Tem que fechar o Supremo Tribunal Federal”.
Não é bem assim, corrige o vídeo abaixo. O sonho do deputado é transformar Gilmar Mendes em Ministro Supremo. Supremo e Único, por jogar nas 11. Assim seria pelo menos enquanto estivesse em vigor a parceria que juntou um bando de delinquentes e um político disfarçado de juiz que solta os bandidos amigos punidos por juízes de verdade.

Revista Veja Abril

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné Equatorial e Congo não investirão mais no Brasil se Bolsonaro for eleito.

Bolsonaro já disse, não tem acordo com a esquerda. países como, Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola Guiné equatorial Congo e entre outros, não levarão nenhum centavo do povo brasileiro.

O Paí já colocou R4 2 Bilhões na Ilha que ficou mais conmhecida como Ilha de Fidel. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.
Uma risonha presidente Dilma Rousseff inaugurou, ao do ditador cubano Raúl Castro, a primeira fase do Porto de Mariel, em Havana.

 Na época a presença de Dilma se devai a uma razão principal : a conta foi paga por ela- na verddae, por todos os brasieliros. O Mariel custou US$ 957 milhões de dólares, dos quais US4 802 milhões vieram de financiamento concedido pelo banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).

 O montante equivale a 2 bilhões.Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.

Istoé notícia-Jornal 21 Brasil

Bolsonaro volta a defender castração química para estupradores

O candidato Jair Bolsonaro (PSL) voltou a defender a castração química para estupradores em debate da Band, na noite desta quinta-feira. Ele foi questionado pelo senador Alvaro Dias (Podemos) sobre o que deveria ser feito para combater o crescimento do número de estupros e a desigualdade de gênero no Brasil.
O Brasil registrou 60.018 estupros, 164 casos por dia, e 221.238 crimes enquadrados na Lei Maria da Penha (606 casos por dia) ao longo de 2017. O número de estupros representa um crescimento de 8,4% em relação a 2016, mas não é possível saber a variação relativa aos casos de violência doméstica, já que este é o primeiro ano que o Fórum Brasileiro de Segurança Pública captou dos Estados dados dessa natureza.
Especialistas do Fórum acreditam que ambos os registros estejam subdimensionados dada a dificuldade de registro na polícia desses crimes. Ainda assim, a quantidade é considerada alarmante e pede a implementação de políticas específicas.

IstoÉ

A carta de princípios de Bolsonaro

Jair Bolsonaro não vai apresentar ao TSE um programa de governo tradicional, mas uma carta de princípios.

Segundo a Folha, o candidato vai dar ênfase à Segurança Pública, propor o corte de mais de uma dezena de ministérios e detalhar um pouco mais o plano econômico de Paulo Guedes.

Haverá ainda uma parte dedicada ao combate à corrupção. “A ideia de Bolsonaro é se apresentar para o eleitor como o único candidato à Presidência que manterá o funcionamento da Operação Lava Jato”.
A equipe de Bolsonaro estuda ainda zerar impostos e complementar a renda dos mais pobres.
O Antagonista