Pular para o conteúdo principal

Bolsonaro diz que não responde ataques de Ciro porque não é 'psiquiatra' Presidenciável do PSL fez ataques em Fortaleza, base eleitoral do rival


POR EDUARDO BRESCIANI

O pré-candidato Jair Bolsonaro no aeroporto em Fortaleza - Reprodução/Facebook


BRASÍLIA — O presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) fez um ataque de forma indireta ao pré-candidato do PDT, Ciro Gomes, em visita a Fortaleza (CE), base eleitoral do rival. Em entrevista, Bolsonaro disse que não responde as críticas que recebe do rival porque não é psiquiatra para "conversar com doido".

— Porque eu não sou psiquiatra. A gente vai conversar com doido? Está falando palavrões a meu respeito — disse Bolsonaro.


O pré-candidato do PSL fez críticas também a Ciro por declarações do rival a favor da Venezuela e dizendo que "sequestraria Lula" para evitar a prisão do petista.

Antes, recepcionado por centenas de apoiadores no aeroporto, o pré-candidato fez um rápido discurso em cima de um carro de som estacionado na saída do local, e também cutucou o rival.Afirmou que não quer um Brasil voltado para "cangaceiro, como esse que nós temos aqui", numa referência ao adversário.

— Não adianta esquerdalha de um lado, centrão pra outro. Agora está na hora do direito, daquele que pensa no Brasil, pensa na família, pensa em botar um fim na questão ideológica, de quem quer sepultar o comunismo e quer o Brasil pra frente de verdade, não um Brasil voltado para cangaceiro, como esse que nós temos aqui. Não tem lugar para maconheiro no planalto não, nem cachaceiro — disse Bolsonaro, sob fortes aplausos dos apoiadores


O presidenciável disse que está "de peito aberto" para conversar com os eleitores do Nordeste e destacou o fato de sua atual mulher ser filha de um cearense de Crateús.

— No sangue da minha família, a minha filha tem sangue de Crateús nela. Meu sogro é daqui do lado de vocês. Minha esposa é filha de um cabra da peste. Somos um só povo, uma só nação, um só destino, uma só bandeira. Aqui não tem divisão de classe. Somos todos iguais — discursou Bolsonaro.

Apenas parte da recepção foi mostrada nas redes sociais do presidenciável. O discurso, de apenas três minutos, foi veiculado apenas nas páginas de aliados.
O Globo
Leia mais: https://oglobo.globo.com/brasil/bolsonaro-diz-que-nao-responde-ataques-de-ciro-porque-nao-psiquiatra-22831253#ixzz5Jv9LrmlV 
stest 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"A gente vai dar é porrada se não respeitarem a gente", ameaça Lula, após protestos.

O Ex presidente condenado Lula, enfrentando protestos por todos os lugares por onde passa sua "caravana" pelo Sul do Brasil, subiu o tom das ameaças. Lula disse: "A gente vai dá é porrada se não respeitarem a gente", chamando os cidadãos que pedem sua prisão de fascistas.

Fico imaginando o que ele faria se estivesse no poder hoje. Seria mais um Maduro tupiniquim, um ditador cerceando a nossa liberdade e dando ração ao povo.

Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné Equatorial e Congo não investirão mais no Brasil se Bolsonaro for eleito.

Bolsonaro já disse, não tem acordo com a esquerda, países como, Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné equatorial, Congo e entre outros, não levarão nenhum centavo do povo brasileiro.

O Paí já colocou R$ 42 Bilhões na Ilha que ficou mais conhecida como Ilha de Fidel. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.
Uma risonha presidente Dilma Rousseff inaugurou, ao do ditador cubano Raúl Castro, a primeira fase do Porto de Mariel, em Havana.

 Na época a presença de Dilma se devai a uma razão principal : a conta foi paga por ela- na verddae, por todos os brasieliros. O Mariel custou US$ 957 milhões de dólares, dos quais US4 802 milhões vieram de financiamento concedido pelo banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).

 O montante equivale a 2 bilhões. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.

Istoé notícia-Jornal 21 Brasil

TSE suspende propaganda do PT que associa Bolsonaro à tortura

Luis Felipe Salomão, do TSE, suspendeu a propaganda eleitoral em que a coligação petista associa Jair Bolsonaro à ditadura e à tortura.

O ministro atendeu o pedido da defesa de Bolsonaro, que alegou que o programa veiculado viola a lei eleitoral, “uma vez que incute medo na população ao sugerir que se o candidato Jair Bolsonaro for eleito vai perseguir e torturar eventuais opositores políticos”.

“O tribunal tem feito um esforço no sentido de elevar o nível do debate para se evitar a disseminação desse clima de pânico que estão criando”, disse o advogado de Bolsonaro, Tiago Ayres, a O Antagonista.