Pular para o conteúdo principal

URGENTE: STJ manda prender Carlinhos Chachoeira


Imagem: Márcio Alves / Ag. O Globo













O ministro Nefi Cordeiro, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), determinou que o 
empresário Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, acusado de ligação com 
o jogo do bicho, seja preso e comece já a cumprir pena de seis anos e oito meses de 
reclusão. Cachoeira foi condenado por corrupção relacionada a uma negociação dele 
com a Loterj. A condenação foi confirmada pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. 
A ordem para a execução da pena está amparada na decisão do Supremo Tribunal 
Federal (STF) sobre a prisão em segunda instância.
"Ressalto que esta Corte permanece cumprindo o precedente do Plenário da Suprema 
Corte, não obstante as fortes razões em contrário contidas em decisões da segunda turma
 daquela egrégia Corte - dispensada indicação casuística de necessidade da cautelar, 
pois assim não exigida pelo precedente aqui seguido", escreveu o ministro em despacho
 assinado nesta sexta-feira. Caberá ao Tribunal de Justiça do Rio, responsável pela 
condenação, expedir a ordem de prisão de Cachoeira.


Segundo a assessoria do STJ, na decisão o ministro destaca que o tribunal "tem aplicado
 o precedente estabelecido pelo Supremo Tribunal Federal em 2016, de permitir a
 execução provisória da pena após o exaurimento da jurisdição de segunda instância, 
já que, no entendimento da Suprema Corte, a execução provisória não viola o 
princípio constitucional de inocência". No mesmo despacho, Cordeiro rejeitou o
 pedido para determinar a prisão do ex-presidente da Loterj Waldomiro Diniz, 
também condenado no mesmo processo de Cachoeira. No caso de Diniz ainda 
existem recursos pendentes de deliberação.


O caso Waldomiro Diniz foi divulgado pela revista Época em 13 de fevereiro de 2004.
 Numa gravação, publicada pela revista, Diniz aparece pedindo propina de 1% a Cachoeira. 
A comissão estaria vinculada a um contrato entre uma empresa de Cachoeira e a Loterj.
 O diálogo entre os dois aconteceu em 2002, quando Diniz era presidente da Loterj.
 Mas a divulgação da gravação levou a demissão de Diniz que, à época do escândalo,
 era subchefe de Assuntos Parlamentares da Casa Civil, durante a gestão do ex-ministro 
José Dirceu.

Folha Política

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné Equatorial e Congo não investirão mais no Brasil se Bolsonaro for eleito.

Bolsonaro já disse, não tem acordo com a esquerda, países como, Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné equatorial, Congo e entre outros, não levarão nenhum centavo do povo brasileiro.

O Paí já colocou R$ 42 Bilhões na Ilha que ficou mais conhecida como Ilha de Fidel. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.
Uma risonha presidente Dilma Rousseff inaugurou, ao do ditador cubano Raúl Castro, a primeira fase do Porto de Mariel, em Havana.

 Na época a presença de Dilma se devai a uma razão principal : a conta foi paga por ela- na verddae, por todos os brasieliros. O Mariel custou US$ 957 milhões de dólares, dos quais US4 802 milhões vieram de financiamento concedido pelo banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).

 O montante equivale a 2 bilhões. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.

Istoé notícia-Jornal 21 Brasil

TSE suspende propaganda do PT que associa Bolsonaro à tortura

Luis Felipe Salomão, do TSE, suspendeu a propaganda eleitoral em que a coligação petista associa Jair Bolsonaro à ditadura e à tortura.

O ministro atendeu o pedido da defesa de Bolsonaro, que alegou que o programa veiculado viola a lei eleitoral, “uma vez que incute medo na população ao sugerir que se o candidato Jair Bolsonaro for eleito vai perseguir e torturar eventuais opositores políticos”.

“O tribunal tem feito um esforço no sentido de elevar o nível do debate para se evitar a disseminação desse clima de pânico que estão criando”, disse o advogado de Bolsonaro, Tiago Ayres, a O Antagonista.

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…