Pular para o conteúdo principal

Entidades de juízes e do Ministério Público repudiam declarações de Gilmar Mendes


Imagem: Reprodução / Redes Sociais


















A Frente Associativa da Magistratura e do Ministério Público (Frentas) divulgou nota
 pública em repúdio a declarações do ministro Gilmar Mendes durante o julgamento no
 Supremo Tribunal Federal sobre o foro por prerrogativa de função, na última quinta-feira (3).


Segundo a nota, assinada por dirigentes de nove entidades ligadas à Frentas, o ministro
“lançou ataques aos juízes e membros do Ministério Público”, ao dizer que “o sistema
de Justiça Criminal nos diversos estados da federação é disfuncional e não está
preparado para julgar detentores de foro”.

Gilmar Mendes afirmou que, ao deixar os processos “com essa gente”, a situação vai ser
 pior do que é no Supremo. “Vai dar errado”, manifestou.

“Essa gente”, a que se referiu o ministro, eram os juízes de primeiro grau –esclarece a nota.

“De forma genérica, sem dados específicos, [o ministro] questionou a remuneração de
juízes e membros do Ministério Público, mas não apresentou, como de costume,
soluções adequadas”.


A nota afirma que “as declarações desrespeitosas contra a atuação dos juízes e
membros do Ministério Público brasileiros são despropositadas e com o nítido
 objetivo de desestabilizar o sistema de Justiça”.

Em outubro de 2016, a Frentas publicou nota pública em que externava “indignação
” diante de declarações de Gilmar Mendes, na época presidente do Tribunal Superior
Tribunal Eleitoral, acerca do suposto uso de ações de improbidade por integrantes do
 Ministério Público e da Magistratura, acusando-os de “chantagear”
 e “ameaçar” parlamentares, além de “praticar, às escâncaras, abusos de
 autoridade”.

As entidades lembraram, na ocasião, que o ministro “está impedido de
manifestar juízo depreciativo sobre despachos, votos ou sentenças de órgãos
judiciais”, exceto nos autos, em obras técnicas ou no exercício do magistério.


Veja a íntegra da Nota Pública:


A Frente Associativa da Magistratura e do Ministério Público (Frentas),
constituída pelas entidades ao final subscritas, congregando mais de 40 mil juízes
e membros do Ministério Público em todo o país, repudia as declarações
desrespeitosas do ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes,
 por ocasião do julgamento, na quinta-feira (3), de questão de ordem levantada nos
 autos da Ação Penal nº 937, contra a atuação dos juízes e membros do
Ministério Público brasileiros.
Após formada ampla maioria em favor da tese apresentada pelo relator, ministro
 Luís Roberto Barroso, no sentido de que o foro por prerrogativa de função aplica-se
apenas aos crimes cometidos durante o exercício do cargo e relacionados
às funções desempenhadas, o ministro Gilmar lançou ataques ao juízes e membros
do Ministério Público. Disse que o sistema de Justiça Criminal nos diversos estados
da federação é disfuncional e não está preparado para julgar detentores de foro.
De forma desrespeitosa, após discorrer sobre pontos não diretamente ligados à
 questão jurídica discutida no plenário do Supremo Tribunal Federal sobre o alcance
 do foro por prerrogativa de função, chegou a dizer que, ao deixar os processos “com
essa gente”, a situação vai ser pior do que é no Supremo. “Vai dar errado”,
manifestou S. Exa. “Essa gente”, a que se referiu o ministro, eram os juízes de primeiro
 grau.
Causa espécie, também, que um ministro da Corte guardiã da Constituição Federal
se indague sobre a necessidade de “25 ou 26” (na verdade 24) Tribunais Regionais
 do Trabalho, diante dos diversos comandos constitucionais de garantia de acesso
 à Justiça aos cidadãos. No caso da Justiça do Trabalho, o constituinte expressou
 a importante preocupação com sua atuação em todo o território nacional, como
 se percebe claramente dos artigos 112 e 115, §§ 1º e 2º (com a redação dada
 pela EC nº 45/2014).
Bastaria ao ministro consultar os dados do relatório Justiça em Números, do Conselho
 Nacional de Justiça – órgão do qual, aliás, já foi Presidente. Os 24 Tribunais
Regionais do Trabalho cumprem satisfatoriamente sua missão constitucional e
 garantem uma Justiça do Trabalho altamente operosa (número de processos
julgados), célere (média de tempo da tramitação), eficaz (valores distribuídos)
e informatizada (números do Pje).
É exatamente nestes trágicos tempos de reformas legislativas e institucionais
agravantes do desemprego, da precarização do trabalho, da insegurança jurídica,
das perdas de receitas ao erário, de rendição do governo aos interesses do
 grande capital financeiro e, com tudo isso, de descumprimento da Constituição,
 que se torna ainda mais imprescindível a Justiça do Trabalho interiorizada,
funcional, espraiada por todo o País, próxima e acessível ao cidadão.
Ao tecer críticas aos juízes e membros do Ministério Público, Mendes também atacou,
 de forma descontextualizada, o sistema remuneratório da Justiça. De forma genérica,
 sem dados específicos, questionou a remuneração de juízes e membros do Ministério
 Público, mas não apresentou, como de costume, soluções adequadas.
De outra parte, as declarações desrespeitosas contra a atuação dos juízes e
membros do Ministério Público brasileiros são despropositadas e com o nítido
 objetivo de desestabilizar o sistema de Justiça. Ao votar, o ministro deixou de se ater
 ao cerne da discussão jurídica e passou a ofender e desqualificar o trabalho dos
 magistrados, membros do Ministério Público e servidores que atuam incansavelmente
 nas mais diversas e caóticas regiões do Brasil.
Os ataques ao sistema remuneratório das referidas carreiras são descontextualizados
e fora de uma discussão maior, que envolve a ausência de reajuste por anos de
vencimentos das categorias. A magistratura e o Ministério Público não se furtam
à discussão sobre férias e outros direitos, mas entendem deve ocorrer o âmbito correto.
A Frentas defende a independência funcional da magistratura e do Ministério Público
 e manifesta apoio integral aos juízes e membros do MP de todo o País, que têm
 atuado com firmeza, coragem, desprendimento e ética nas suas atividades.
Os resultados do trabalho dos juízes e seu retorno à sociedade são públicos,
com avanço civilizatório na defesa dos direitos fundamentais individuais e sociais dos
 cidadãos e no combate à corrupção.



José Robalinho Cavalcanti
Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR)
Coordenador da Frente Associativa da Magistratura e do Ministério Público
(Frentas)

Roberto Carvalho Veloso
Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe)

Victor Hugo Palmeiro de Azevedo Neto
Associação Nacional dos Membros do Ministério Público (Conamp)

Jayme Martins de Oliveira Neto
Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB)

Guilherme Guimarães Feliciano
Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra)

Ângelo Fabiano Farias da Costa
Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho (ANPT)

Antônio Pereira Duarte
Associação Nacional do Ministério Público Militar (ANMPM)

Elísio Teixeira Lima Neto
Associação do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (AMPDFT)

Fábio Francisco Esteves
Associação dos Magistrados do Distrito Federal e Territórios (Amagis-DF)

Folha Politica

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…

Pré-candidato, Collor diz que não se arrepende de confisco da poupança

Ex-presidente falou sobre a prisão de Lula: "uma injustiça"

O ex-presidente e atual senador Fernando Collor (PTC), em entrevista à Folha de S.Paulo publicada nesta sexta-feira (13), afirmou que o confisco das cadernetas de poupança implementado por seu governo "era uma necessidade absoluta" e que "faria do mesmo jeito" se tivesse que voltar àquele momento.


"Era uma necessidade absoluta. Se voltando àquele momento, faria do mesmo jeito. Tem a questão do próprio impeachment, que é uma coisa interessante", disse, ao ser questionado se o gesto foi um equívoco.


"O que houve foi um bloqueio do dinheiro que circulava na economia. A inflação estava em 82% ao mês. Havia instrumentos de especulação financeiros danosos, tínhamos que criar um ambiente em que pudéssemos fazer um congelamento de preços, que é algo terrível, uma medida que a gente deve evitar o quanto possível", disse ele na entrevista.


O senador disse ainda que continuará com a pré-can…

Briga entre advogados de Lula se torna explícita e agora envolve familiares

12911
A humilhação a que o abobalhado Cristiano Zanin submeteu o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Sepúlveda Pertence, extrapolou os limites do bom senso e da discrição e já envolve parentes dos envolvidos. A indignação do filho de Sepúlveda, Evandro Pertence, segundo conta o jornal Estadão, foi estampada no seguinte torpedo disparado contra Cristiano Zanin e Valeska Teixeira Martins, num grupo de WhatsApp: “Não precisamos de vocês para ter qualquer tipo de protagonismo! Meu pai é e sempre será maior que vocês”. Lamentável que, certamente por dinheiro – não há outra explicação - Sepúlveda se nivele por tão baixo.
Perdemos um grande jurista para o PT. É mais um estrago provocado por esta infame organização criminosa. É também a demonstração da notória inteligência da seguinte expressão popular: "Quem com porcos anda, farelo come."
Informação do Jornal da Cidade