Pular para o conteúdo principal

Barroso critica 'súbita indignação' com conduções coercitivas: 'É que o direito penal vai chegando ao andar de cima'


Imagem: Reprodução / Redes Sociais


















O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), defendeu
 nesta quarta-feira, 13, a legitimidade da condução coercitiva para interrogatório de
 um acusado que não atender a uma prévia intimação. Barroso também defendeu a 
legitimidade da condução coercitiva nas hipóteses em que seria possível a prisão 
cautelar do investigado, acompanhando o entendimento firmado pelo ministro Edson
 Fachin, relator da Operação Lava Jato no STF.


"A condução coercitiva do investigado, quando haja fundamento razoável, esta possibilidade
 é a prática da maior parte das democracias do mundo, sendo que em boa parte deles não se
 exige sequer a ordem judicial. A própria polícia pode fazer a condução", disse Barroso na 
sessão plenária desta quarta-feira. No caso do Brasil, Barroso defendeu a condução 
coercitiva mediante ordem judicial.


O STF retomou nesta tarde o julgamento de duas ações - do Partido dos Trabalhadores e 
do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) - que contestam a 
condução coercitiva de investigados para a realização de interrogatórios, um procedimento 
que vinha sendo utilizado em investigações da Polícia Federal até o final do ano passado,
 quando foi vetado em decisão liminar do ministro Gilmar Mendes.


Indignação


Durante a leitura do voto, Barroso criticou a "súbita indignação contra a condução coercitiva"
 e ressaltou que o dispositivo do Código de Processo Penal que prevê a medida está em vigor
 no País desde 3 de outubro de 1941. O ministro ainda lembrou que, em manifestações encaminhadas ao STF, a Presidência da República, a Procuradoria-Geral da República (PGR)
 e o Congresso Nacional defenderam a medida.


"Eu arrisco um palpite (sobre a súbita indignação). É que o direito penal vai chegando, 
aos  poucos, com atraso, mas não tarde demais, ao andar de cima, aos que sempre se
 imaginaram imunes e impunes. Gente que paga tudo com dinheiro vivo, desconhece 
o sistema bancário. Gente que vive de dinheiro fácil, com dinheiro dos outros,
 dinheiro desviado", comentou Barroso.


"E agora que juízes corajosos rompem pacto oligárquico e começam a delinear um direito penal menos seletivo e alcançar criminosos do colarinho branco, há um surto de garantismo. É o mal travestido de bem", prosseguiu o ministro.


Direito


Barroso aproveitou o discurso para dizer que aplica a todos, ricos e pobres, "o mesmo direito penal".


"Não trato os pobres como se fossem invisíveis e os ricos como se fossem imunes. Nem viro os olhos pro outro lado se o réu for poderoso", afirmou Barroso, relator de um inquérito que investiga o presidente Michel Temer e apura suspeitas de irregularidades em torno do decreto dos Portos.


"Acho que há uma velha ordem que precisa ser empurrada pra margem da história e é nosso papel empurrá-la. Ninguém deseja Estado policial, uma sociedade punitiva, mas aqui é preciso fazer esclarecimento: o Estado que pune um empresário que ganha licitação porque pagou propina não é Estado policial, é Estado de Justiça", concluiu o ministro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cid Moreira reaparece e comove o Brasil: ”Vivo minha fase final”

Apresentador que marcou a história do ‘Jornal Nacional’ fala sobre os 90 anos. Famoso durante muito tempo por dar o ‘boa noite’’ no ‘’Jornal Nacional’’, Cid Moreira agora é mais conhecido por ser a ‘’’voz de Deus’’ [VIDEO]. Aos 90 anos de idade, o jornalista investe o seu tempo nas narrações de textos bíblicos e comove milhares de cristãos. Cid Moreira recusou-se a fazer propaganda milionária ao lado de Fátima Bernardes Cid é casado com Fátima Moreira há 16 anos e deu uma entrevista ao portal de notícias UOL sobre o fato de estar completando 90 anos com a saúde em dia. “Vivo minha fase final”, afirmou. Entre os muitos fatos pitorescos de sua vida narrados na reportagem, Moreira revela que se recusou a receber R$ 2 milhões para fazer uma propaganda de carne ao lado de Fátima Bernardes. A celebridade, na época, teria recebido R$ 5 milhões para o comercial. O jornalista também chegou a injetar silicone líquido no rosto, o que o fez quase perder a visão de um dos olhos. Filho processa Ci…

Renan se recusa a receber notificação do STF sobre afastamento da presidência do Senado Oficial de Justiça não consegue entregar notificação na residência oficial

Renan se recusa a receber notificação do STF sobre afastamento da presidência do Senado Foto: Andre Coelho / Agência O Globo BRASÍLIA - O oficial do Supremo Tribunal Federal (STF) foi na noite desta segunda-feira à residência oficial do Senado para entregar ao senador Renan Calheiros (PMDB-AL) a notificação da decisão do ministro Marco Aurelio Melo sobre o afastamento da presidência do Senado. Renan se recusou a receber o oficial. O peemedebista foi até a porta e voltou sem a notificação. O oficial saiu alguns minutos depois com os papéis na mão. Segundo o secretário geral da mesa Senado, Bandeira de Melo, Renan alegou que não se pode receber notificação judicial após as 18h, segundo a lei. Perguntado sobre como Renan reagiu à decisão do ministro do Supremo, o líder do PMDB no Senado, Eunício Oliveira, disse que ele está tranquilo e que vai receber a notificação amanhã às 11h. - Normalíssimo, frio, traquilo. Marcou para receber a notificaçao amanhã às 11 horas. Há um entra e sai de ca…

Jair Bolsonaro revoga nomeações de Michel Temer

Bolsonaro revogou quatro nomeações do ex-presidente Michel Temer e nomeou seus novos diretores, que não precisarão de escrutínio dos senadores. Por meio de medida provisória publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta segunda-feira (14), o presidente Jair Bolsonaro revogou a exigência de o Senado sabatinar os diretores do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), registra o “Estadão“. A revogação da sabatina dos diretores está no art. 85, II, c, que revoga o art. 88, parágrafo único, da Lei 10.233. “Os diretores deverão ser brasileiros, ter idoneidade moral e reputação ilibada, formação universitária, experiência profissional compatível com os objetivos, atribuições e competências do DNIT e elevado conceito no campo de suas especialidades, e serão indicados pelo ministro de estado dos Transportes e nomeados pelo presidente da República”, diz o texto. Há apenas cinco meses no cargo, o diretor-geral José da Silva Tiago foi substituído pelo general Antônio Leit…