Pular para o conteúdo principal

Bretas condena Cavendish e mais 14 da Operação Saqueador por desvios de R$ 370 milhões


Imagem: Ed Ferreira / Estadão



















O juiz federal Marcelo Bretas condenou 15 pessoas, entre elas Fernando Cavendish,
 da Delta Engenharia, e o contraventor Carlinhos Cachoeira, e o doleiro e delator Adir
 Assad, por lavagem de dinheiro e associação criminosa no âmbito de desvios de R$ 370 
milhões de contratos com o governo estadual do Rio na gestão Sérgio Cabral (MDB). 
A denúncia foi oferecida no âmbito da Operação Saqueador, desdobramento da Lava 
Jato no Rio.


Cavendish foi sentenciado a 4 anos, 2 meses e 10 dias. Cachoeira e Adir Assad pegaram
 9 anos e 6 meses – segundo o magistrado, eles integravam o núcleo financeiro da
 suposta organização criminosa.


Segundo a denúncia, ‘para desviar aproximadamente 370 milhões de reais dos cofres
 públicos à época dos fatos, a DELTA utilizou 18 empresas de fachada e firmou 
diversos contratos fraudulentos, que não apresentaram qualquer causa econômica ou 
ligação direta com as obras efetivadas’.


O magistrado atribui a Cavendish o papel de ‘principal idealizador dos esquemas 
ilícitos perscrutados’ e ‘beneficiário das práticas de lavagem de dinheiro imputadas’.


“A quadrilha liderada por FERNANDO CAVENDISH utilizava a DELTA 
CONSTRUÇÕES S/A como um instrumento para encobrir as ações criminosas de
 seus membros e funcionários, acompanhado de diretores regionais da empresa e
 funcionários da área administrativa e financeira, transferindo vultosos recursos a
 empresas “fantasmas”, como forma de dissimular o desvio de recursos públicos e 
o consequente pagamento de propinas a agentes estatais”, anotou.


Denúncia. Segundo a denúncia, o inquérito da Saqueador foi instaurado a partir de desdobramentos das Operações Vegas e Monte Carlo. Nessas operações foram 
investigados os esquemas de direcionamento de emendas orçamentárias ao município 
de Seropédica (RJ), a manipulação de convênios e as fraudes às licitações, segundo 
destacam os investigadores.


Na operação Monte Carlo foi identificado que grande parte dos valores depositados
 nas empresas de Carlinhos Cachoeira era proveniente da empresa Delta Construções 
S.A. “Esses valores eram na verdade dinheiro público desviado para pagamento de
 propina a agentes públicos”, sustenta o Ministério Público Federal.


Grampos telefônicos das operações revelaram a existência de relação estreita entre 
Cachoeira e Cláudio Dias Abreu, diretor regional do Centro-Oeste da empreiteira, 
envolvendo negociações com entidades públicas. Revelaram, também, que o 
contravento mantinha contato frequente com os funcionários de alto escalão da Delta,
 como Rodrigo Moral Dall Agnol, Carlos Alberto Duque Pacheco, Heraldo Puccini 
e também com o presidente da empreiteira, Cavendish.


De acordo com a denúncia, ‘o gigantesco esquema de lavagem de dinheiro foi elucidado 
na operação Saqueador, cujas provas foram compartilhadas com a Operação Lava Jato no
 ano de 2015’.


Segundo o Ministério Público Federal, entre 2007 e 2012, a Delta teve 96,3% do seu
 faturamento oriundo de verbas públicas representando esse percentual o montante de
 quase R$ 11 bilhões e que a maior parte desses valores era proveniente do 
Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (DNIT).

Folha Política

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileiros são acusados de machismo e racismo na Copa da Rússia

Em vídeo viral, um grupo de homens se aproveita do fato de uma jovem russa não saber português para assediar a moça





A Copa da Rússia mal começou e algumas atitudes de torcedores brasileiros provocaram reações inflamadas na internet. Em um vídeo publicado na noite de sábado (16/6), alguns homens se aproximaram de uma jovem estrangeira, aparentemente russa, e fizeram uma gravação com ela. Nas redes sociais, o ato foi apontado como uma demonstração de machismo e racismo. Entre outros impropérios, o grupo cantou “essa buceta é bem rosinha”, referindo-se à cor da mulher. A moça, que obviamente não entende uma única palavra em português, cantou junto a eles, sem ter noção do desrespeito. A objetificação pela qual a estrangeira passa – uma pessoa é reduzida aos órgãos genitais – foi considerada ofensiva pelos internautas. Além do machismo alarmante, tendo em vista que um grupo de adultos achou por bem fazer comentários grotescos sobre o corpo de uma desconhecida na rua, há indícios de racismo…

Veja a lista dos deputados que querem uma CPI para acabar com a Lava Jato

O PT está no centro da articulação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) com o objetivo de investigar a suposta venda de “proteção” em delações premiadas por parte de advogados e delatores. Trata-se da "CPI das delações", com potencial para afetar os trabalhos da operação Lava Jato e até extingui-la. 

Segundo o líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (PT-RS), trata-se de uma investigação sobre a "indústria da delação". Os pontos de partida serão as delações dos doleiros Vinícius Claret, o Juca Bala, e Cláudio de Souza, integrantes do esquema comandado por Dario Messer, chamado de “doleiro de todos os doleiros”, que acusam o advogado Antonio Figueiredo Basto, um dos maiores especialistas do País em colaborações premiadas, de cobrar uma “taxa de proteção” de US$ 50 mil mensais (cerca de R$ 185 mil) de outros integrantes do esquema entre 2005 e 2013.
Veja quem são os deputados que assinaram o pedido: 


Cármen Lúcia arquiva processo sobre menção de Joesley a ministros do STF Presidente do STF determinou extinção da investigação aberta, a pedido dela, para apurar citação a ministros na delação de executivos da empresa JBS Por Agência Brasil

Cármen Lúcia: "Não poderia pender qualquer tipo de mais leve dúvida sobre a conduta daqueles que compõe, que integram este Supremo Tribunal Federal" (Rosinei Coutinho/SCO/STF/Agência Brasil) A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, informou, na abertura da sessão plenária desta quinta-feira (21), ter determinado a extinção e o arquivamento definitivo da investigação aberta, a pedido dela, pela Polícia Federal, para apurar citação a ministros da Corte na delação de executivos da empresa JBS, do grupo J&F. A decisão foi tomada após o diretor-geral da PF, Rogério Galloro, entregar o relatório final das investigações à Cármen Lúcia. De acordo com o documento, “não foram encontradas gravações que indicassem qualquer participação de ministros do Supremo Tribunal Federal envolvidos e ou citados em qualquer ato ilícito”. Com base no relatório da PF, Cármen Lúcia afirmou que “não houve, não há qualquer dúvida, que tenha sido extraída de qualquer doc…