Pular para o conteúdo principal

Ex-procurador que ajudou JBS-Friboi em delação tenta concurso para juiz federal


Imagem: Ailton de Freitas / Ag. O Globo


















O ex-procurador Marcello Miller, que é investigado por ter ajudado na delação premiada de 
executivos da JBS enquanto ainda atuava no Ministério Público, tenta agora virar juiz 
federal. Ele participará do concurso aberto no Tribunal Regional Federal da 3ª Região para a
 ocupação de 107 vagas de juiz substituto para atuar nos estados de São Paulo e Mato 
Grosso do Sul. Miller deixou o Ministério Público Federal em abril do ano passado para
trabalhar no escritório Trench Rossi Watanabe, que cuidava do acordo de leniência da J&F,
controladora da JBS. Mas, como ele próprio admitiu, auxiliou executivos da JBS antes de ter 
deixado seu cargo de procurador.


A inscrição de Miller no concurso para juiz já foi deferida e ele realizará a primeira prova no
 dia 10 de junho em São Paulo. Atualmente, o ex-procurador mora no Rio.
O ex-procurador esteve à frente de acordos de delação premiada de grande repercussão na
 Lava-Jato, como o do ex-senador Delcídio Amaral e do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró.
 Também atuou na colaboração de executivos da Andrade Gutierrez. Miller integrou o grupo de 
trabalho da Lava-Jato na gestão de Rodrigo Janot na Procuradoria-Geral da República. Antes
 de deixar o cargo definitivamente, já tinha sido transferido para o Rio de Janeiro e atuava 
apenas como "colaborador eventual" do grupo.

Ao deixar o MP, abriu mão de rendimento mensal de R$ 34,9 mil bruto, já incluídos benefícios
 de auxílio moradia, alimentação e pré-escola. Apesar de ter atuado formalmente por apenas
 três meses no escritório de advocacia, Miller recebeu R$ 1,6 milhão para deixar a sociedade. 
Seu salário fixo no escritório era de R$ 110 mil.

Miller é investigado pela Polícia Federal e pelo MP por ter atuado para a J&F enquanto
 ainda era procurador. Os investigadores apuram se ele recebeu dinheiro da empresa
 quando ainda ocupava o cargo público. Ele chegou a ser alvo de um pedido de prisão em 
setembro do ano passado, mas o ministro Edson Fachin indeferiu a medida. A previsão 
é que a PF conclua a investigação sobre o ex-procurador até a próxima semana.

Folha Política

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bolsonaro reage a Boulos: “Vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”

Em sua ‘live’ de domingo no Facebook, Jair Bolsonaro reagiu ao vídeo de um comício feito por Guilherme Boulos na quarta-feira passada, ao lado de Gleisi Hoffmann, em cima de um carro de som no Masp, em São Paulo, no qual o candidato derrotado do PSOL disse que só deixaria passar o feriadão para voltar a fazer mobilizações pelo país e a militância cantou em coro: “Ô Bolsonaro, presta atenção, a sua casa vai virar ocupação”. Boulos afirmou que “o MTST ocupa terreno improdutivo, e a casa do Bolsonaro não me parece uma coisa muito produtiva”. “Você deve ter visto um vídeo de ontem, ou anteontem, do Boulos insuflando uma massa enorme para invadir, ocupar a minha residência. O que você faria se o Boulos e 2 mil pessoas ameaçassem invadir a sua residência? Se eu for o presidente e se o Parlamento assim entender, nós vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”, disse Bolsonaro.
O Antagonista

Patrícia Pillar critica Regina Duarte por apoio a Bolsonaro

Através de comentário feito na postagem, Patrícia usou várias narrativas esquerdistas para indicar que o candidato do PSL não seria capaz de ocupar o cargo de presidente do Brasil.

Na tarde desta quinta-feira (11), a atriz Regina Duarte, da Rede Globo, que já havia sinalizado o apoio ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), usou as redes sociais para fazer novas críticas ao Partido dos Trabalhadores, do candidato Fernando Haddad.

A atriz global compartilhou uma imagem com uma comparação entre o salário mínimo e outra quantia com a indicação de “Bolsa Presidiário”, fazendo referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A imagem ainda traz o questionamento: “Tem certeza que o PT sabe governar?”

Após a publicação, a atriz Patrícia Pillar, colega de emissora, rebateu a postagem por meio de comentário, assumindo uma posição contra Bolsonaro.

A ex-mulher de Ciro Gomes (PDT) declarou:


Com toda admiração e respeito que tenho por você Regina, faço aqui uma ponderação: de antemão te digo que n…

Haddad tenta jogar católicos contra evangélicos

O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, participou de uma missa em São Paulo nesta sexta-feira (12). Em entrevista, logo após, o petista atacou Bolsonaro e tentou dividir cristãos. O dia de Nossa Senhora Aparecida foi utilizado pelo Partido dos Trabalhadores (PT) para tentar construir a imagem de um Fernando Haddad com bases religiosas. “Eu sou neto de um líder religioso”, respondeu o candidato do PT ao ser chamado de “abortista” por uma cristã após a missa na paróquia Santos Mártires, no Jardim Ângela, em São Paulo.