Pular para o conteúdo principal

Venezuela compra US$ 440 milhões em petróleo para enviá-lo subsidiado a Cuba


Imagem: Reprodução / Redes Sociais



















Enquanto a população da Venezuela enfrenta escassez de comida e remédios, a petrolífera
 estatal PDVSA comprou US$ 440 milhões em petróleo, entre janeiro de 2017 e maio deste ano,
 para enviá-lo subsidiado a Cuba. Segundo relatórios da empresa, aos quais a agência Reuters
 teve acesso, é a primeira vez que documentos mostram que o chavismo teve de importar o produto 
para abastecer um aliado regional, em vez de fornecê-lo das próprias reservas.

O petróleo que a PDVSA adquiriu para Cuba veio dos Urais, na Rússia, uma variedade adequada
 para refinarias cubanas construídas com equipamentos da era soviética. A PDVSA comprou o
 petróleo bruto de firmas chinesas, russas e suíças. 
Segundo os documentos, a PDVSA pagou até US$ 12 por barril, mas não deve ver a cor do 
dinheiro, porque a Venezuela sempre aceitou receber em bens e serviços em troca do produto
 subsidiado, conforme um acordo firmado pelos presidentes Hugo Chávez e Fidel Castro, em 
2000.

O carregamento representa cerca de 30% do total de importações de Cuba, mas aumenta ainda 
mais as já elevadas dívidas da Venezuela com as empresas estatais russas e chinesas que,
 juntas, cederam ao governo chavista mais de US$ 60 bilhões no último ano. A compra de petróleo
 para um aliado regional também evidencia a queda na produção das refinarias venezuelanas, que
 deixa o país cada vez mais dependente das importações de combustível para atender ao consumo. 

Os dados da PDVSA analisados pela Reuters mostram que a Venezuela comprou, em 2017, cerca de 
180 mil barris por dia de petróleo da PetroChina, Rosneft, Lukoil, Reliance Industries e 
outros fornecedores, 17% a mais que em 2016. As importações totalizaram US $ 4 bilhões, de acordo
 com os documentos. 

No ano passado, o total de compras da indústria de petróleo, incluindo equipamentos e 
serviços, consumiu 45% do total das importações da Venezuela – ante 13%, em 2011, segundo dados
 da Ecoanalitica, uma organização de pesquisa econômica com sede em Caracas. As importações
 de energia totalizaram US$ 5,4 bilhões de um total de US $ 11,9 bilhões.

As importações ocorreram quando a produção de petróleo da Venezuela, no primeiro trimestre, atingiu
 seu nível mais baixo dos últimos 33 anos – uma queda de 28% em 12 meses. As refinarias da 
Venezuela estão operando com um terço da capacidade e muitos trabalhadores estão se demitindo.

Apoio político. As entregas subsidiadas servem para manter o apoio político de Cuba, um dos
 poucos aliados que ainda restam à Venezuela, segundo diplomatas, políticos e executivos da
 PDVSA. “Maduro está dando tudo o que pode, pois o apoio desses países, especialmente de 
Cuba, é todo o apoio político que ele tem”, disse um ex-funcionário do governo venezuelano, 
que pediu para não ser identificado.

O regime chavista está sob crescente pressão internacional, principalmente dos Estados Unidos, 
da União Europeia e do Canadá, que já decretaram sanções econômicas à Venezuela
 pelo que consideram ser tentativas de Maduro de consolidar uma ditadura no país. 

À medida que a Venezuela gasta com as importações de petróleo, importa menos os produtos
 essenciais que seus cidadãos precisam desesperadamente. Os gastos do governo venezuelano
 com importações não petrolíferas caíram de quase US$ 46 bilhões, em 2011, para US$ 6 bilhões,
 em 2017, segundo dados do Banco Central da Venezuela e da Ecoanalitica. A PDVSA, 
o governo da Venezuela e o governo de Cuba foram procurados, mas não se pronunciaram
 sobre as informações publicadas pela Reuters. 

Folha Politica

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné Equatorial e Congo não investirão mais no Brasil se Bolsonaro for eleito.

Bolsonaro já disse, não tem acordo com a esquerda, países como, Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné equatorial, Congo e entre outros, não levarão nenhum centavo do povo brasileiro.

O Paí já colocou R$ 42 Bilhões na Ilha que ficou mais conhecida como Ilha de Fidel. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.
Uma risonha presidente Dilma Rousseff inaugurou, ao do ditador cubano Raúl Castro, a primeira fase do Porto de Mariel, em Havana.

 Na época a presença de Dilma se devai a uma razão principal : a conta foi paga por ela- na verddae, por todos os brasieliros. O Mariel custou US$ 957 milhões de dólares, dos quais US4 802 milhões vieram de financiamento concedido pelo banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).

 O montante equivale a 2 bilhões. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.

Istoé notícia-Jornal 21 Brasil

TSE suspende propaganda do PT que associa Bolsonaro à tortura

Luis Felipe Salomão, do TSE, suspendeu a propaganda eleitoral em que a coligação petista associa Jair Bolsonaro à ditadura e à tortura.

O ministro atendeu o pedido da defesa de Bolsonaro, que alegou que o programa veiculado viola a lei eleitoral, “uma vez que incute medo na população ao sugerir que se o candidato Jair Bolsonaro for eleito vai perseguir e torturar eventuais opositores políticos”.

“O tribunal tem feito um esforço no sentido de elevar o nível do debate para se evitar a disseminação desse clima de pânico que estão criando”, disse o advogado de Bolsonaro, Tiago Ayres, a O Antagonista.

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…