Pular para o conteúdo principal

Celso de Mello libera para julgamento ação criminal contra Gleisi



Imagem: Reprodução / Redes Sociais

















O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), liberou para 
julgamento uma ação penal da Operação Lava Jato que mira a presidente nacional
 do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), e o marido, o ex-ministro Paulo Bernardo
, investigados pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.


Este será o segundo julgamento de uma ação penal da Lava Jato na Segunda 
Turma do STF – colegiado composto por Celso de Mello (ministro revisor da
 Lava Jato na turma), Edson Fachin (relator da Lava Jato), Ricardo Lewandowski,
 Gilmar Mendes e Dias Toffoli. Não há data marcada para o julgamento, mas a
 expectativa é a de que a análise da ação penal de Gleisi ocorra ainda neste mês
, antes do recesso do Judiciário.


A denúncia contra Gleisi, o marido e o empresário Ernesto Kugler Rodrigues foi 
recebida por unanimidade pela Segunda Turma do STF em 27 de setembro de 2016. 
Eles são acusados de solicitar e receber R$ 1 milhão oriundos de um esquema de
 corrupção instalado diretoria de abastecimento da Petrobrás que teria favorecido
 a campanha de Gleisi ao Senado, em 2010.


“Assinalo, para efeito de mero registro, que os presentes autos foram-me encaminhados
 no primeiro dia do Ano Judiciário de 2018 (01/02/2018), retornando ao eminente 
relator no dia 01/03/2018 para exame de pedido da defesa da acusada Gleisi Helena
 Hoffmann, e, após o deferimento do pleito defensivo, o processo em questão, 
finalmente, chegou ao meu Gabinete, em 07/03/2018, para estudo e elaboração do
 voto como revisor”, escreveu Celso de Mello, em despacho assinado na quinta-feira, 7.

“Na qualidade de Revisor, e nos termos do art. 25, inciso III, do RISTF, peço dia para
 julgamento final da presente causa penal (Segunda Turma)”, solicitou o ministro.


Procurado pela reportagem, o gabinete de Gleisi Hoffmann não havia se manifestado 
até a publicação deste texto.


Primeiro. No mês passado, a Segunda Turma do STF condenou por unanimidade o
 deputado federal Nelson Meurer (PP-PR) a 13 anos, 9 meses e 10 dias de prisão em 
regime inicial fechado pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro 
cometidos  em esquema de desvios na Petrobrás. Meurer se tornou o primeiroparlamentar condenado pela Corte no âmbito da Operação Lava Jato. O caso chegou ao Supremo em 
marçode
 2015.


Meurer poderá recorrer da condenação em liberdade. Os ministros da Segunda Turma
 também decidiram que caberá à Câmara analisar se o parlamentar deve ou não perder 
o cargo. O deputado terá de pagar uma multa de cerca de R$ 265 mil, em valores que 
ainda precisam ser corrigidos pela inflação

Folha Politica

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bolsonaro reage a Boulos: “Vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”

Em sua ‘live’ de domingo no Facebook, Jair Bolsonaro reagiu ao vídeo de um comício feito por Guilherme Boulos na quarta-feira passada, ao lado de Gleisi Hoffmann, em cima de um carro de som no Masp, em São Paulo, no qual o candidato derrotado do PSOL disse que só deixaria passar o feriadão para voltar a fazer mobilizações pelo país e a militância cantou em coro: “Ô Bolsonaro, presta atenção, a sua casa vai virar ocupação”. Boulos afirmou que “o MTST ocupa terreno improdutivo, e a casa do Bolsonaro não me parece uma coisa muito produtiva”. “Você deve ter visto um vídeo de ontem, ou anteontem, do Boulos insuflando uma massa enorme para invadir, ocupar a minha residência. O que você faria se o Boulos e 2 mil pessoas ameaçassem invadir a sua residência? Se eu for o presidente e se o Parlamento assim entender, nós vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”, disse Bolsonaro.
O Antagonista

Patrícia Pillar critica Regina Duarte por apoio a Bolsonaro

Através de comentário feito na postagem, Patrícia usou várias narrativas esquerdistas para indicar que o candidato do PSL não seria capaz de ocupar o cargo de presidente do Brasil.

Na tarde desta quinta-feira (11), a atriz Regina Duarte, da Rede Globo, que já havia sinalizado o apoio ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), usou as redes sociais para fazer novas críticas ao Partido dos Trabalhadores, do candidato Fernando Haddad.

A atriz global compartilhou uma imagem com uma comparação entre o salário mínimo e outra quantia com a indicação de “Bolsa Presidiário”, fazendo referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A imagem ainda traz o questionamento: “Tem certeza que o PT sabe governar?”

Após a publicação, a atriz Patrícia Pillar, colega de emissora, rebateu a postagem por meio de comentário, assumindo uma posição contra Bolsonaro.

A ex-mulher de Ciro Gomes (PDT) declarou:


Com toda admiração e respeito que tenho por você Regina, faço aqui uma ponderação: de antemão te digo que n…

Haddad tenta jogar católicos contra evangélicos

O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, participou de uma missa em São Paulo nesta sexta-feira (12). Em entrevista, logo após, o petista atacou Bolsonaro e tentou dividir cristãos. O dia de Nossa Senhora Aparecida foi utilizado pelo Partido dos Trabalhadores (PT) para tentar construir a imagem de um Fernando Haddad com bases religiosas. “Eu sou neto de um líder religioso”, respondeu o candidato do PT ao ser chamado de “abortista” por uma cristã após a missa na paróquia Santos Mártires, no Jardim Ângela, em São Paulo.