Pular para o conteúdo principal

Marcelo Odebrecht confirma que negociou propina de R$ 50 milhões com Mantega e Palocci para campanha de Dilma


Imagem: Reprodução




















Em depoimentos a procuradores em abril, o empresário Marcelo Odebrecht implica integrantes 
da atual cúpula da empresa no pagamento de propina para aprovar em 2009 o chamado "Refis
 da Crise", um pacote de medidas provisórias para um projeto de refinanciamento de dívidas
 tributárias que beneficiava grandes exportadoras.

Após citar o esquema, Marcelo diz que os atuais vice-presidentes Maurício Ferro (jurídico),
 Newton de Souza (conselho) e Marcelo Lyra (comunicação), além do diretor-jurídico da 
construtora do grupo, Adriano Maia, podem elucidar e corroborar os assuntos que 
tratam de "contrapartidas no âmbito do governo e do Congresso Nacional".

Nunes ressalta que a legislação brasileira exclui das disputas eleitorais pessoas condenadas em
 segunda instância e acrescenta que os signatários, "ao sugerirem que seja feita exceção
 ao ex-presidente Lula, esses senhores pregam a violação do Estado de direito".

"Fariam isto em seus próprios países? Mais do que escamotear a verdade, cometem 
um gesto preconceituoso, arrogante e anacrônico contra a sociedade brasileira e seu compromisso 
com a lei e as instituições democráticas", conclui.

O apelo em favor do petista foi assinado pelo ex-presidente francês François Hollande, o 
ex-primeiro-ministro socialista belga Elio Di Rupo, os ex-presidentes do Conselho italiano
 social-democratas Massimo d'Alema, Enrico Letta e Romano Prodi, bem como o ex-chefe do
 governo espanhol José Luis Rodríguez Zapatero.

Os líderes afirmaram que "a prisão precipitada do Presidente Lula, incansável artífice da 
redução das desigualdades no Brasil, defensor dos pobres de seu país 
" só pode despertar nossa emoção"


E pediram "solenemente que o Presidente Lula possa amanhã se apresentar livremente
 ao sufrágio do povo brasileiro" nas eleições presidenciais de outubro.

Lula, que foi duas vezes presidente do Brasil (2003-2010) e é o favorito nas pesquisas para as 
eleições de outubro, cumpre desde abril uma pena de 12 anos e um mês de prisão por 
corrupção e lavagem de dinheiro.

O líder da esquerda, que se declara inocente, enfrenta outras seis acusações judiciais.

O Partido dos Trabalhadores (PT) mantém sua candidatura, que será analisada em agosto
 pela Justiça eleitoral.

De acordo com a legislação brasileira, sua condição de condenado em segunda instância
 deve excluí-lo da disputa, embora seus partidários afirmem que esgotarão todos os recursos
 disponíveis para que ele possa ser candidato.

Folha Política


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…

Pré-candidato, Collor diz que não se arrepende de confisco da poupança

Ex-presidente falou sobre a prisão de Lula: "uma injustiça"

O ex-presidente e atual senador Fernando Collor (PTC), em entrevista à Folha de S.Paulo publicada nesta sexta-feira (13), afirmou que o confisco das cadernetas de poupança implementado por seu governo "era uma necessidade absoluta" e que "faria do mesmo jeito" se tivesse que voltar àquele momento.


"Era uma necessidade absoluta. Se voltando àquele momento, faria do mesmo jeito. Tem a questão do próprio impeachment, que é uma coisa interessante", disse, ao ser questionado se o gesto foi um equívoco.


"O que houve foi um bloqueio do dinheiro que circulava na economia. A inflação estava em 82% ao mês. Havia instrumentos de especulação financeiros danosos, tínhamos que criar um ambiente em que pudéssemos fazer um congelamento de preços, que é algo terrível, uma medida que a gente deve evitar o quanto possível", disse ele na entrevista.


O senador disse ainda que continuará com a pré-can…

Briga entre advogados de Lula se torna explícita e agora envolve familiares

12911
A humilhação a que o abobalhado Cristiano Zanin submeteu o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Sepúlveda Pertence, extrapolou os limites do bom senso e da discrição e já envolve parentes dos envolvidos. A indignação do filho de Sepúlveda, Evandro Pertence, segundo conta o jornal Estadão, foi estampada no seguinte torpedo disparado contra Cristiano Zanin e Valeska Teixeira Martins, num grupo de WhatsApp: “Não precisamos de vocês para ter qualquer tipo de protagonismo! Meu pai é e sempre será maior que vocês”. Lamentável que, certamente por dinheiro – não há outra explicação - Sepúlveda se nivele por tão baixo.
Perdemos um grande jurista para o PT. É mais um estrago provocado por esta infame organização criminosa. É também a demonstração da notória inteligência da seguinte expressão popular: "Quem com porcos anda, farelo come."
Informação do Jornal da Cidade