Pular para o conteúdo principal

Petroleiros ignoram a Justiça e deflagram greve assumidamente política


Imagem: Reprodução / Facebook



















Desafiando uma ordem judicial, a Federação Única dos Petroleiros (FUP) deflagrou no
 início da madrugada desta quarta-feira uma greve de três dias. Horas antes, o Tribunal 
Superior do Trabalho (TST) havia considerado ilegal a paralisação nas instalações da
 Petrobras. A FUP recorrerá contra a decisão.

O sindicalista José Maria Rangel, coordenador geral da FUP, deu de ombros para a 
proibição: “A Justiça do trabalho está agindo como a justiça do capital. Esse é o papel 
que ela tem cumprido ao longo dos últimos anos”, disse, numa reunião com movimentos
 sociais e sindicais na sede da CUT do Rio de Janeiro.
A FUP abriu no seu site uma página para o acompanhamento ''minuto a minuto'' da 
adesão à greve. Em sua página no Facebook, a federação noticiou à 1h da madrugada: 
“Greve dos petroleiros começa por refinarias, terminais e plataformas.”

O texto anotou: “A greve nacional dos petroleiros contra a política de preços de
 derivados da Petrobras começou aos primeiros minutos desta quarta-feira, 30, 
em diversas refinarias e terminais da empresa.”

A ilegalidade da greve foi declarada pelo TST a pedido da Advocacia-Geral da
 União e da Petrobras. Coube à ministra Maria de Assis Calsing relatar o caso. 
Ela tachou a greve de “política”, proibindo-a. Foi à canela: “Beira o oportunismo
 a greve anunciada…”. Fixou multa diária R$ 500 mil para a hipótese de 
descumprimento.

José Maria Rangel, o mandachuva da FUP, admitiu que a greve dos petroleiros tem 
mesmo um DNA político. E ele não parece enxergar nenhum problema nisso. 
Avalia que, para fazer política basta respirar.

“…A primeira coisa que os ministros do TST tinham que se perguntar é como que 
eles chegaram ao Tribunal”, disse o sindicalista. “Foi através de indicação política. 
O fim da Justiça do Trabalho, imposta pelo golpe, também é uma decisão política.
 O fato de Pedro Parente estar destruindo a Petrobrás é uma decisão política. 
Tudo em nossa vida gira em torno da política.

Folha Política

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné Equatorial e Congo não investirão mais no Brasil se Bolsonaro for eleito.

Bolsonaro já disse, não tem acordo com a esquerda, países como, Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné equatorial, Congo e entre outros, não levarão nenhum centavo do povo brasileiro.

O Paí já colocou R$ 42 Bilhões na Ilha que ficou mais conhecida como Ilha de Fidel. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.
Uma risonha presidente Dilma Rousseff inaugurou, ao do ditador cubano Raúl Castro, a primeira fase do Porto de Mariel, em Havana.

 Na época a presença de Dilma se devai a uma razão principal : a conta foi paga por ela- na verddae, por todos os brasieliros. O Mariel custou US$ 957 milhões de dólares, dos quais US4 802 milhões vieram de financiamento concedido pelo banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).

 O montante equivale a 2 bilhões. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.

Istoé notícia-Jornal 21 Brasil

TSE suspende propaganda do PT que associa Bolsonaro à tortura

Luis Felipe Salomão, do TSE, suspendeu a propaganda eleitoral em que a coligação petista associa Jair Bolsonaro à ditadura e à tortura.

O ministro atendeu o pedido da defesa de Bolsonaro, que alegou que o programa veiculado viola a lei eleitoral, “uma vez que incute medo na população ao sugerir que se o candidato Jair Bolsonaro for eleito vai perseguir e torturar eventuais opositores políticos”.

“O tribunal tem feito um esforço no sentido de elevar o nível do debate para se evitar a disseminação desse clima de pânico que estão criando”, disse o advogado de Bolsonaro, Tiago Ayres, a O Antagonista.

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…