Pular para o conteúdo principal

URGENTE: Delação de Palocci 'explode' Lula e Dilma


Imagem: Reprodução / Redes Sociais


















Segundo o jornal O Globo, o ex-ministro Antonio Palocci concluiu as negociações e 
assinou um acordo de delação premiada com a Polícia Federal. O acordo agora 
aguarda homologação pelo Judiciário.


Embora o conteúdo do acordo ainda esteja em sigilo, o jornal lembra que Palocci disse
 ao juiz Sérgio Moro "que Lula havia firmado um 'pacto de sangue' com o empresário
 Emílio Odebrecht nos últimos meses de 2010, em uma conversa sigilosa no Palácio do 
Planalto".

A delação do ex-ministro deve ser catastrófica para o condenado Lula. Segundo o jornal, 
Palocci admite que Emílio Odebrecht, além de reformar o sítio de Atibaia, disponibilizou
 R$ 300 milhões em propina, que pagaram "palestras" de Lula e doações ao Instituto Lula, 
além de caixa 2 para as campanhas de Lula e Dilma.


Além de Lula, a delação também deve atingir a presidente deposta Dilma: "Ao falar da
 ex-presidente Dilma Rousseff, o ex-ministro disse que ela não apenas sabia do esquema
 corrupto entre PT e as empreiteiras, como teria sido beneficiária e mantenedora dos arranjos.
 Palocci deu exemplos de situações em que tais temas foram tratados na presença de Dilma
 ou dependeram de sua chancela. Em meados de 2010, segundo Palocci, ele participou de
 uma reunião com Lula, Dilma e o então presidente da Petrobras José Sérgio Gabrielli na
 biblioteca do Palácio da Alvorada. O assunto era os contratos de exploração do pré-sal.
 Lula, segundo o ex-ministro, teria falado abertamente do propósito de usar os projetos da
 estatal para financiar a campanha “dessa companheira aqui (Dilma), que eu quero ver
 eleita presidente do Brasil”, teria dito Lula, nas palavras de Palocci".

Folha Politica

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Jair Bolsonaro revoga nomeações de Michel Temer

Bolsonaro revogou quatro nomeações do ex-presidente Michel Temer e nomeou seus novos diretores, que não precisarão de escrutínio dos senadores. Por meio de medida provisória publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta segunda-feira (14), o presidente Jair Bolsonaro revogou a exigência de o Senado sabatinar os diretores do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), registra o “Estadão“. A revogação da sabatina dos diretores está no art. 85, II, c, que revoga o art. 88, parágrafo único, da Lei 10.233. “Os diretores deverão ser brasileiros, ter idoneidade moral e reputação ilibada, formação universitária, experiência profissional compatível com os objetivos, atribuições e competências do DNIT e elevado conceito no campo de suas especialidades, e serão indicados pelo ministro de estado dos Transportes e nomeados pelo presidente da República”, diz o texto. Há apenas cinco meses no cargo, o diretor-geral José da Silva Tiago foi substituído pelo general Antônio Leit…

Os depósitos fracionados na conta de Flávio Bolsonaro e a latente má fé do Jornal Nacional

Sobre o documento do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF) apresentado nesta sexta-feira (18) pelo Jornal Nacional, da Rede Globo, com uma lista de 48 depósitos fracionados em R$ 2 mil cada na conta do senador eleito Flavio Bolsonaro (PSL/RJ), perfazendo um total de R$ 96 mil, muitos deles em horários sequenciais num mesmo dia, é importantíssimo fazer o seguinte destaque: O próprio documento do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF) apresentado pelo Jornal Nacional revela que "todas as operações foram CONCENTRADAS NO AUTOATENDIMENTO" (confira na imagem abaixo) da agência do banco Itaú da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro. Esse detalhe é importantíssimo!



 No Banco Itaú, os depósitos realizados no autoatendimento, nos caixas eletrônicos, são limitados a R$ 2 mil por envelope, com no máximo 50 notas cada um. Confira: https://www.itau.com.br/atendimento-empresas/ajuda/ (vá ao tópico "caixas eletrônicos Itaú")

Ou seja, …

Bolsonaro ganhará palco principal no Fórum Econômico Mundial na Suíça 

Bolsonaro será o primeiro presidente latino-americano a falar na sessão inaugural do Fórum Econômico Mundial, que começa na semana que vem na Suíça. O espaço privilegiado foi dado a Jair Bolsonaro pelos organizadores diante do interesse internacional que hoje existe tanto sobre o que ocorre no Brasil, mas também por conta da curiosidade sobre os rumos do novo governo brasileiro. O lugar de Bolsonaro no evento em Davos, na Suíça, estava sendo cuidadosamente negociado entre o Itamaraty e os organizadores do evento, desde sua vitória nas eleições presidenciais, em outubro, informa o “Estadão“. A fala do presidente brasileiro, que deve ter entre 30 minutos e 45 minutos, promete ser uma espécie de apresentação de Bolsonaro à elite das finanças internacionais e da imprensa global. A sessão de abertura é, na maioria das vezes, acompanhada com uma atenção especial, já que dá o tom do evento. Ela não é a primeira fala do Fórum que, de fato, já começa na noite de segunda-feira. Mas é o eve…