Pular para o conteúdo principal

Fachin diz que fim do imposto sindical pode 'desestabilizar' sindicatos


Imagem: André Dusek / Estadão






















O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou em despacho 
desta quarta-feira, 30, que, se o Plenário não julgar ação contra o fim da obrigatoriedade
 da contribuição sindical, analisará a possibilidade de conceder uma medida cautelar. 
O tema está previsto para ser analisado pelos 11 ministros da Suprema Corte no dia 28
 de junho. No despacho, Fachin sinaliza que é contrário à novidade introduzida pela
 reforma trabalhista.


Em 35 páginas, o ministro destaca os argumentos trazidos ao STF pelas instituições 
que buscam a volta da obrigatoriedade, ressalta que vê fundamento relevante para 
conceder a medida cautelar na ação e diz que há possível “enfraquecimento dos 
direitos sociais com a redução da capacidade de financiamento das atividades
 sindicais”.


“Como se depreende das informações trazidas pelos diversos amici curiae 
(amigos da Corte) é significativo o impacto das alterações legislativas nas atribuições
 constitucionais dos sindicatos”, afirma Fachin no despacho.


Para o ministro, conforme o que está previsto no texto constitucional, “é necessário 
reconhecer” que a mudança pode ser “desestabilizadora” de todo o regime sindical.


“O legislador infraconstitucional reformador pode, assim, não ter observado, ao menos 
“prima facie“, o regime sindical estabelecido pela Constituição de 1988 em sua maior 
amplitude, desequilibrando as forças de sua história e da sua atual conformação
 constitucional, e sem oferecer um período de transição para a implantação de novas
 regras relativas ao custeio das entidades sindicais”, diz Fachin sobre a reforma trabalhista,
 que vigora desde novembro do ano passado.


O ministro ainda ressalta que, em sua visão, o fim da contribuição obrigatória “inviabiliza 
a atuação do próprio regime sindical”, tornando-se um instrumento de “obnubilação” do
 direito à sindicalização.


“In casu, é forçoso assentar, mormente ante a plena plausibilidade das alegações, que a 
lesão a ocorrer é grave e repercute, negativamente, na esfera jurídica dos trabalhadores,
 à luz do regime constitucional vigente sobre a contribuição sindical”, afirma Fachin.


Ao final do despacho, o ministro diz que, ao menos até dia 28 de junho, manterá a ação 
para análise direta do plenário, mas ressalta que examinará a “excepcional premência dos
 pedidos formulados” na eventualidade de o julgamento não ocorrer.

Politica na rede

Comentários

CANAAN NEWS BLOG disse…
SERÁ QUE O VELHINHO TEM PASSADO ENVOLVIDO OU RELACIONADO COM A CUT, MST, MILITÂNCIA SINDICAL EM BUSCA DO PODER, TAL QUAL AQUELE EX QUE ESTÁ PRESO EM CURITIBA? OU SERÁ QUE ESSA REFORMA APROVADA PELO CONGRESSO, NÃO TEM O CRIVO DE UM PODER LEGAL? QUE PERÍODO DE TRANSIÇÃO É ESSE ALEGADO? QUE COISA MAIS PARECIDA COM AS IDÉIAS DE QUEM MUITO TÊM MAL EDUCADO SEU POVO? ESTE POVO, QUE NA HORA DE PROCURAR SER POVO DE VERDADE E AGIR, SEMPRE VIVE À ESPERA E MENDIGANDO UM SINDICATO MAL INTENCIONADO? QUE SÓ VÊ A SI MESMO, EM BUSCA DE APROPRIAÇÃO DE UMA VIDA POLÍTICA CORROMPIDA? NÃO FOI ISSO A MISSÃO DO LULA? CHEGA DE ONG E SINDICATOS. ISSO TAMBÉM É ALGO QUE FAZ PARTE DA CARA OBSCURA DO BRASIL. É HORA DE MOSTRAR TUDO, SIM.
Poeta Munhoz disse…
Isso é mentira. Fake News.
Eu não pago mais sindicato nem a pauuuuuu!!
É uma cambada de vagabundos que não fazem nada pelo trabalhador, só vivem brigando pelos milhões recolhidos de nós

Postagens mais visitadas deste blog

Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné Equatorial e Congo não investirão mais no Brasil se Bolsonaro for eleito.

Bolsonaro já disse, não tem acordo com a esquerda, países como, Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné equatorial, Congo e entre outros, não levarão nenhum centavo do povo brasileiro.

O Paí já colocou R$ 42 Bilhões na Ilha que ficou mais conhecida como Ilha de Fidel. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.
Uma risonha presidente Dilma Rousseff inaugurou, ao do ditador cubano Raúl Castro, a primeira fase do Porto de Mariel, em Havana.

 Na época a presença de Dilma se devai a uma razão principal : a conta foi paga por ela- na verddae, por todos os brasieliros. O Mariel custou US$ 957 milhões de dólares, dos quais US4 802 milhões vieram de financiamento concedido pelo banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).

 O montante equivale a 2 bilhões. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.

Istoé notícia-Jornal 21 Brasil

TSE suspende propaganda do PT que associa Bolsonaro à tortura

Luis Felipe Salomão, do TSE, suspendeu a propaganda eleitoral em que a coligação petista associa Jair Bolsonaro à ditadura e à tortura.

O ministro atendeu o pedido da defesa de Bolsonaro, que alegou que o programa veiculado viola a lei eleitoral, “uma vez que incute medo na população ao sugerir que se o candidato Jair Bolsonaro for eleito vai perseguir e torturar eventuais opositores políticos”.

“O tribunal tem feito um esforço no sentido de elevar o nível do debate para se evitar a disseminação desse clima de pânico que estão criando”, disse o advogado de Bolsonaro, Tiago Ayres, a O Antagonista.

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…