Pular para o conteúdo principal

Crivella critica peça com Jesus transexual e obra é cancelada


Contrariados, os organizadores marcaram uma manifestação contra o prefeito do Rio


Pleno.News - 05/06/2018 15h01
O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu Foto: Divulgação
Após o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, se manifestar contra a peça
O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu, nesta segunda-feira (4), a peça foi
cancelada. Sua exibição faria parte de uma mostra cultural chamada Corpos
Visíveis entre sexta (8) e domingo (10).

Crivella declarou que a peça não seria exibida na Arena Carioca Fernando Torres pelo
 local enfrentar questionamentos sobre licitações na Justiça. O espaço é administrado
pela prefeitura. Além disso, o político acrescentou que a peça “ofende a consciência
dos cristãos” e se opôs claramente a ela.

– Nenhuma exposição vai ofender a religião das pessoas. Eu não vou permitir enquanto
 estiver como prefeito do Rio de Janeiro – declarou Crivella.

A Secretaria Municipal de Cultura confirmou que o motivo principal do cancelamento
 foi a ação judicial. Segundo o órgão, as atividades na Arena estão suspensas há
 um mês.

– Por força do Processo nº 0092486-69.2018.8.19.0001, o espaço está com todas as
 atividades suspensas há cerca de um mês. Por causa desta decisão judicial, toda a
 programação na Arena Carioca Fernando Torres, em Madureira, está suspensa e
 não apenas a Mostra Corpos Visíveis – afirmou, em nota.

Ao saber do cancelamento, o grupo responsável pela Corpos Visíveis convocou uma
manifestação para esta terça-feira (5). Eles criticam o envolvimento do prefeito que,
segundo os organizadores, “veio a público para deslegitimar o evento”.

As atividades ao ar livre da mostra Corpos Visíveis, marcadas para o Parque Madureira,
na Zona Norte, foram mantidas.










Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné Equatorial e Congo não investirão mais no Brasil se Bolsonaro for eleito.

Bolsonaro já disse, não tem acordo com a esquerda, países como, Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné equatorial, Congo e entre outros, não levarão nenhum centavo do povo brasileiro.

O Paí já colocou R$ 42 Bilhões na Ilha que ficou mais conhecida como Ilha de Fidel. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.
Uma risonha presidente Dilma Rousseff inaugurou, ao do ditador cubano Raúl Castro, a primeira fase do Porto de Mariel, em Havana.

 Na época a presença de Dilma se devai a uma razão principal : a conta foi paga por ela- na verddae, por todos os brasieliros. O Mariel custou US$ 957 milhões de dólares, dos quais US4 802 milhões vieram de financiamento concedido pelo banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).

 O montante equivale a 2 bilhões. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.

Istoé notícia-Jornal 21 Brasil

Justiça condena Juca Kfouri a pagar R$ 30 mil a Bolsonaro

A 26ª Câmara Cível do Rio determinou que Juca Kfouri e a ESPN paguem indenização de R$ 30 mil, mais correção e juros, por dano moral a Jair Bolsonaro, informa a Veja.

O presidenciável, porém, terá de indenizar o jornalista em R$ 6.000.

O caso começou em 2016, quando Kfouri criticou o comportamento de dois torcedores do Fluminense, comparando-os a torturadores e dizendo que deviam ser apoiadores de Bolsonaro.



Em resposta, o deputado gravou um vídeo com a camisa do Fluminense em que dizia que o jornalista estava “merecendo levar uns tabefes pra aprender a ser homem”.

Em seguida, Bolsonaro entrou com a ação por dano moral, alegando que na vida militar jamais participou de tortura. Na defesa, Kfouri negou ofensa à honra do hoje presidenciável.

RedeTV retirou o púlpito vazio de Lula por exigência de Bolsonaro

O púlpito vazio de Lula foi retirado pela RedeTv, após protesto de Jair Bolsonaro, que ameaçou não participar do debate.

 A Emissora consultou os demais concorrentes que concordaram segundo Igor Gadelha, da Crusoé.

 Diante dessa situação constrangedora, Bolsoanro tem moral mesmo sem ser o presidente, mas pode ser ainda no primeiro turno.