Pular para o conteúdo principal

Fãs cristãos se dizem “decepcionados” após o U2 apoiar o aborto na Irlanda


06/05/2018


Banda de rock irlandesa U2



A famosa banda de rock U2 expressou no seu Twitter, apoio à legalização do aborto na Irlanda,seu país natal, na terça-feira, 1º de maio, para o desalento de muitos fãs cristãos que dizem que não vão mais apoiar o grupo.

Através de suas contas oficiais nas redes sociais, U2 publicou uma mensagem incentivando a votar a favor do aborto no referendo do dia 25 de maio.


Ver imagem no Twitter

Vote on May 25th

nformações e privacidade no Twitter Ads

O U2 twittou a foto acima apoiando a campanha “Revogar o oitavo” pedindo aos cidadãos
 irlandeses que votem “Sim” em 25 de maio para revogar a oitava emenda da Constituição da
Irlanda que declara: “O Estado reconhece o direito à vida do feto e, com a devida consideração
 ao igual direito à vida da mãe, garante em suas leis respeitar e, na medida do possível,
 por suas leis defender e reivindicar esse direito “.

O governo da Irlanda aprovou que no dia 25 de maio se realize um referendo para decidir se
revoga ou não a emenda que defende a vida o ventre materno, e ofereceu promover uma lei
para permitir o aborto até a 12ª semana de gestação, caso vença o “sim”.

Se revogadas, as mulheres poderão ter acesso a abortos até 12 semanas. Abortos de até 23
semanas podem ser realizados por “circunstâncias excepcionais”, segundo Simon Harris,
ministro da Saúde do país, ou em meio a preocupações com a saúde mental da mãe, como
o risco de suicídio.

O aborto só é legal na Irlanda em casos de emergência médica ou se três médicos concordarem
 que a mãe está em risco de suicídio. Atualmente, as mulheres também podem viajar para fora
do país em busca de um aborto. No entanto, o aborto não é legal em casos de estupro, incesto
ou anormalidades fetais.

Em declarações ao jornal britânico ‘The Times’, o guitarrista do U2, Dave Howell Evans –
conhecido como ‘The Edge’ –disse que, embora seja a favor da legalização do aborto,
“entendo  por que as pessoas poderiam ter problemas com isso. O importante é votar”.

“Há uma imensa diferente diferença de opinião e é muito emotivo e aceito isso”, disse e
assinalou que “é um tema muito emotivo e acho que reconhecemos que temos sentimentos
 muito fortes em ambos os lados”.

Apesar de sua campanha a favor do aborto na Irlanda, os membros de U2 assinalaram que
 não participarão do referendo devido à sua agenda de shows nos Estados Unidos.

“Consideramos a possibilidade disse, mas quando se está longe é muito complicado”, disse
Adam Clayton, baixista da banda.

Fãs decepcionados

Alguns fãs comemoraram o tweet do U2 com likes e retweets, mas muitos outros expressaram
 sua decepção.

“Cara, eu estou tão desapontado com Bono. Eu ainda vou ouvir a música dele, mas eu estou
triste que, tendo derramado sua voz para os vulneráveis, ele está virando as costas para aquelas
 preciosas almas que não têm voz, “Pastor Daniel Darling, vice-presidente de Comunicações da
 Comissão de Ética e Liberdade Religiosa, twittou na quinta-feira.


Man, I’m so disappointed with Bono. I’ll still listen to his music but I’m just sad that, having poured out his voice for the vulnerable, he is turning his back on those precious souls who have no voice.



Darling acrescentou: “Vamos considerar o que está acontecendo na Irlanda:

um país inteiro está votando o direito de enviar voluntariamente mais

vulneráveis ​​a um túmulo prematuro”.

Cristy, outra fã da banda escreveu no Twitter: “Isso quebra meu coração.

Eu amei e segui você por 20 anos. Eu ainda amo você, mas não posso segui-lo

por esse caminho. Meus ingressos para os próximos shows não serão

usados.”

This breaks my heart. I have loved and followed you for 20 years. I still love you but I can’t follow you down this road. My tickets to upcoming shows will go unused.



Sean Mullarkey, outro fã da banda disse: “Estou tão desapontado.

Um fã desde o lançamento do single “Fire” no mesmo dia. Eu sou pro

escolha como acredito que Deus é. Todas as nossas escolhas são nossas

escolhas e devem ser feitas livremente Mas para apoiar o aborto? E isso vindo de uma
banda que dá vida e amor.”

So disappointed. A fan since the release of the single ‘Fire’ back in the day. I’m pro choice as I believe God is. All our choices are our choices and should be freely made But to support abortion?? And this coming from such a Life loving, Life giving band. ’tgetit

Rodrigo Mañón, mais um fã, disse: “Muito desapontado com vocês.”



Voto pelo “não”

Recentemente, três bispos irlandeses explicaram porque votarão pela “não” revogação
 da emenda que defende a vida no ventre materno.

“Nada é tão importante para o futuro de nossa humanidade do que o direito à vida”, disse
 o Bispo de Kildare e Leighlin, Dom Denis Nulty. “Acredito que nenhum de nós, mulheres
ou homens, tem o direito absoluto sobre a vida do outro”, acrescentou.

Por sua parte, o Bispo de Cork e Ross, Dom John Buckley, sublinhou que “a criança no
útero é inocente das circunstâncias de sua concepção e seu estado de saúde.
Não há outra situação na vida na qual o final da vida de uma pessoa inocente seja a
resposta a uma dificuldade”.

“Nunca mais voltaremos a ter um voto mais importante. Não há causas mais nobres do
que defender aqueles que não podem se defender por si mesmos”, disse.

O Bispo de Raphoe, Dom Alan McGuckian, assinalou que, “como católicos, todos nos
apegamos à sacralidade absoluta de toda a vida, desde a concepção até a morte natural”.

Fonte: ACI Digital, The Christian Post, Irish Central e Twitter

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné Equatorial e Congo não investirão mais no Brasil se Bolsonaro for eleito.

Bolsonaro já disse, não tem acordo com a esquerda. países como, Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola Guiné equatorial Congo e entre outros, não levarão nenhum centavo do povo brasileiro.

O Paí já colocou R4 2 Bilhões na Ilha que ficou mais conmhecida como Ilha de Fidel. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.
Uma risonha presidente Dilma Rousseff inaugurou, ao do ditador cubano Raúl Castro, a primeira fase do Porto de Mariel, em Havana.

 Na época a presença de Dilma se devai a uma razão principal : a conta foi paga por ela- na verddae, por todos os brasieliros. O Mariel custou US$ 957 milhões de dólares, dos quais US4 802 milhões vieram de financiamento concedido pelo banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).

 O montante equivale a 2 bilhões.Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.

Istoé notícia-Jornal 21 Brasil

Bolsonaro volta a defender castração química para estupradores

O candidato Jair Bolsonaro (PSL) voltou a defender a castração química para estupradores em debate da Band, na noite desta quinta-feira. Ele foi questionado pelo senador Alvaro Dias (Podemos) sobre o que deveria ser feito para combater o crescimento do número de estupros e a desigualdade de gênero no Brasil.
O Brasil registrou 60.018 estupros, 164 casos por dia, e 221.238 crimes enquadrados na Lei Maria da Penha (606 casos por dia) ao longo de 2017. O número de estupros representa um crescimento de 8,4% em relação a 2016, mas não é possível saber a variação relativa aos casos de violência doméstica, já que este é o primeiro ano que o Fórum Brasileiro de Segurança Pública captou dos Estados dados dessa natureza.
Especialistas do Fórum acreditam que ambos os registros estejam subdimensionados dada a dificuldade de registro na polícia desses crimes. Ainda assim, a quantidade é considerada alarmante e pede a implementação de políticas específicas.

IstoÉ

A carta de princípios de Bolsonaro

Jair Bolsonaro não vai apresentar ao TSE um programa de governo tradicional, mas uma carta de princípios.

Segundo a Folha, o candidato vai dar ênfase à Segurança Pública, propor o corte de mais de uma dezena de ministérios e detalhar um pouco mais o plano econômico de Paulo Guedes.

Haverá ainda uma parte dedicada ao combate à corrupção. “A ideia de Bolsonaro é se apresentar para o eleitor como o único candidato à Presidência que manterá o funcionamento da Operação Lava Jato”.
A equipe de Bolsonaro estuda ainda zerar impostos e complementar a renda dos mais pobres.
O Antagonista