Pular para o conteúdo principal

Associação de empresas de pesquisa pede que TSE proíba realização de enquetes durante o ano eleitoral


Imagem: Divulgação / TSE
















A Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa (ABEP) entrou com petição no
 Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para barrar a divulgação de enquetes eleitorais 
sem validade científica no período pré-eleitoral e durante a campanha. O pedido, 
enviado em abril, trata de enquetes feitas por telefone.


A ABEP pede que o artigo 23 da Resolução 23.459/2017 do TSE, que prevê penalidade
 em caso de divulgação de enquete no período da campanha, seja alterado para que a
 vedação valha durante todo o ano eleitoral.
“O ponto crucial da questão é que as enquetes não têm rigor científico, não tem
 controle de amostra e consequentemente não representam o universo a ser pesquisado, 
ou seja, não têm compromisso com uma informação fidedigna”, defende trecho do
 documento, assinado por Duílio Novaes, presidente da Associação, e
 Mauro Paulínio, coordenador do Comitê de Opinião Pública.


Segundo eles, os destinatários da informação, na maioria dos casos, não sabem 
distinguir uma enquete de uma pesquisa.


“Assim, pouco proveito há em submeter as pesquisas a regras rígidas e fiscalizações 
e de outro lado permitir que as enquetes divulguem informação sem qualquer controle
 ou compromisso com a sua idoneidade e, ainda, sem se submeter a qualquer tipo
 penalidade”, acrescentam.


Para eles, é “indiscutível” que as enquetes tumultuam o processo eleitoral, confundem
 o eleitor e representam um “verdadeiro mal” à democracia e, por isso, devem ser 
proibidas


Pesquisas x enquetes


O documento diz que a única pesquisa que atende os requisitos legais é a “pessoal,
 face a face”. Pesquisas telefônicas, online e aquelas realizadas através de URA, 
software que permite a automatização de ligações e da coleta das respostas, não 
atendem os requisitos de amostragem, conforme definido na lei.


Segundo a ABEP, essas formas de pesquisa têm problemas de acesso, de 
representatividade e de auto seleção, “o que faz com que deixem de ser pesquisas 
e passem a ser enquetes”.


Para a associação, as enquetes, que “buscam a mesma finalidade das pesquisas e 
tentam com estas ser confundidas, logrando êxito muitas vezes”, são realizadas e
 divulgadas sem controle legal.


“Assim, algumas perguntas merecem ser feitas: Quem paga pelas enquetes? 
A quem interessa a divulgação de enquetes? Qual é o objetivo e finalidade das enquetes? 
Se são, por muitas vezes confundidas com as pesquisas, por que não há regramento na 
legislação para a sua divulgação?”, questionam Novaes e Paulínio.


Além disso, descreve o documento, as pessoas só conseguem ouvir todas as opções
 de candidato se pressionarem um número a mais na ligação, o que muda a 
probabilidade de se escolher cada um dos candidatos, abrindo largo espaço
 para que sejam enviesadas.


A ABEP argumenta que enquetes sem validade científica têm problemas 
identificados na literatura de amostra e também na população a ser pesquisada.


“Enquetes não representam a opinião pública como um todo, sendo possível, inclusive 
que uma mesma pessoa responda várias vezes a mesma enquete, de modo a distorcer 
o resultado , não são replicáveis e a divulgação, mesmo apenas até o início da
 campanha, prejudica o processo eleitoral, como demonstrado acima. Desse modo,
 é imprescindível que sejam imediatamente proibidas”, diz trecho do documento.
Folha Política

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cid Moreira reaparece e comove o Brasil: ”Vivo minha fase final”

Apresentador que marcou a história do ‘Jornal Nacional’ fala sobre os 90 anos. Famoso durante muito tempo por dar o ‘boa noite’’ no ‘’Jornal Nacional’’, Cid Moreira agora é mais conhecido por ser a ‘’’voz de Deus’’ [VIDEO]. Aos 90 anos de idade, o jornalista investe o seu tempo nas narrações de textos bíblicos e comove milhares de cristãos. Cid Moreira recusou-se a fazer propaganda milionária ao lado de Fátima Bernardes Cid é casado com Fátima Moreira há 16 anos e deu uma entrevista ao portal de notícias UOL sobre o fato de estar completando 90 anos com a saúde em dia. “Vivo minha fase final”, afirmou. Entre os muitos fatos pitorescos de sua vida narrados na reportagem, Moreira revela que se recusou a receber R$ 2 milhões para fazer uma propaganda de carne ao lado de Fátima Bernardes. A celebridade, na época, teria recebido R$ 5 milhões para o comercial. O jornalista também chegou a injetar silicone líquido no rosto, o que o fez quase perder a visão de um dos olhos. Filho processa Ci…

Renan se recusa a receber notificação do STF sobre afastamento da presidência do Senado Oficial de Justiça não consegue entregar notificação na residência oficial

Renan se recusa a receber notificação do STF sobre afastamento da presidência do Senado Foto: Andre Coelho / Agência O Globo BRASÍLIA - O oficial do Supremo Tribunal Federal (STF) foi na noite desta segunda-feira à residência oficial do Senado para entregar ao senador Renan Calheiros (PMDB-AL) a notificação da decisão do ministro Marco Aurelio Melo sobre o afastamento da presidência do Senado. Renan se recusou a receber o oficial. O peemedebista foi até a porta e voltou sem a notificação. O oficial saiu alguns minutos depois com os papéis na mão. Segundo o secretário geral da mesa Senado, Bandeira de Melo, Renan alegou que não se pode receber notificação judicial após as 18h, segundo a lei. Perguntado sobre como Renan reagiu à decisão do ministro do Supremo, o líder do PMDB no Senado, Eunício Oliveira, disse que ele está tranquilo e que vai receber a notificação amanhã às 11h. - Normalíssimo, frio, traquilo. Marcou para receber a notificaçao amanhã às 11 horas. Há um entra e sai de ca…

Jair Bolsonaro revoga nomeações de Michel Temer

Bolsonaro revogou quatro nomeações do ex-presidente Michel Temer e nomeou seus novos diretores, que não precisarão de escrutínio dos senadores. Por meio de medida provisória publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta segunda-feira (14), o presidente Jair Bolsonaro revogou a exigência de o Senado sabatinar os diretores do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), registra o “Estadão“. A revogação da sabatina dos diretores está no art. 85, II, c, que revoga o art. 88, parágrafo único, da Lei 10.233. “Os diretores deverão ser brasileiros, ter idoneidade moral e reputação ilibada, formação universitária, experiência profissional compatível com os objetivos, atribuições e competências do DNIT e elevado conceito no campo de suas especialidades, e serão indicados pelo ministro de estado dos Transportes e nomeados pelo presidente da República”, diz o texto. Há apenas cinco meses no cargo, o diretor-geral José da Silva Tiago foi substituído pelo general Antônio Leit…