Pular para o conteúdo principal

Ministro do TSE defende que voto impresso é inconstitucional: 'Vai dar problema'


Imagem: Reprodução / Redes Sociais

















O ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Admar Gonzaga, defendeu que a
 Corte julgue inconstitucional a implementação do voto impresso nas eleições 
brasileiras. Em debate na capital paulista nesta sexta-feira, 11, o magistrado afirmou 
que o mecanismo servirá para "bater palma para perdedor" e gasto com o sistema é 
excessivo.



"Vamos gastar R$ 2 bilhões, isso me deixa doente, para bater palma para perdedor.
 Isso não entra na minha cabeça, não convém à democracia e, para mim, é 
inconstitucional", disse Gonzaga. Ele reforçou a defesa para que o TSE declare o 
mecanismo inconstitucional.


Segundo Gonzaga, o dispositivo que imprime o voto na urna eletrônica e o armazena, 
sem exibir o comprovante impresso para o eleitor, pode ter falhas e invalidar o voto de 
sessões eleitorais no País. "Vai dar problema. Não sei como os brasileiros compraram 
essa ideia."


Ele exemplificou uma situação em que o aparelho que imprime o voto, corta o papel e 
o deposita em lugar reservado tenha falhas. Um mesário, nesse caso, poderia abrir o
 dispositivo para verificar o erro e violar o sigilo do voto do eleitor, alertou o ministro.


Mostrando seu celular, Admar Gonzaga questionou como as pessoas não suspeitam da 
tecnologia ao fazer transações bancárias pelo aparelho móvel, mas desconfiam da urna
 eletrônica. "Na urna eletrônica não tem vírus", argumentou.


Para o ministro, o voto impresso é um problema ainda maior do que as chamadas 
"fake news" na campanha eleitoral. "Não me preocupa a questão da fake news, eu
 acho que isso vai acabar se resolvendo com tecnologia", disse o magistrado. 
Os cidadãos, segundo ele, têm condições de buscar ferramentas para identificar
 notícias falsas durante o processo eleitoral.

Folha Política

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…

Pré-candidato, Collor diz que não se arrepende de confisco da poupança

Ex-presidente falou sobre a prisão de Lula: "uma injustiça"

O ex-presidente e atual senador Fernando Collor (PTC), em entrevista à Folha de S.Paulo publicada nesta sexta-feira (13), afirmou que o confisco das cadernetas de poupança implementado por seu governo "era uma necessidade absoluta" e que "faria do mesmo jeito" se tivesse que voltar àquele momento.


"Era uma necessidade absoluta. Se voltando àquele momento, faria do mesmo jeito. Tem a questão do próprio impeachment, que é uma coisa interessante", disse, ao ser questionado se o gesto foi um equívoco.


"O que houve foi um bloqueio do dinheiro que circulava na economia. A inflação estava em 82% ao mês. Havia instrumentos de especulação financeiros danosos, tínhamos que criar um ambiente em que pudéssemos fazer um congelamento de preços, que é algo terrível, uma medida que a gente deve evitar o quanto possível", disse ele na entrevista.


O senador disse ainda que continuará com a pré-can…

Briga entre advogados de Lula se torna explícita e agora envolve familiares

12911
A humilhação a que o abobalhado Cristiano Zanin submeteu o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Sepúlveda Pertence, extrapolou os limites do bom senso e da discrição e já envolve parentes dos envolvidos. A indignação do filho de Sepúlveda, Evandro Pertence, segundo conta o jornal Estadão, foi estampada no seguinte torpedo disparado contra Cristiano Zanin e Valeska Teixeira Martins, num grupo de WhatsApp: “Não precisamos de vocês para ter qualquer tipo de protagonismo! Meu pai é e sempre será maior que vocês”. Lamentável que, certamente por dinheiro – não há outra explicação - Sepúlveda se nivele por tão baixo.
Perdemos um grande jurista para o PT. É mais um estrago provocado por esta infame organização criminosa. É também a demonstração da notória inteligência da seguinte expressão popular: "Quem com porcos anda, farelo come."
Informação do Jornal da Cidade