Pular para o conteúdo principal

Maia acha 'incompleta' decisão do STF e finalmente fará andar PEC que extingue o foro privilegiado


Imagem: Reprodução




















O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, considerou “incompleta” a decisão do 
Supremo sobre foro privilegiado. Ficou estabelecido que deputados e senadores
 só serão processados na Suprema Corte por crimes praticados durante o mandato 
e em função do cargo. “Estranhei a seletividade do Supremo”, disse Maia ao blog
, ecoando a opinião de várias lideranças partidárias. “Não é justo que o Supremo
 interprete que não há a necessidade de foro para uns e continua existindo a
 necessidade para outros”.

Maia colocou para andar uma proposta de emenda à Constituição que amplifica a
 decisão do Supremo. Aprovada no ano passado pelo Senado, a emenda extingue o
 privilégio de foro para todas as autoridades, exceto quatro: os presidentes da República,
 do Supremo, do Senado e da Câmara. “Minha impressão é a de que os deputados 
vão aprovar o texto tal como ele veio do Senado, para colocar todo mundo em condições 
de igualdade perante a lei”, declarou Maia. Os próprios ministros do Supremo
 passariam a ser julgados na primeira instância.


O presidente da Câmara considera natural e necessário que os parlamentares tratem
 do tema. “Quando achamos que o Supremo está legislando, como não podemos 
suspender uma decisão do Supremo, o nosso dever é legislar. Nessas ocasiões, a
 gente diz: ‘Olha, vocês não deveriam ter feito isso. Mas a gente concorda. E mantém.
 Ou discursa. E muda'.'' A única atitude que Maia considera inadequada é a passividade.
 ''Quando nós reclamamos do ativismo do Judiciário e não fazemos nada, vamos nos 
acomodando com a situação. E perdemos o protagonismo numa atividade que foi 
delegada a nós pela sociedade”, afirmou.


Reza a Constituição que o Congresso não pode aprovar emendas constitucionais quando 
estiver em vigor intervenção federal num Estado. Como o governo de Michel Temer 
decretou intervenção no setor de segurança pública do Rio de Janeiro, a Câmara só 
poderá votar a emenda sobre foro privilegiado no plenário a partir de 2019. 
Mas os deputados não estão impedidos de adiantar a tramitação, instalando a comissão 
especial que discutirá a emenda.


Pelo regimento, a comissão terá de abrir um prazo de 11 sessões para a apresentação de
 emendas à proposta. Na sequência, o colegiado terá até 40 sessões para votar a emenda constitucional. Se for aprovada, a proposta vai à fila do plenário da Câmara, permanecendo
 ali até que a intervenção no Rio chegue ao fim. Maia já havia tentado instalar a comissão
 especial em dezembro do ano passado. Mas só agora os partidos indicaram os seus 
representantes no colegiado.


No julgamento desta quinta-feira, o ministro Dias Toffoli reformulou o voto que havia 
proferido na véspera. Fez isso para sugerir ao Supremo que estendesse a todas as
 autoridades a restrição de foro imposta aos congressistas. Não colou. 
Apenas Gilmar Mendes seguiu o voto de Toffoli.

Folha Política

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Eunício pede ao STF para que negue pedido de votação aberta na eleição do Senado

Eunício Oliveira acaba de enviar um ofício ao STF pedindo para que Marco Aurélio Mello não acate o pedido para que a votação para a presidência do Senado seja aberta.

O Antagonista

EUA reagem ao envio de bombardeiros russos à Venezuela

Autoridades dos Estados Unidos reagiram vigorosamente ao envio de bombardeiros estratégicos russos TU-160 para a Venezuela. Autoridades do Pentágono disseram que dois bombardeiros russos – o Tupolev TU-160 BlackJacks, que pode voar a velocidades supersônicas – estão na Venezuela, junto com todos equipamentos necessários para reabastecimento e manutenção. Mike Pompeo, secretário de Estado dos Estados Unidos, condenou a decisão de Moscou de enviar os bombardeiros nucleares para a Venezuela. Ele declarou:

Jornalistas da grande mídia celebram prêmio falso para repórter da Folha

Profissionais de veículos da grande mídia brasileira estão parabenizando uma jornalista da Folha por um prêmio falso divulgado por perfil paródia no Twitter. Tudo começou com um tuíte do usuário @monicabengamo no Twitter. O perfil aparenta ter viés humorístico, uma espécie de paródia com a jornalista da “Folha de S. Paulo“, Mônica Bergamo. A mensagem original foi publicada na sexta-feira (14) às 16h40 (horário de Brasília).  “A competente colega Patrícia Campos Mello acaba de ganhar o Prêmio Folha Brasileiro do Ano 2018. O Prêmio a reconheceu como “Guardiã da Verdade”, afirma o perfil.