Pular para o conteúdo principal

A pedido de Lewandowski, 2ª Turma julgará ação de Lula contra Moro por áudios


Imagem: Nelson Jr. / STF
O ministro Ricardo Lewandowksi retirou do plenário virtual e pediu julgamento presencial na 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal de uma reclamação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva contra o juiz Sérgio Moro que tenta anular áudios interceptados pela Operação Lava Jato.
A defesa do ex-presidente alega que o magistrado da 13ª Vara Federal em Curitiba (PR) usurpou a competência do Supremo Tribunal Federal no caso. Isso porque, dizem os advogados, as escutas alcançaram pessoas com foro, tendo o juiz emitido juízo de valor sobre as conversas, quando deveria ter imediatamente enviado o conteúdo dos diálogos ao STF.
Os defensores afirmam que houve ilegalidade no levantamento do sigilo dos áudios que envolviam ministros de Estados, ministro do TCU e congressistas e ainda ao determinar a inclusão das falas interceptadas com pessoas detentoras de prerrogativa de foro em procedimentos investigatórios que tramitam na primeira instância, o que permitiria a investigação de pessoas com foro e devassa no material.
Em decisão monocrática do dia 9 de outubro de 2017, o ministro Edson Fachin rejeitou o pedido. A defesa de Lula recorreu e insiste na anulação dos áudios. No mês passado, o relator da Lava Jato submeteu o caso ao plenário virtual da 2ª Turma, quando os ministros julgam de forma eletrônica o caso. O processo começou a ser analisado na sexta-feira (8/6). Nesta terça-feira (12/6), Lewandowski requereu o julgamento presencial no colegiado, que é composto ainda por Dias Toffoli, Gilmar Mendes e Celso de Mello.
Antes da deliberação de Fachin, Lewandowski, então presidente do STF, chegou a conceder liminar neste caso determinando que o conteúdo das gravações eletrônicas que reportassem autoridades dotadas de prerrogativa de função permanecessem em autos apartados – cobertos pelo devido sigilo – até posterior apreciação final da reclamação.
Segundo os advogados de Lula, “as razões suscitadas pelo magistrado para levantar o sigilo de todo o conteúdo interceptado reside, justamente, no fato de eles demonstrarem, em sua concepção, um cenário de obstrução à justiça, contexto no qual os agentes dotados de foro especial por prerrogativa de função se encontram inseridos. Não há que se falar, destarte, que o caso ora em exame versa de simples menção ao nome de autoridades detentoras de prerrogativa”.
A defesa argumenta ainda que “no contexto em que os diálogos foram trazidos pela Autoridade reclamada, é, sim, apontada, de forma implícita – e injusta, registre-se! –, conduta indevida por parte dos referidos parlamentares, ao menos em situação de conivência”.
Ao negar seguimento à reclamação, Fachin lembrou que uma decisão tomada por seu antecessor na relatoria da Lava Jato, Teori Zavascki, em outro processo esvaziou esse recurso. Teori anulou a validade jurídica da escuta telefônica que interceptou conversa do petista com a então presidente afastada Dilma Rousseff.
Teori considerou que Sérgio Moro não tinha competência para analisar o material, por envolver a presidente da República, que só pode ser investigada pelo Supremo. Além disso, o ministro considerou irregular a divulgação das conversas.
Fachin argumentou que “a mera captação de diálogos envolvendo detentor de prerrogativa de foro não permite, por si só, o reconhecimento de usurpação da competência da Corte. Indispensável, em verdade, o apontamento concreto e específico da potencial aptidão da prova de interferir na esfera jurídico do titular da referida prerrogativa.”
“Ao menos em tese, é possível que os diálogos captados desempenhem função informativa em relação a aspectos próprios de apenas um dos interlocutores”, disse.
O ministro citou ainda que as informações prestadas por Moro afirmam que “não há indicação concreta de que os diálogos captados indiciem o envolvimento criminoso de detentor de prerrogativa de foro, sendo que a defesa, por sua vez, não apresentou argumentação que autorize conclusão diversa”.
A Procuradoria Geral da República escreveu que “houve reconhecimento da nulidade do conteúdo de conversas colhidas após a determinação judicial de interrupção das interceptações telefônicas, não daquelas outras colhidas antes da decisão de interrupção, que permanecem válidas e podem ser utilizadas se tiverem relevância probatória em futura ação penal”, afirmou o ministro. “Não há desrespeito à decisão dessa Corte Suprema, tampouco usurpação de sua competência”, completou.
O então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, apontou ainda problema processual no caso. Não tendo sido claramente apontado pelo o fato e o suposto indício seguro de ilícito penal perpetrado pela autoridade detentora de foro por prerrogativa de função – e cuja investigação seja, portanto, de competência do Tribunal -, a reclamação carece de um pressuposto fundamental, impedindo seu conhecimento”.
Politica na Rede

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné Equatorial e Congo não investirão mais no Brasil se Bolsonaro for eleito.

Bolsonaro já disse, não tem acordo com a esquerda, países como, Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné equatorial, Congo e entre outros, não levarão nenhum centavo do povo brasileiro.

O Paí já colocou R$ 42 Bilhões na Ilha que ficou mais conhecida como Ilha de Fidel. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.
Uma risonha presidente Dilma Rousseff inaugurou, ao do ditador cubano Raúl Castro, a primeira fase do Porto de Mariel, em Havana.

 Na época a presença de Dilma se devai a uma razão principal : a conta foi paga por ela- na verddae, por todos os brasieliros. O Mariel custou US$ 957 milhões de dólares, dos quais US4 802 milhões vieram de financiamento concedido pelo banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).

 O montante equivale a 2 bilhões. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.

Istoé notícia-Jornal 21 Brasil

TSE suspende propaganda do PT que associa Bolsonaro à tortura

Luis Felipe Salomão, do TSE, suspendeu a propaganda eleitoral em que a coligação petista associa Jair Bolsonaro à ditadura e à tortura.

O ministro atendeu o pedido da defesa de Bolsonaro, que alegou que o programa veiculado viola a lei eleitoral, “uma vez que incute medo na população ao sugerir que se o candidato Jair Bolsonaro for eleito vai perseguir e torturar eventuais opositores políticos”.

“O tribunal tem feito um esforço no sentido de elevar o nível do debate para se evitar a disseminação desse clima de pânico que estão criando”, disse o advogado de Bolsonaro, Tiago Ayres, a O Antagonista.

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…