Pular para o conteúdo principal

Em um só dia, Fachin nega 35 habeas corpus em nome de Lula

Imagem: Produção Ilustrativa / Folha Política



Em um só dia, o ministro Edson Fachin, relator dos processos da Operação 
Lava-Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), negou 35 habeas corpus em
 nome do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva,preso em Curitiba em
 razão de condenação na Lava-Jato. Todos eles foram apresentados por
 pessoas que não fazem parte da defesa de Lula, mas queriam vê-lo solto.
 O mais antigo desses habeas corpus é de 16 de abril, sete dias depois de
 Lula ter se entregado à Polícia Federal (PF). O mais recente é de
22 de maio. As decisões foram tomadas na última segunda-feira.


Fachin destacou que, embora seja possível qualquer pessoa apresentar um

 habeas corpus em nome de outra, isso é relevante quando preso não tem 
advogado. Esse não é o caso de Lula. Assim o ministro destacou que "deve
 ser prestigiada a atuação da defesa constituída" pelo ex-presidente 
O entendimento vigente no STF é de que condenados em segunda instância,
 como Lula, podem ser presos antes de seus recursos serem julgados em 
cortes superiores. Mas Fachin não chegou a tratar desse ponto em sua 
decisão.


Desde que o juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da

 Lava-Jato na primeira instância, decretou a prisão de Lula, em 5 de abril,
 o STF já tinha negado outros 23 habeas corpus feitos por terceiros em
 nome do ex-presidente. Deles, 12 foram rejeitados por Fachin.
Outros dez foram indeferidos pela presidente do STF, ministra Cármen
 Lúcia. Houve ainda um que caiu com o ministro Alexandre de Moraes,
 que também rejeitou o pedido. Há ainda um habeas corpus não julgado
 até agora, no gabinete do ministro Marco Aurélio Mello. Na terça-feira, 
houve mais um habeas corpus em nome de Lula, negado no mesmo dia por 
Fachin.


A própria defesa de Lula também já apresentou alguns pedidos de liberdade

 no STF. Até agora não obteve êxito. O primeiro chegou à Corte antes mesmo
 da prisão. O objetivo era garantir que ele pudesse recorrer da condenação 
na Lava-Jato aos tribunais superiores em liberdade. Mas Fachin negou o 
pedido. Depois o ministro mandou o caso para julgamento no plenário do 
tribunal, que, por seis votos a cinco, manteve sua decisão. Após a ordem
 de prisão, a defesa recorreu mais duas vezes, mas Fachin voltou a dizer
 não.


Em janeiro deste ano, Lula foi condenado a 12 anos e um mês de prisão pelo

 Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), com sede em Porto Alegre e
 responsável pela Lava-Jato na segunda instância. Com isso, elevou a pena 
de nove anos imposta anteriormente por Moro pelos crimes de corrupção 
passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex do Guarujá (SP).


Em março, o TRF4 negou um recurso da defesa. No começo de abril, o STF 

negou um habeas corpus,abrindo caminho para a decretação da prisão. 
Em 11 de maio, a Segunda Turma do STF, por unanimidade, negou novo 
recurso apresentado pela defesa. Lula está detido desde o dia 7 de abril 
na carceragem da PF em Curitiba.

Folha Política

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bolsonaro reage a Boulos: “Vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”

Em sua ‘live’ de domingo no Facebook, Jair Bolsonaro reagiu ao vídeo de um comício feito por Guilherme Boulos na quarta-feira passada, ao lado de Gleisi Hoffmann, em cima de um carro de som no Masp, em São Paulo, no qual o candidato derrotado do PSOL disse que só deixaria passar o feriadão para voltar a fazer mobilizações pelo país e a militância cantou em coro: “Ô Bolsonaro, presta atenção, a sua casa vai virar ocupação”. Boulos afirmou que “o MTST ocupa terreno improdutivo, e a casa do Bolsonaro não me parece uma coisa muito produtiva”. “Você deve ter visto um vídeo de ontem, ou anteontem, do Boulos insuflando uma massa enorme para invadir, ocupar a minha residência. O que você faria se o Boulos e 2 mil pessoas ameaçassem invadir a sua residência? Se eu for o presidente e se o Parlamento assim entender, nós vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”, disse Bolsonaro.
O Antagonista

Patrícia Pillar critica Regina Duarte por apoio a Bolsonaro

Através de comentário feito na postagem, Patrícia usou várias narrativas esquerdistas para indicar que o candidato do PSL não seria capaz de ocupar o cargo de presidente do Brasil.

Na tarde desta quinta-feira (11), a atriz Regina Duarte, da Rede Globo, que já havia sinalizado o apoio ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), usou as redes sociais para fazer novas críticas ao Partido dos Trabalhadores, do candidato Fernando Haddad.

A atriz global compartilhou uma imagem com uma comparação entre o salário mínimo e outra quantia com a indicação de “Bolsa Presidiário”, fazendo referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A imagem ainda traz o questionamento: “Tem certeza que o PT sabe governar?”

Após a publicação, a atriz Patrícia Pillar, colega de emissora, rebateu a postagem por meio de comentário, assumindo uma posição contra Bolsonaro.

A ex-mulher de Ciro Gomes (PDT) declarou:


Com toda admiração e respeito que tenho por você Regina, faço aqui uma ponderação: de antemão te digo que n…

Haddad tenta jogar católicos contra evangélicos

O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, participou de uma missa em São Paulo nesta sexta-feira (12). Em entrevista, logo após, o petista atacou Bolsonaro e tentou dividir cristãos. O dia de Nossa Senhora Aparecida foi utilizado pelo Partido dos Trabalhadores (PT) para tentar construir a imagem de um Fernando Haddad com bases religiosas. “Eu sou neto de um líder religioso”, respondeu o candidato do PT ao ser chamado de “abortista” por uma cristã após a missa na paróquia Santos Mártires, no Jardim Ângela, em São Paulo.