Pular para o conteúdo principal

Bolsonaro e Skaf se aproximam em SP


Imagem: Hélvio Romero / Estadão



















O deputado Jair Bolsonaro (RJ), presidenciável do PSL, e o empresário
 Paulo Skaf, pré-candidato do MDB ao governo paulista, iniciaram uma 
aproximação para uma eventual aliança na disputa pelo Palácio dos
 Bandeirantes. O PSL busca palanques regionais fortes para compensar
 falta de estrutura e capilaridade nos Estados.


Bolsonaro vê em Skaf o único nome possível para uma composição no 
maior colégio eleitoral do País. “Não tenho abertura de conversa com o
 (João) Doria (pré-candidato do PSB) nem com o (Márcio) França
 (governador e pré-candidato à reeleição, do PSB). Então, o Skaf era o
 único nome em São Paulo que eu poderia conversar”, disse o
 presidenciável do PSL ao Estado. “Eu gostei dele e acho que ele também 
gostou de mim.”


As conversas com o emedebista ocorrem em paralelo ao esforço do grupo 
de Bolsonaro em formar uma frente suprapartidária. A ideia original da
 legenda em São Paulo era lançar a candidatura da advogada Janaína Pascoal, 
nome considerado “competitivo” por Bolsonaro por ela ter sido uma das 
signatárias do impeachment da presidente cassada Dilma Rousseff na Câmara.
 Como Janaína declinou do convite, Bolsonaro ficou sem opções em São Paulo,
 que possui cerca de 33 milhões de eleitores.


Na mais recente pesquisa Ibope/Band de intenção de voto no Estado, divulgada 
no dia 28 de maio, Bolsonaro apareceu na liderança com 19% ante 15% do
 ex-governador Geraldo Alckmin, pré-candidato do PSDB.


Cautela. Aliados de Skaf avaliam reservadamente que a aliança poderia dar a
 Skaf um palanque com a presença de dois presidenciáveis: o ex-ministro da 
Fazenda Henrique Meirelles e Bolsonaro, além reforçar o discurso da segurança
 pública – principal mote do presidenciável do PSL.


O nome de Bolsonaro, porém, sofre forte resistência dos partidos do “centro” que, 
como o MDB, querem evitar uma polarização entre ele e a esquerda na campanha.


Skaf, que se licenciou nesta quarta-feira, 6, da presidência da Federação das
 Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), tem tratado o assunto com cautela: 
não quer fechar a porta para um acordo, mas também teme melindrar o Palácio
 do Planalto, Meirelles e outros potencias aliados.


Ainda não está claro para Skaf o impacto de uma eventual aliança, mas o pré-candidato
 do MDB falou do assunto recentemente com o deputado federal Major Olímpio,
 presidente do PSL paulista. “Eu conversei com Skaf como presidente do PSL e
 naturalmente a eleição paulista entrou no assunto. Pode ser uma vantagem para 
o Bolsonaro ter uma palanque forte em São Paulo. Para nós é um ponto de honra
 vencer o PT e o PSDB no Estado”, disse Olímpio.


Procurado por meio de sua assessoria, Skaf disse que não iria se manifestar.


Segundo o presidente do MDB paulista, deputado federal Baleia Rossi, Skaf está 
cuidando pessoalmente das alianças em torno da chapa majoritária, enquanto a
 direção estadual da proporcional. “Não falo sobre o que não aconteceu”, afirmou
 Rossi. Até o momento, o MDB não fechou aliança com nenhum partido em 
São Paulo.

Folha Política

Comentários

Rô, por uma postagem sobre a proibição da peça teatral onde Jesus Cristo é apresentado como transsexual, fui bloqueado pelo Facebook e Messenger por 3 dias.
disse…
Meu Deus! Essa é demais!

Postagens mais visitadas deste blog

Bolsonaro reage a Boulos: “Vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”

Em sua ‘live’ de domingo no Facebook, Jair Bolsonaro reagiu ao vídeo de um comício feito por Guilherme Boulos na quarta-feira passada, ao lado de Gleisi Hoffmann, em cima de um carro de som no Masp, em São Paulo, no qual o candidato derrotado do PSOL disse que só deixaria passar o feriadão para voltar a fazer mobilizações pelo país e a militância cantou em coro: “Ô Bolsonaro, presta atenção, a sua casa vai virar ocupação”. Boulos afirmou que “o MTST ocupa terreno improdutivo, e a casa do Bolsonaro não me parece uma coisa muito produtiva”. “Você deve ter visto um vídeo de ontem, ou anteontem, do Boulos insuflando uma massa enorme para invadir, ocupar a minha residência. O que você faria se o Boulos e 2 mil pessoas ameaçassem invadir a sua residência? Se eu for o presidente e se o Parlamento assim entender, nós vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”, disse Bolsonaro.
O Antagonista

Patrícia Pillar critica Regina Duarte por apoio a Bolsonaro

Através de comentário feito na postagem, Patrícia usou várias narrativas esquerdistas para indicar que o candidato do PSL não seria capaz de ocupar o cargo de presidente do Brasil.

Na tarde desta quinta-feira (11), a atriz Regina Duarte, da Rede Globo, que já havia sinalizado o apoio ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), usou as redes sociais para fazer novas críticas ao Partido dos Trabalhadores, do candidato Fernando Haddad.

A atriz global compartilhou uma imagem com uma comparação entre o salário mínimo e outra quantia com a indicação de “Bolsa Presidiário”, fazendo referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A imagem ainda traz o questionamento: “Tem certeza que o PT sabe governar?”

Após a publicação, a atriz Patrícia Pillar, colega de emissora, rebateu a postagem por meio de comentário, assumindo uma posição contra Bolsonaro.

A ex-mulher de Ciro Gomes (PDT) declarou:


Com toda admiração e respeito que tenho por você Regina, faço aqui uma ponderação: de antemão te digo que n…

Haddad tenta jogar católicos contra evangélicos

O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, participou de uma missa em São Paulo nesta sexta-feira (12). Em entrevista, logo após, o petista atacou Bolsonaro e tentou dividir cristãos. O dia de Nossa Senhora Aparecida foi utilizado pelo Partido dos Trabalhadores (PT) para tentar construir a imagem de um Fernando Haddad com bases religiosas. “Eu sou neto de um líder religioso”, respondeu o candidato do PT ao ser chamado de “abortista” por uma cristã após a missa na paróquia Santos Mártires, no Jardim Ângela, em São Paulo.