Pular para o conteúdo principal

Ex-procurador que ajudou JBS-Friboi em delação tenta concurso para juiz federal


Imagem: Ailton de Freitas / Ag. O Globo


















O ex-procurador Marcello Miller, que é investigado por ter ajudado na delação premiada de 
executivos da JBS enquanto ainda atuava no Ministério Público, tenta agora virar juiz 
federal. Ele participará do concurso aberto no Tribunal Regional Federal da 3ª Região para a
 ocupação de 107 vagas de juiz substituto para atuar nos estados de São Paulo e Mato 
Grosso do Sul. Miller deixou o Ministério Público Federal em abril do ano passado para
trabalhar no escritório Trench Rossi Watanabe, que cuidava do acordo de leniência da J&F,
controladora da JBS. Mas, como ele próprio admitiu, auxiliou executivos da JBS antes de ter 
deixado seu cargo de procurador.


A inscrição de Miller no concurso para juiz já foi deferida e ele realizará a primeira prova no
 dia 10 de junho em São Paulo. Atualmente, o ex-procurador mora no Rio.
O ex-procurador esteve à frente de acordos de delação premiada de grande repercussão na
 Lava-Jato, como o do ex-senador Delcídio Amaral e do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró.
 Também atuou na colaboração de executivos da Andrade Gutierrez. Miller integrou o grupo de 
trabalho da Lava-Jato na gestão de Rodrigo Janot na Procuradoria-Geral da República. Antes
 de deixar o cargo definitivamente, já tinha sido transferido para o Rio de Janeiro e atuava 
apenas como "colaborador eventual" do grupo.

Ao deixar o MP, abriu mão de rendimento mensal de R$ 34,9 mil bruto, já incluídos benefícios
 de auxílio moradia, alimentação e pré-escola. Apesar de ter atuado formalmente por apenas
 três meses no escritório de advocacia, Miller recebeu R$ 1,6 milhão para deixar a sociedade. 
Seu salário fixo no escritório era de R$ 110 mil.

Miller é investigado pela Polícia Federal e pelo MP por ter atuado para a J&F enquanto
 ainda era procurador. Os investigadores apuram se ele recebeu dinheiro da empresa
 quando ainda ocupava o cargo público. Ele chegou a ser alvo de um pedido de prisão em 
setembro do ano passado, mas o ministro Edson Fachin indeferiu a medida. A previsão 
é que a PF conclua a investigação sobre o ex-procurador até a próxima semana.

Folha Política

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné Equatorial e Congo não investirão mais no Brasil se Bolsonaro for eleito.

Bolsonaro já disse, não tem acordo com a esquerda. países como, Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola Guiné equatorial Congo e entre outros, não levarão nenhum centavo do povo brasileiro.

O Paí já colocou R4 2 Bilhões na Ilha que ficou mais conmhecida como Ilha de Fidel. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.
Uma risonha presidente Dilma Rousseff inaugurou, ao do ditador cubano Raúl Castro, a primeira fase do Porto de Mariel, em Havana.

 Na época a presença de Dilma se devai a uma razão principal : a conta foi paga por ela- na verddae, por todos os brasieliros. O Mariel custou US$ 957 milhões de dólares, dos quais US4 802 milhões vieram de financiamento concedido pelo banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).

 O montante equivale a 2 bilhões.Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.

Istoé notícia-Jornal 21 Brasil

Justiça condena Juca Kfouri a pagar R$ 30 mil a Bolsonaro

A 26ª Câmara Cível do Rio determinou que Juca Kfouri e a ESPN paguem indenização de R$ 30 mil, mais correção e juros, por dano moral a Jair Bolsonaro, informa a Veja.

O presidenciável, porém, terá de indenizar o jornalista em R$ 6.000.

O caso começou em 2016, quando Kfouri criticou o comportamento de dois torcedores do Fluminense, comparando-os a torturadores e dizendo que deviam ser apoiadores de Bolsonaro.



Em resposta, o deputado gravou um vídeo com a camisa do Fluminense em que dizia que o jornalista estava “merecendo levar uns tabefes pra aprender a ser homem”.

Em seguida, Bolsonaro entrou com a ação por dano moral, alegando que na vida militar jamais participou de tortura. Na defesa, Kfouri negou ofensa à honra do hoje presidenciável.

RedeTV retirou o púlpito vazio de Lula por exigência de Bolsonaro

O púlpito vazio de Lula foi retirado pela RedeTv, após protesto de Jair Bolsonaro, que ameaçou não participar do debate.

 A Emissora consultou os demais concorrentes que concordaram segundo Igor Gadelha, da Crusoé.

 Diante dessa situação constrangedora, Bolsoanro tem moral mesmo sem ser o presidente, mas pode ser ainda no primeiro turno.