Pular para o conteúdo principal

Bandido que participou do assassinato de delegado da PF estava em 'saidinha' do Dia das Mães




Imagem: Reprodução / TV Globo


Um dos homens presos após um delegado da Polícia Federal de São Paulo ser baleado
 e morto em assalto tinha recebido o benefício da saída temporária do Dia das Mães, 
segundo informou a Polícia Civil. Renato Oliveira Pereira, de 33 anos, já foi fichado
 cinco vezes na polícia por roubo. Ele saiu da cadeia no fim de semana para a saída
 temporária.
Na manhã desta segunda-feira (14) ele participou com um comparsa de um assalto a
 uma casa no Morumbi, na Zona Sul de São Paulo. O delegado Mauro Sérgio Sales
 Abdo, de 55 anos, da Polícia Federal, que estava na casa, foi morto pelos bandidos. 
Dois ladrões foram presos.


O delegado que atendeu a ocorrência ficou incorformado com o crime. "Um dos indivíduos
 está preso aqui no hospital e o outro também está sendo conduzido para o Deic", disse o
 delegado Rodrigo Salgado.


"O indivíduo que está no hospital está numa saidinha de dia das mães. Esse indivíduo tem 
33 anos e cinco passagens por roubo - é inconcebível um país sério aceitar uma pessoa
 com cinco passagens por roubo ter um benefício desses, sair no Dia das Mães e estar aí
 à solta, realizando crimes."


Segundo a polícia, por volta das 5h da madrugada os bandidos pularam o muro e invadiram
 a casa. Eles ficaram na garagem esperando a família acordar. Um pouco antes da 7h, 
o delegado da PF abriu a porta da garagem e foi surpreendido.


Ele estava armado e reagiu. Acertou três tiros em um dos ladrões e foi atingido também por 
três tiros, todos no abdômen.


Um amigo da família disse que foi chamado pela mulher do delegado.


"A esposa me ligou: o que ela me disse foi, ela desceu, fez o café, subiu. Ele desceu pra tomar 
o café, ela subiu e começou a ouvir tiro e ele começou a berrar: fui baleado, fui baleado",
 relata Mário Sérgio Ferreira. "E ela desceu, ligou pra polícia, ligou pro hospital, ela é 
médica do Einstein e ligou pra minha casa em seguida. Chegamos todo mundo junto."


O delegado foi levado para um hospital bem próximo, mas não resistiu e morreu. 
A Polícia Federal divulgou uma nota de pesar.


Politica na Rede

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné Equatorial e Congo não investirão mais no Brasil se Bolsonaro for eleito.

Bolsonaro já disse, não tem acordo com a esquerda, países como, Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné equatorial, Congo e entre outros, não levarão nenhum centavo do povo brasileiro.

O Paí já colocou R$ 42 Bilhões na Ilha que ficou mais conhecida como Ilha de Fidel. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.
Uma risonha presidente Dilma Rousseff inaugurou, ao do ditador cubano Raúl Castro, a primeira fase do Porto de Mariel, em Havana.

 Na época a presença de Dilma se devai a uma razão principal : a conta foi paga por ela- na verddae, por todos os brasieliros. O Mariel custou US$ 957 milhões de dólares, dos quais US4 802 milhões vieram de financiamento concedido pelo banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).

 O montante equivale a 2 bilhões. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.

Istoé notícia-Jornal 21 Brasil

TSE suspende propaganda do PT que associa Bolsonaro à tortura

Luis Felipe Salomão, do TSE, suspendeu a propaganda eleitoral em que a coligação petista associa Jair Bolsonaro à ditadura e à tortura.

O ministro atendeu o pedido da defesa de Bolsonaro, que alegou que o programa veiculado viola a lei eleitoral, “uma vez que incute medo na população ao sugerir que se o candidato Jair Bolsonaro for eleito vai perseguir e torturar eventuais opositores políticos”.

“O tribunal tem feito um esforço no sentido de elevar o nível do debate para se evitar a disseminação desse clima de pânico que estão criando”, disse o advogado de Bolsonaro, Tiago Ayres, a O Antagonista.

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…