Pular para o conteúdo principal

Articulação ligada a FHC vê Marina como alternativa


Imagem: Mauro Pimentel / AFP


















Lançado na semana passada com o apoio do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso,
 o movimento suprapartidário que busca viabilizar uma candidatura comprometida com 
as reformas estruturais avalia que Marina Silva (Rede) pode se consolidar como uma 
alternativa do chamado “centro democrático” na disputa presidencial. 

Líderes políticos que integram o grupo acreditam que as conversas devem se concentrar 
em três nomes: a ex-ministra do Meio Ambiente, o presidenciável do PSDB, Geraldo Alckmin
 e Alvaro Dias, pré-candidato do Podemos.
A preocupação é criar uma terceira via para enfrentar eventual polarização entre o 
deputado Jair Bolsonaro (PSL-SP) e um candidato que represente uma coalizão de esquerda.
 Parte dos signatários do manifesto Por um Polo Democrático e Reformista, lançado na semana 
passada, incentivou a entrada de um outsider na corrida presidencial, no caso, o apresentador
 Luciano Huck, que declinou do convite feito pelo PPS.

Nesse aspecto, a avaliação é que, além do desempenho nas pesquisas de intenção de voto,
 Marina ainda é um nome menos contaminado pelo desgaste com os partidos e a política 
tradicional.

Na pesquisa Datafolha divulgada ontem, a ex-ministra se mantém em segundo lugar, com 
até 15% das intenções de voto, nos cenários sem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva,
 do PT, preso e condenado na Operação Lava Jato. 

Bolsonaro lidera com 19% das preferências na ausência de Lula. Alckmin, que tenta unir o 
“centro” em torno do seu nome, alcança 7% das intenções de voto, em situação de empate 
técnico com o ex-ministro Ciro Gomes. O pré-candidato do PDT oscilou entre 10% e 11%. 
Já Alvaro Dias aparece com 4%. 

“Marina é uma candidata desse campo. O nome dela deve ser levado em consideração.
 Achamos no PPS que Alckmin é o melhor candidato, mas não podemos ir para a conversa 
impondo o nome dele. Temos de admitir que pode não ser”, disse ao Estado o presidente 
nacional do PPS, Roberto Freire. Segundo Freire, em conversa recente, a mesma avaliação 
foi feita por Fernando Henrique. Ao jornal O Globo, FHC disse que “não convém” fechar portas 
para a ex-ministra.

O grupo ainda acredita que Alckmin terá fôlego de “maratonista” e vai crescer quando a
 campanha começar de fato. O nome de Marina, porém, é visto como alternativa, especialmente 
em face à crise interna que afeta a pré-campanha tucana.

Estacionado nas pesquisas de intenção, o ex-governador enfrenta a desconfiança de aliados
 e até de setores do próprio PSDB sobre suas chances e está sendo pressionado a adotar uma
 estratégia mais agressiva. A articulação do grupo ligado a FHC irritou o entorno de Alckmin.
 A leitura é que o movimento criou um clima ruim e “espantou” os dois principais alvos do 
partido nesse momento: o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e Alvaro Dias. 
Os tucanos marcaram um jantar com Maia na semana que vem para recompor a relação. 
“O objetivo é estarmos todos juntos no primeiro turno, mas com Geraldo na cabeça da 
chapa”, disse o deputado Nilson Leitão (MT), líder do PSDB na Câmara.

Fernando Henrique se reuniu recentemente com a senadora Rose de Freitas (Podemos-ES)
 em São Paulo para falar sobre a necessidade de união do centro já no primeiro turno e
 demonstrou preocupação com a fragmentação desse campo político em muitas candidaturas. 

Em conversas com aliados, o pré-candidato do Podemos tem dito que acredita em um 
afunilamento no primeiro turno para dois candidatos do centro: um liderado pelo PSDB e outro 
à margem dessa composição. “É difícil saber agora qual é o nome mais adequado para 
liderar essa convergência. É muito cedo para identificarmos. O ambiente está muito confuso”,
 afirmou Dias. 

Resistências. Na Rede, há resistências a uma aproximação com o PSDB – Marina já apontou
 falta de “identidade programática” entre as siglas – e partidos do centro. Interlocutores avaliam
 que, do ponto de vista pragmático, uma aliança seria positiva, mas veem dificuldade em conciliar
 temas da economia e do meio ambiente. “Em hipótese alguma, Marina abriria mão de ser 
candidata e, dificilmente, abriria mão da independência da polarização entre PT e PSDB”, 
disse o coordenador da Rede, Bazileu Margarido. O “plano A “da pré-candidata é reavivar as
 alianças de 2014, principalmente o PSB, que tem 26 deputados na Câmara e também é cortejado 
pelo PT e o PDT. 

O receio de uma polarização entre Bolsonaro e um candidato da esquerda e a percepção de que 
nenhum candidato mais identificado com as reformas estruturais tem chance de vitória ajudou a
 estressar o mercado na semana passada. Na quinta-feira, o dólar registrou uma disparada e
 chegou R$ 3,91, enquanto a Bolsa caiu 2.93%.

Procurados, Marina e FHC não se pronunciaram.

Folha Política

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné Equatorial e Congo não investirão mais no Brasil se Bolsonaro for eleito.

Bolsonaro já disse, não tem acordo com a esquerda, países como, Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné equatorial, Congo e entre outros, não levarão nenhum centavo do povo brasileiro.

O Paí já colocou R$ 42 Bilhões na Ilha que ficou mais conhecida como Ilha de Fidel. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.
Uma risonha presidente Dilma Rousseff inaugurou, ao do ditador cubano Raúl Castro, a primeira fase do Porto de Mariel, em Havana.

 Na época a presença de Dilma se devai a uma razão principal : a conta foi paga por ela- na verddae, por todos os brasieliros. O Mariel custou US$ 957 milhões de dólares, dos quais US4 802 milhões vieram de financiamento concedido pelo banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).

 O montante equivale a 2 bilhões. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.

Istoé notícia-Jornal 21 Brasil

Justiça condena Juca Kfouri a pagar R$ 30 mil a Bolsonaro

A 26ª Câmara Cível do Rio determinou que Juca Kfouri e a ESPN paguem indenização de R$ 30 mil, mais correção e juros, por dano moral a Jair Bolsonaro, informa a Veja.

O presidenciável, porém, terá de indenizar o jornalista em R$ 6.000.

O caso começou em 2016, quando Kfouri criticou o comportamento de dois torcedores do Fluminense, comparando-os a torturadores e dizendo que deviam ser apoiadores de Bolsonaro.



Em resposta, o deputado gravou um vídeo com a camisa do Fluminense em que dizia que o jornalista estava “merecendo levar uns tabefes pra aprender a ser homem”.

Em seguida, Bolsonaro entrou com a ação por dano moral, alegando que na vida militar jamais participou de tortura. Na defesa, Kfouri negou ofensa à honra do hoje presidenciável.

RedeTV retirou o púlpito vazio de Lula por exigência de Bolsonaro

O púlpito vazio de Lula foi retirado pela RedeTv, após protesto de Jair Bolsonaro, que ameaçou não participar do debate.

 A Emissora consultou os demais concorrentes que concordaram segundo Igor Gadelha, da Crusoé.

 Diante dessa situação constrangedora, Bolsoanro tem moral mesmo sem ser o presidente, mas pode ser ainda no primeiro turno.