Pular para o conteúdo principal

Moro Bate O Martelo E Condena Ex-Tesoureiro Do PT E Mais 12 Por Esquema De R$ 20 Mi Na Petrobras



O juiz Sergio Moro, da Justiça Federal do Paraná, condenou nesta segunda-feira
(14) um total de 13 pessoas por envolvimento em um esquema que movimentou R$
20 milhões em propinas ligadas à licitação para a ampliação do Cenpes (Centro de
Pesquisas e Desenvolvimento Leopoldo Américo Miguez de Mello), da Petrobras,
no Rio de Janeiro. As obras custaram mais de R$ 1 bilhão.

Entre os alvos da sentença estão Paulo Ferreira, ex-tesoureiro do PT, Renato
Duque, ex-diretor de serviços da Petrobras, Léo Pinheiro, ex-presidente da
construtora OAS, e o operador Adir Assad. Também foram condenados executivos
das construtoras Construbase, Construcap e Schahin Engenharia. As defesas foram
contatadas pela reportagem, que aguarda resposta dos advogados.


Segundo o site UOL Ao denunciar o caso, a força-tarefa da Operação Lava Jato no MPF-PR (Ministério
Público Federal no Paraná) fez acusações contra 14 pessoas pelos crimes de
corrupção ativa, corrupção passiva, lavagem de dinheiro e associação criminosa,
cometidos separadamente ou em conjunto. Apenas uma foi absolvida por Moro:
Erasto Messias da Silva Júnior, da construtora Construcap, por falta de provas. Os
outros condenados são:

Agenor Franklin Magalhães Medeiros, ex-executivo da OAS
Alexandre Correa de Oliveira Romano, operador de propinas
Edison Freire Coutinho, ex-executivo da Schahin Engenharia
José Antônio Marsílio Schwartz, ex-executivo da Schahin Engenharia
Genésio Schiavinato Júnior, ex-executivo da Construbase
Roberto Ribeiro Capobianco, ex-executivo da Construcap
Ricardo Pernambuco Backheuser, ex-executivo da Carioca Engenharia
Roberto Trombeta, operador de propinas
Rodrigo Morales, operador de propinas

A maioria dos réus condenados recebeu benefícios para o cumprimento da pena
por ter colaborado com o processo, como no caso de Léo Pinheiro e Renato Duque,
ou por ter assinado acordo de delação premiada, como aconteceu com a maioria

dos executivos das construtoras.
As exceções ficam por conta de Paulo Ferreira, condenado a 9 anos e 10 meses de
prisão, Schiavinato, sentenciado a 12 anos e 8 meses de prisão, e Roberto
Capobianco, cuja pena chegou a 12 anos.

Rastreamento “pendente”
Segundo a denúncia do MPF, o consórcio Novo Cenpes, formado por OAS, Carioca
Engenharia, Construbase Engenharia, Construcap, CCPS Engenharia e Schahin
Engenharia, teria vencido a licitação por meio de fraude e de pagamento de propina
a executivos da Petrobras e agentes públicos.



Duque e Paulo Ferreira teriam recebido propinas, enquanto Assad, Morales e
Trombeta atuavam na operação do esquema, disponibilizando dinheiro vivo para os
pagamentos ilegais. Alexandre Romano, por sua vez, foi acusado de ser
intermediário de Ferreira no recebimento de propina.



Na sentença, Moro afirma ser “inequívoco que, assim como os dirigentes da OAS,
Carioca, Schahin, Construbase e Construcap se associaram, em consórcio, para
participar da licitação do contrato de ampliação do Cenpes e igualmente para
realizar o contrato, também juntos resolveram fraudar a licitação e pagar
sistematicamente propinas a agentes da Petrobras e a agentes políticos.”
Segundo o MPF, parte do esquema envolveu a oferta de R$ 18 milhões para a
construtora WTorre, com o objetivo de fazer a empresa desistir da licitação. No
processo, vários executivos de construtoras relataram que houve o pagamento –o
empresário Walter Torre Júnior, fundador e CEO da WTorre, nega

“Ficou pendente o rastreamento financeiro deste pagamento de dezoito milhões de
reais. O fato, porém, embora reprovável, não é crime, pois não está tipificada no
Brasil a corrupção entre empresas privadas”, diz Moro na sentença.

Outro lado
O advogado de Alexandre Romano, Leandro Casagrande, disse que ele vai cumprir
os termos de seu acordo de colaboração premiada e não vai recorrer da sentença.
O advogado de Edison Coutinho, Cássio Quirino Norberto, declarou que vai se
manifestar apenas nos autos.

Fonte :NBO

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné Equatorial e Congo não investirão mais no Brasil se Bolsonaro for eleito.

Bolsonaro já disse, não tem acordo com a esquerda, países como, Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné equatorial, Congo e entre outros, não levarão nenhum centavo do povo brasileiro.

O Paí já colocou R$ 42 Bilhões na Ilha que ficou mais conhecida como Ilha de Fidel. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.
Uma risonha presidente Dilma Rousseff inaugurou, ao do ditador cubano Raúl Castro, a primeira fase do Porto de Mariel, em Havana.

 Na época a presença de Dilma se devai a uma razão principal : a conta foi paga por ela- na verddae, por todos os brasieliros. O Mariel custou US$ 957 milhões de dólares, dos quais US4 802 milhões vieram de financiamento concedido pelo banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).

 O montante equivale a 2 bilhões. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.

Istoé notícia-Jornal 21 Brasil

TSE suspende propaganda do PT que associa Bolsonaro à tortura

Luis Felipe Salomão, do TSE, suspendeu a propaganda eleitoral em que a coligação petista associa Jair Bolsonaro à ditadura e à tortura.

O ministro atendeu o pedido da defesa de Bolsonaro, que alegou que o programa veiculado viola a lei eleitoral, “uma vez que incute medo na população ao sugerir que se o candidato Jair Bolsonaro for eleito vai perseguir e torturar eventuais opositores políticos”.

“O tribunal tem feito um esforço no sentido de elevar o nível do debate para se evitar a disseminação desse clima de pânico que estão criando”, disse o advogado de Bolsonaro, Tiago Ayres, a O Antagonista.

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…