Pular para o conteúdo principal

Em Minas Gerais, denúncias não evitam duelo entre PT e PSDB Governador Fernando Pimentel (PT) tentará reeleição contra tucano Antonio Anastasia, que governou o Estado entre 2010 e 2014

Jonathas Cotrim / CORRESPONDENTE, O Estado de S.Paulo
03 Junho 2018 | 23h00
BELO HORIZONTE - Os partidos que governaram Minas Gerais nos últimos 15 anos, PT e PSDB, têm sido alvos de denúncias e prisões decorrentes de investigações de esquemas de corrupção. Mesmo assim, o cenário para as eleições em Minas vai se desenhando com uma nova polarização entre o governador petista Fernando Pimentel, que tentará a reeleição, e o senador tucano Antonio Anastasia, que governou o Estado entre 2010 e 2014.
Confirmado como pré-candidato do PT, Pimentel foi denunciado quatro vezes por suspeita de envolvimento no esquema de corrupção investigado pela Operação Acrônimo da PF, que apura lavagem de dinheiro na campanha em 2014. Em outra investigação, a Procuradoria-Geral da República denunciou o governador por omissão e falsidade na prestação de contas da campanha eleitoral de 2014.  


O governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel
O governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel Foto: MANOEL MARQUES/ IMPRENSA MG
Além disso, no fim de abril, o presidente da Assembleia Legislativa de Minas, Adalclever Lopes (MDB), autorizou a abertura de um processo de impeachment contra Pimentel, devido a atrasos em repasses financeiros enviados mensalmente do Executivo para o Legislativo, o Judiciário e as prefeituras mineiras do Estado - o que poderia ser configurado como crime de responsabilidade fiscal. O processo, no entanto, está parado na Assembleia.
Também investigado pela PF por “vantagens indevidas” em sua campanha ao governo de Minas em 2010, Anastasia é o principal pré-candidato da oposição e enfrenta ainda o fato de ser aliado de dois tucanos com problemas: o senador Aécio Neves e ex-governador Eduardo Azeredo.

O senador Antonio Anastasia (PSDB-MG) tenta retornar ao governo de Minas
O senador Antonio Anastasia (PSDB-MG) tenta retornar ao governo de Minas Foto: Pedro França/Agência Senado
Aécio, de quem Anastasia foi vice-governador, é réu no Supremo Tribunal Federal por corrupção passiva e obstrução de Justiça, sob a acusação de ter recebido propina de R$ 2 milhões do empresário Joesley Batista, da JBS. Além disso, o senador mineiro é alvo de outros sete inquéritos no STF, cinco em decorrência da delação de executivos da Odebrecht e outros dois sobre o esquema de corrupção em Furnas e da acusação de “maquiar” dados da CPI dos Correios, em 2005, e esconder uma suposta relação entre o Banco Rural e o mensalão mineiro.
Em seu oitavo ano como senador, Aécio ainda não definiu seu destino político a partir de janeiro de 2019. Em conversas reservadas, líderes tucanos mineiros dizem que uma eventual postulação a um novo mandato no Senado pode isolar o PSDB em Minas. Nem Anastasia quer estar ao lado de Aécio na campanha.
Á condenação a 20 anos e 1 mês de prisão por envolvimento no mensalão mineiro, sob as acusações de peculato e lavagem de dinheiro. A Justiça considerou Azeredo culpado pelo desvio de R$ 3,5 milhões de estatais mineiras para financiar sua campanha à reeleição em 1998 - na qual foi derrotado.
Para o doutor em ciências políticas e professor da PUC-MG Malco Camargos, PT e PSDB não deverão abordar muito a pauta da corrupção durante a campanha, em razão dos problemas enfrentados por ambos os partidos. “Será uma disputa muito mais retrospectiva, olhando para o passado, do que uma disputa de alternativas em relação à geração de políticas públicas dentro do Estado. O debate vai girar em torno de quem mais trabalhou enquanto esteve no governo”, afirmou Camargos.
Nesse sentido, a crise financeira enfrentada pelo governo do Estado poderá ser explorada pelos candidatos. “Minas Gerais tem uma situação financeira intermediária. Não vive uma catástrofe financeira, mas algumas ações do governo foram necessárias”, explicou o professor de ciência política da UFMG Leonardo Avritzer, lembrando das medidas tomadas pelo Executivo, como o contingenciamento das contas públicas e o parcelamento do salário de servidores.
O cientista político Rudá Ricci, do Instituto Cultiva, lembrou que a situação financeira do governo de Minas já estava ruim antes de Pimentel tomar posse, mas o petista não conseguiu controlar a crise, o que deverá ser explorado pela oposição.

TERCEIRA VIA

Após o rompimento do MDB com Pimentel, evidenciado pela abertura do processo de impeachment contra o governador, o partido diz que vai optar por candidatura própria ao governo. A legenda, entretanto, ainda não definiu quem será o candidato.
O deputado estadual Adalclever é considerado um dos nomes, bem como com o atual vice-governador mineiro, Antônio Andrade. O deputado federal Leonardo Quintão também estaria na disputa interna no MDB - e, dentre os três, sairia o nome do partido ao Senado.
Em meio ao cenário polarizado, pelo menos duas pré-candidaturas ao governo pretendem representar uma “terceira via”, mas analistas políticos concordam que é necessário que as postulações ganhem corpo para entrar de vez na disputa.
O ex-prefeito de Belo Horizonte Marcio Lacerda (PSB) afirma que é pré-candidato, mas também não descarta a possibilidade de entrar como vice na chapa de Ciro Gomes (PDT) para a corrida presidencial. Por enquanto, o empresário tem conversas adiantadas com PDT, PROS e PCdoB - o tradicional aliado do PT, porém, dá indícios de distanciamento devido à falta de apoio do governo para a pré-candidatura da deputada Jô Moraes (PCdoB) ao Senado.
O deputado federal Rodrigo Pacheco (DEM) também tenta lançar candidatura ao Palácio da Liberdade e afirma que tem mantido conversas com diversos partidos. Pacheco diz que as negociações estão avançadas com o Avante, PEN, PP e o PMB.
A Rede corre por fora com a pré-candidatura ao governo do sociólogo João Batista Mares Guia, ex-secretário estadual de Educação. O PSOL lançará a pré-candidatura da professora Dirlene Marques.


Estadão

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bolsonaro reage a Boulos: “Vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”

Em sua ‘live’ de domingo no Facebook, Jair Bolsonaro reagiu ao vídeo de um comício feito por Guilherme Boulos na quarta-feira passada, ao lado de Gleisi Hoffmann, em cima de um carro de som no Masp, em São Paulo, no qual o candidato derrotado do PSOL disse que só deixaria passar o feriadão para voltar a fazer mobilizações pelo país e a militância cantou em coro: “Ô Bolsonaro, presta atenção, a sua casa vai virar ocupação”. Boulos afirmou que “o MTST ocupa terreno improdutivo, e a casa do Bolsonaro não me parece uma coisa muito produtiva”. “Você deve ter visto um vídeo de ontem, ou anteontem, do Boulos insuflando uma massa enorme para invadir, ocupar a minha residência. O que você faria se o Boulos e 2 mil pessoas ameaçassem invadir a sua residência? Se eu for o presidente e se o Parlamento assim entender, nós vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”, disse Bolsonaro.
O Antagonista

Patrícia Pillar critica Regina Duarte por apoio a Bolsonaro

Através de comentário feito na postagem, Patrícia usou várias narrativas esquerdistas para indicar que o candidato do PSL não seria capaz de ocupar o cargo de presidente do Brasil.

Na tarde desta quinta-feira (11), a atriz Regina Duarte, da Rede Globo, que já havia sinalizado o apoio ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), usou as redes sociais para fazer novas críticas ao Partido dos Trabalhadores, do candidato Fernando Haddad.

A atriz global compartilhou uma imagem com uma comparação entre o salário mínimo e outra quantia com a indicação de “Bolsa Presidiário”, fazendo referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A imagem ainda traz o questionamento: “Tem certeza que o PT sabe governar?”

Após a publicação, a atriz Patrícia Pillar, colega de emissora, rebateu a postagem por meio de comentário, assumindo uma posição contra Bolsonaro.

A ex-mulher de Ciro Gomes (PDT) declarou:


Com toda admiração e respeito que tenho por você Regina, faço aqui uma ponderação: de antemão te digo que n…

Haddad tenta jogar católicos contra evangélicos

O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, participou de uma missa em São Paulo nesta sexta-feira (12). Em entrevista, logo após, o petista atacou Bolsonaro e tentou dividir cristãos. O dia de Nossa Senhora Aparecida foi utilizado pelo Partido dos Trabalhadores (PT) para tentar construir a imagem de um Fernando Haddad com bases religiosas. “Eu sou neto de um líder religioso”, respondeu o candidato do PT ao ser chamado de “abortista” por uma cristã após a missa na paróquia Santos Mártires, no Jardim Ângela, em São Paulo.