Pular para o conteúdo principal

Barroso diz que decisão sobre deputado presidiário que voltou à Câmara foi baseada na jurisprudência


Imagem: Reprodução / Redes Sociais



















O ministro Luís Roberto Barroso frisou nesta terça-feira (12), durante sessão da Primeira
 Turma, que a decisão que permitiu a volta do deputado federal João Rodrigues (PSD-SC) 
às atividades parlamentares foi tomada com base na jurisprudência da Suprema Corte.

Condenado em 2009 a cinco anos e três meses por fraude e dispensa irregular de licitação
 a regime semiaberto, e preso desde fevereiro no Complexo Penitenciário da Papuda, o
 parlamentar foi autorizado a voltar para a Câmara dos Deputados por uma decisão de Barroso
 da última quinta-feira. João Rodrigues reassumiu o mandato nesta segunda-feira, após ficar 
mais de 120 dias preso.

Na sessão desta terça, Barroso destacou que o parlamentar cumpria, de forma irregular, 
a pena em regime fechado, e não em semiaberto, como determinado em sua pena. "Cumprir 
regime mais gravoso do que o determinado na sentença é uma afronta ao enunciado da Súmula 
Vinculante nº 56", lembrou o ministro, assim como escreveu em sua decisão.

A súmula citada por Barroso determina que a falta de estabelecimento penal adequado não
 autoriza a manutenção do condenado em regime prisional mais gravoso.

O ministro ainda destacou que a situação do parlamentar ia contra outra decisão do plenário, 
que remeteu à Casa Legislativa a decisão em torno da perda do mandato de parlamentares
 condenados pela Corte.

"O parlamentar foi condenado a regime semiaberto. A posição do plenário é de que a perda 
do mandato se dá por posição da casa legislativa. Nós, da Primeira Turma, decidimos 
pela perda de mandato quando há regime fechado", lembrou Barroso.
Na Câmara

A partir de agora, o deputado está autorizado a trabalhar na Câmara durante o dia, devendo
 retornar à noite para a Papuda. Ontem, Rodrigues informou que pretende contratar
 um motorista particular para buscá-lo na Papuda por volta das 7h da manhã e leva-lo de 
volta às 20h.

O parlamentar afirmou ainda que seu advogado vai alinhar com os ministros do STF sobre
 os dias de sessão na Câmara, para que ele possa ficar até o término da sessão.

Folha Politica

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné Equatorial e Congo não investirão mais no Brasil se Bolsonaro for eleito.

Bolsonaro já disse, não tem acordo com a esquerda, países como, Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné equatorial, Congo e entre outros, não levarão nenhum centavo do povo brasileiro.

O Paí já colocou R$ 42 Bilhões na Ilha que ficou mais conhecida como Ilha de Fidel. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.
Uma risonha presidente Dilma Rousseff inaugurou, ao do ditador cubano Raúl Castro, a primeira fase do Porto de Mariel, em Havana.

 Na época a presença de Dilma se devai a uma razão principal : a conta foi paga por ela- na verddae, por todos os brasieliros. O Mariel custou US$ 957 milhões de dólares, dos quais US4 802 milhões vieram de financiamento concedido pelo banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).

 O montante equivale a 2 bilhões. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.

Istoé notícia-Jornal 21 Brasil

TSE suspende propaganda do PT que associa Bolsonaro à tortura

Luis Felipe Salomão, do TSE, suspendeu a propaganda eleitoral em que a coligação petista associa Jair Bolsonaro à ditadura e à tortura.

O ministro atendeu o pedido da defesa de Bolsonaro, que alegou que o programa veiculado viola a lei eleitoral, “uma vez que incute medo na população ao sugerir que se o candidato Jair Bolsonaro for eleito vai perseguir e torturar eventuais opositores políticos”.

“O tribunal tem feito um esforço no sentido de elevar o nível do debate para se evitar a disseminação desse clima de pânico que estão criando”, disse o advogado de Bolsonaro, Tiago Ayres, a O Antagonista.

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…