Pular para o conteúdo principal

Associação de empresas de pesquisa pede que TSE proíba realização de enquetes durante o ano eleitoral


Imagem: Divulgação / TSE
















A Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa (ABEP) entrou com petição no
 Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para barrar a divulgação de enquetes eleitorais 
sem validade científica no período pré-eleitoral e durante a campanha. O pedido, 
enviado em abril, trata de enquetes feitas por telefone.


A ABEP pede que o artigo 23 da Resolução 23.459/2017 do TSE, que prevê penalidade
 em caso de divulgação de enquete no período da campanha, seja alterado para que a
 vedação valha durante todo o ano eleitoral.
“O ponto crucial da questão é que as enquetes não têm rigor científico, não tem
 controle de amostra e consequentemente não representam o universo a ser pesquisado, 
ou seja, não têm compromisso com uma informação fidedigna”, defende trecho do
 documento, assinado por Duílio Novaes, presidente da Associação, e
 Mauro Paulínio, coordenador do Comitê de Opinião Pública.


Segundo eles, os destinatários da informação, na maioria dos casos, não sabem 
distinguir uma enquete de uma pesquisa.


“Assim, pouco proveito há em submeter as pesquisas a regras rígidas e fiscalizações 
e de outro lado permitir que as enquetes divulguem informação sem qualquer controle
 ou compromisso com a sua idoneidade e, ainda, sem se submeter a qualquer tipo
 penalidade”, acrescentam.


Para eles, é “indiscutível” que as enquetes tumultuam o processo eleitoral, confundem
 o eleitor e representam um “verdadeiro mal” à democracia e, por isso, devem ser 
proibidas


Pesquisas x enquetes


O documento diz que a única pesquisa que atende os requisitos legais é a “pessoal,
 face a face”. Pesquisas telefônicas, online e aquelas realizadas através de URA, 
software que permite a automatização de ligações e da coleta das respostas, não 
atendem os requisitos de amostragem, conforme definido na lei.


Segundo a ABEP, essas formas de pesquisa têm problemas de acesso, de 
representatividade e de auto seleção, “o que faz com que deixem de ser pesquisas 
e passem a ser enquetes”.


Para a associação, as enquetes, que “buscam a mesma finalidade das pesquisas e 
tentam com estas ser confundidas, logrando êxito muitas vezes”, são realizadas e
 divulgadas sem controle legal.


“Assim, algumas perguntas merecem ser feitas: Quem paga pelas enquetes? 
A quem interessa a divulgação de enquetes? Qual é o objetivo e finalidade das enquetes? 
Se são, por muitas vezes confundidas com as pesquisas, por que não há regramento na 
legislação para a sua divulgação?”, questionam Novaes e Paulínio.


Além disso, descreve o documento, as pessoas só conseguem ouvir todas as opções
 de candidato se pressionarem um número a mais na ligação, o que muda a 
probabilidade de se escolher cada um dos candidatos, abrindo largo espaço
 para que sejam enviesadas.


A ABEP argumenta que enquetes sem validade científica têm problemas 
identificados na literatura de amostra e também na população a ser pesquisada.


“Enquetes não representam a opinião pública como um todo, sendo possível, inclusive 
que uma mesma pessoa responda várias vezes a mesma enquete, de modo a distorcer 
o resultado , não são replicáveis e a divulgação, mesmo apenas até o início da
 campanha, prejudica o processo eleitoral, como demonstrado acima. Desse modo,
 é imprescindível que sejam imediatamente proibidas”, diz trecho do documento.
Folha Política

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bolsonaro reage a Boulos: “Vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”

Em sua ‘live’ de domingo no Facebook, Jair Bolsonaro reagiu ao vídeo de um comício feito por Guilherme Boulos na quarta-feira passada, ao lado de Gleisi Hoffmann, em cima de um carro de som no Masp, em São Paulo, no qual o candidato derrotado do PSOL disse que só deixaria passar o feriadão para voltar a fazer mobilizações pelo país e a militância cantou em coro: “Ô Bolsonaro, presta atenção, a sua casa vai virar ocupação”. Boulos afirmou que “o MTST ocupa terreno improdutivo, e a casa do Bolsonaro não me parece uma coisa muito produtiva”. “Você deve ter visto um vídeo de ontem, ou anteontem, do Boulos insuflando uma massa enorme para invadir, ocupar a minha residência. O que você faria se o Boulos e 2 mil pessoas ameaçassem invadir a sua residência? Se eu for o presidente e se o Parlamento assim entender, nós vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”, disse Bolsonaro.
O Antagonista

Patrícia Pillar critica Regina Duarte por apoio a Bolsonaro

Através de comentário feito na postagem, Patrícia usou várias narrativas esquerdistas para indicar que o candidato do PSL não seria capaz de ocupar o cargo de presidente do Brasil.

Na tarde desta quinta-feira (11), a atriz Regina Duarte, da Rede Globo, que já havia sinalizado o apoio ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), usou as redes sociais para fazer novas críticas ao Partido dos Trabalhadores, do candidato Fernando Haddad.

A atriz global compartilhou uma imagem com uma comparação entre o salário mínimo e outra quantia com a indicação de “Bolsa Presidiário”, fazendo referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A imagem ainda traz o questionamento: “Tem certeza que o PT sabe governar?”

Após a publicação, a atriz Patrícia Pillar, colega de emissora, rebateu a postagem por meio de comentário, assumindo uma posição contra Bolsonaro.

A ex-mulher de Ciro Gomes (PDT) declarou:


Com toda admiração e respeito que tenho por você Regina, faço aqui uma ponderação: de antemão te digo que n…

Haddad tenta jogar católicos contra evangélicos

O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, participou de uma missa em São Paulo nesta sexta-feira (12). Em entrevista, logo após, o petista atacou Bolsonaro e tentou dividir cristãos. O dia de Nossa Senhora Aparecida foi utilizado pelo Partido dos Trabalhadores (PT) para tentar construir a imagem de um Fernando Haddad com bases religiosas. “Eu sou neto de um líder religioso”, respondeu o candidato do PT ao ser chamado de “abortista” por uma cristã após a missa na paróquia Santos Mártires, no Jardim Ângela, em São Paulo.