Pular para o conteúdo principal

Celso de Mello libera para julgamento ação criminal contra Gleisi



Imagem: Reprodução / Redes Sociais

















O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), liberou para 
julgamento uma ação penal da Operação Lava Jato que mira a presidente nacional
 do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), e o marido, o ex-ministro Paulo Bernardo
, investigados pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.


Este será o segundo julgamento de uma ação penal da Lava Jato na Segunda 
Turma do STF – colegiado composto por Celso de Mello (ministro revisor da
 Lava Jato na turma), Edson Fachin (relator da Lava Jato), Ricardo Lewandowski,
 Gilmar Mendes e Dias Toffoli. Não há data marcada para o julgamento, mas a
 expectativa é a de que a análise da ação penal de Gleisi ocorra ainda neste mês
, antes do recesso do Judiciário.


A denúncia contra Gleisi, o marido e o empresário Ernesto Kugler Rodrigues foi 
recebida por unanimidade pela Segunda Turma do STF em 27 de setembro de 2016. 
Eles são acusados de solicitar e receber R$ 1 milhão oriundos de um esquema de
 corrupção instalado diretoria de abastecimento da Petrobrás que teria favorecido
 a campanha de Gleisi ao Senado, em 2010.


“Assinalo, para efeito de mero registro, que os presentes autos foram-me encaminhados
 no primeiro dia do Ano Judiciário de 2018 (01/02/2018), retornando ao eminente 
relator no dia 01/03/2018 para exame de pedido da defesa da acusada Gleisi Helena
 Hoffmann, e, após o deferimento do pleito defensivo, o processo em questão, 
finalmente, chegou ao meu Gabinete, em 07/03/2018, para estudo e elaboração do
 voto como revisor”, escreveu Celso de Mello, em despacho assinado na quinta-feira, 7.

“Na qualidade de Revisor, e nos termos do art. 25, inciso III, do RISTF, peço dia para
 julgamento final da presente causa penal (Segunda Turma)”, solicitou o ministro.


Procurado pela reportagem, o gabinete de Gleisi Hoffmann não havia se manifestado 
até a publicação deste texto.


Primeiro. No mês passado, a Segunda Turma do STF condenou por unanimidade o
 deputado federal Nelson Meurer (PP-PR) a 13 anos, 9 meses e 10 dias de prisão em 
regime inicial fechado pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro 
cometidos  em esquema de desvios na Petrobrás. Meurer se tornou o primeiroparlamentar condenado pela Corte no âmbito da Operação Lava Jato. O caso chegou ao Supremo em 
marçode
 2015.


Meurer poderá recorrer da condenação em liberdade. Os ministros da Segunda Turma
 também decidiram que caberá à Câmara analisar se o parlamentar deve ou não perder 
o cargo. O deputado terá de pagar uma multa de cerca de R$ 265 mil, em valores que 
ainda precisam ser corrigidos pela inflação

Folha Politica

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné Equatorial e Congo não investirão mais no Brasil se Bolsonaro for eleito.

Bolsonaro já disse, não tem acordo com a esquerda. países como, Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola Guiné equatorial Congo e entre outros, não levarão nenhum centavo do povo brasileiro.

O Paí já colocou R4 2 Bilhões na Ilha que ficou mais conmhecida como Ilha de Fidel. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.
Uma risonha presidente Dilma Rousseff inaugurou, ao do ditador cubano Raúl Castro, a primeira fase do Porto de Mariel, em Havana.

 Na época a presença de Dilma se devai a uma razão principal : a conta foi paga por ela- na verddae, por todos os brasieliros. O Mariel custou US$ 957 milhões de dólares, dos quais US4 802 milhões vieram de financiamento concedido pelo banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).

 O montante equivale a 2 bilhões.Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.

Istoé notícia-Jornal 21 Brasil

Justiça condena Juca Kfouri a pagar R$ 30 mil a Bolsonaro

A 26ª Câmara Cível do Rio determinou que Juca Kfouri e a ESPN paguem indenização de R$ 30 mil, mais correção e juros, por dano moral a Jair Bolsonaro, informa a Veja.

O presidenciável, porém, terá de indenizar o jornalista em R$ 6.000.

O caso começou em 2016, quando Kfouri criticou o comportamento de dois torcedores do Fluminense, comparando-os a torturadores e dizendo que deviam ser apoiadores de Bolsonaro.



Em resposta, o deputado gravou um vídeo com a camisa do Fluminense em que dizia que o jornalista estava “merecendo levar uns tabefes pra aprender a ser homem”.

Em seguida, Bolsonaro entrou com a ação por dano moral, alegando que na vida militar jamais participou de tortura. Na defesa, Kfouri negou ofensa à honra do hoje presidenciável.

RedeTV retirou o púlpito vazio de Lula por exigência de Bolsonaro

O púlpito vazio de Lula foi retirado pela RedeTv, após protesto de Jair Bolsonaro, que ameaçou não participar do debate.

 A Emissora consultou os demais concorrentes que concordaram segundo Igor Gadelha, da Crusoé.

 Diante dessa situação constrangedora, Bolsoanro tem moral mesmo sem ser o presidente, mas pode ser ainda no primeiro turno.