Pular para o conteúdo principal

Ministro do TSE defende que voto impresso é inconstitucional: 'Vai dar problema'


Imagem: Reprodução / Redes Sociais

















O ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Admar Gonzaga, defendeu que a
 Corte julgue inconstitucional a implementação do voto impresso nas eleições 
brasileiras. Em debate na capital paulista nesta sexta-feira, 11, o magistrado afirmou 
que o mecanismo servirá para "bater palma para perdedor" e gasto com o sistema é 
excessivo.



"Vamos gastar R$ 2 bilhões, isso me deixa doente, para bater palma para perdedor.
 Isso não entra na minha cabeça, não convém à democracia e, para mim, é 
inconstitucional", disse Gonzaga. Ele reforçou a defesa para que o TSE declare o 
mecanismo inconstitucional.


Segundo Gonzaga, o dispositivo que imprime o voto na urna eletrônica e o armazena, 
sem exibir o comprovante impresso para o eleitor, pode ter falhas e invalidar o voto de 
sessões eleitorais no País. "Vai dar problema. Não sei como os brasileiros compraram 
essa ideia."


Ele exemplificou uma situação em que o aparelho que imprime o voto, corta o papel e 
o deposita em lugar reservado tenha falhas. Um mesário, nesse caso, poderia abrir o
 dispositivo para verificar o erro e violar o sigilo do voto do eleitor, alertou o ministro.


Mostrando seu celular, Admar Gonzaga questionou como as pessoas não suspeitam da 
tecnologia ao fazer transações bancárias pelo aparelho móvel, mas desconfiam da urna
 eletrônica. "Na urna eletrônica não tem vírus", argumentou.


Para o ministro, o voto impresso é um problema ainda maior do que as chamadas 
"fake news" na campanha eleitoral. "Não me preocupa a questão da fake news, eu
 acho que isso vai acabar se resolvendo com tecnologia", disse o magistrado. 
Os cidadãos, segundo ele, têm condições de buscar ferramentas para identificar
 notícias falsas durante o processo eleitoral.

Folha Política

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné Equatorial e Congo não investirão mais no Brasil se Bolsonaro for eleito.

Bolsonaro já disse, não tem acordo com a esquerda, países como, Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné equatorial, Congo e entre outros, não levarão nenhum centavo do povo brasileiro.

O Paí já colocou R$ 42 Bilhões na Ilha que ficou mais conhecida como Ilha de Fidel. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.
Uma risonha presidente Dilma Rousseff inaugurou, ao do ditador cubano Raúl Castro, a primeira fase do Porto de Mariel, em Havana.

 Na época a presença de Dilma se devai a uma razão principal : a conta foi paga por ela- na verddae, por todos os brasieliros. O Mariel custou US$ 957 milhões de dólares, dos quais US4 802 milhões vieram de financiamento concedido pelo banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).

 O montante equivale a 2 bilhões. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.

Istoé notícia-Jornal 21 Brasil

TSE suspende propaganda do PT que associa Bolsonaro à tortura

Luis Felipe Salomão, do TSE, suspendeu a propaganda eleitoral em que a coligação petista associa Jair Bolsonaro à ditadura e à tortura.

O ministro atendeu o pedido da defesa de Bolsonaro, que alegou que o programa veiculado viola a lei eleitoral, “uma vez que incute medo na população ao sugerir que se o candidato Jair Bolsonaro for eleito vai perseguir e torturar eventuais opositores políticos”.

“O tribunal tem feito um esforço no sentido de elevar o nível do debate para se evitar a disseminação desse clima de pânico que estão criando”, disse o advogado de Bolsonaro, Tiago Ayres, a O Antagonista.

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…