Pular para o conteúdo principal

'Fui lá como pai e cidadão. Minha filha de apenas 45 dias já não consegue dormir com toda essa barulheira', diz delegado que quebrou som do acampamento pró-Lula


Imagem: Reprodução / Redes Sociais


















O delegado da Polícia Federal Gastão Schefer Neto, 45, que quebrou, na manhã desta 
sexta-feira (4), o equipamento de som usado por petistas no acampamento em defesa 
do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em Curitiba, disse que foi até o local porque
 estava irritado com o barulho: "Fui lá como pai e cidadão. Minha filha de apenas 45
 dias já não consegue dormir com toda essa barulheira", disse Schefer em entrevista
 por telefone.

Segundo relato de petistas, que gravaram imagens do delegado, ele invadiu o
 acampamento e quebrou o equipamento de som no momento em que se preparavam 
para o grito de "bom dia, Lula", que repetem todas as manhãs. Schefer afirmou que
 empurrou o equipamento enquanto discutia com apoiadores do ex-presidente e que 
não estava armado.

"Empurrei o equipamento que caiu, mas estava funcionando, mesmo após a queda. 
Toda a polêmica é porque sou servidor público federal. O Lula está condenado a 
12 anos [e um mês por corrupção passiva e lavagem de dinheiro]. Eles vão ficar todo
 esse tempo no acampamento? Quem vai aguentar? É cheiro de álcool, lixo sem recolher
 e algazarra o tempo todo e ninguém consegue resolver isso", afirmou.


Lula cumpre pena na Superintendência da Polícia Federal de Curitiba desde o dia 7 de abril. 
O prédio fica no bairro Santa Cândida, onde foi montado acampamento.


"Moro há 20 metros de onde montaram este acampamento e, assim como outros 
moradores, estou incomodado com tudo isso. É "Bom dia, Lula, "Boa tarde, Lula" 
e "Boa noite, Lula" e as palavras de ordem sem parar. Pago meus impostos e sou um 
cidadão. Temos direito ao descanso. Já houve confusões com outros moradores. 
Quem está cansado de tudo isso somos nós que moramos aqui e perdemos qualquer 
privacidade. Não tem nenhuma ligação com a Polícia Federal ou com cargo de 
delegado", disse.




Ameaças e agressões


O delegado da PF afirma ainda que vem sendo intimidado e ameaçado. "Quando venho 
para casa, eles ficam de olho. Disseram para a diarista que trabalha em casa para me
 avisar que eles sabiam que havia um delegado da PF que morava aqui", afirmou.


Assim como os manifestantes que integram o acampamento, Schefer também registrou
 boletim de ocorrência na Polícia Civil por agressão.


"Saí de casa, irritado com a perturbação do sono de minha filha, que passou boa parte 
da noite sem dormir. Empurrei o equipamento e de imediato, eles se juntaram e me 
deram um 'mata-leão'. Quase desmaiei. Fui chutado pelas costas e recebi socos no
 rosto, até a chegada de policiais militares".



"Foi um ato de revolta de um pai de família"


Suplente de deputado federal no Paraná pelo Partido da República (PR), Neto diz que
 não será candidato nas eleições deste ano e que sua atitude não teve motivação política. 
"Foi um ato de revolta de um pai de família".


Defensor da revogação do Estatuto do Desarmamento, o delegado assume uma simpatia
 pela pré-candidatura do deputado federal Jair Bolsonaro (PSL) à presidência, por 
"alinhamento de ideias". Sobre Lula, diz que é um "sentenciado, cumprindo sua pena".


Em nota, o movimento "Lula livre" cobrou providências da Polícia Federal e afirmou que
 o delegado "aproximou-se aos berros da esquina democrática Olga Benário, ameaçando 
a todos e todas que ali estavam… depois de continuar tentando intimidar os militantes,
 registrando seus rostos com um telefone celular".


A PF informou que o ataque aconteceu fora da superintendência e que não tem a ver com
 o cargo do delegado, por isso, não vai investigar o caso.


A assessoria de imprensa da Polícia Civil do Paraná informou que dois boletins de 
ocorrência foram registrados sobre o caso no 4º Distrito Policial de Curitiba. 
Segundo a assessoria, testemunhas serão ouvidas e imagens de câmeras de 
segurança serão solicitadas.

Folha Política

Comentários

Kelly Izaneth disse…
Tá certo mesmo..😡😤
Eu tbm faço isso, pessoas q querem estar no som alto até altas hrs da madrugada, eu falo mesmo, pois tenho 3 crianças e um bb 😠

Postagens mais visitadas deste blog

Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné Equatorial e Congo não investirão mais no Brasil se Bolsonaro for eleito.

Bolsonaro já disse, não tem acordo com a esquerda. países como, Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola Guiné equatorial Congo e entre outros, não levarão nenhum centavo do povo brasileiro.

O Paí já colocou R4 2 Bilhões na Ilha que ficou mais conmhecida como Ilha de Fidel. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.
Uma risonha presidente Dilma Rousseff inaugurou, ao do ditador cubano Raúl Castro, a primeira fase do Porto de Mariel, em Havana.

 Na época a presença de Dilma se devai a uma razão principal : a conta foi paga por ela- na verddae, por todos os brasieliros. O Mariel custou US$ 957 milhões de dólares, dos quais US4 802 milhões vieram de financiamento concedido pelo banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).

 O montante equivale a 2 bilhões.Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.

Istoé notícia-Jornal 21 Brasil

Bolsonaro volta a defender castração química para estupradores

O candidato Jair Bolsonaro (PSL) voltou a defender a castração química para estupradores em debate da Band, na noite desta quinta-feira. Ele foi questionado pelo senador Alvaro Dias (Podemos) sobre o que deveria ser feito para combater o crescimento do número de estupros e a desigualdade de gênero no Brasil.
O Brasil registrou 60.018 estupros, 164 casos por dia, e 221.238 crimes enquadrados na Lei Maria da Penha (606 casos por dia) ao longo de 2017. O número de estupros representa um crescimento de 8,4% em relação a 2016, mas não é possível saber a variação relativa aos casos de violência doméstica, já que este é o primeiro ano que o Fórum Brasileiro de Segurança Pública captou dos Estados dados dessa natureza.
Especialistas do Fórum acreditam que ambos os registros estejam subdimensionados dada a dificuldade de registro na polícia desses crimes. Ainda assim, a quantidade é considerada alarmante e pede a implementação de políticas específicas.

IstoÉ

A carta de princípios de Bolsonaro

Jair Bolsonaro não vai apresentar ao TSE um programa de governo tradicional, mas uma carta de princípios.

Segundo a Folha, o candidato vai dar ênfase à Segurança Pública, propor o corte de mais de uma dezena de ministérios e detalhar um pouco mais o plano econômico de Paulo Guedes.

Haverá ainda uma parte dedicada ao combate à corrupção. “A ideia de Bolsonaro é se apresentar para o eleitor como o único candidato à Presidência que manterá o funcionamento da Operação Lava Jato”.
A equipe de Bolsonaro estuda ainda zerar impostos e complementar a renda dos mais pobres.
O Antagonista