Pular para o conteúdo principal

Maia acha 'incompleta' decisão do STF e finalmente fará andar PEC que extingue o foro privilegiado


Imagem: Reprodução




















O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, considerou “incompleta” a decisão do 
Supremo sobre foro privilegiado. Ficou estabelecido que deputados e senadores
 só serão processados na Suprema Corte por crimes praticados durante o mandato 
e em função do cargo. “Estranhei a seletividade do Supremo”, disse Maia ao blog
, ecoando a opinião de várias lideranças partidárias. “Não é justo que o Supremo
 interprete que não há a necessidade de foro para uns e continua existindo a
 necessidade para outros”.

Maia colocou para andar uma proposta de emenda à Constituição que amplifica a
 decisão do Supremo. Aprovada no ano passado pelo Senado, a emenda extingue o
 privilégio de foro para todas as autoridades, exceto quatro: os presidentes da República,
 do Supremo, do Senado e da Câmara. “Minha impressão é a de que os deputados 
vão aprovar o texto tal como ele veio do Senado, para colocar todo mundo em condições 
de igualdade perante a lei”, declarou Maia. Os próprios ministros do Supremo
 passariam a ser julgados na primeira instância.


O presidente da Câmara considera natural e necessário que os parlamentares tratem
 do tema. “Quando achamos que o Supremo está legislando, como não podemos 
suspender uma decisão do Supremo, o nosso dever é legislar. Nessas ocasiões, a
 gente diz: ‘Olha, vocês não deveriam ter feito isso. Mas a gente concorda. E mantém.
 Ou discursa. E muda'.'' A única atitude que Maia considera inadequada é a passividade.
 ''Quando nós reclamamos do ativismo do Judiciário e não fazemos nada, vamos nos 
acomodando com a situação. E perdemos o protagonismo numa atividade que foi 
delegada a nós pela sociedade”, afirmou.


Reza a Constituição que o Congresso não pode aprovar emendas constitucionais quando 
estiver em vigor intervenção federal num Estado. Como o governo de Michel Temer 
decretou intervenção no setor de segurança pública do Rio de Janeiro, a Câmara só 
poderá votar a emenda sobre foro privilegiado no plenário a partir de 2019. 
Mas os deputados não estão impedidos de adiantar a tramitação, instalando a comissão 
especial que discutirá a emenda.


Pelo regimento, a comissão terá de abrir um prazo de 11 sessões para a apresentação de
 emendas à proposta. Na sequência, o colegiado terá até 40 sessões para votar a emenda constitucional. Se for aprovada, a proposta vai à fila do plenário da Câmara, permanecendo
 ali até que a intervenção no Rio chegue ao fim. Maia já havia tentado instalar a comissão
 especial em dezembro do ano passado. Mas só agora os partidos indicaram os seus 
representantes no colegiado.


No julgamento desta quinta-feira, o ministro Dias Toffoli reformulou o voto que havia 
proferido na véspera. Fez isso para sugerir ao Supremo que estendesse a todas as
 autoridades a restrição de foro imposta aos congressistas. Não colou. 
Apenas Gilmar Mendes seguiu o voto de Toffoli.

Folha Política

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…

Pré-candidato, Collor diz que não se arrepende de confisco da poupança

Ex-presidente falou sobre a prisão de Lula: "uma injustiça"

O ex-presidente e atual senador Fernando Collor (PTC), em entrevista à Folha de S.Paulo publicada nesta sexta-feira (13), afirmou que o confisco das cadernetas de poupança implementado por seu governo "era uma necessidade absoluta" e que "faria do mesmo jeito" se tivesse que voltar àquele momento.


"Era uma necessidade absoluta. Se voltando àquele momento, faria do mesmo jeito. Tem a questão do próprio impeachment, que é uma coisa interessante", disse, ao ser questionado se o gesto foi um equívoco.


"O que houve foi um bloqueio do dinheiro que circulava na economia. A inflação estava em 82% ao mês. Havia instrumentos de especulação financeiros danosos, tínhamos que criar um ambiente em que pudéssemos fazer um congelamento de preços, que é algo terrível, uma medida que a gente deve evitar o quanto possível", disse ele na entrevista.


O senador disse ainda que continuará com a pré-can…

Briga entre advogados de Lula se torna explícita e agora envolve familiares

12911
A humilhação a que o abobalhado Cristiano Zanin submeteu o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Sepúlveda Pertence, extrapolou os limites do bom senso e da discrição e já envolve parentes dos envolvidos. A indignação do filho de Sepúlveda, Evandro Pertence, segundo conta o jornal Estadão, foi estampada no seguinte torpedo disparado contra Cristiano Zanin e Valeska Teixeira Martins, num grupo de WhatsApp: “Não precisamos de vocês para ter qualquer tipo de protagonismo! Meu pai é e sempre será maior que vocês”. Lamentável que, certamente por dinheiro – não há outra explicação - Sepúlveda se nivele por tão baixo.
Perdemos um grande jurista para o PT. É mais um estrago provocado por esta infame organização criminosa. É também a demonstração da notória inteligência da seguinte expressão popular: "Quem com porcos anda, farelo come."
Informação do Jornal da Cidade