Pular para o conteúdo principal

Bolsonaro e Skaf se aproximam em SP


Imagem: Hélvio Romero / Estadão



















O deputado Jair Bolsonaro (RJ), presidenciável do PSL, e o empresário
 Paulo Skaf, pré-candidato do MDB ao governo paulista, iniciaram uma 
aproximação para uma eventual aliança na disputa pelo Palácio dos
 Bandeirantes. O PSL busca palanques regionais fortes para compensar
 falta de estrutura e capilaridade nos Estados.


Bolsonaro vê em Skaf o único nome possível para uma composição no 
maior colégio eleitoral do País. “Não tenho abertura de conversa com o
 (João) Doria (pré-candidato do PSB) nem com o (Márcio) França
 (governador e pré-candidato à reeleição, do PSB). Então, o Skaf era o
 único nome em São Paulo que eu poderia conversar”, disse o
 presidenciável do PSL ao Estado. “Eu gostei dele e acho que ele também 
gostou de mim.”


As conversas com o emedebista ocorrem em paralelo ao esforço do grupo 
de Bolsonaro em formar uma frente suprapartidária. A ideia original da
 legenda em São Paulo era lançar a candidatura da advogada Janaína Pascoal, 
nome considerado “competitivo” por Bolsonaro por ela ter sido uma das 
signatárias do impeachment da presidente cassada Dilma Rousseff na Câmara.
 Como Janaína declinou do convite, Bolsonaro ficou sem opções em São Paulo,
 que possui cerca de 33 milhões de eleitores.


Na mais recente pesquisa Ibope/Band de intenção de voto no Estado, divulgada 
no dia 28 de maio, Bolsonaro apareceu na liderança com 19% ante 15% do
 ex-governador Geraldo Alckmin, pré-candidato do PSDB.


Cautela. Aliados de Skaf avaliam reservadamente que a aliança poderia dar a
 Skaf um palanque com a presença de dois presidenciáveis: o ex-ministro da 
Fazenda Henrique Meirelles e Bolsonaro, além reforçar o discurso da segurança
 pública – principal mote do presidenciável do PSL.


O nome de Bolsonaro, porém, sofre forte resistência dos partidos do “centro” que, 
como o MDB, querem evitar uma polarização entre ele e a esquerda na campanha.


Skaf, que se licenciou nesta quarta-feira, 6, da presidência da Federação das
 Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), tem tratado o assunto com cautela: 
não quer fechar a porta para um acordo, mas também teme melindrar o Palácio
 do Planalto, Meirelles e outros potencias aliados.


Ainda não está claro para Skaf o impacto de uma eventual aliança, mas o pré-candidato
 do MDB falou do assunto recentemente com o deputado federal Major Olímpio,
 presidente do PSL paulista. “Eu conversei com Skaf como presidente do PSL e
 naturalmente a eleição paulista entrou no assunto. Pode ser uma vantagem para 
o Bolsonaro ter uma palanque forte em São Paulo. Para nós é um ponto de honra
 vencer o PT e o PSDB no Estado”, disse Olímpio.


Procurado por meio de sua assessoria, Skaf disse que não iria se manifestar.


Segundo o presidente do MDB paulista, deputado federal Baleia Rossi, Skaf está 
cuidando pessoalmente das alianças em torno da chapa majoritária, enquanto a
 direção estadual da proporcional. “Não falo sobre o que não aconteceu”, afirmou
 Rossi. Até o momento, o MDB não fechou aliança com nenhum partido em 
São Paulo.

Folha Política

Comentários

Rô, por uma postagem sobre a proibição da peça teatral onde Jesus Cristo é apresentado como transsexual, fui bloqueado pelo Facebook e Messenger por 3 dias.
disse…
Meu Deus! Essa é demais!

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileiros são acusados de machismo e racismo na Copa da Rússia

Em vídeo viral, um grupo de homens se aproveita do fato de uma jovem russa não saber português para assediar a moça





A Copa da Rússia mal começou e algumas atitudes de torcedores brasileiros provocaram reações inflamadas na internet. Em um vídeo publicado na noite de sábado (16/6), alguns homens se aproximaram de uma jovem estrangeira, aparentemente russa, e fizeram uma gravação com ela. Nas redes sociais, o ato foi apontado como uma demonstração de machismo e racismo. Entre outros impropérios, o grupo cantou “essa buceta é bem rosinha”, referindo-se à cor da mulher. A moça, que obviamente não entende uma única palavra em português, cantou junto a eles, sem ter noção do desrespeito. A objetificação pela qual a estrangeira passa – uma pessoa é reduzida aos órgãos genitais – foi considerada ofensiva pelos internautas. Além do machismo alarmante, tendo em vista que um grupo de adultos achou por bem fazer comentários grotescos sobre o corpo de uma desconhecida na rua, há indícios de racismo…

Veja a lista dos deputados que querem uma CPI para acabar com a Lava Jato

O PT está no centro da articulação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) com o objetivo de investigar a suposta venda de “proteção” em delações premiadas por parte de advogados e delatores. Trata-se da "CPI das delações", com potencial para afetar os trabalhos da operação Lava Jato e até extingui-la. 

Segundo o líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (PT-RS), trata-se de uma investigação sobre a "indústria da delação". Os pontos de partida serão as delações dos doleiros Vinícius Claret, o Juca Bala, e Cláudio de Souza, integrantes do esquema comandado por Dario Messer, chamado de “doleiro de todos os doleiros”, que acusam o advogado Antonio Figueiredo Basto, um dos maiores especialistas do País em colaborações premiadas, de cobrar uma “taxa de proteção” de US$ 50 mil mensais (cerca de R$ 185 mil) de outros integrantes do esquema entre 2005 e 2013.
Veja quem são os deputados que assinaram o pedido: 


Cármen Lúcia arquiva processo sobre menção de Joesley a ministros do STF Presidente do STF determinou extinção da investigação aberta, a pedido dela, para apurar citação a ministros na delação de executivos da empresa JBS Por Agência Brasil

Cármen Lúcia: "Não poderia pender qualquer tipo de mais leve dúvida sobre a conduta daqueles que compõe, que integram este Supremo Tribunal Federal" (Rosinei Coutinho/SCO/STF/Agência Brasil) A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, informou, na abertura da sessão plenária desta quinta-feira (21), ter determinado a extinção e o arquivamento definitivo da investigação aberta, a pedido dela, pela Polícia Federal, para apurar citação a ministros da Corte na delação de executivos da empresa JBS, do grupo J&F. A decisão foi tomada após o diretor-geral da PF, Rogério Galloro, entregar o relatório final das investigações à Cármen Lúcia. De acordo com o documento, “não foram encontradas gravações que indicassem qualquer participação de ministros do Supremo Tribunal Federal envolvidos e ou citados em qualquer ato ilícito”. Com base no relatório da PF, Cármen Lúcia afirmou que “não houve, não há qualquer dúvida, que tenha sido extraída de qualquer doc…