Pular para o conteúdo principal

Associação de empresas de pesquisa pede que TSE proíba realização de enquetes durante o ano eleitoral


Imagem: Divulgação / TSE
















A Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa (ABEP) entrou com petição no
 Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para barrar a divulgação de enquetes eleitorais 
sem validade científica no período pré-eleitoral e durante a campanha. O pedido, 
enviado em abril, trata de enquetes feitas por telefone.


A ABEP pede que o artigo 23 da Resolução 23.459/2017 do TSE, que prevê penalidade
 em caso de divulgação de enquete no período da campanha, seja alterado para que a
 vedação valha durante todo o ano eleitoral.
“O ponto crucial da questão é que as enquetes não têm rigor científico, não tem
 controle de amostra e consequentemente não representam o universo a ser pesquisado, 
ou seja, não têm compromisso com uma informação fidedigna”, defende trecho do
 documento, assinado por Duílio Novaes, presidente da Associação, e
 Mauro Paulínio, coordenador do Comitê de Opinião Pública.


Segundo eles, os destinatários da informação, na maioria dos casos, não sabem 
distinguir uma enquete de uma pesquisa.


“Assim, pouco proveito há em submeter as pesquisas a regras rígidas e fiscalizações 
e de outro lado permitir que as enquetes divulguem informação sem qualquer controle
 ou compromisso com a sua idoneidade e, ainda, sem se submeter a qualquer tipo
 penalidade”, acrescentam.


Para eles, é “indiscutível” que as enquetes tumultuam o processo eleitoral, confundem
 o eleitor e representam um “verdadeiro mal” à democracia e, por isso, devem ser 
proibidas


Pesquisas x enquetes


O documento diz que a única pesquisa que atende os requisitos legais é a “pessoal,
 face a face”. Pesquisas telefônicas, online e aquelas realizadas através de URA, 
software que permite a automatização de ligações e da coleta das respostas, não 
atendem os requisitos de amostragem, conforme definido na lei.


Segundo a ABEP, essas formas de pesquisa têm problemas de acesso, de 
representatividade e de auto seleção, “o que faz com que deixem de ser pesquisas 
e passem a ser enquetes”.


Para a associação, as enquetes, que “buscam a mesma finalidade das pesquisas e 
tentam com estas ser confundidas, logrando êxito muitas vezes”, são realizadas e
 divulgadas sem controle legal.


“Assim, algumas perguntas merecem ser feitas: Quem paga pelas enquetes? 
A quem interessa a divulgação de enquetes? Qual é o objetivo e finalidade das enquetes? 
Se são, por muitas vezes confundidas com as pesquisas, por que não há regramento na 
legislação para a sua divulgação?”, questionam Novaes e Paulínio.


Além disso, descreve o documento, as pessoas só conseguem ouvir todas as opções
 de candidato se pressionarem um número a mais na ligação, o que muda a 
probabilidade de se escolher cada um dos candidatos, abrindo largo espaço
 para que sejam enviesadas.


A ABEP argumenta que enquetes sem validade científica têm problemas 
identificados na literatura de amostra e também na população a ser pesquisada.


“Enquetes não representam a opinião pública como um todo, sendo possível, inclusive 
que uma mesma pessoa responda várias vezes a mesma enquete, de modo a distorcer 
o resultado , não são replicáveis e a divulgação, mesmo apenas até o início da
 campanha, prejudica o processo eleitoral, como demonstrado acima. Desse modo,
 é imprescindível que sejam imediatamente proibidas”, diz trecho do documento.
Folha Política

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileiros são acusados de machismo e racismo na Copa da Rússia

Em vídeo viral, um grupo de homens se aproveita do fato de uma jovem russa não saber português para assediar a moça





A Copa da Rússia mal começou e algumas atitudes de torcedores brasileiros provocaram reações inflamadas na internet. Em um vídeo publicado na noite de sábado (16/6), alguns homens se aproximaram de uma jovem estrangeira, aparentemente russa, e fizeram uma gravação com ela. Nas redes sociais, o ato foi apontado como uma demonstração de machismo e racismo. Entre outros impropérios, o grupo cantou “essa buceta é bem rosinha”, referindo-se à cor da mulher. A moça, que obviamente não entende uma única palavra em português, cantou junto a eles, sem ter noção do desrespeito. A objetificação pela qual a estrangeira passa – uma pessoa é reduzida aos órgãos genitais – foi considerada ofensiva pelos internautas. Além do machismo alarmante, tendo em vista que um grupo de adultos achou por bem fazer comentários grotescos sobre o corpo de uma desconhecida na rua, há indícios de racismo…

Veja a lista dos deputados que querem uma CPI para acabar com a Lava Jato

O PT está no centro da articulação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) com o objetivo de investigar a suposta venda de “proteção” em delações premiadas por parte de advogados e delatores. Trata-se da "CPI das delações", com potencial para afetar os trabalhos da operação Lava Jato e até extingui-la. 

Segundo o líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (PT-RS), trata-se de uma investigação sobre a "indústria da delação". Os pontos de partida serão as delações dos doleiros Vinícius Claret, o Juca Bala, e Cláudio de Souza, integrantes do esquema comandado por Dario Messer, chamado de “doleiro de todos os doleiros”, que acusam o advogado Antonio Figueiredo Basto, um dos maiores especialistas do País em colaborações premiadas, de cobrar uma “taxa de proteção” de US$ 50 mil mensais (cerca de R$ 185 mil) de outros integrantes do esquema entre 2005 e 2013.
Veja quem são os deputados que assinaram o pedido: 


Cármen Lúcia arquiva processo sobre menção de Joesley a ministros do STF Presidente do STF determinou extinção da investigação aberta, a pedido dela, para apurar citação a ministros na delação de executivos da empresa JBS Por Agência Brasil

Cármen Lúcia: "Não poderia pender qualquer tipo de mais leve dúvida sobre a conduta daqueles que compõe, que integram este Supremo Tribunal Federal" (Rosinei Coutinho/SCO/STF/Agência Brasil) A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, informou, na abertura da sessão plenária desta quinta-feira (21), ter determinado a extinção e o arquivamento definitivo da investigação aberta, a pedido dela, pela Polícia Federal, para apurar citação a ministros da Corte na delação de executivos da empresa JBS, do grupo J&F. A decisão foi tomada após o diretor-geral da PF, Rogério Galloro, entregar o relatório final das investigações à Cármen Lúcia. De acordo com o documento, “não foram encontradas gravações que indicassem qualquer participação de ministros do Supremo Tribunal Federal envolvidos e ou citados em qualquer ato ilícito”. Com base no relatório da PF, Cármen Lúcia afirmou que “não houve, não há qualquer dúvida, que tenha sido extraída de qualquer doc…