Pular para o conteúdo principal

'Falta uma Lava-Jato contra o tráfico', afirma general


- Ricardo Rodrigues Canhaci foi responsável por chefiar tropas paulistas em operação Complexo da Maré, no Rio, entre 2014 e 2015


(foto: Divulgação/Exército Brasileiro)


"Falta uma Lava-Jato no Brasil para enfrentar os crimes vinculados ao narcotráfico, tráfico de armas e roubo de carga", afirmou o general de divisão Ricardo Rodrigues Canhaci nesta quarta-feira, 16, em painel organizado pelo Comando Militar do Sudeste (CMSE) para discutir a participação das Forças Armadas na segurança pública e no combate ao crime organizado. Com participação de professores universitários, o ciclo de palestras foi marcado por falas em tom político e discurso anticorrupção.

Canhaci foi responsável por chefiar as tropas paulistas na Operação de Garantia de Lei e da Ordem no Complexo da Maré, no Rio, entre 2014 e 2015. Na época, a comunidade era alvo de disputa entre as facções criminosas Comando Vermelho (CV), Terceiro Comando Puro (TCP) e Amigo dos Amigos (ADA), além das milícias.

"Temos de aproveitar essa onda da Lava-Jato, a expertise que o Ministério Público e as polícias estão desenvolvendo na questão da lavagem de dinheiro, para fazer isso em cima das organizações criminosas", disse Canhaci. "Eles têm de perder poder econômico." Para o general doleiros presos na Lava Jato podem ter atuado para facções.

Na sua palestra, o cientista político Leandro Piquet, da Universidade de São Paulo (USP), afirmou que a atual intervenção no Rio, decretada em 16 de fevereiro, é uma chance de "reorganizar o serviço de segurança".


"Não é uma intervenção militar, mas sim uma intervenção federal no Estado pela União", afirmou o professor de Direito Internacional Antônio Márcio da Cunha Guimarães, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Já o especialista em Relações Internacionais Alberto Pfeifer Filho, da USP, afirmou que no Brasil e no México têm havido uma profissionalização das facções criminosas, como já havia ocorrido na Colômbia. Política: Villas Bôas diz esperar que próximo presidente melhore remuneração dos militares

Comandante do CMSE, o general de Exército Luiz Eduardo Ramos Baptista Pereira fez piada sobre sugestões de que pode haver um "golpe militar". "Qual golpe? De caratê?!", indagou. "O povo que tem de resolver seus problemas pelo voto."

(Felipe Resk)

Informação Uol Notícias

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné Equatorial e Congo não investirão mais no Brasil se Bolsonaro for eleito.

Bolsonaro já disse, não tem acordo com a esquerda. países como, Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola Guiné equatorial Congo e entre outros, não levarão nenhum centavo do povo brasileiro.

O Paí já colocou R4 2 Bilhões na Ilha que ficou mais conmhecida como Ilha de Fidel. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.
Uma risonha presidente Dilma Rousseff inaugurou, ao do ditador cubano Raúl Castro, a primeira fase do Porto de Mariel, em Havana.

 Na época a presença de Dilma se devai a uma razão principal : a conta foi paga por ela- na verddae, por todos os brasieliros. O Mariel custou US$ 957 milhões de dólares, dos quais US4 802 milhões vieram de financiamento concedido pelo banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).

 O montante equivale a 2 bilhões.Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.

Istoé notícia-Jornal 21 Brasil

Bolsonaro volta a defender castração química para estupradores

O candidato Jair Bolsonaro (PSL) voltou a defender a castração química para estupradores em debate da Band, na noite desta quinta-feira. Ele foi questionado pelo senador Alvaro Dias (Podemos) sobre o que deveria ser feito para combater o crescimento do número de estupros e a desigualdade de gênero no Brasil.
O Brasil registrou 60.018 estupros, 164 casos por dia, e 221.238 crimes enquadrados na Lei Maria da Penha (606 casos por dia) ao longo de 2017. O número de estupros representa um crescimento de 8,4% em relação a 2016, mas não é possível saber a variação relativa aos casos de violência doméstica, já que este é o primeiro ano que o Fórum Brasileiro de Segurança Pública captou dos Estados dados dessa natureza.
Especialistas do Fórum acreditam que ambos os registros estejam subdimensionados dada a dificuldade de registro na polícia desses crimes. Ainda assim, a quantidade é considerada alarmante e pede a implementação de políticas específicas.

IstoÉ

A carta de princípios de Bolsonaro

Jair Bolsonaro não vai apresentar ao TSE um programa de governo tradicional, mas uma carta de princípios.

Segundo a Folha, o candidato vai dar ênfase à Segurança Pública, propor o corte de mais de uma dezena de ministérios e detalhar um pouco mais o plano econômico de Paulo Guedes.

Haverá ainda uma parte dedicada ao combate à corrupção. “A ideia de Bolsonaro é se apresentar para o eleitor como o único candidato à Presidência que manterá o funcionamento da Operação Lava Jato”.
A equipe de Bolsonaro estuda ainda zerar impostos e complementar a renda dos mais pobres.
O Antagonista