Pular para o conteúdo principal

Defesa de Lula não quer que Moro receba delação que fala que Joesley ajudou o PT em troca de ajuda no BNDES


Imagem: Amauri Nehn / Brazil Photo Press















A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva quer evitar que trechos complementares
da delação de executivos do grupo J&F, controlador da JBS, fiquem com o juiz Sergio Moro,
responsável pelos processo da Operação Lava-Jato na primeira instância.
Os advogados dele apresentaram uma petição nesta quarta-feira no Supremo Tribunal
Federal (STF) pedindo para que fiquem concentradas na Justiça Federal de Brasília as
investigações que tratam de supostos repasses da JBS ao PT em contas no exterior.
Em troca dos repasses, haveria ajuda em financiamentos no Banco Nacional de
Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).
A defesa recorreu, com o objetivo de que tudo ficasse apenas em Brasília.
A Segunda Turma do STF concordou. Mas na semana passada a PGR pediu
que trechos complementares da delação sobre o mesmo assunto fossem para as duas
unidades da Justiça Federal. Ainda não houve decisão de Fachin a respeito.


"Tal pleito, com todo o respeito, a um só tempo: (i) contraria o mandamento promanado
por essa Corte Máxima e (ii) incorre na possibilidade de o peticionário
(Lula) vir a ser investigado/processado por fatos", argumentaram os advogados
Cristiano Zanin Martins. Valeska Teixeira e Luis Henrique Pichini Santos, que
defendem Lula.


Depois, acrescentaram: "Não se pode conceber a remessa dos elementos originários à
Justiça Federal de Brasília, o que se deu por determinação desse Supremo Tribunal Federal,
e o envio de conteúdo complementar – fornecido a fim de supostamente reforçar os
primeiros – a um juízo distinto."


"Segundo a narrativa dos colaboradores, Joesley Batista teria tratado com o Sr. Guido
Mantega, ex-Ministro da Fazenda, assuntos de interesse da JBS S/A no âmbito do


BNDES. Em contrapartida, o Partido dos Trabalhadores (PT) teria recebido contribuições
em contas no exterior. Joesley Batista ainda afirma — sem qualquer elemento de
corroboração — que o ex-Ministro Mantega teria mencionado que uma dessas contas
poderia ter o Peticionário como beneficiário", escreveu a defesa de Lula. Mantega foi ministro
da Fazenda nos governo de Lula e da ex-presidente Dilma Rousseff, também do PT.

Politica na Rede

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné Equatorial e Congo não investirão mais no Brasil se Bolsonaro for eleito.

Bolsonaro já disse, não tem acordo com a esquerda, países como, Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné equatorial, Congo e entre outros, não levarão nenhum centavo do povo brasileiro.

O Paí já colocou R$ 42 Bilhões na Ilha que ficou mais conhecida como Ilha de Fidel. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.
Uma risonha presidente Dilma Rousseff inaugurou, ao do ditador cubano Raúl Castro, a primeira fase do Porto de Mariel, em Havana.

 Na época a presença de Dilma se devai a uma razão principal : a conta foi paga por ela- na verddae, por todos os brasieliros. O Mariel custou US$ 957 milhões de dólares, dos quais US4 802 milhões vieram de financiamento concedido pelo banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).

 O montante equivale a 2 bilhões. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.

Istoé notícia-Jornal 21 Brasil

Justiça condena Juca Kfouri a pagar R$ 30 mil a Bolsonaro

A 26ª Câmara Cível do Rio determinou que Juca Kfouri e a ESPN paguem indenização de R$ 30 mil, mais correção e juros, por dano moral a Jair Bolsonaro, informa a Veja.

O presidenciável, porém, terá de indenizar o jornalista em R$ 6.000.

O caso começou em 2016, quando Kfouri criticou o comportamento de dois torcedores do Fluminense, comparando-os a torturadores e dizendo que deviam ser apoiadores de Bolsonaro.



Em resposta, o deputado gravou um vídeo com a camisa do Fluminense em que dizia que o jornalista estava “merecendo levar uns tabefes pra aprender a ser homem”.

Em seguida, Bolsonaro entrou com a ação por dano moral, alegando que na vida militar jamais participou de tortura. Na defesa, Kfouri negou ofensa à honra do hoje presidenciável.

RedeTV retirou o púlpito vazio de Lula por exigência de Bolsonaro

O púlpito vazio de Lula foi retirado pela RedeTv, após protesto de Jair Bolsonaro, que ameaçou não participar do debate.

 A Emissora consultou os demais concorrentes que concordaram segundo Igor Gadelha, da Crusoé.

 Diante dessa situação constrangedora, Bolsoanro tem moral mesmo sem ser o presidente, mas pode ser ainda no primeiro turno.