Pular para o conteúdo principal

Associação de empresas de pesquisa pede que TSE proíba realização de enquetes durante o ano eleitoral


Imagem: Divulgação / TSE
















A Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa (ABEP) entrou com petição no
 Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para barrar a divulgação de enquetes eleitorais 
sem validade científica no período pré-eleitoral e durante a campanha. O pedido, 
enviado em abril, trata de enquetes feitas por telefone.


A ABEP pede que o artigo 23 da Resolução 23.459/2017 do TSE, que prevê penalidade
 em caso de divulgação de enquete no período da campanha, seja alterado para que a
 vedação valha durante todo o ano eleitoral.
“O ponto crucial da questão é que as enquetes não têm rigor científico, não tem
 controle de amostra e consequentemente não representam o universo a ser pesquisado, 
ou seja, não têm compromisso com uma informação fidedigna”, defende trecho do
 documento, assinado por Duílio Novaes, presidente da Associação, e
 Mauro Paulínio, coordenador do Comitê de Opinião Pública.


Segundo eles, os destinatários da informação, na maioria dos casos, não sabem 
distinguir uma enquete de uma pesquisa.


“Assim, pouco proveito há em submeter as pesquisas a regras rígidas e fiscalizações 
e de outro lado permitir que as enquetes divulguem informação sem qualquer controle
 ou compromisso com a sua idoneidade e, ainda, sem se submeter a qualquer tipo
 penalidade”, acrescentam.


Para eles, é “indiscutível” que as enquetes tumultuam o processo eleitoral, confundem
 o eleitor e representam um “verdadeiro mal” à democracia e, por isso, devem ser 
proibidas


Pesquisas x enquetes


O documento diz que a única pesquisa que atende os requisitos legais é a “pessoal,
 face a face”. Pesquisas telefônicas, online e aquelas realizadas através de URA, 
software que permite a automatização de ligações e da coleta das respostas, não 
atendem os requisitos de amostragem, conforme definido na lei.


Segundo a ABEP, essas formas de pesquisa têm problemas de acesso, de 
representatividade e de auto seleção, “o que faz com que deixem de ser pesquisas 
e passem a ser enquetes”.


Para a associação, as enquetes, que “buscam a mesma finalidade das pesquisas e 
tentam com estas ser confundidas, logrando êxito muitas vezes”, são realizadas e
 divulgadas sem controle legal.


“Assim, algumas perguntas merecem ser feitas: Quem paga pelas enquetes? 
A quem interessa a divulgação de enquetes? Qual é o objetivo e finalidade das enquetes? 
Se são, por muitas vezes confundidas com as pesquisas, por que não há regramento na 
legislação para a sua divulgação?”, questionam Novaes e Paulínio.


Além disso, descreve o documento, as pessoas só conseguem ouvir todas as opções
 de candidato se pressionarem um número a mais na ligação, o que muda a 
probabilidade de se escolher cada um dos candidatos, abrindo largo espaço
 para que sejam enviesadas.


A ABEP argumenta que enquetes sem validade científica têm problemas 
identificados na literatura de amostra e também na população a ser pesquisada.


“Enquetes não representam a opinião pública como um todo, sendo possível, inclusive 
que uma mesma pessoa responda várias vezes a mesma enquete, de modo a distorcer 
o resultado , não são replicáveis e a divulgação, mesmo apenas até o início da
 campanha, prejudica o processo eleitoral, como demonstrado acima. Desse modo,
 é imprescindível que sejam imediatamente proibidas”, diz trecho do documento.
Folha Política

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné Equatorial e Congo não investirão mais no Brasil se Bolsonaro for eleito.

Bolsonaro já disse, não tem acordo com a esquerda, países como, Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné equatorial, Congo e entre outros, não levarão nenhum centavo do povo brasileiro.

O Paí já colocou R$ 42 Bilhões na Ilha que ficou mais conhecida como Ilha de Fidel. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.
Uma risonha presidente Dilma Rousseff inaugurou, ao do ditador cubano Raúl Castro, a primeira fase do Porto de Mariel, em Havana.

 Na época a presença de Dilma se devai a uma razão principal : a conta foi paga por ela- na verddae, por todos os brasieliros. O Mariel custou US$ 957 milhões de dólares, dos quais US4 802 milhões vieram de financiamento concedido pelo banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).

 O montante equivale a 2 bilhões. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.

Istoé notícia-Jornal 21 Brasil

TSE suspende propaganda do PT que associa Bolsonaro à tortura

Luis Felipe Salomão, do TSE, suspendeu a propaganda eleitoral em que a coligação petista associa Jair Bolsonaro à ditadura e à tortura.

O ministro atendeu o pedido da defesa de Bolsonaro, que alegou que o programa veiculado viola a lei eleitoral, “uma vez que incute medo na população ao sugerir que se o candidato Jair Bolsonaro for eleito vai perseguir e torturar eventuais opositores políticos”.

“O tribunal tem feito um esforço no sentido de elevar o nível do debate para se evitar a disseminação desse clima de pânico que estão criando”, disse o advogado de Bolsonaro, Tiago Ayres, a O Antagonista.

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…