Pular para o conteúdo principal

Yunes, Amigão De Temer, Recebeu Propina Da Odebrecht Em Duas Parcelas





Laudo da Polícia Federal, obtido pela Folha, indica que o advogado José Yunes, amigo do presidente Michel Temer, recebeu R$ 1 milhão da Odebrecht em duas parcelas de R$ 500 mil. O segundo repasse, de acordo com análise dos investigadores, só teria ocorrido mediante pressões sobre a empreiteira e até a ameaça de um escândalo em Brasília.

O laudo foi elaborado a partir de novos arquivos entregues pela Odebrecht à Lava Jato, com registros dos sistemas Drousys e My Web Day, usados para gerir o pagamento de propinas a políticos.


REUNIÃO NO JABURU – A perícia da PF sobre essas mídias foi concluída em abril deste ano e integra o inquérito que apura se Temer e aliados negociaram, em reunião no Palácio do Jaburu, R$ 10 milhões em doações ilícitas de campanha para integrantes de seu partido, o MDB, parte delas usando o amigo e ex-assessor.

Os peritos recuperaram planilhas com a programação do suposto pagamento a Yunes, bem como dados da liquidação desse repasse. Além disso, foi encontrado um email no qual integrantes do esquema de corrupção da Odebrecht relatam pressão para que recursos fossem pagos.

Para os investigadores, os novos dados do inquérito corroboram a versão do MPF (Ministério Público Federal), que denunciou Yunes como arrecadador contumaz de propinas para Temer. Como a Folha revelou no domingo, em depoimento prestado à PF, o policial militar Abel de Queiroz – que trabalhava como encarregado da Transnacional, firma de transporte de valores contratada pela Odebrecht – disse ter ido duas vezes ao escritório do advogado para fazer entregas de dinheiro.

COM “ANGORÁ” – Uma das planilhas esquadrinhadas no laudo descreve a programação inicial de pagar R$ 1 milhão, em 26 de agosto de 2014, por meio de compromisso firmado com “Angorá” – codinome associado ao ministro de Minas e Energia, Moreira Franco. A senha para a entrega dos recursos seria “Pássaro”.

Num outro registro, consta que esse pagamento deveria ser feito “na rua Capitão Francisco, 90, Jardim Europa”, onde funciona o escritório de Yunes. “Procurar o sr José Yunes ou a sra. Cida”, diz o texto localizado pela PF.

Uma terceira tabela, intitulada “extrato bancário” e que registra a movimentação de recursos geridos por um dos doleiros da Odebrecht, indica que, em vez de R$ 1 milhão, foram repassados inicialmente R$ 500 mil. Essa movimentação financeira, datada de 1º de setembro de 2014, tem o mesmo código de requisição que consta da programação inicial de pagamento no escritório de Yunes.

EM PARCELAS – O email encontrado no material apresentado pela Odebrecht foi escrito em 30 de setembro de 2014, ou seja, quando, no entendimento da PF, os primeiros R$ 500 mil já teriam sido pagos. Foi enviado por “Waterloo” – codinome de Fernando Migliaccio, executivo do departamento de propinas da empreiteira– a “Vinho”, o doleiro Álvaro Novis, que trabalhava para a empreiteira.

No texto, “Waterloo” diz que a programação de pagamento era de R$ 1 milhão, mas, por “questões de caixa”, só havia autorizado pagar R$ 500 mil. Ele alega que a situação não poderia perdurar, em função do perfil do beneficiário dos recursos. “Dado o nível da pessoa, tanto do ponto de vista político, como do ponto de vista de caráter, não posso ficar com essa exposição”, escreveu.

Na sequência, Waterloo relata intimidações. “Preciso resolver os R$ 500 mil que ele alega não ter recebido. Já ameaçou fazer escândalo em Brasília e o pior é que ele conhece muito do nosso esquema. Ou seja, não dá para vacilar com este sujeito”, alertou.

Cunha na jogada – O texto não deixa claro quem, exatamente, é a pessoa que fez a ameaça. José de Carvalho, um dos delatores da Odebrecht, relatou em depoimento que o deputado cassado Eduardo Cunha (MDB-RJ) chegou a pressionar a Odebrecht por um repasse na mesma quantia, que teria sido acertado durante o jantar no Jaburu.

Para a PF, os elementos colhidos nas mídias indicam que o email se refere à operação para entregar R$ 1 milhão no escritório de Yunes. Os dados adicionais da investigação, segundo o laudo, poderão corroborar essa ligação.

“Waterloo” finaliza o email pedindo ajuda do doleiro. “Repito, ele alega que não recebeu. Estou torcendo para ser um equívoco de extrato”.

CONFIRMAÇÃO – Em outro depoimento, também obtido pela Folha, a ex-secretária do “Departamento de Propinas” da Odebrecht Maria Lúcia Tavares disse que a empreiteira pagou de forma fracionada a suposta propina destinada a Yunes.

Segundo ela, Carvalho lhe informou que a senhora “Cida” [personagem ligada a Yunes e ainda desconhecida dos investigadores] reclamou com ele que o valor não havia sido entregue. “Mas, posteriormente, identificou que o valor havia sido pago, porém de forma fracionada, por superar R$ 500 mil”, declarou, conforme a transcrição da oitiva, ocorrida em 17 de janeiro.

Noticias Brasil Online

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O sumiço da Faca e o registro na Câmara: Adelio não agiu sozinho, alerta Alexandre Garcia (Veja o Vídeo)

Algo de muito podre ronda a Polícia Legislativa da Câmara dos Deputados.

Após o golpe em Jair Bolsonaro, Adelio se livrou rapidamente da faca. Tudo indica que repassou para alguém, tanto é que a ‘arma branca’ foi encontrada numa barraca de ambulante, nas imediações. Alguém jogou esta faca onde foi achada. Parece óbvio. A questão do registro na Câmara também deve ser cuidadosamente examinada. Algo de muito podre ronda a Polícia Legislativa da Câmara dos Deputados. O diretor do setor alega que um recepcionista registrou por engano a entrada de Adélio Bispo de Oliveira no local, no dia 6 de setembro, o dia do atentado contra Jair Bolsonaro. Ora, foram constatados os registros de duas entradas do criminoso. O tal servidor registrou por engano duas vezes? E o nome do servidor distraído agora é mantido sob sigilo? Parece óbvio que caso o atentado tivesse sido exitoso e no meio da multidão Adelio alcançasse a fuga, o álibi estaria pronto. Esse era o plano e isto parece bem claro. Veja o vídeo…

PT atrasa pagamentos e funcionários da campanha cruzam os braços

Por causa de atraso nos pagamentos, parte dos funcionários da campanha do PT à Presidência nas eleições 2018 decidiu cruzar os braços e interrompeu os trabalhos nesta semana, em meio à substituição do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso na Lava Jato, por Fernando Haddad como cabeça de chapa. Os profissionais integram as equipes responsáveis pela produção dos programas eleitorais do partido para a TV, o que ameaça a entrega dos novos comerciais da coligação.
O Estadão/Broadcast apurou que parte da equipe de pré e pós-produção de vídeo da campanha petista está parada há pelo menos dois dias, o que pode atrapalhar a produção de programas dedicados a apresentar Haddad como indicado de Lula, cuja candidatura foi barrada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), com base na lei da Ficha Limpa, que torna inelegível condenados por decisão colegiada.
A paralisação dentro da campanha começou, de maneira progressiva, na semana passada, durante o feriado de 7 de Setembro. Os co…

Alvaro Dias chama Bolsonaro de “vagabundo bandido” e “quase morto” e recebe resposta do senador Magno Malta

Sem saber que estava sendo gravado, Álvaro Dias aproveitou para destilar todo o seu veneno com comentários maldosos sobre Jair Bolsonaro. O candidato do Podemos afirmou que Bolsonaro é um “vagabundo bandido” e que ‘ta quase morto”. Ainda no mesmo trecho, Dias afirma que “se não fosse a facada eu estaria destruindo ele hoje.”
Alvaro Dias ataca Bolsonaro e recebe A RESPOSTA de Magno Malta