Pular para o conteúdo principal

Filha de Cunha busca evangélicos por vaga na Câmara


Ficha de filiação de Danielle Dytz da Cunha ao MDB foi abonada 

pelo filho do ex-governador do Rio, Sérgio Cabral

Igor Gadelha, Agência Estado
07 Maio 2018


ctv-xjs-daniellecunha
Danielle Dytz da Cunha, filha do deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), chega para visitá-lo na sede da Polícia Federal, em Curitiba (PR). Foto: Rodrigo Felix Leal/Futura Press

Brasília - Filha mais velha do ex-deputado Eduardo Cunha (MDB-RJ), a publicitária Danielle Dytz da Cunha quer usar o espólio eleitoral do pai, preso desde outubro de 2016 na Lava Jato, para tentar conquistar uma vaga este ano na Câmara. Ela busca apoio principalmente de igrejas evangélicas, mesmo reduto eleitoral que garantiu a Cunha maior parte dos 232,7 mil votos que teve no pleito de 2014, quando foi o terceiro deputado federal mais bem votado do Rio.
Danielle decidiu disputar as eleições a pedido do pai, que está inelegível até 2027 após ter o mandato cassado em setembro de 2016 por ter mentido sobre a posse de contas bancárias no exterior. Sem foro privilegiado, Cunha foi preso um mês depois da cassação por ordem do juiz federal Sérgio Moro, que condenou o emedebista posteriormente a 15 anos e 4 meses de prisão pelos crimes de corrupção, lavagem e evasão de divisas no âmbito da Lava Jato. 
O primeiro passo para viabilizar a candidatura de Danielle foi se filiar ao mesmo partido do pai, o MDB, em 3 de outubro passado, pouco mais de seis meses após a condenação de Cunha por Moro. A ficha de filiação foi abonada pelo deputado federal Marco Antônio Cabral (MDB-RJ). Ele é filho do ex-governador Sérgio Cabral, condenado a mais de 100 anos de prisão pela Lava Jato.
Filiada, Danielle procurou apoio da Assembleia de Deus de Madureira – que, só no Rio, tem cerca de 250 mil fiéis, segundo cálculos não oficiais de seus integrantes. Essa foi a mesma igreja que apoiou a eleição de seu pai em 2014. No ano seguinte foi citada em denúncia do Ministério Público, que acusou Cunha de receber pelo menos R$ 250 mil em propinas por intermédio da instituição religiosa.
Desde então, a publicitária passou a frequentar eventos da igreja. No feriado de 1º de maio, por exemplo, participou da tradicional confraternização das filiais da Assembleia de Deus de Madureira no Rio. O evento aconteceu durante todo o dia no sítio da igreja no bairro Campo Grande, Zona Oeste do Rio, e contou com as finais de campeonatos internos de futebol e dança. Segundo relatos de presentes, ela se mostrou à vontade e posou para fotos com fiéis.
‘Oficial’. Na busca por votos, Danielle conta com um influente apoio: o do ex-deputado e bispo Manoel Ferreira (PSC), presidente vitalício da Convenção Nacional das Assembleia de Deus no Brasil e que comanda o Ministério de Madureira. A publicitária quer se apresentar como a “candidata oficial” da igreja, mas tem concorrentes. Integrante de outra ramificação da Assembleia de Deus, o deputado Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ) também busca o apoio do Ministério de Madureira.
Com ou sem o apoio da igreja, a candidatura da filha de Cunha é dada como certa no MDB. “Ela será candidata e será eleita”, disse ao Estadão/Broadcast o presidente nacional do partido, senador Romero Jucá (RR). “Ela tem potencial”, aposta o deputado federal Leonardo Picciani, presidente estadual do MDB no Rio – cujo pai, o ex-presidente da Assembleia Legislativa do Rio Jorge Picciani (MDB), também está preso, embora em regime domiciliar.
Picciani foi procurado recentemente por Danielle, que pediu para disputar uma das vagas de deputada federal pela legenda. Os dois se reuniram na sede do partido no Rio. No encontro, segundo relatos, ele garantiu que o partido vai incluí-la na lista de candidatos. A publicitária é um dos seis nomes que o MDB do Rio espera eleger para a Câmara neste ano. Em 2014, foram oito, o que tornou a bancada emedebista fluminense a maior dentro do partido na Casa.
Procurada, Danielle Cunha não quis se manifestar.

ESTADÃO

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…

Pré-candidato, Collor diz que não se arrepende de confisco da poupança

Ex-presidente falou sobre a prisão de Lula: "uma injustiça"

O ex-presidente e atual senador Fernando Collor (PTC), em entrevista à Folha de S.Paulo publicada nesta sexta-feira (13), afirmou que o confisco das cadernetas de poupança implementado por seu governo "era uma necessidade absoluta" e que "faria do mesmo jeito" se tivesse que voltar àquele momento.


"Era uma necessidade absoluta. Se voltando àquele momento, faria do mesmo jeito. Tem a questão do próprio impeachment, que é uma coisa interessante", disse, ao ser questionado se o gesto foi um equívoco.


"O que houve foi um bloqueio do dinheiro que circulava na economia. A inflação estava em 82% ao mês. Havia instrumentos de especulação financeiros danosos, tínhamos que criar um ambiente em que pudéssemos fazer um congelamento de preços, que é algo terrível, uma medida que a gente deve evitar o quanto possível", disse ele na entrevista.


O senador disse ainda que continuará com a pré-can…

Briga entre advogados de Lula se torna explícita e agora envolve familiares

12911
A humilhação a que o abobalhado Cristiano Zanin submeteu o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Sepúlveda Pertence, extrapolou os limites do bom senso e da discrição e já envolve parentes dos envolvidos. A indignação do filho de Sepúlveda, Evandro Pertence, segundo conta o jornal Estadão, foi estampada no seguinte torpedo disparado contra Cristiano Zanin e Valeska Teixeira Martins, num grupo de WhatsApp: “Não precisamos de vocês para ter qualquer tipo de protagonismo! Meu pai é e sempre será maior que vocês”. Lamentável que, certamente por dinheiro – não há outra explicação - Sepúlveda se nivele por tão baixo.
Perdemos um grande jurista para o PT. É mais um estrago provocado por esta infame organização criminosa. É também a demonstração da notória inteligência da seguinte expressão popular: "Quem com porcos anda, farelo come."
Informação do Jornal da Cidade