Pular para o conteúdo principal

Partidos terão R$ 2,5 bilhões em verbas públicas para as eleições

Imagem: Produção Ilustrativa / Folha Política


















Uma decisão do Tribunal Superior Eleitoral confirmou nesta quinta-feira (3/5) mais 
recursos para os partidos utilizarem nas eleições deste ano, a primeira sem as 
doações empresariais. Os ministros entenderam que a criação do fundo eleitoral 
de R$ 1,7 bilhão – destinado exclusivamente para as eleições – não impede os
 partidos de usarem recursos do fundo partidário – verba recebida anualmente pelas
 legendas – para também financiarem suas campanhas.


O Orçamento da União reservou R$ 888,7 milhões para o Fundo Partidário em 2018,
 que é usado para manter a infraestrutura das siglas e também para vitaminar 
campanhas eleitorais. Do total do Fundo Partidário, cada legenda deve reservar 
ao menos 20% para manutenção de suas fundações (institutos de pesquisa e 
formulação ideológica) e 5% para promoção das mulheres na política.

Em resposta à Consulta 060024793, feita pelo deputado federal Augusto Carvalho
(SD-DF), os ministros entenderam que a legislação eleitoral não veda o uso de ambos
 os fundos ao mesmo tempo durante o pleito.


O relator da matéria, ministro Tarcísio Vieira de Carvalho, ressaltou que o TSE não
 costuma responder a consultas que tratam de temas já abordados em resoluções da
 Corte, mas argumentou que esta questão merece “uma explicitação maior”. 
Ao votar, defendeu a autonomia dos partidos no uso do fundo partidário e citou que
 cabe à Justiça Eleitoral fiscalizar o uso desses recursos, não definir aonde deve ser
 aplicado.


Para o magistrado, a Resolução 23.553/2017 do TSE é clara em relação à gestão do fundo,
 e apenas estabelece critérios para o uso dele em campanhas, como a declaração das 
despesas realizadas com a verba na prestação de contas eleitoral.


O ministro sustentou que a proibição do financiamento privado de campanha expõe ainda
 mais a necessidade de manter a regra que permite o uso de fundo partidário no pleito. 
O ministro afirmou que a última eleição movimento R$ 7 bilhões, valor muito abaixo 
do R$ 1,7 bilhão do fundo eleitoral. Além disso, destacou que dos recursos usados pelos
 três principais candidatos a presidente da República na última eleição, 95% tiveram origem
 em doação de pessoas jurídicas, 3% do fundo eleitoral e apenas 2% de doações de pessoas
físicas.


O relator foi acompanhado por todos os demais ministros. O presidente da Corte, ministro
 Luiz Fux, reforçou os argumentos do colega: “Havia o financiamento privado, que foi visto
 como uma técnica muito deletéria, que contaminou o meio político, houve uma cooptação 
do poder político pelo poder econômico. Sem ele, veio o fundo eleitoral para suprir esse custo.
 Antes, usava-se fundo partidário mais financiamento privado. 
Agora, fundo partidário mais fundo eleitoral”, observou.



Folha Política

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Eunício pede ao STF para que negue pedido de votação aberta na eleição do Senado

Eunício Oliveira acaba de enviar um ofício ao STF pedindo para que Marco Aurélio Mello não acate o pedido para que a votação para a presidência do Senado seja aberta.

O Antagonista

EUA reagem ao envio de bombardeiros russos à Venezuela

Autoridades dos Estados Unidos reagiram vigorosamente ao envio de bombardeiros estratégicos russos TU-160 para a Venezuela. Autoridades do Pentágono disseram que dois bombardeiros russos – o Tupolev TU-160 BlackJacks, que pode voar a velocidades supersônicas – estão na Venezuela, junto com todos equipamentos necessários para reabastecimento e manutenção. Mike Pompeo, secretário de Estado dos Estados Unidos, condenou a decisão de Moscou de enviar os bombardeiros nucleares para a Venezuela. Ele declarou:

Jornalistas da grande mídia celebram prêmio falso para repórter da Folha

Profissionais de veículos da grande mídia brasileira estão parabenizando uma jornalista da Folha por um prêmio falso divulgado por perfil paródia no Twitter. Tudo começou com um tuíte do usuário @monicabengamo no Twitter. O perfil aparenta ter viés humorístico, uma espécie de paródia com a jornalista da “Folha de S. Paulo“, Mônica Bergamo. A mensagem original foi publicada na sexta-feira (14) às 16h40 (horário de Brasília).  “A competente colega Patrícia Campos Mello acaba de ganhar o Prêmio Folha Brasileiro do Ano 2018. O Prêmio a reconheceu como “Guardiã da Verdade”, afirma o perfil.