Pular para o conteúdo principal

Delator da Lava Jato é preso em operação contra lavagem de dinheiro de tráfico internacional de drogas

Imagem: Divulgação / PF


















A Polícia Federal (PF) prendeu na manhã desta terça-feira (15) Carlos Alexandre 
de Souza Rocha, conhecido como Ceará, delator da Lava Jato. Outras sete pessoas
 também foram presas em uma operação contra lavagem de dinheiro do tráfico
 internacional de drogas.


Ceará atuava na Lava Jato com o doleiro Alberto Youssef e firmou acordo de delação 
premiada com a Procuradoria-Geral da República (PGR). O acordo foi homologado
 pelo Supremo Tribunal Federal (STF). A PF disse que vai avisar as duas instituições
 para que avaliem a rescisão do acordo.

Ceará foi preso preventivamente, ou seja, por tempo indeterminado, em João Pessoa (PB). 
Como delator da Lava Jato, ele mencionou os políticos Fernando Collor de Mello, Aécio
 Neves, Renan Calheiros e Randolfe Rodrigues.


Outros doleiros


O G1 apurou que, além dele, outros dois operadores financeiros agem no esquema
 investigado pela Operação Efeito Dominó, deflagrada nesta terça.


Um deles, Edmundo Gurgel Junior, foi investigado pela PF no caso Banestado, na
 Operação Farol da Colina, segundo a Polícia Federal. Ele foi alvo de prisão 
preventiva, no Recife (PE).


O outro doleiro preso é José Maria Gomes. A prisão dele é temporária e ocorreu 
no Rio de Janeiro (RJ).


Todos os presos serão levados para a Superintendência da PF, em Curitiba. O G1
 tenta localizar os advogados dos citados.


Operação Efeito Dominó


Batizada de Efeito Dominó, a ação é um desdobramento da Operação Spectrum,
 deflagrada em 2017. Na ocasião, Luiz Carlos da Rocha – o Cabeça Branca, um
 dos maiores traficantes da América do Sul, segundo a PF – foi preso em
 Sorriso (MT).


De acordo com a PF, a investigação policial apontou uma "complexa e organizada 
estrutura" destinada à lavagem de recursos provenientes do tráfico internacional de entorpecentes.


A estratégia da operação, conforme a PF, é baseda na ligação de interesses das atividades
 ilícitas dos "clientes dos doleiros" investigados. Até o momento, a Polícia Federal não 
havia dito quem são esses "clientes", nem o ramo de atuação.


De um lado, havia a necessidade de disponibilidade de grande volume de reais em espécie 
para o pagamento de propinas, segundo a PF.


Do outro, de acordo com a PF, traficantes internacionais como – Cabeça Branca –
 tinham disponibilidade de recursos em moeda nacional e necessitavam de dólares 
para fazer as transações internacionais com fornecedores de cocaína.


Ao todo, são 26 mandados judiciais expedidos pela 23ª Vara Federal de Curitiba.
 Há 18 de busca e apreensão, cinco de prisão preventiva e três de prisão temporária.


Os mandados são cumpridos no Rio de Janeiro, Pernambuco, Ceará, Paraíba, 
Mato Grosso do Sul, Distrito Federal e em São Paulo.


Crimes de lavagem de dinheiro, contra o Sistema Financeiro Nacional, organização
 criminosa e associação para o tráfico internacional de entorpecentes são apurados
 pela Operação Efeito Dominó.


Ceará


Ceará, preso na Operação Efeito Dominó, é um dos delatores da Operação Lava Jato.
 Ele trabalhava para o doleiro Alberto Youssef.


Em 2014, Ceará disse, em depoimento, que foi a Maceió e levou R$ 300 mil para o 
ex-presidente da República Fernando Collor de Mello (PTB-AL) em pacotes de notas de R$ 100. O depoimento foi homologado em 2015.


À época, Collor negou conhecer Ceará e questionou a credibilidade do seu depoimento.


O delator também mencionou, em depoimento, que o senador Aécio Neves (PSDB-MG)
 recebeu R$ 300 mil a mando de Youssef. Aécio negou a afirmação.


Ceará ainda citou a entrega de dinheiro a outros políticos, entre eles, os senadores 
Renan Calheiros (PMDB-AL) e Randolfe Rodrigues (Rede-AP). 
Contudo, Alberto Youssef negou o repasse de valores a Randolfe Rodrigues, e o
 STF não viu motivo para investigá-lo. Renan Calheiros negou ter recebido
 dinheiro.

Politica na Rede

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O sumiço da Faca e o registro na Câmara: Adelio não agiu sozinho, alerta Alexandre Garcia (Veja o Vídeo)

Algo de muito podre ronda a Polícia Legislativa da Câmara dos Deputados.

Após o golpe em Jair Bolsonaro, Adelio se livrou rapidamente da faca. Tudo indica que repassou para alguém, tanto é que a ‘arma branca’ foi encontrada numa barraca de ambulante, nas imediações. Alguém jogou esta faca onde foi achada. Parece óbvio. A questão do registro na Câmara também deve ser cuidadosamente examinada. Algo de muito podre ronda a Polícia Legislativa da Câmara dos Deputados. O diretor do setor alega que um recepcionista registrou por engano a entrada de Adélio Bispo de Oliveira no local, no dia 6 de setembro, o dia do atentado contra Jair Bolsonaro. Ora, foram constatados os registros de duas entradas do criminoso. O tal servidor registrou por engano duas vezes? E o nome do servidor distraído agora é mantido sob sigilo? Parece óbvio que caso o atentado tivesse sido exitoso e no meio da multidão Adelio alcançasse a fuga, o álibi estaria pronto. Esse era o plano e isto parece bem claro. Veja o vídeo…

PT atrasa pagamentos e funcionários da campanha cruzam os braços

Por causa de atraso nos pagamentos, parte dos funcionários da campanha do PT à Presidência nas eleições 2018 decidiu cruzar os braços e interrompeu os trabalhos nesta semana, em meio à substituição do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso na Lava Jato, por Fernando Haddad como cabeça de chapa. Os profissionais integram as equipes responsáveis pela produção dos programas eleitorais do partido para a TV, o que ameaça a entrega dos novos comerciais da coligação.
O Estadão/Broadcast apurou que parte da equipe de pré e pós-produção de vídeo da campanha petista está parada há pelo menos dois dias, o que pode atrapalhar a produção de programas dedicados a apresentar Haddad como indicado de Lula, cuja candidatura foi barrada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), com base na lei da Ficha Limpa, que torna inelegível condenados por decisão colegiada.
A paralisação dentro da campanha começou, de maneira progressiva, na semana passada, durante o feriado de 7 de Setembro. Os co…

Alvaro Dias chama Bolsonaro de “vagabundo bandido” e “quase morto” e recebe resposta do senador Magno Malta

Sem saber que estava sendo gravado, Álvaro Dias aproveitou para destilar todo o seu veneno com comentários maldosos sobre Jair Bolsonaro. O candidato do Podemos afirmou que Bolsonaro é um “vagabundo bandido” e que ‘ta quase morto”. Ainda no mesmo trecho, Dias afirma que “se não fosse a facada eu estaria destruindo ele hoje.”
Alvaro Dias ataca Bolsonaro e recebe A RESPOSTA de Magno Malta