Pular para o conteúdo principal

Convidada russa provoca polêmica com comentário no Encontro com Fátima No clima da Copa do Mundo, a jovem Elena compartilhou com os espectadores costumes da Rússia, comidinhas típicas do país europeu e outras curiosidades



Por Redação VEJA São Paulo



(Reprodução/TV Globo/Veja SP)
Fátima Bernardes recebeu uma convidada russa no Encontro desta quinta (14). No clima da Copa do Mundo, a jovem Elena compartilhou com os espectadores costumes da Rússia, comidinhas típicas do país europeu e outras curiosidades da sede do Mundial. Ao responder as perguntas da plateia, no entanto, ela dividiu opiniões ao falar sobre violência.
Uma mulher chamada Cássia quis saber sobre a violência na Rússia. “Se tem violência como aqui no Brasil?“, questionou Fátima Bernardes. “Não tem violência na rua e eu até não posso traduzir essa palavra para o russo. Existem palavras como criminal, criminoso, mas violência não existe. Então não existe esse tipo de violência“, respondeu Elena. A apresentadora, no entanto, insistiu: “Existem crimes?“. “Existem crimes como todo país tem, mas violência não“, rebateu a convidada — clique aqui para assistir ao momento.
O comentário dividiu opiniões na internet. Muitos acreditam que Elena “mentiu” ao falar sobre violência na Rússia. Outros, no entanto, acreditam que a convidada se expressou mal e que quis dizer, apenas, que a palavra não existe na língua russa. Confira a repercussão: 

O que eu entendi da russa falando sobre não existir violência foi sobre a palavra "violência". Não tem tradução dessa palavra para o russo. Mas existe crime e criminosos.


A russa falando que não existe violência na Rússia! A homofobia russa é super da paz né


Caraca, a menina falando que não existe a palavra violência na língua russa! Chocada




Essa mulher russa disse que NÃO EXISTE VIOLÊNCIA lá na Rússia. E eu implorando do outro lado da tela da tv: "Me leva, moça! Nunca te pedi nada!"


Moça no programa: Queria saber como é a violência na Rússia
Russa: Eu nem consigo traduzir essa palavra para o russo, porque tem crimes sim, mas violência não




a mulher russa falando na fatima bernardes que na Rússia nao existe violência


A russa falando que nao existe a palavra violencia na russia. POR ISSO O PESSOAL SAI NA PORRADA LA



a mulher russa no lacre com a bernardes falando que nao tem violencia na russia pic.twitter.com/e0SuYnISXZ
na russia nao tem violencia contanto que vc nao seja gay

e nem imigrante

e de preferencia se nao sair de casa em dia de jogo de futebol nacional tb




Ver imagem no TwitterVer imagem no Twitter

Convidada russa no Encontro: não existe violência na Rússia, não tem nem tradução dessa palavra. Mentiu na cara dura


"Não tem violência na Rússia e eu nem sei traduzir essa palavra pra russo". Não fala isso, moça. Assim quem vai ver os jogos vai querer ficar ilegal 🤷‍♀️


A moça russa acabou de dizer que não tem a palavra VIOLÊNCIA na Rússia, que lá não tem violência!! 😱😱😱 E a gente aqui com medo diário de andar na rua 😧.

Dê sua opinião: E você, o que achou da polêmica? Deixe seu comentário e aproveite para curtir a nossa fanpage no Facebook!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileiros são acusados de machismo e racismo na Copa da Rússia

Em vídeo viral, um grupo de homens se aproveita do fato de uma jovem russa não saber português para assediar a moça





A Copa da Rússia mal começou e algumas atitudes de torcedores brasileiros provocaram reações inflamadas na internet. Em um vídeo publicado na noite de sábado (16/6), alguns homens se aproximaram de uma jovem estrangeira, aparentemente russa, e fizeram uma gravação com ela. Nas redes sociais, o ato foi apontado como uma demonstração de machismo e racismo. Entre outros impropérios, o grupo cantou “essa buceta é bem rosinha”, referindo-se à cor da mulher. A moça, que obviamente não entende uma única palavra em português, cantou junto a eles, sem ter noção do desrespeito. A objetificação pela qual a estrangeira passa – uma pessoa é reduzida aos órgãos genitais – foi considerada ofensiva pelos internautas. Além do machismo alarmante, tendo em vista que um grupo de adultos achou por bem fazer comentários grotescos sobre o corpo de uma desconhecida na rua, há indícios de racismo…

Veja a lista dos deputados que querem uma CPI para acabar com a Lava Jato

O PT está no centro da articulação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) com o objetivo de investigar a suposta venda de “proteção” em delações premiadas por parte de advogados e delatores. Trata-se da "CPI das delações", com potencial para afetar os trabalhos da operação Lava Jato e até extingui-la. 

Segundo o líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (PT-RS), trata-se de uma investigação sobre a "indústria da delação". Os pontos de partida serão as delações dos doleiros Vinícius Claret, o Juca Bala, e Cláudio de Souza, integrantes do esquema comandado por Dario Messer, chamado de “doleiro de todos os doleiros”, que acusam o advogado Antonio Figueiredo Basto, um dos maiores especialistas do País em colaborações premiadas, de cobrar uma “taxa de proteção” de US$ 50 mil mensais (cerca de R$ 185 mil) de outros integrantes do esquema entre 2005 e 2013.
Veja quem são os deputados que assinaram o pedido: 


Cármen Lúcia arquiva processo sobre menção de Joesley a ministros do STF Presidente do STF determinou extinção da investigação aberta, a pedido dela, para apurar citação a ministros na delação de executivos da empresa JBS Por Agência Brasil

Cármen Lúcia: "Não poderia pender qualquer tipo de mais leve dúvida sobre a conduta daqueles que compõe, que integram este Supremo Tribunal Federal" (Rosinei Coutinho/SCO/STF/Agência Brasil) A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, informou, na abertura da sessão plenária desta quinta-feira (21), ter determinado a extinção e o arquivamento definitivo da investigação aberta, a pedido dela, pela Polícia Federal, para apurar citação a ministros da Corte na delação de executivos da empresa JBS, do grupo J&F. A decisão foi tomada após o diretor-geral da PF, Rogério Galloro, entregar o relatório final das investigações à Cármen Lúcia. De acordo com o documento, “não foram encontradas gravações que indicassem qualquer participação de ministros do Supremo Tribunal Federal envolvidos e ou citados em qualquer ato ilícito”. Com base no relatório da PF, Cármen Lúcia afirmou que “não houve, não há qualquer dúvida, que tenha sido extraída de qualquer doc…