Pular para o conteúdo principal

Bretas condena Cavendish e mais 14 da Operação Saqueador por desvios de R$ 370 milhões


Imagem: Ed Ferreira / Estadão



















O juiz federal Marcelo Bretas condenou 15 pessoas, entre elas Fernando Cavendish,
 da Delta Engenharia, e o contraventor Carlinhos Cachoeira, e o doleiro e delator Adir
 Assad, por lavagem de dinheiro e associação criminosa no âmbito de desvios de R$ 370 
milhões de contratos com o governo estadual do Rio na gestão Sérgio Cabral (MDB). 
A denúncia foi oferecida no âmbito da Operação Saqueador, desdobramento da Lava 
Jato no Rio.


Cavendish foi sentenciado a 4 anos, 2 meses e 10 dias. Cachoeira e Adir Assad pegaram
 9 anos e 6 meses – segundo o magistrado, eles integravam o núcleo financeiro da
 suposta organização criminosa.


Segundo a denúncia, ‘para desviar aproximadamente 370 milhões de reais dos cofres
 públicos à época dos fatos, a DELTA utilizou 18 empresas de fachada e firmou 
diversos contratos fraudulentos, que não apresentaram qualquer causa econômica ou 
ligação direta com as obras efetivadas’.


O magistrado atribui a Cavendish o papel de ‘principal idealizador dos esquemas 
ilícitos perscrutados’ e ‘beneficiário das práticas de lavagem de dinheiro imputadas’.


“A quadrilha liderada por FERNANDO CAVENDISH utilizava a DELTA 
CONSTRUÇÕES S/A como um instrumento para encobrir as ações criminosas de
 seus membros e funcionários, acompanhado de diretores regionais da empresa e
 funcionários da área administrativa e financeira, transferindo vultosos recursos a
 empresas “fantasmas”, como forma de dissimular o desvio de recursos públicos e 
o consequente pagamento de propinas a agentes estatais”, anotou.


Denúncia. Segundo a denúncia, o inquérito da Saqueador foi instaurado a partir de desdobramentos das Operações Vegas e Monte Carlo. Nessas operações foram 
investigados os esquemas de direcionamento de emendas orçamentárias ao município 
de Seropédica (RJ), a manipulação de convênios e as fraudes às licitações, segundo 
destacam os investigadores.


Na operação Monte Carlo foi identificado que grande parte dos valores depositados
 nas empresas de Carlinhos Cachoeira era proveniente da empresa Delta Construções 
S.A. “Esses valores eram na verdade dinheiro público desviado para pagamento de
 propina a agentes públicos”, sustenta o Ministério Público Federal.


Grampos telefônicos das operações revelaram a existência de relação estreita entre 
Cachoeira e Cláudio Dias Abreu, diretor regional do Centro-Oeste da empreiteira, 
envolvendo negociações com entidades públicas. Revelaram, também, que o 
contravento mantinha contato frequente com os funcionários de alto escalão da Delta,
 como Rodrigo Moral Dall Agnol, Carlos Alberto Duque Pacheco, Heraldo Puccini 
e também com o presidente da empreiteira, Cavendish.


De acordo com a denúncia, ‘o gigantesco esquema de lavagem de dinheiro foi elucidado 
na operação Saqueador, cujas provas foram compartilhadas com a Operação Lava Jato no
 ano de 2015’.


Segundo o Ministério Público Federal, entre 2007 e 2012, a Delta teve 96,3% do seu
 faturamento oriundo de verbas públicas representando esse percentual o montante de
 quase R$ 11 bilhões e que a maior parte desses valores era proveniente do 
Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (DNIT).

Folha Política

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O sumiço da Faca e o registro na Câmara: Adelio não agiu sozinho, alerta Alexandre Garcia (Veja o Vídeo)

Algo de muito podre ronda a Polícia Legislativa da Câmara dos Deputados.

Após o golpe em Jair Bolsonaro, Adelio se livrou rapidamente da faca. Tudo indica que repassou para alguém, tanto é que a ‘arma branca’ foi encontrada numa barraca de ambulante, nas imediações. Alguém jogou esta faca onde foi achada. Parece óbvio. A questão do registro na Câmara também deve ser cuidadosamente examinada. Algo de muito podre ronda a Polícia Legislativa da Câmara dos Deputados. O diretor do setor alega que um recepcionista registrou por engano a entrada de Adélio Bispo de Oliveira no local, no dia 6 de setembro, o dia do atentado contra Jair Bolsonaro. Ora, foram constatados os registros de duas entradas do criminoso. O tal servidor registrou por engano duas vezes? E o nome do servidor distraído agora é mantido sob sigilo? Parece óbvio que caso o atentado tivesse sido exitoso e no meio da multidão Adelio alcançasse a fuga, o álibi estaria pronto. Esse era o plano e isto parece bem claro. Veja o vídeo…

Alvaro Dias chama Bolsonaro de “vagabundo bandido” e “quase morto” e recebe resposta do senador Magno Malta

Sem saber que estava sendo gravado, Álvaro Dias aproveitou para destilar todo o seu veneno com comentários maldosos sobre Jair Bolsonaro. O candidato do Podemos afirmou que Bolsonaro é um “vagabundo bandido” e que ‘ta quase morto”. Ainda no mesmo trecho, Dias afirma que “se não fosse a facada eu estaria destruindo ele hoje.”
Alvaro Dias ataca Bolsonaro e recebe A RESPOSTA de Magno Malta

ADÉLIO NA TV- A defesa de Adélio Bispo de Oliveira, pede autorização a juíz, para que Adélio de entrevista a um programa de televisão

Por Claudio Dantas  ( O Antagonista) A defesa de Adélio Bispo de Oliveira, que tentou matar Jair Bolsonaro, pediu ao juiz Bruno Savino, da 3ª Vara da Justiça Federal de Juiz de Fora (MG), autorização para que o criminoso conceda entrevista a um programa de televisão.
O MPF se manifestou pelo encaminhamento do pedido à Direção da Penitenciária Federal de Campo Grande (MS), onde Adélio está custodiado. Savino concordou.