Pular para o conteúdo principal

Zanin, furioso e abalado com contragolpe, não terá como cumprir determinação judicial



A festa realizada no escritório Teixeira & Martins, logo após a decisão da 2ª turma do 
Supremo Tribunal Federal (STF), que determinou que o juiz Sérgio Moro enviasse para
 a Justiça Federal de São Paulo, as delações da Odebrecht, transformou-se numa sucessão
 de verdadeiros ataques de fúria protagonizados pelo advogado Cristiano Zanin, garante a
 fonte do Jornal da Cidade Online.

A paz e a alegria no 19º andar da Rua Padre João Manuel, 755, sede do escritório em
 São Paulo, durou pouquíssimos dias.

Açodado, desconfortável e derrotado com a prisão de Lula, Zanin não tem a frieza
 necessária para litigar num processo tão difícil, contra um Ministério Público
 extremamente diligente e um juiz frio, estrategista e profundo conhecedor das
 nuances da lei.

O advogado atropela os fatos e tenta forçar situações que não encontram amparo 
legal.

Em petição protocolada no dia 30, Zanin coloca o próprio ministro Dias Toffolli numa 
situação delicada. Peticiona requerendo que o ministro determine que o juiz Sérgio Moro
 envie os processos contra o ex-presidente Lula, em trâmite em Curitiba para a Justiça 
Federal de São Paulo e anule o andamento de tais processo.

Toffoli não tem como atender o pleito. Estaria extrapolando os termos de sua decisão
 e, em consequência a decisão do STF.

Por outro lado, numa outra frente, tentando pressionar o juiz Sérgio Moro, Zanin 
atravessou
 uma outra petição pedindo o desbloqueio dos fundos de previdência de Lula.

O magistrado foi cirúrgico. Mandou que a defesa do ex-presidente comprovasse a
 licitude dos ganhos.

Zanin que exigia provas, agora terá que oferecer provas, numa situação que ele próprio 
provocou.

Terá que demonstrar que as palestras de Lula realmente aconteceram, comprovar os 
ganhos e a entrada legal do dinheiro.

Uma tarefa inglória. A petição juntada por Zanin nesta quarta-feira (2) é esdrúxula,
 medíocre e não faz a prova da licitude dos ganhos. Menciona as tais palestras sem fazer 
prova da realização.

Jornal da Cidade

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné Equatorial e Congo não investirão mais no Brasil se Bolsonaro for eleito.

Bolsonaro já disse, não tem acordo com a esquerda. países como, Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola Guiné equatorial Congo e entre outros, não levarão nenhum centavo do povo brasileiro.

O Paí já colocou R4 2 Bilhões na Ilha que ficou mais conmhecida como Ilha de Fidel. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.
Uma risonha presidente Dilma Rousseff inaugurou, ao do ditador cubano Raúl Castro, a primeira fase do Porto de Mariel, em Havana.

 Na época a presença de Dilma se devai a uma razão principal : a conta foi paga por ela- na verddae, por todos os brasieliros. O Mariel custou US$ 957 milhões de dólares, dos quais US4 802 milhões vieram de financiamento concedido pelo banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).

 O montante equivale a 2 bilhões.Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.

Istoé notícia-Jornal 21 Brasil

Bolsonaro volta a defender castração química para estupradores

O candidato Jair Bolsonaro (PSL) voltou a defender a castração química para estupradores em debate da Band, na noite desta quinta-feira. Ele foi questionado pelo senador Alvaro Dias (Podemos) sobre o que deveria ser feito para combater o crescimento do número de estupros e a desigualdade de gênero no Brasil.
O Brasil registrou 60.018 estupros, 164 casos por dia, e 221.238 crimes enquadrados na Lei Maria da Penha (606 casos por dia) ao longo de 2017. O número de estupros representa um crescimento de 8,4% em relação a 2016, mas não é possível saber a variação relativa aos casos de violência doméstica, já que este é o primeiro ano que o Fórum Brasileiro de Segurança Pública captou dos Estados dados dessa natureza.
Especialistas do Fórum acreditam que ambos os registros estejam subdimensionados dada a dificuldade de registro na polícia desses crimes. Ainda assim, a quantidade é considerada alarmante e pede a implementação de políticas específicas.

IstoÉ

A carta de princípios de Bolsonaro

Jair Bolsonaro não vai apresentar ao TSE um programa de governo tradicional, mas uma carta de princípios.

Segundo a Folha, o candidato vai dar ênfase à Segurança Pública, propor o corte de mais de uma dezena de ministérios e detalhar um pouco mais o plano econômico de Paulo Guedes.

Haverá ainda uma parte dedicada ao combate à corrupção. “A ideia de Bolsonaro é se apresentar para o eleitor como o único candidato à Presidência que manterá o funcionamento da Operação Lava Jato”.
A equipe de Bolsonaro estuda ainda zerar impostos e complementar a renda dos mais pobres.
O Antagonista