Pular para o conteúdo principal

A pedido de Lewandowski, 2ª Turma julgará ação de Lula contra Moro por áudios


Imagem: Nelson Jr. / STF
O ministro Ricardo Lewandowksi retirou do plenário virtual e pediu julgamento presencial na 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal de uma reclamação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva contra o juiz Sérgio Moro que tenta anular áudios interceptados pela Operação Lava Jato.
A defesa do ex-presidente alega que o magistrado da 13ª Vara Federal em Curitiba (PR) usurpou a competência do Supremo Tribunal Federal no caso. Isso porque, dizem os advogados, as escutas alcançaram pessoas com foro, tendo o juiz emitido juízo de valor sobre as conversas, quando deveria ter imediatamente enviado o conteúdo dos diálogos ao STF.
Os defensores afirmam que houve ilegalidade no levantamento do sigilo dos áudios que envolviam ministros de Estados, ministro do TCU e congressistas e ainda ao determinar a inclusão das falas interceptadas com pessoas detentoras de prerrogativa de foro em procedimentos investigatórios que tramitam na primeira instância, o que permitiria a investigação de pessoas com foro e devassa no material.
Em decisão monocrática do dia 9 de outubro de 2017, o ministro Edson Fachin rejeitou o pedido. A defesa de Lula recorreu e insiste na anulação dos áudios. No mês passado, o relator da Lava Jato submeteu o caso ao plenário virtual da 2ª Turma, quando os ministros julgam de forma eletrônica o caso. O processo começou a ser analisado na sexta-feira (8/6). Nesta terça-feira (12/6), Lewandowski requereu o julgamento presencial no colegiado, que é composto ainda por Dias Toffoli, Gilmar Mendes e Celso de Mello.
Antes da deliberação de Fachin, Lewandowski, então presidente do STF, chegou a conceder liminar neste caso determinando que o conteúdo das gravações eletrônicas que reportassem autoridades dotadas de prerrogativa de função permanecessem em autos apartados – cobertos pelo devido sigilo – até posterior apreciação final da reclamação.
Segundo os advogados de Lula, “as razões suscitadas pelo magistrado para levantar o sigilo de todo o conteúdo interceptado reside, justamente, no fato de eles demonstrarem, em sua concepção, um cenário de obstrução à justiça, contexto no qual os agentes dotados de foro especial por prerrogativa de função se encontram inseridos. Não há que se falar, destarte, que o caso ora em exame versa de simples menção ao nome de autoridades detentoras de prerrogativa”.
A defesa argumenta ainda que “no contexto em que os diálogos foram trazidos pela Autoridade reclamada, é, sim, apontada, de forma implícita – e injusta, registre-se! –, conduta indevida por parte dos referidos parlamentares, ao menos em situação de conivência”.
Ao negar seguimento à reclamação, Fachin lembrou que uma decisão tomada por seu antecessor na relatoria da Lava Jato, Teori Zavascki, em outro processo esvaziou esse recurso. Teori anulou a validade jurídica da escuta telefônica que interceptou conversa do petista com a então presidente afastada Dilma Rousseff.
Teori considerou que Sérgio Moro não tinha competência para analisar o material, por envolver a presidente da República, que só pode ser investigada pelo Supremo. Além disso, o ministro considerou irregular a divulgação das conversas.
Fachin argumentou que “a mera captação de diálogos envolvendo detentor de prerrogativa de foro não permite, por si só, o reconhecimento de usurpação da competência da Corte. Indispensável, em verdade, o apontamento concreto e específico da potencial aptidão da prova de interferir na esfera jurídico do titular da referida prerrogativa.”
“Ao menos em tese, é possível que os diálogos captados desempenhem função informativa em relação a aspectos próprios de apenas um dos interlocutores”, disse.
O ministro citou ainda que as informações prestadas por Moro afirmam que “não há indicação concreta de que os diálogos captados indiciem o envolvimento criminoso de detentor de prerrogativa de foro, sendo que a defesa, por sua vez, não apresentou argumentação que autorize conclusão diversa”.
A Procuradoria Geral da República escreveu que “houve reconhecimento da nulidade do conteúdo de conversas colhidas após a determinação judicial de interrupção das interceptações telefônicas, não daquelas outras colhidas antes da decisão de interrupção, que permanecem válidas e podem ser utilizadas se tiverem relevância probatória em futura ação penal”, afirmou o ministro. “Não há desrespeito à decisão dessa Corte Suprema, tampouco usurpação de sua competência”, completou.
O então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, apontou ainda problema processual no caso. Não tendo sido claramente apontado pelo o fato e o suposto indício seguro de ilícito penal perpetrado pela autoridade detentora de foro por prerrogativa de função – e cuja investigação seja, portanto, de competência do Tribunal -, a reclamação carece de um pressuposto fundamental, impedindo seu conhecimento”.
Politica na Rede

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Eunício pede ao STF para que negue pedido de votação aberta na eleição do Senado

Eunício Oliveira acaba de enviar um ofício ao STF pedindo para que Marco Aurélio Mello não acate o pedido para que a votação para a presidência do Senado seja aberta.

O Antagonista

EUA reagem ao envio de bombardeiros russos à Venezuela

Autoridades dos Estados Unidos reagiram vigorosamente ao envio de bombardeiros estratégicos russos TU-160 para a Venezuela. Autoridades do Pentágono disseram que dois bombardeiros russos – o Tupolev TU-160 BlackJacks, que pode voar a velocidades supersônicas – estão na Venezuela, junto com todos equipamentos necessários para reabastecimento e manutenção. Mike Pompeo, secretário de Estado dos Estados Unidos, condenou a decisão de Moscou de enviar os bombardeiros nucleares para a Venezuela. Ele declarou:

Jornalistas da grande mídia celebram prêmio falso para repórter da Folha

Profissionais de veículos da grande mídia brasileira estão parabenizando uma jornalista da Folha por um prêmio falso divulgado por perfil paródia no Twitter. Tudo começou com um tuíte do usuário @monicabengamo no Twitter. O perfil aparenta ter viés humorístico, uma espécie de paródia com a jornalista da “Folha de S. Paulo“, Mônica Bergamo. A mensagem original foi publicada na sexta-feira (14) às 16h40 (horário de Brasília).  “A competente colega Patrícia Campos Mello acaba de ganhar o Prêmio Folha Brasileiro do Ano 2018. O Prêmio a reconheceu como “Guardiã da Verdade”, afirma o perfil.