Pular para o conteúdo principal

Dilma diz que 'preso ou solto, condenado ou absolvido', Lula reconstruirá o país


Imagem: Cynthia Vanzella / Divulgação


















"É importante que as eleições não sejam manipuladas", afirmou a ex-presidente petista
 Dilma Rousseff, em entrevista à rede britânica BBC, nesta quarta-feira (16), quando
 perguntada se os brasileiros aceitariam o resultado eleitoral em outubro sem o ex-presidente
 Lula, preso há um mês, no pleito. 


"É importante que a população brasileira tenha convicção disso [da não manipulação]", disse Dilma.
 "Você não acha que houve um golpe no Brasil, eu acho que houve. E eu tenho mais experiência
 de golpe que o senhor", disse ao entrevistador Shaun Ley. 
"Eu vivi um golpe da ditadura militar dentro de uma prisão. Eu sei a capacidade da elite brasileira
 de ser golpista. Há um processo no Brasil e ele tem que ser interrompido pelo bem dos 
brasileiros", afirmou a ex-presidente.

Para ela, quem pode ajudar a interromper esse processo e estabilizar as condições democráticas
 do país é Lula, que cumpre pena de 12 anos e um mês de prisão, pelos crimes de corrupção e
 lavagem de dinheiro no caso do tríplex de Guarujá (SP).

“Temos que restabelecer as condições democráticas, inclusive nas instituições. Eu acredito, de 
uma forma muito forte, que o presidente Lula pode ajudar nessa estabilização", disse Dilma.
 "Eu acredito em mais do que isso. Preso ou solto, condenado ou absolvido, ele será
 necessariamente uma presença na reconstrução do Brasil."

O petista também é a resposta para a divisão do país, que vai da "Suprema Corte ao local mais
 humilde", segundo Dilma. 

"Lula é um conciliador, nunca foi uma pessoa radical que não soubesse construir consensos,
 nem tampouco criar pontes", disse, lembrando que o ex-presidente é criticado pelas alianças que
 fez para governar. 

Folha Política

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O sumiço da Faca e o registro na Câmara: Adelio não agiu sozinho, alerta Alexandre Garcia (Veja o Vídeo)

Algo de muito podre ronda a Polícia Legislativa da Câmara dos Deputados.

Após o golpe em Jair Bolsonaro, Adelio se livrou rapidamente da faca. Tudo indica que repassou para alguém, tanto é que a ‘arma branca’ foi encontrada numa barraca de ambulante, nas imediações. Alguém jogou esta faca onde foi achada. Parece óbvio. A questão do registro na Câmara também deve ser cuidadosamente examinada. Algo de muito podre ronda a Polícia Legislativa da Câmara dos Deputados. O diretor do setor alega que um recepcionista registrou por engano a entrada de Adélio Bispo de Oliveira no local, no dia 6 de setembro, o dia do atentado contra Jair Bolsonaro. Ora, foram constatados os registros de duas entradas do criminoso. O tal servidor registrou por engano duas vezes? E o nome do servidor distraído agora é mantido sob sigilo? Parece óbvio que caso o atentado tivesse sido exitoso e no meio da multidão Adelio alcançasse a fuga, o álibi estaria pronto. Esse era o plano e isto parece bem claro. Veja o vídeo…

PT atrasa pagamentos e funcionários da campanha cruzam os braços

Por causa de atraso nos pagamentos, parte dos funcionários da campanha do PT à Presidência nas eleições 2018 decidiu cruzar os braços e interrompeu os trabalhos nesta semana, em meio à substituição do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso na Lava Jato, por Fernando Haddad como cabeça de chapa. Os profissionais integram as equipes responsáveis pela produção dos programas eleitorais do partido para a TV, o que ameaça a entrega dos novos comerciais da coligação.
O Estadão/Broadcast apurou que parte da equipe de pré e pós-produção de vídeo da campanha petista está parada há pelo menos dois dias, o que pode atrapalhar a produção de programas dedicados a apresentar Haddad como indicado de Lula, cuja candidatura foi barrada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), com base na lei da Ficha Limpa, que torna inelegível condenados por decisão colegiada.
A paralisação dentro da campanha começou, de maneira progressiva, na semana passada, durante o feriado de 7 de Setembro. Os co…

Alvaro Dias chama Bolsonaro de “vagabundo bandido” e “quase morto” e recebe resposta do senador Magno Malta

Sem saber que estava sendo gravado, Álvaro Dias aproveitou para destilar todo o seu veneno com comentários maldosos sobre Jair Bolsonaro. O candidato do Podemos afirmou que Bolsonaro é um “vagabundo bandido” e que ‘ta quase morto”. Ainda no mesmo trecho, Dias afirma que “se não fosse a facada eu estaria destruindo ele hoje.”
Alvaro Dias ataca Bolsonaro e recebe A RESPOSTA de Magno Malta