Pular para o conteúdo principal

URGENTE: Raquel Dodge denuncia Bolsonaro por racismo

Imagem: Reprodução / Redes Sociais
A Procuradoria Geral 
da República 
apresentou denúncia
 nesta sexta-feira (13)
 contra o deputado 
federal Jair Bolsonaro 
(PSL-RJ), pré-candidato
 à Presidência da República,
 pelo crime de racismo. 
O filho dele, o deputado
 federal Eduardo
 Bolsonaro (PSL-RJ) também
 foi denunciado
 por supostamente ameaçar 
uma jornalista.

A acusação contra Jair Bolsonaro é referente a supostas ofensas proferidas por ele contra
 a população negra e indivíduos pertencentes às comunidades quilombolas, durante palestra 
no Clube Hebraica, no Rio de Janeiro, em abril do ano passado.

Na ocasião, Bolsonaro disse que, se for eleito presidente em 2018, não destinará recursos para
 ONGs e que não vai ter "um centímetro demarcado" para reservas indígenas ou quilombolas.

"Se depender de mim, todo cidadão vai ter uma arma de fogo dentro de casa. Não vai ter um
 centímetro demarcado para reserva indígena ou para quilombola", afirmou à época.

E acrescentou: "Onde tem uma terra indígena, tem uma riqueza embaixo dela. Temos que 
mudar isso daí. [...] Eu fui num quilombo. O afrodescendente mais leve lá pesava sete arrobas.
 Não fazem nada! Eu acho que nem para procriador ele serve mais. Mais de R$ 1 bilhão 
por ano é gastado com eles".

Na denúncia, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, afirma que a conduta de
 Bolsonaro viola a Constituição e que é "inaceitável", sobretudo, segundo ela, por se
 tratar de um parlamentar.

"Jair Bolsonaro tratou com total menoscabo os integrantes de comunidades quilombolas.
 Referiu-se a eles como se fossem animais, ao utilizar a palavra “arroba”. Esta manifestação,
 inaceitável, alinha-se ao regime da escravidão, em que negros eram tratados como mera 
mercadoria, e à idéia de desigualdade entre seres humanos, o que é absolutamente
 refutado pela Constituição brasileira e por todos os Tratados e Convenções Internacionais 
de que o Brasil é signatário, que afirmam a igualdade entre seres humanos como direito
 humano universal e protegido", diz Dodge na denúncia.

Além de destacar as ofensas contra quilombolas, Dodge também elenca uma série de
 declarações de Bolsonaro que, segundo ela, reforçam a discriminação contra minorias.

"Estas manifestações feitas pelo acusado, de incitação a comportamento e sentimento 
xenobófico, reforça atitudes de violência e discriminação que são vedadas pela Constituição 
e pela lei penal", afirma a procuradora.

O crime de racismo é inafiançável e imprescritível, sujeito à pena de reclusão de 1 a 3 anos 
mais multa. Na denúncia, Dodge pede que Bolsonaro pague R$ 400 mil por danos morais
 coletivos.

Eduardo Bolsonaro

Raquel Dodge também apresentou denúncia ao Supremo Tribunal Federal (STF) 
contra o deputado federal Eduardo Bolsonaro, filho de Jair. No caso dele, a acusação
 trata de supostas ameaças que o parlamentar teria proferido contra uma jornalista.

De acordo com a denúncia, Eduardo Bolsonaro enviou mensagens por meio de um 
aplicativo de celular ameaçando uma jornalista, e proferindo palavras de baixo calão.
 A PGR afirma que, em uma das mensagens, questionado se o diálogo se trataria 
de uma ameaça, respondeu: “Entenda como quiser”.

"O denunciado era plenamente capaz à época dos fatos, tinha consciência da ilicitude
 e dele exigia-se conduta diversa. Relevante destacar que o denunciado teve a 
preocupação em não deixar rastro das ameças dirigidas à vítima alterando a
 configuração padrão do aplicativo Telegran para que as mensagens fossem 
automaticamente destruídas após 5 (cinco) segundos depois de enviadas", diz Dodge.

"A conduta ainda é especialmente valorada em razão de o acusado atribuir ofensas pessoais
 à vítima no intuito de desmoralizá-la, desqualificá-la e intimidá-la ('otária', 'abusada', '
vai para o inferno', 'puta' e 'vagabunda')", complementa.

Segundo a PGR, o crime tem pena prevista de um ano e, caso não haja nenhuma condenação
 por outros crimes contra ele, Bolsonaro filho poderá, em substituição à prisão, indenizar a
 vítima em R$ 50 mil, pagar 25% do salário que recebe como parlamentar à uma 
instituição de atendimento a famílias e autores de violência doméstica por um ano, além
 de prestar 120 horas de serviço à comunidade.

Folha Politica

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O sumiço da Faca e o registro na Câmara: Adelio não agiu sozinho, alerta Alexandre Garcia (Veja o Vídeo)

Algo de muito podre ronda a Polícia Legislativa da Câmara dos Deputados.

Após o golpe em Jair Bolsonaro, Adelio se livrou rapidamente da faca. Tudo indica que repassou para alguém, tanto é que a ‘arma branca’ foi encontrada numa barraca de ambulante, nas imediações. Alguém jogou esta faca onde foi achada. Parece óbvio. A questão do registro na Câmara também deve ser cuidadosamente examinada. Algo de muito podre ronda a Polícia Legislativa da Câmara dos Deputados. O diretor do setor alega que um recepcionista registrou por engano a entrada de Adélio Bispo de Oliveira no local, no dia 6 de setembro, o dia do atentado contra Jair Bolsonaro. Ora, foram constatados os registros de duas entradas do criminoso. O tal servidor registrou por engano duas vezes? E o nome do servidor distraído agora é mantido sob sigilo? Parece óbvio que caso o atentado tivesse sido exitoso e no meio da multidão Adelio alcançasse a fuga, o álibi estaria pronto. Esse era o plano e isto parece bem claro. Veja o vídeo…

PT atrasa pagamentos e funcionários da campanha cruzam os braços

Por causa de atraso nos pagamentos, parte dos funcionários da campanha do PT à Presidência nas eleições 2018 decidiu cruzar os braços e interrompeu os trabalhos nesta semana, em meio à substituição do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso na Lava Jato, por Fernando Haddad como cabeça de chapa. Os profissionais integram as equipes responsáveis pela produção dos programas eleitorais do partido para a TV, o que ameaça a entrega dos novos comerciais da coligação.
O Estadão/Broadcast apurou que parte da equipe de pré e pós-produção de vídeo da campanha petista está parada há pelo menos dois dias, o que pode atrapalhar a produção de programas dedicados a apresentar Haddad como indicado de Lula, cuja candidatura foi barrada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), com base na lei da Ficha Limpa, que torna inelegível condenados por decisão colegiada.
A paralisação dentro da campanha começou, de maneira progressiva, na semana passada, durante o feriado de 7 de Setembro. Os co…

Alvaro Dias chama Bolsonaro de “vagabundo bandido” e “quase morto” e recebe resposta do senador Magno Malta

Sem saber que estava sendo gravado, Álvaro Dias aproveitou para destilar todo o seu veneno com comentários maldosos sobre Jair Bolsonaro. O candidato do Podemos afirmou que Bolsonaro é um “vagabundo bandido” e que ‘ta quase morto”. Ainda no mesmo trecho, Dias afirma que “se não fosse a facada eu estaria destruindo ele hoje.”
Alvaro Dias ataca Bolsonaro e recebe A RESPOSTA de Magno Malta