Pular para o conteúdo principal

Presidente Temer participou nesta quinta de cerimônia religiosa na Assembleia de Deus, em Brasília.


Temer diz ter sido 'iluminado' e dá 'graças a Deus' pelo encerramento da greve dos caminhoneiros
Temer pediu aos presentes para que 'creiam' na força do diálogo.



Por Sara Resende, TV Globo, Brasília

31/05/2018 11h51




O presidente Michel Temer recebe os cumprimentos do Bispo Primaz Manoel Ferreira durante evento em Brasília (Foto: Marcos Corrêa/Presidência da República)



Em uma cerimônia religiosa realizada nesta quinta-feira (31), o presidente Michel Temer deu "graças a Deus" pelo encerramento da greve dos caminhoneiros e se disse "iluminado" após a resolução da crise.


O presidente participou de cerimônia em uma catedral da Assembleia de Deus em Brasília. O evento que contou com a presença do presidente é a Convenção Nacional das Assembleias de Deus no Brasil.


"Graças a Deus estamos encerrando a greve dos caminhoneiros por meio de uma atitude minha que tem sido criticada, o diálogo. Não uso a força, a autoridade, uso o diálogo, a palavra, eu e o governo todo, conectados com os estados e municípios", disse Temer.


Ele seguiu explicando que durante os 11 dias de paralisação dos caminhoneiros não houve violência por parte do Estado brasileiro.


"Não houve uma só violência pelo Estado brasileiro, a única morte ocorreu por uma atividade política, um caminhoneiro foi atingido por um tijolo", contou.


O presidente Michel Temer disse ainda que nesta quinta ele foi "iluminado" por Deus ao poder comemorar o enfraquecimento da greve no templo da Assembleia de Deus.


"Que isso sirva de exemplo para o nosso país, a força do diálogo. Depois de dialogar, chamei as Forças Armadas. Fui iluminado por Deus, que disse vai lá no templo da assembleia comemorar a pacificação do país. Quero pedir que todos vocês creiam como creio na força do diálogo e da palavra, que possam levar isso a todos os templos, puderem levar palavra de paz, harmonia, respeito mútuo, culto da familia e da unidade", relatou o presidente.

G 1
https://g1.globo.com/politica/noticia/temer-se-diz-iluminado-e-da-gracas-a-deus-pelo-encerramento-da-greve-dos-caminhoneiros.ghtml

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné Equatorial e Congo não investirão mais no Brasil se Bolsonaro for eleito.

Bolsonaro já disse, não tem acordo com a esquerda, países como, Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné equatorial, Congo e entre outros, não levarão nenhum centavo do povo brasileiro.

O Paí já colocou R$ 42 Bilhões na Ilha que ficou mais conhecida como Ilha de Fidel. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.
Uma risonha presidente Dilma Rousseff inaugurou, ao do ditador cubano Raúl Castro, a primeira fase do Porto de Mariel, em Havana.

 Na época a presença de Dilma se devai a uma razão principal : a conta foi paga por ela- na verddae, por todos os brasieliros. O Mariel custou US$ 957 milhões de dólares, dos quais US4 802 milhões vieram de financiamento concedido pelo banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).

 O montante equivale a 2 bilhões. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.

Istoé notícia-Jornal 21 Brasil

Justiça condena Juca Kfouri a pagar R$ 30 mil a Bolsonaro

A 26ª Câmara Cível do Rio determinou que Juca Kfouri e a ESPN paguem indenização de R$ 30 mil, mais correção e juros, por dano moral a Jair Bolsonaro, informa a Veja.

O presidenciável, porém, terá de indenizar o jornalista em R$ 6.000.

O caso começou em 2016, quando Kfouri criticou o comportamento de dois torcedores do Fluminense, comparando-os a torturadores e dizendo que deviam ser apoiadores de Bolsonaro.



Em resposta, o deputado gravou um vídeo com a camisa do Fluminense em que dizia que o jornalista estava “merecendo levar uns tabefes pra aprender a ser homem”.

Em seguida, Bolsonaro entrou com a ação por dano moral, alegando que na vida militar jamais participou de tortura. Na defesa, Kfouri negou ofensa à honra do hoje presidenciável.

RedeTV retirou o púlpito vazio de Lula por exigência de Bolsonaro

O púlpito vazio de Lula foi retirado pela RedeTv, após protesto de Jair Bolsonaro, que ameaçou não participar do debate.

 A Emissora consultou os demais concorrentes que concordaram segundo Igor Gadelha, da Crusoé.

 Diante dessa situação constrangedora, Bolsoanro tem moral mesmo sem ser o presidente, mas pode ser ainda no primeiro turno.