Pular para o conteúdo principal

Cármen marca para quinta retomada de julgamento sobre delação premiada na PF


Imagem: André Dusek / Estadão


















A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, marcou para
 a próxima quinta-feira (14) a retomada do julgamento de uma ação que discute
 a possibilidade de delegados de polícia firmarem acordos de colaboração premiada.

A discussão gira em torno de uma ação ajuizada pela Procuradoria-Geral da
 República (PGR) contra a possibilidade de a polícia fechar delações.

Em dezembro do ano passado, o Supremo formou maioria a favor da possibilidade
 de a polícia firmar acordos de colaboração premiada, mas com a imposição de
 limites à concessão de benefícios a delatores. Mesmo concordando com a 
possibilidade de a polícia fechar acordos, ministros divergiram em maior 
ou menor grau sobre a necessidade de o Ministério Público dar aval ao 
acerto firmado pela Polícia Federal.
À época, a presidente do STF acolheu a proposta do relator, ministro Marco Aurélio Mello, 
de pautar o caso quando a composição da Corte estivesse completa. Não participaram do 
julgamento em dezembro os ministros Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski,
 que estavam respectivamente cumprindo agenda no exterior e de licença médica. 
Além dos ausentes, faltam votar no caso os ministros Celso de Mello e a própria 
Cármen Lúcia.

Legitimidade. Em agosto do ano passado, Celso disse em entrevista ao Estado que “não 
há dúvida” de que a polícia possui legitimidade para fechar os acordos.

“Delação não é prova, mas é um meio de obtenção a prova penal, a legislação estabelece
 que também a autoridade policial dispõe de legitimidade pra celebrar com o agente 
colaborador o acordo de colaboração premiada, e as leis presumem-se sempre constitucionais. 
Em face da própria lei que cuida do instituto da colaboração premiada, não há dúvida de que a 
autoridade policial dispõe, sim, de legitimidade plena pra também celebrar o acordo de 
colaboração premiada, ouvido sempre o Ministério Público”, afirmou o decano à reportagem
 naquela ocasião.

Para Celso, há “sempre uma vítima” nos casos de conflito entre o MP e a polícia judiciária: 
“o interesse público”.

“Esses conflitos não são adequados, é preciso que haja um convívio harmonioso entre 
essas duas importantes instituições da República”, disse Celso de Mello à época. “É importante
 que sejam superados esses conflitos, sejam resolvidas essas situações de antagonismo
 em ordem a privilegiar o interesse público, os direitos do cidadão”, completou.

Folha Politica

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cid Moreira reaparece e comove o Brasil: ”Vivo minha fase final”

Apresentador que marcou a história do ‘Jornal Nacional’ fala sobre os 90 anos. Famoso durante muito tempo por dar o ‘boa noite’’ no ‘’Jornal Nacional’’, Cid Moreira agora é mais conhecido por ser a ‘’’voz de Deus’’ [VIDEO]. Aos 90 anos de idade, o jornalista investe o seu tempo nas narrações de textos bíblicos e comove milhares de cristãos. Cid Moreira recusou-se a fazer propaganda milionária ao lado de Fátima Bernardes Cid é casado com Fátima Moreira há 16 anos e deu uma entrevista ao portal de notícias UOL sobre o fato de estar completando 90 anos com a saúde em dia. “Vivo minha fase final”, afirmou. Entre os muitos fatos pitorescos de sua vida narrados na reportagem, Moreira revela que se recusou a receber R$ 2 milhões para fazer uma propaganda de carne ao lado de Fátima Bernardes. A celebridade, na época, teria recebido R$ 5 milhões para o comercial. O jornalista também chegou a injetar silicone líquido no rosto, o que o fez quase perder a visão de um dos olhos. Filho processa Ci…

Renan se recusa a receber notificação do STF sobre afastamento da presidência do Senado Oficial de Justiça não consegue entregar notificação na residência oficial

Renan se recusa a receber notificação do STF sobre afastamento da presidência do Senado Foto: Andre Coelho / Agência O Globo BRASÍLIA - O oficial do Supremo Tribunal Federal (STF) foi na noite desta segunda-feira à residência oficial do Senado para entregar ao senador Renan Calheiros (PMDB-AL) a notificação da decisão do ministro Marco Aurelio Melo sobre o afastamento da presidência do Senado. Renan se recusou a receber o oficial. O peemedebista foi até a porta e voltou sem a notificação. O oficial saiu alguns minutos depois com os papéis na mão. Segundo o secretário geral da mesa Senado, Bandeira de Melo, Renan alegou que não se pode receber notificação judicial após as 18h, segundo a lei. Perguntado sobre como Renan reagiu à decisão do ministro do Supremo, o líder do PMDB no Senado, Eunício Oliveira, disse que ele está tranquilo e que vai receber a notificação amanhã às 11h. - Normalíssimo, frio, traquilo. Marcou para receber a notificaçao amanhã às 11 horas. Há um entra e sai de ca…

Jair Bolsonaro revoga nomeações de Michel Temer

Bolsonaro revogou quatro nomeações do ex-presidente Michel Temer e nomeou seus novos diretores, que não precisarão de escrutínio dos senadores. Por meio de medida provisória publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta segunda-feira (14), o presidente Jair Bolsonaro revogou a exigência de o Senado sabatinar os diretores do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), registra o “Estadão“. A revogação da sabatina dos diretores está no art. 85, II, c, que revoga o art. 88, parágrafo único, da Lei 10.233. “Os diretores deverão ser brasileiros, ter idoneidade moral e reputação ilibada, formação universitária, experiência profissional compatível com os objetivos, atribuições e competências do DNIT e elevado conceito no campo de suas especialidades, e serão indicados pelo ministro de estado dos Transportes e nomeados pelo presidente da República”, diz o texto. Há apenas cinco meses no cargo, o diretor-geral José da Silva Tiago foi substituído pelo general Antônio Leit…