Pular para o conteúdo principal

A pedido de Lewandowski, 2ª Turma julgará ação de Lula contra Moro por áudios


Imagem: Nelson Jr. / STF
O ministro Ricardo Lewandowksi retirou do plenário virtual e pediu julgamento presencial na 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal de uma reclamação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva contra o juiz Sérgio Moro que tenta anular áudios interceptados pela Operação Lava Jato.
A defesa do ex-presidente alega que o magistrado da 13ª Vara Federal em Curitiba (PR) usurpou a competência do Supremo Tribunal Federal no caso. Isso porque, dizem os advogados, as escutas alcançaram pessoas com foro, tendo o juiz emitido juízo de valor sobre as conversas, quando deveria ter imediatamente enviado o conteúdo dos diálogos ao STF.
Os defensores afirmam que houve ilegalidade no levantamento do sigilo dos áudios que envolviam ministros de Estados, ministro do TCU e congressistas e ainda ao determinar a inclusão das falas interceptadas com pessoas detentoras de prerrogativa de foro em procedimentos investigatórios que tramitam na primeira instância, o que permitiria a investigação de pessoas com foro e devassa no material.
Em decisão monocrática do dia 9 de outubro de 2017, o ministro Edson Fachin rejeitou o pedido. A defesa de Lula recorreu e insiste na anulação dos áudios. No mês passado, o relator da Lava Jato submeteu o caso ao plenário virtual da 2ª Turma, quando os ministros julgam de forma eletrônica o caso. O processo começou a ser analisado na sexta-feira (8/6). Nesta terça-feira (12/6), Lewandowski requereu o julgamento presencial no colegiado, que é composto ainda por Dias Toffoli, Gilmar Mendes e Celso de Mello.
Antes da deliberação de Fachin, Lewandowski, então presidente do STF, chegou a conceder liminar neste caso determinando que o conteúdo das gravações eletrônicas que reportassem autoridades dotadas de prerrogativa de função permanecessem em autos apartados – cobertos pelo devido sigilo – até posterior apreciação final da reclamação.
Segundo os advogados de Lula, “as razões suscitadas pelo magistrado para levantar o sigilo de todo o conteúdo interceptado reside, justamente, no fato de eles demonstrarem, em sua concepção, um cenário de obstrução à justiça, contexto no qual os agentes dotados de foro especial por prerrogativa de função se encontram inseridos. Não há que se falar, destarte, que o caso ora em exame versa de simples menção ao nome de autoridades detentoras de prerrogativa”.
A defesa argumenta ainda que “no contexto em que os diálogos foram trazidos pela Autoridade reclamada, é, sim, apontada, de forma implícita – e injusta, registre-se! –, conduta indevida por parte dos referidos parlamentares, ao menos em situação de conivência”.
Ao negar seguimento à reclamação, Fachin lembrou que uma decisão tomada por seu antecessor na relatoria da Lava Jato, Teori Zavascki, em outro processo esvaziou esse recurso. Teori anulou a validade jurídica da escuta telefônica que interceptou conversa do petista com a então presidente afastada Dilma Rousseff.
Teori considerou que Sérgio Moro não tinha competência para analisar o material, por envolver a presidente da República, que só pode ser investigada pelo Supremo. Além disso, o ministro considerou irregular a divulgação das conversas.
Fachin argumentou que “a mera captação de diálogos envolvendo detentor de prerrogativa de foro não permite, por si só, o reconhecimento de usurpação da competência da Corte. Indispensável, em verdade, o apontamento concreto e específico da potencial aptidão da prova de interferir na esfera jurídico do titular da referida prerrogativa.”
“Ao menos em tese, é possível que os diálogos captados desempenhem função informativa em relação a aspectos próprios de apenas um dos interlocutores”, disse.
O ministro citou ainda que as informações prestadas por Moro afirmam que “não há indicação concreta de que os diálogos captados indiciem o envolvimento criminoso de detentor de prerrogativa de foro, sendo que a defesa, por sua vez, não apresentou argumentação que autorize conclusão diversa”.
A Procuradoria Geral da República escreveu que “houve reconhecimento da nulidade do conteúdo de conversas colhidas após a determinação judicial de interrupção das interceptações telefônicas, não daquelas outras colhidas antes da decisão de interrupção, que permanecem válidas e podem ser utilizadas se tiverem relevância probatória em futura ação penal”, afirmou o ministro. “Não há desrespeito à decisão dessa Corte Suprema, tampouco usurpação de sua competência”, completou.
O então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, apontou ainda problema processual no caso. Não tendo sido claramente apontado pelo o fato e o suposto indício seguro de ilícito penal perpetrado pela autoridade detentora de foro por prerrogativa de função – e cuja investigação seja, portanto, de competência do Tribunal -, a reclamação carece de um pressuposto fundamental, impedindo seu conhecimento”.
Politica na Rede

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileiros são acusados de machismo e racismo na Copa da Rússia

Em vídeo viral, um grupo de homens se aproveita do fato de uma jovem russa não saber português para assediar a moça





A Copa da Rússia mal começou e algumas atitudes de torcedores brasileiros provocaram reações inflamadas na internet. Em um vídeo publicado na noite de sábado (16/6), alguns homens se aproximaram de uma jovem estrangeira, aparentemente russa, e fizeram uma gravação com ela. Nas redes sociais, o ato foi apontado como uma demonstração de machismo e racismo. Entre outros impropérios, o grupo cantou “essa buceta é bem rosinha”, referindo-se à cor da mulher. A moça, que obviamente não entende uma única palavra em português, cantou junto a eles, sem ter noção do desrespeito. A objetificação pela qual a estrangeira passa – uma pessoa é reduzida aos órgãos genitais – foi considerada ofensiva pelos internautas. Além do machismo alarmante, tendo em vista que um grupo de adultos achou por bem fazer comentários grotescos sobre o corpo de uma desconhecida na rua, há indícios de racismo…

Veja a lista dos deputados que querem uma CPI para acabar com a Lava Jato

O PT está no centro da articulação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) com o objetivo de investigar a suposta venda de “proteção” em delações premiadas por parte de advogados e delatores. Trata-se da "CPI das delações", com potencial para afetar os trabalhos da operação Lava Jato e até extingui-la. 

Segundo o líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (PT-RS), trata-se de uma investigação sobre a "indústria da delação". Os pontos de partida serão as delações dos doleiros Vinícius Claret, o Juca Bala, e Cláudio de Souza, integrantes do esquema comandado por Dario Messer, chamado de “doleiro de todos os doleiros”, que acusam o advogado Antonio Figueiredo Basto, um dos maiores especialistas do País em colaborações premiadas, de cobrar uma “taxa de proteção” de US$ 50 mil mensais (cerca de R$ 185 mil) de outros integrantes do esquema entre 2005 e 2013.
Veja quem são os deputados que assinaram o pedido: 


Cármen Lúcia arquiva processo sobre menção de Joesley a ministros do STF Presidente do STF determinou extinção da investigação aberta, a pedido dela, para apurar citação a ministros na delação de executivos da empresa JBS Por Agência Brasil

Cármen Lúcia: "Não poderia pender qualquer tipo de mais leve dúvida sobre a conduta daqueles que compõe, que integram este Supremo Tribunal Federal" (Rosinei Coutinho/SCO/STF/Agência Brasil) A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, informou, na abertura da sessão plenária desta quinta-feira (21), ter determinado a extinção e o arquivamento definitivo da investigação aberta, a pedido dela, pela Polícia Federal, para apurar citação a ministros da Corte na delação de executivos da empresa JBS, do grupo J&F. A decisão foi tomada após o diretor-geral da PF, Rogério Galloro, entregar o relatório final das investigações à Cármen Lúcia. De acordo com o documento, “não foram encontradas gravações que indicassem qualquer participação de ministros do Supremo Tribunal Federal envolvidos e ou citados em qualquer ato ilícito”. Com base no relatório da PF, Cármen Lúcia afirmou que “não houve, não há qualquer dúvida, que tenha sido extraída de qualquer doc…