Pular para o conteúdo principal

Polícia de São Paulo pede prisão de Patrícia Lelis




No dia 5 de agosto, Patrícia denunciou o assessor de Feliciano de mantê-la 

em cárcere privado e forçá-la a gravar vídeos em que negava a denúncia que 

havia feito dias antes a um jornalista, na qual afirmava ter sido vítima de

 uma tentativa de estupro e agressão por parte do deputado federal


Valmar Hupsel Filho , O Estado de S.Paulo
06 Setembro 2016 | 18h57

Patrícia Lelis
Patrícia Lelis Foto: Reprodução
SÃO PAULO - A Polícia Civil de São Paulo encerrou o inquérito que investigava a denúncia de sequestro e ameaça contra o assessor do pastor Marco Feliciano (PSC-SP), Talma Bauer, com pedido de prisão preventiva da autora, a estudante de jornalismo Patrícia Lelis, de 22 anos, por denunciação caluniosa e extorsão.
No dia 5 de agosto, Patrícia denunciou Bauer de mantê-la em cárcere privado e forçá-la a gravar vídeos em que negava a denúncia que havia feito dias antes a um jornalista, na qual afirmava ter sido vítima de uma tentativa de estupro e agressão por parte de Feliciano.
No dia seguinte, Patrícia denunciou formalmente o parlamentar. A denúncia contra Feliciano foi feita em Brasília porque ele tem foro privilegiado. A queixa, feita na Delegacia de Atendimento Especializado à Mulher, em Brasília, foi recebida pelo Supremo Tribunal Federal no dia 19.
A investigação liderada pelo delegado Luis Roberto Hellmeistaer, titular da 3ª DP, que se restringia à atuação do assessor de Feliciano, concluiu que não havia sequestro, mas sim uma negociação que envolvia o pagamento em dinheiro pelo silêncio de Patrícia. "Ela representa perigo para a sociedade", disse o delegado. O inquérito foi encaminhado à Justiça, que deve analisar o caso após parecer do Ministério Público. 
Para o advogado de Patrícia, Roberto Cidade, há pouca chance de o pedido de prisão prosperar porque a denúncia feita por Patrícia em São Paulo, ainda que tenha Bauer como alvo, cita diversas vezes o nome de Marco Feliciano. O argumento é que, como Feliciano tem foro privilegiado, a investigação obrigatoriamente teria que ser feita pelo Supremo. 
"Não existe uma preocupação muito grande deste pedido porque há uma grande chance de ser anulado no Supremo", disse. A defesa da jovem já pediu a anulação de todos os atos da polícia de São Paulo e o envio dos autos ao STF, onde já corre procedimento investigatório. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné Equatorial e Congo não investirão mais no Brasil se Bolsonaro for eleito.

Bolsonaro já disse, não tem acordo com a esquerda. países como, Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola Guiné equatorial Congo e entre outros, não levarão nenhum centavo do povo brasileiro.

O Paí já colocou R4 2 Bilhões na Ilha que ficou mais conmhecida como Ilha de Fidel. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.
Uma risonha presidente Dilma Rousseff inaugurou, ao do ditador cubano Raúl Castro, a primeira fase do Porto de Mariel, em Havana.

 Na época a presença de Dilma se devai a uma razão principal : a conta foi paga por ela- na verddae, por todos os brasieliros. O Mariel custou US$ 957 milhões de dólares, dos quais US4 802 milhões vieram de financiamento concedido pelo banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).

 O montante equivale a 2 bilhões.Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.

Istoé notícia-Jornal 21 Brasil

Bolsonaro volta a defender castração química para estupradores

O candidato Jair Bolsonaro (PSL) voltou a defender a castração química para estupradores em debate da Band, na noite desta quinta-feira. Ele foi questionado pelo senador Alvaro Dias (Podemos) sobre o que deveria ser feito para combater o crescimento do número de estupros e a desigualdade de gênero no Brasil.
O Brasil registrou 60.018 estupros, 164 casos por dia, e 221.238 crimes enquadrados na Lei Maria da Penha (606 casos por dia) ao longo de 2017. O número de estupros representa um crescimento de 8,4% em relação a 2016, mas não é possível saber a variação relativa aos casos de violência doméstica, já que este é o primeiro ano que o Fórum Brasileiro de Segurança Pública captou dos Estados dados dessa natureza.
Especialistas do Fórum acreditam que ambos os registros estejam subdimensionados dada a dificuldade de registro na polícia desses crimes. Ainda assim, a quantidade é considerada alarmante e pede a implementação de políticas específicas.

IstoÉ

A carta de princípios de Bolsonaro

Jair Bolsonaro não vai apresentar ao TSE um programa de governo tradicional, mas uma carta de princípios.

Segundo a Folha, o candidato vai dar ênfase à Segurança Pública, propor o corte de mais de uma dezena de ministérios e detalhar um pouco mais o plano econômico de Paulo Guedes.

Haverá ainda uma parte dedicada ao combate à corrupção. “A ideia de Bolsonaro é se apresentar para o eleitor como o único candidato à Presidência que manterá o funcionamento da Operação Lava Jato”.
A equipe de Bolsonaro estuda ainda zerar impostos e complementar a renda dos mais pobres.
O Antagonista