Pular para o conteúdo principal

Juiz indicia Cristina Kirchner e seus filhos por lavagem de dinheiro


Imagem: Reprodução / Redes Sociais




















Um juiz indiciou nesta segunda-feira, 14, a ex-presidente da Argentina Cristina Kirchner 
(2007-2015) e seus filhos, Máximo e Florencia Kirchner, por lavagem de dinheiro e formação
 de quadrilha, em um caso de supostas irregularidades com empresários por meio da 
empresa familiar Hotesur.

Esse é o quinto indiciamento de Cristina, que tomou posse como senadora em dezembro.
 A investigação do Caso Hotesur apura se a família da ex-presidente recebeu 
pagamentos de empresários, ligados a projetos de obras públicas, por meio de aluguel de 
quartos de um hotel administrado por uma empresa de Cristina e seus dois filhos – a
 Hotesur –, na Patagônia. 

Uma das hipóteses investigadas é a de que Cristina e seu marido, Néstor Kirchner, 
ex-presidente que morreu em 2010, e seus filhos receberam dinheiro por meio do aluguel 
de quartos, em um negócio “aparentemente legítimo”. 

De acordo com o juiz, a renda desses aluguéis “ocultou sua verdadeira origem ilícita”.
 Segundo o jornal Clarín, as transferências incluiriam os US$ 4,6 milhões da filha de
 Cristina embargados há dois anos no Banco Galicia. 

Em março, Ercolini já havia determinado uma intervenção na companhia hoteleira.
 Na ocasião, ele afirmou que a Hotesur tinha sido uma das companhias por meio das 
quais a família Kirchner “teria recebido periodicamente dinheiro obtido mediante fraude
 contra o Estado nacional”.

Em novembro, Cristina prestou depoimento sobre o escândalo Hotesur. Diante dos 
investigadores, ela negou todas as acusações e afirmou que as atividades da
 empresa familiar eram legais. Segundo Cristina, as denúncias eram frutos
 de “perseguição” política. 

O processo começou em novembro de 2014, após uma denúncia da então deputada
 Margarita Stolbizer. De acordo com o juiz, tudo começou em razão da necessidade 
de Néstor e de Cristina de obter dinheiro “limpo” para “justificar a compra dos hotéis 
Alto Calafate e Las Dunas, na Província de Santa Cruz, reduto do casal. 

Em março, o mesmo juiz já havia determinado que Cristina será levada a julgamento oral
 pela acusação de formação de quadrilha em relação à concessão de obras públicas durante 
seu governo. Neste caso, também estão envolvidos o ex-ministro de Planejamento 
Julio de Vido e o empresário Lázaro Baez, amigo da família.

Cristina também foi indiciada – e com uma ordem de detenção que não foi executada
 em razão da imunidade parlamentar – pelo suposto acobertamento de funcionários do 
governo iraniano suspeitos de cometer um atentado contra uma associação judaica de
 Buenos Aires que deixou 85 mortos, em 1994.

Politica na Rede

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Eunício pede ao STF para que negue pedido de votação aberta na eleição do Senado

Eunício Oliveira acaba de enviar um ofício ao STF pedindo para que Marco Aurélio Mello não acate o pedido para que a votação para a presidência do Senado seja aberta.

O Antagonista

EUA reagem ao envio de bombardeiros russos à Venezuela

Autoridades dos Estados Unidos reagiram vigorosamente ao envio de bombardeiros estratégicos russos TU-160 para a Venezuela. Autoridades do Pentágono disseram que dois bombardeiros russos – o Tupolev TU-160 BlackJacks, que pode voar a velocidades supersônicas – estão na Venezuela, junto com todos equipamentos necessários para reabastecimento e manutenção. Mike Pompeo, secretário de Estado dos Estados Unidos, condenou a decisão de Moscou de enviar os bombardeiros nucleares para a Venezuela. Ele declarou:

Filha de João de Deus diz ter sido abusada pelo pai quando criança

Uma das filhas do médium João de Deus afirmou que sofreu abusos sexuais do pai dos 10 aos 14 anos. A afirmação foi feita em entrevista gravada em 2016 por uma rádio de Goiânia e exibida pelo “Jornal da Record” na noite desta terça-feira (11). “Ele é manipulador. Ele é mau. Ele é estranho, é diferente. Eu já pedi muito a Deus que ele se arrependesse do que fez e faz”, afirmou Dalva Teixeira no vídeo, segundo informações do “UOL“. Segundo ela, sua mãe havia tido um relacionamento breve com o médium e ela só conheceu o pai quando tinha 10 anos. “[Quando o conheci], ele tirou minha roupa toda, tirou a dele e ficou a noite inteira me molestando”, afirmou. De acordo com Dalva, os casos de abuso se repetiram por quatro anos. “Isso foi até os 14 anos, quando então eu me casei para sair de casa.”