Pular para o conteúdo principal

Delator da Lava Jato é preso em operação contra lavagem de dinheiro de tráfico internacional de drogas

Imagem: Divulgação / PF


















A Polícia Federal (PF) prendeu na manhã desta terça-feira (15) Carlos Alexandre 
de Souza Rocha, conhecido como Ceará, delator da Lava Jato. Outras sete pessoas
 também foram presas em uma operação contra lavagem de dinheiro do tráfico
 internacional de drogas.


Ceará atuava na Lava Jato com o doleiro Alberto Youssef e firmou acordo de delação 
premiada com a Procuradoria-Geral da República (PGR). O acordo foi homologado
 pelo Supremo Tribunal Federal (STF). A PF disse que vai avisar as duas instituições
 para que avaliem a rescisão do acordo.

Ceará foi preso preventivamente, ou seja, por tempo indeterminado, em João Pessoa (PB). 
Como delator da Lava Jato, ele mencionou os políticos Fernando Collor de Mello, Aécio
 Neves, Renan Calheiros e Randolfe Rodrigues.


Outros doleiros


O G1 apurou que, além dele, outros dois operadores financeiros agem no esquema
 investigado pela Operação Efeito Dominó, deflagrada nesta terça.


Um deles, Edmundo Gurgel Junior, foi investigado pela PF no caso Banestado, na
 Operação Farol da Colina, segundo a Polícia Federal. Ele foi alvo de prisão 
preventiva, no Recife (PE).


O outro doleiro preso é José Maria Gomes. A prisão dele é temporária e ocorreu 
no Rio de Janeiro (RJ).


Todos os presos serão levados para a Superintendência da PF, em Curitiba. O G1
 tenta localizar os advogados dos citados.


Operação Efeito Dominó


Batizada de Efeito Dominó, a ação é um desdobramento da Operação Spectrum,
 deflagrada em 2017. Na ocasião, Luiz Carlos da Rocha – o Cabeça Branca, um
 dos maiores traficantes da América do Sul, segundo a PF – foi preso em
 Sorriso (MT).


De acordo com a PF, a investigação policial apontou uma "complexa e organizada 
estrutura" destinada à lavagem de recursos provenientes do tráfico internacional de entorpecentes.


A estratégia da operação, conforme a PF, é baseda na ligação de interesses das atividades
 ilícitas dos "clientes dos doleiros" investigados. Até o momento, a Polícia Federal não 
havia dito quem são esses "clientes", nem o ramo de atuação.


De um lado, havia a necessidade de disponibilidade de grande volume de reais em espécie 
para o pagamento de propinas, segundo a PF.


Do outro, de acordo com a PF, traficantes internacionais como – Cabeça Branca –
 tinham disponibilidade de recursos em moeda nacional e necessitavam de dólares 
para fazer as transações internacionais com fornecedores de cocaína.


Ao todo, são 26 mandados judiciais expedidos pela 23ª Vara Federal de Curitiba.
 Há 18 de busca e apreensão, cinco de prisão preventiva e três de prisão temporária.


Os mandados são cumpridos no Rio de Janeiro, Pernambuco, Ceará, Paraíba, 
Mato Grosso do Sul, Distrito Federal e em São Paulo.


Crimes de lavagem de dinheiro, contra o Sistema Financeiro Nacional, organização
 criminosa e associação para o tráfico internacional de entorpecentes são apurados
 pela Operação Efeito Dominó.


Ceará


Ceará, preso na Operação Efeito Dominó, é um dos delatores da Operação Lava Jato.
 Ele trabalhava para o doleiro Alberto Youssef.


Em 2014, Ceará disse, em depoimento, que foi a Maceió e levou R$ 300 mil para o 
ex-presidente da República Fernando Collor de Mello (PTB-AL) em pacotes de notas de R$ 100. O depoimento foi homologado em 2015.


À época, Collor negou conhecer Ceará e questionou a credibilidade do seu depoimento.


O delator também mencionou, em depoimento, que o senador Aécio Neves (PSDB-MG)
 recebeu R$ 300 mil a mando de Youssef. Aécio negou a afirmação.


Ceará ainda citou a entrega de dinheiro a outros políticos, entre eles, os senadores 
Renan Calheiros (PMDB-AL) e Randolfe Rodrigues (Rede-AP). 
Contudo, Alberto Youssef negou o repasse de valores a Randolfe Rodrigues, e o
 STF não viu motivo para investigá-lo. Renan Calheiros negou ter recebido
 dinheiro.

Politica na Rede

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…

Pré-candidato, Collor diz que não se arrepende de confisco da poupança

Ex-presidente falou sobre a prisão de Lula: "uma injustiça"

O ex-presidente e atual senador Fernando Collor (PTC), em entrevista à Folha de S.Paulo publicada nesta sexta-feira (13), afirmou que o confisco das cadernetas de poupança implementado por seu governo "era uma necessidade absoluta" e que "faria do mesmo jeito" se tivesse que voltar àquele momento.


"Era uma necessidade absoluta. Se voltando àquele momento, faria do mesmo jeito. Tem a questão do próprio impeachment, que é uma coisa interessante", disse, ao ser questionado se o gesto foi um equívoco.


"O que houve foi um bloqueio do dinheiro que circulava na economia. A inflação estava em 82% ao mês. Havia instrumentos de especulação financeiros danosos, tínhamos que criar um ambiente em que pudéssemos fazer um congelamento de preços, que é algo terrível, uma medida que a gente deve evitar o quanto possível", disse ele na entrevista.


O senador disse ainda que continuará com a pré-can…

Briga entre advogados de Lula se torna explícita e agora envolve familiares

12911
A humilhação a que o abobalhado Cristiano Zanin submeteu o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Sepúlveda Pertence, extrapolou os limites do bom senso e da discrição e já envolve parentes dos envolvidos. A indignação do filho de Sepúlveda, Evandro Pertence, segundo conta o jornal Estadão, foi estampada no seguinte torpedo disparado contra Cristiano Zanin e Valeska Teixeira Martins, num grupo de WhatsApp: “Não precisamos de vocês para ter qualquer tipo de protagonismo! Meu pai é e sempre será maior que vocês”. Lamentável que, certamente por dinheiro – não há outra explicação - Sepúlveda se nivele por tão baixo.
Perdemos um grande jurista para o PT. É mais um estrago provocado por esta infame organização criminosa. É também a demonstração da notória inteligência da seguinte expressão popular: "Quem com porcos anda, farelo come."
Informação do Jornal da Cidade