Pular para o conteúdo principal

Após ser solto em audiência de custódia, homem mata mulher no DF


Imagem: Reprodução / Redes Sociais



















O juiz Aragonê Nunes Fernandes, que atua no Núcleo de Audiências de Custódia 
do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios, aproveitou a decisão de 
converter em preventiva a prisão em flagrante de um homem pela prática, em tese, 
de homicídio de sua mulher para fazer uma espécie de desabafo.



O magistrado afirmou que “não tem bola de cristal” e que nem sempre é possível 
prever qual agressor irá concretizar ameças a sua companheira.


“Infelizmente, todos os dias este NAC recebe um grande número de autuados 
envolvidos em crimes relacionados à Lei Maria da Penha. São comuns delitos de
 ameaça, de injúria, de lesões corporais, entre outros. Por não termos “bola de cristal”,
 não temos como prever aqueles que realmente concretizarão as ameaças que fazem. 
Prender a todos, indistintamente, não parece ser o melhor caminho a seguir”, afirmou.


A declaração do juiz ocorreu na discussão do caso de Vinícius Rodrigues de Sousa. 
Há dois dias, o homem passou por audiência de custódia e foi colocado em liberdade 
provisória com mediante cautelares e a imposição de medidas protetivas em favor da 
vítima.


Mesmo com a determinação de impossibilidade de procurar a vítima, ele retornou à
 residência e retirou a vida dela e na sequência tentou suicídio. “Em tal cenário, outra 
providência não há senão a segregação cautelar, como forma de garantir a ordem 
pública, preservando inclusive a integridade dos demais familiares”, 
disse Fernandes.


A prisão gerou a instauração de procedimento criminal distribuído ao Tribunal do 
Júri de Samambaia, onde os fatos serão apurados e o processo seguirá seu trâmite 
até o julgamento do autuado. O homem encontra-se hospitalizado.

Folha Política




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileiros são acusados de machismo e racismo na Copa da Rússia

Em vídeo viral, um grupo de homens se aproveita do fato de uma jovem russa não saber português para assediar a moça





A Copa da Rússia mal começou e algumas atitudes de torcedores brasileiros provocaram reações inflamadas na internet. Em um vídeo publicado na noite de sábado (16/6), alguns homens se aproximaram de uma jovem estrangeira, aparentemente russa, e fizeram uma gravação com ela. Nas redes sociais, o ato foi apontado como uma demonstração de machismo e racismo. Entre outros impropérios, o grupo cantou “essa buceta é bem rosinha”, referindo-se à cor da mulher. A moça, que obviamente não entende uma única palavra em português, cantou junto a eles, sem ter noção do desrespeito. A objetificação pela qual a estrangeira passa – uma pessoa é reduzida aos órgãos genitais – foi considerada ofensiva pelos internautas. Além do machismo alarmante, tendo em vista que um grupo de adultos achou por bem fazer comentários grotescos sobre o corpo de uma desconhecida na rua, há indícios de racismo…

Veja a lista dos deputados que querem uma CPI para acabar com a Lava Jato

O PT está no centro da articulação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) com o objetivo de investigar a suposta venda de “proteção” em delações premiadas por parte de advogados e delatores. Trata-se da "CPI das delações", com potencial para afetar os trabalhos da operação Lava Jato e até extingui-la. 

Segundo o líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (PT-RS), trata-se de uma investigação sobre a "indústria da delação". Os pontos de partida serão as delações dos doleiros Vinícius Claret, o Juca Bala, e Cláudio de Souza, integrantes do esquema comandado por Dario Messer, chamado de “doleiro de todos os doleiros”, que acusam o advogado Antonio Figueiredo Basto, um dos maiores especialistas do País em colaborações premiadas, de cobrar uma “taxa de proteção” de US$ 50 mil mensais (cerca de R$ 185 mil) de outros integrantes do esquema entre 2005 e 2013.
Veja quem são os deputados que assinaram o pedido: 


Cármen Lúcia arquiva processo sobre menção de Joesley a ministros do STF Presidente do STF determinou extinção da investigação aberta, a pedido dela, para apurar citação a ministros na delação de executivos da empresa JBS Por Agência Brasil

Cármen Lúcia: "Não poderia pender qualquer tipo de mais leve dúvida sobre a conduta daqueles que compõe, que integram este Supremo Tribunal Federal" (Rosinei Coutinho/SCO/STF/Agência Brasil) A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, informou, na abertura da sessão plenária desta quinta-feira (21), ter determinado a extinção e o arquivamento definitivo da investigação aberta, a pedido dela, pela Polícia Federal, para apurar citação a ministros da Corte na delação de executivos da empresa JBS, do grupo J&F. A decisão foi tomada após o diretor-geral da PF, Rogério Galloro, entregar o relatório final das investigações à Cármen Lúcia. De acordo com o documento, “não foram encontradas gravações que indicassem qualquer participação de ministros do Supremo Tribunal Federal envolvidos e ou citados em qualquer ato ilícito”. Com base no relatório da PF, Cármen Lúcia afirmou que “não houve, não há qualquer dúvida, que tenha sido extraída de qualquer doc…