Pular para o conteúdo principal

Fachin diz que fim do imposto sindical pode 'desestabilizar' sindicatos


Imagem: André Dusek / Estadão






















O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou em despacho 
desta quarta-feira, 30, que, se o Plenário não julgar ação contra o fim da obrigatoriedade
 da contribuição sindical, analisará a possibilidade de conceder uma medida cautelar. 
O tema está previsto para ser analisado pelos 11 ministros da Suprema Corte no dia 28
 de junho. No despacho, Fachin sinaliza que é contrário à novidade introduzida pela
 reforma trabalhista.


Em 35 páginas, o ministro destaca os argumentos trazidos ao STF pelas instituições 
que buscam a volta da obrigatoriedade, ressalta que vê fundamento relevante para 
conceder a medida cautelar na ação e diz que há possível “enfraquecimento dos 
direitos sociais com a redução da capacidade de financiamento das atividades
 sindicais”.


“Como se depreende das informações trazidas pelos diversos amici curiae 
(amigos da Corte) é significativo o impacto das alterações legislativas nas atribuições
 constitucionais dos sindicatos”, afirma Fachin no despacho.


Para o ministro, conforme o que está previsto no texto constitucional, “é necessário 
reconhecer” que a mudança pode ser “desestabilizadora” de todo o regime sindical.


“O legislador infraconstitucional reformador pode, assim, não ter observado, ao menos 
“prima facie“, o regime sindical estabelecido pela Constituição de 1988 em sua maior 
amplitude, desequilibrando as forças de sua história e da sua atual conformação
 constitucional, e sem oferecer um período de transição para a implantação de novas
 regras relativas ao custeio das entidades sindicais”, diz Fachin sobre a reforma trabalhista,
 que vigora desde novembro do ano passado.


O ministro ainda ressalta que, em sua visão, o fim da contribuição obrigatória “inviabiliza 
a atuação do próprio regime sindical”, tornando-se um instrumento de “obnubilação” do
 direito à sindicalização.


“In casu, é forçoso assentar, mormente ante a plena plausibilidade das alegações, que a 
lesão a ocorrer é grave e repercute, negativamente, na esfera jurídica dos trabalhadores,
 à luz do regime constitucional vigente sobre a contribuição sindical”, afirma Fachin.


Ao final do despacho, o ministro diz que, ao menos até dia 28 de junho, manterá a ação 
para análise direta do plenário, mas ressalta que examinará a “excepcional premência dos
 pedidos formulados” na eventualidade de o julgamento não ocorrer.

Politica na rede

Comentários

CANAAN NEWS BLOG disse…
SERÁ QUE O VELHINHO TEM PASSADO ENVOLVIDO OU RELACIONADO COM A CUT, MST, MILITÂNCIA SINDICAL EM BUSCA DO PODER, TAL QUAL AQUELE EX QUE ESTÁ PRESO EM CURITIBA? OU SERÁ QUE ESSA REFORMA APROVADA PELO CONGRESSO, NÃO TEM O CRIVO DE UM PODER LEGAL? QUE PERÍODO DE TRANSIÇÃO É ESSE ALEGADO? QUE COISA MAIS PARECIDA COM AS IDÉIAS DE QUEM MUITO TÊM MAL EDUCADO SEU POVO? ESTE POVO, QUE NA HORA DE PROCURAR SER POVO DE VERDADE E AGIR, SEMPRE VIVE À ESPERA E MENDIGANDO UM SINDICATO MAL INTENCIONADO? QUE SÓ VÊ A SI MESMO, EM BUSCA DE APROPRIAÇÃO DE UMA VIDA POLÍTICA CORROMPIDA? NÃO FOI ISSO A MISSÃO DO LULA? CHEGA DE ONG E SINDICATOS. ISSO TAMBÉM É ALGO QUE FAZ PARTE DA CARA OBSCURA DO BRASIL. É HORA DE MOSTRAR TUDO, SIM.
Poeta Munhoz disse…
Isso é mentira. Fake News.
Eu não pago mais sindicato nem a pauuuuuu!!
É uma cambada de vagabundos que não fazem nada pelo trabalhador, só vivem brigando pelos milhões recolhidos de nós

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileiros são acusados de machismo e racismo na Copa da Rússia

Em vídeo viral, um grupo de homens se aproveita do fato de uma jovem russa não saber português para assediar a moça





A Copa da Rússia mal começou e algumas atitudes de torcedores brasileiros provocaram reações inflamadas na internet. Em um vídeo publicado na noite de sábado (16/6), alguns homens se aproximaram de uma jovem estrangeira, aparentemente russa, e fizeram uma gravação com ela. Nas redes sociais, o ato foi apontado como uma demonstração de machismo e racismo. Entre outros impropérios, o grupo cantou “essa buceta é bem rosinha”, referindo-se à cor da mulher. A moça, que obviamente não entende uma única palavra em português, cantou junto a eles, sem ter noção do desrespeito. A objetificação pela qual a estrangeira passa – uma pessoa é reduzida aos órgãos genitais – foi considerada ofensiva pelos internautas. Além do machismo alarmante, tendo em vista que um grupo de adultos achou por bem fazer comentários grotescos sobre o corpo de uma desconhecida na rua, há indícios de racismo…

Veja a lista dos deputados que querem uma CPI para acabar com a Lava Jato

O PT está no centro da articulação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) com o objetivo de investigar a suposta venda de “proteção” em delações premiadas por parte de advogados e delatores. Trata-se da "CPI das delações", com potencial para afetar os trabalhos da operação Lava Jato e até extingui-la. 

Segundo o líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (PT-RS), trata-se de uma investigação sobre a "indústria da delação". Os pontos de partida serão as delações dos doleiros Vinícius Claret, o Juca Bala, e Cláudio de Souza, integrantes do esquema comandado por Dario Messer, chamado de “doleiro de todos os doleiros”, que acusam o advogado Antonio Figueiredo Basto, um dos maiores especialistas do País em colaborações premiadas, de cobrar uma “taxa de proteção” de US$ 50 mil mensais (cerca de R$ 185 mil) de outros integrantes do esquema entre 2005 e 2013.
Veja quem são os deputados que assinaram o pedido: 


Cármen Lúcia arquiva processo sobre menção de Joesley a ministros do STF Presidente do STF determinou extinção da investigação aberta, a pedido dela, para apurar citação a ministros na delação de executivos da empresa JBS Por Agência Brasil

Cármen Lúcia: "Não poderia pender qualquer tipo de mais leve dúvida sobre a conduta daqueles que compõe, que integram este Supremo Tribunal Federal" (Rosinei Coutinho/SCO/STF/Agência Brasil) A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, informou, na abertura da sessão plenária desta quinta-feira (21), ter determinado a extinção e o arquivamento definitivo da investigação aberta, a pedido dela, pela Polícia Federal, para apurar citação a ministros da Corte na delação de executivos da empresa JBS, do grupo J&F. A decisão foi tomada após o diretor-geral da PF, Rogério Galloro, entregar o relatório final das investigações à Cármen Lúcia. De acordo com o documento, “não foram encontradas gravações que indicassem qualquer participação de ministros do Supremo Tribunal Federal envolvidos e ou citados em qualquer ato ilícito”. Com base no relatório da PF, Cármen Lúcia afirmou que “não houve, não há qualquer dúvida, que tenha sido extraída de qualquer doc…