Pular para o conteúdo principal

Barroso critica 'súbita indignação' com conduções coercitivas: 'É que o direito penal vai chegando ao andar de cima'


Imagem: Reprodução / Redes Sociais


















O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), defendeu
 nesta quarta-feira, 13, a legitimidade da condução coercitiva para interrogatório de
 um acusado que não atender a uma prévia intimação. Barroso também defendeu a 
legitimidade da condução coercitiva nas hipóteses em que seria possível a prisão 
cautelar do investigado, acompanhando o entendimento firmado pelo ministro Edson
 Fachin, relator da Operação Lava Jato no STF.


"A condução coercitiva do investigado, quando haja fundamento razoável, esta possibilidade
 é a prática da maior parte das democracias do mundo, sendo que em boa parte deles não se
 exige sequer a ordem judicial. A própria polícia pode fazer a condução", disse Barroso na 
sessão plenária desta quarta-feira. No caso do Brasil, Barroso defendeu a condução 
coercitiva mediante ordem judicial.


O STF retomou nesta tarde o julgamento de duas ações - do Partido dos Trabalhadores e 
do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) - que contestam a 
condução coercitiva de investigados para a realização de interrogatórios, um procedimento 
que vinha sendo utilizado em investigações da Polícia Federal até o final do ano passado,
 quando foi vetado em decisão liminar do ministro Gilmar Mendes.


Indignação


Durante a leitura do voto, Barroso criticou a "súbita indignação contra a condução coercitiva"
 e ressaltou que o dispositivo do Código de Processo Penal que prevê a medida está em vigor
 no País desde 3 de outubro de 1941. O ministro ainda lembrou que, em manifestações encaminhadas ao STF, a Presidência da República, a Procuradoria-Geral da República (PGR)
 e o Congresso Nacional defenderam a medida.


"Eu arrisco um palpite (sobre a súbita indignação). É que o direito penal vai chegando, 
aos  poucos, com atraso, mas não tarde demais, ao andar de cima, aos que sempre se
 imaginaram imunes e impunes. Gente que paga tudo com dinheiro vivo, desconhece 
o sistema bancário. Gente que vive de dinheiro fácil, com dinheiro dos outros,
 dinheiro desviado", comentou Barroso.


"E agora que juízes corajosos rompem pacto oligárquico e começam a delinear um direito penal menos seletivo e alcançar criminosos do colarinho branco, há um surto de garantismo. É o mal travestido de bem", prosseguiu o ministro.


Direito


Barroso aproveitou o discurso para dizer que aplica a todos, ricos e pobres, "o mesmo direito penal".


"Não trato os pobres como se fossem invisíveis e os ricos como se fossem imunes. Nem viro os olhos pro outro lado se o réu for poderoso", afirmou Barroso, relator de um inquérito que investiga o presidente Michel Temer e apura suspeitas de irregularidades em torno do decreto dos Portos.


"Acho que há uma velha ordem que precisa ser empurrada pra margem da história e é nosso papel empurrá-la. Ninguém deseja Estado policial, uma sociedade punitiva, mas aqui é preciso fazer esclarecimento: o Estado que pune um empresário que ganha licitação porque pagou propina não é Estado policial, é Estado de Justiça", concluiu o ministro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bolsonaro reage a Boulos: “Vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”

Em sua ‘live’ de domingo no Facebook, Jair Bolsonaro reagiu ao vídeo de um comício feito por Guilherme Boulos na quarta-feira passada, ao lado de Gleisi Hoffmann, em cima de um carro de som no Masp, em São Paulo, no qual o candidato derrotado do PSOL disse que só deixaria passar o feriadão para voltar a fazer mobilizações pelo país e a militância cantou em coro: “Ô Bolsonaro, presta atenção, a sua casa vai virar ocupação”. Boulos afirmou que “o MTST ocupa terreno improdutivo, e a casa do Bolsonaro não me parece uma coisa muito produtiva”. “Você deve ter visto um vídeo de ontem, ou anteontem, do Boulos insuflando uma massa enorme para invadir, ocupar a minha residência. O que você faria se o Boulos e 2 mil pessoas ameaçassem invadir a sua residência? Se eu for o presidente e se o Parlamento assim entender, nós vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”, disse Bolsonaro.
O Antagonista

Patrícia Pillar critica Regina Duarte por apoio a Bolsonaro

Através de comentário feito na postagem, Patrícia usou várias narrativas esquerdistas para indicar que o candidato do PSL não seria capaz de ocupar o cargo de presidente do Brasil.

Na tarde desta quinta-feira (11), a atriz Regina Duarte, da Rede Globo, que já havia sinalizado o apoio ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), usou as redes sociais para fazer novas críticas ao Partido dos Trabalhadores, do candidato Fernando Haddad.

A atriz global compartilhou uma imagem com uma comparação entre o salário mínimo e outra quantia com a indicação de “Bolsa Presidiário”, fazendo referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A imagem ainda traz o questionamento: “Tem certeza que o PT sabe governar?”

Após a publicação, a atriz Patrícia Pillar, colega de emissora, rebateu a postagem por meio de comentário, assumindo uma posição contra Bolsonaro.

A ex-mulher de Ciro Gomes (PDT) declarou:


Com toda admiração e respeito que tenho por você Regina, faço aqui uma ponderação: de antemão te digo que n…

Haddad tenta jogar católicos contra evangélicos

O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, participou de uma missa em São Paulo nesta sexta-feira (12). Em entrevista, logo após, o petista atacou Bolsonaro e tentou dividir cristãos. O dia de Nossa Senhora Aparecida foi utilizado pelo Partido dos Trabalhadores (PT) para tentar construir a imagem de um Fernando Haddad com bases religiosas. “Eu sou neto de um líder religioso”, respondeu o candidato do PT ao ser chamado de “abortista” por uma cristã após a missa na paróquia Santos Mártires, no Jardim Ângela, em São Paulo.