Pular para o conteúdo principal

Governo defende Forças Armadas após divulgação de documento da CIA

Temer afirmou que nem tudo que a CIA diz deve ser considerada como verdade


Temer se pronunciou após o memorando escrito em 1974  / Eraldo Peres/AP
Temer se pronunciou após o memorando escrito em 1974
Eraldo Peres/AP
Estadão Conteúdo

O governo federal saiu em defesa das Forças Armadas e reagiu nesta sexta-feira, 11, com desconfiança ao memorando escrito em 1974 pelo então diretor da Agência Central de Inteligência (CIA) dos Estados Unidos que afirma que o ex-presidente Ernesto Geisel havia dado autorização para execuções de "subversivos perigosos" durante o seu governo, transformando esses assassinatos em política de Estado.
"Nesses tempos de delações, de disse que disse, aprendi que é preciso ter muito cuidado com informações dessa natureza", afirmou o presidente Michel Temer ao jornal O Estado de S. Paulo. Ao dizer que, ao receber a informação, "achou a história muito estranha", o presidente declarou ter chamado sua atenção o fato de as revelações virem de fora do País: "Os documentos não são nacionais, são da CIA, uma entidade estrangeira. Nem tudo o que a CIA diz é necessariamente verdade, é uma verdade absoluta".
Temer também avaliou que "não há um só documento, um só registro, um só depoimento dos envolvidos" corroborando a versão da CIA, que agora vem a público pelo pesquisador da FGV Mathias Spector. Em seguida, Temer acrescentou: "E a gente sabe como é.. Essas coisas sempre acabam sendo faladas. Como nunca foram faladas aqui no Brasil até agora?"
Temer disse que, pela sua própria experiência, sabe que "presidentes não conseguem acompanhar tudo o que acontece lá embaixo, no governo". Por isso, indagou: "Será mesmo que o general Geisel saberia disso, teria autorizado isso?" Citou, inclusive, sua versão sobre a frase atribuída ao então vice-presidente da República, Pedro Aleixo, ao discordar da aplicação do AI-5 em 1968 e tentar substituí-lo pelo instrumento do estado de sítio: "Não tenho medo do AI-5, tenho medo do que o guarda da esquina irá fazer com esse ato".

Veracidade

Além de manifestar dúvidas quanto à veracidade da informação que chegou à CIA, Temer tentou fazer uma defesa subjetiva de Geisel, o penúltimo presidente do regime militar: "Isso não combina com o legado do presidente, conhecido pelo empenho em promover a abertura política, a volta à democracia".
Acesso. Para o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, a divulgação dos documentos da CIA não afeta o "prestígio" das Forças Armadas. Ex-ministro da Defesa, ele disse que o governo ainda não teve acesso ao documento de forma oficial, mas afirmou que alguma medida deve se tomada.
"Não estamos desconsiderando (o memorando), mas precisamos ter acesso de forma oficial. O prestígio das Forças Armadas permanece nos mesmos níveis. As Forças são um ativo democrático, isso não é tocado por uma reportagem", afirmou.
Jungmann foi evasivo, no entanto, quando questionado sobre quais medidas efetivamente devem ser tomadas. "Não sou mais ministro da Defesa, quem deve tomar essa decisão são os responsáveis pela área." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

http://jconline.ne10.uol.com.br/canal/politica/nacional/noticia/2018/05/12/governo-defende-forcas-armadas-apos-divulgacao-de-documento-da-cia-338926.php

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O sumiço da Faca e o registro na Câmara: Adelio não agiu sozinho, alerta Alexandre Garcia (Veja o Vídeo)

Algo de muito podre ronda a Polícia Legislativa da Câmara dos Deputados.

Após o golpe em Jair Bolsonaro, Adelio se livrou rapidamente da faca. Tudo indica que repassou para alguém, tanto é que a ‘arma branca’ foi encontrada numa barraca de ambulante, nas imediações. Alguém jogou esta faca onde foi achada. Parece óbvio. A questão do registro na Câmara também deve ser cuidadosamente examinada. Algo de muito podre ronda a Polícia Legislativa da Câmara dos Deputados. O diretor do setor alega que um recepcionista registrou por engano a entrada de Adélio Bispo de Oliveira no local, no dia 6 de setembro, o dia do atentado contra Jair Bolsonaro. Ora, foram constatados os registros de duas entradas do criminoso. O tal servidor registrou por engano duas vezes? E o nome do servidor distraído agora é mantido sob sigilo? Parece óbvio que caso o atentado tivesse sido exitoso e no meio da multidão Adelio alcançasse a fuga, o álibi estaria pronto. Esse era o plano e isto parece bem claro. Veja o vídeo…

PT atrasa pagamentos e funcionários da campanha cruzam os braços

Por causa de atraso nos pagamentos, parte dos funcionários da campanha do PT à Presidência nas eleições 2018 decidiu cruzar os braços e interrompeu os trabalhos nesta semana, em meio à substituição do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso na Lava Jato, por Fernando Haddad como cabeça de chapa. Os profissionais integram as equipes responsáveis pela produção dos programas eleitorais do partido para a TV, o que ameaça a entrega dos novos comerciais da coligação.
O Estadão/Broadcast apurou que parte da equipe de pré e pós-produção de vídeo da campanha petista está parada há pelo menos dois dias, o que pode atrapalhar a produção de programas dedicados a apresentar Haddad como indicado de Lula, cuja candidatura foi barrada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), com base na lei da Ficha Limpa, que torna inelegível condenados por decisão colegiada.
A paralisação dentro da campanha começou, de maneira progressiva, na semana passada, durante o feriado de 7 de Setembro. Os co…

Alvaro Dias chama Bolsonaro de “vagabundo bandido” e “quase morto” e recebe resposta do senador Magno Malta

Sem saber que estava sendo gravado, Álvaro Dias aproveitou para destilar todo o seu veneno com comentários maldosos sobre Jair Bolsonaro. O candidato do Podemos afirmou que Bolsonaro é um “vagabundo bandido” e que ‘ta quase morto”. Ainda no mesmo trecho, Dias afirma que “se não fosse a facada eu estaria destruindo ele hoje.”
Alvaro Dias ataca Bolsonaro e recebe A RESPOSTA de Magno Malta