Pular para o conteúdo principal

Em gravação, sobrinho de deputado dá aval a propina e promete ajuda em ministério


O deputado federal Jovair Arantes (PTB-GO)

Em áudio gravado pela Polícia Federal, um dos sobrinhos do deputado federal Jovair Arantes (PTB-GO) prometeu usar sua influência para que o registro de um sindicato fosse liberado no Ministério do Trabalho em troca de R$ 4 milhões em propina.
Na conversa, ocorrida em junho de 2017, Rogério Arantes informa que direcionaria o caso ao então ministro Ronaldo Nogueira (PTB-RS), que deixou o cargo em dezembro do ano passado, e ao atual secretário-executivo da pasta, Leonardo Arantes, também sobrinho de Jovair.
Tanto Rogério quanto o número dois da pasta são alvos de mandados de prisão preventiva expedidos na Operação Registro Espúrio, deflagrada pela Polícia Federal nesta quarta (30).
O diálogo, gravado em junho do ano passado, ocorreu num hotel de Brasília. Foi monitorado por investigadores.
Na ocasião, o empresário Afonso Rodrigues de Carvalho, representante do Sindicato das Pequenas e Micro Empresas de Transporte de Veículos Novos no Estado de Goiás (Sintrave-GO), pede a ajuda de Rogério, diretor do Incra, para destravar o registro da entidade, que pleiteia desde 2002.
Ele havia sido levado à reunião pela lobista Veruska Peixoto Carvalho, com quem negociava a propina, que teria entre os destinatários o próprio Jovair e também o grupo do deputado Paulo Pereira da Silva (SDD-SP). Dias antes, o empresário havia denunciado o caso à PF.
Informações sobre o esquema de corrupção na pasta foram reveladas em março deste ano pela revista Veja. A Folha de S. Paulo teve acesso ao conteúdo do diálogo no hotel.
“Nos estamos falando um valor alto, né, cara, pra mexer com 4 milhões, e não é meu. Tu mexe com dinheiro dos outros, tu tem que tá sempre velhaco, né?”, disse o empresário. O sobrinho de Jovair, na sequência, respondeu: “Claro”.
O diretor do Incra deixa claro que a lobista é sua interlocutora e o orienta a protocolar o pleito de seu interesse no Trabalho. “Vamos direcionar isso pra secretaria ou pro ministro?”, questionou o empresário.
“Tem que ser com ministro. Eu trato com ele diretamente, pessoalmente”, explicou Rogério.
O sobrinho de Jovair informou que falaria com o ministro e pediria o monitoramento de uma pessoa ligada ao seu grupo. “Foi o que eu falei pra Veruska. Se o rapaz estivesse aí, eu ia te apresentar ele. É quem vai acompanhar isso.”
“É o outro sobrinho?”, perguntou o empresário. “Exatamente! É o Leonardo, só chega na terça-feira que vem”, respondeu Rogério, em referência ao atual secretário-executivo do Trabalho.
O processo de concessão de registro do Sintrave não avançou. Além de a propina não ter sido paga, os envolvidos ficaram sabendo das investigações.
Mesmo depois disso, uma ex-servidora do ministério pediu R$ 500 mil em troca de vazar documentos internos à entidade.
OUTRO LADO
O Ministério do Trabalho informou que está acompanhando atentamente as ações da PF. Em nota, alegou que aguardará serenamente a conclusão das investigações “sem prejuízo à nobre missão da Secretaria de Relações de Trabalho e seu relevante papel social”.
“Apuradas as responsabilidades, dispensável dizer que o ministério não se eximirá de aplicar as penalidades previstas em lei. Dentro do tempo próprio da nossa Justiça, aguardamos que os fatos arrolados na investigação sejam devidamente apurados dentro do ambiente de isenção que o Estado de Direito permite —garantindo o mais amplo direito de defesa aos servidores e ex-servidores”, acrescentou.
A Folha de S. Paulo não conseguiu contato com representantes de Rogério e Leonardo Arantes.
Jovair informou que se manifestaria por meio de nota de seu partido. O PTB negou ter participado de negociações espúrias no Trabalho e que, se comprovado o envolvimento de seus integrantes no esquema, “os culpados, se houver, devem assumir suas responsabilidades”.
Paulinho, que é presidente nacional do Solidariedade, afirmou em nota que “foi investigado em diversas oportunidades e sempre conseguiu provar que as denúncias foram fruto de pessoas incomodadas com sua atuação contundente na defesa incansável do trabalhador brasileiro”.
O comunicado diz que a citação do deputado na operação carece de fundamento e criminaliza o movimento sindical.
“O deputado desconhece em absoluto os fatos investigados e esclarece que o Partido Solidariedade não é o responsável pelas indicações no Ministério do Trabalho”, acrescentou.
O Incra informou que cabe à Presidência da República exonerar seus diretores. Acrescentou que Rogério Arantes viajou ao Maranhão e deveria retornar nesta quarta.

Politica na Rede

Imagem: Fernando Vivas / Folhapress

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bolsonaro reage a Boulos: “Vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”

Em sua ‘live’ de domingo no Facebook, Jair Bolsonaro reagiu ao vídeo de um comício feito por Guilherme Boulos na quarta-feira passada, ao lado de Gleisi Hoffmann, em cima de um carro de som no Masp, em São Paulo, no qual o candidato derrotado do PSOL disse que só deixaria passar o feriadão para voltar a fazer mobilizações pelo país e a militância cantou em coro: “Ô Bolsonaro, presta atenção, a sua casa vai virar ocupação”. Boulos afirmou que “o MTST ocupa terreno improdutivo, e a casa do Bolsonaro não me parece uma coisa muito produtiva”. “Você deve ter visto um vídeo de ontem, ou anteontem, do Boulos insuflando uma massa enorme para invadir, ocupar a minha residência. O que você faria se o Boulos e 2 mil pessoas ameaçassem invadir a sua residência? Se eu for o presidente e se o Parlamento assim entender, nós vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”, disse Bolsonaro.
O Antagonista

Patrícia Pillar critica Regina Duarte por apoio a Bolsonaro

Através de comentário feito na postagem, Patrícia usou várias narrativas esquerdistas para indicar que o candidato do PSL não seria capaz de ocupar o cargo de presidente do Brasil.

Na tarde desta quinta-feira (11), a atriz Regina Duarte, da Rede Globo, que já havia sinalizado o apoio ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), usou as redes sociais para fazer novas críticas ao Partido dos Trabalhadores, do candidato Fernando Haddad.

A atriz global compartilhou uma imagem com uma comparação entre o salário mínimo e outra quantia com a indicação de “Bolsa Presidiário”, fazendo referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A imagem ainda traz o questionamento: “Tem certeza que o PT sabe governar?”

Após a publicação, a atriz Patrícia Pillar, colega de emissora, rebateu a postagem por meio de comentário, assumindo uma posição contra Bolsonaro.

A ex-mulher de Ciro Gomes (PDT) declarou:


Com toda admiração e respeito que tenho por você Regina, faço aqui uma ponderação: de antemão te digo que n…

Haddad tenta jogar católicos contra evangélicos

O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, participou de uma missa em São Paulo nesta sexta-feira (12). Em entrevista, logo após, o petista atacou Bolsonaro e tentou dividir cristãos. O dia de Nossa Senhora Aparecida foi utilizado pelo Partido dos Trabalhadores (PT) para tentar construir a imagem de um Fernando Haddad com bases religiosas. “Eu sou neto de um líder religioso”, respondeu o candidato do PT ao ser chamado de “abortista” por uma cristã após a missa na paróquia Santos Mártires, no Jardim Ângela, em São Paulo.