Pular para o conteúdo principal

Fachin diz que fim do imposto sindical pode 'desestabilizar' sindicatos


Imagem: André Dusek / Estadão






















O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou em despacho 
desta quarta-feira, 30, que, se o Plenário não julgar ação contra o fim da obrigatoriedade
 da contribuição sindical, analisará a possibilidade de conceder uma medida cautelar. 
O tema está previsto para ser analisado pelos 11 ministros da Suprema Corte no dia 28
 de junho. No despacho, Fachin sinaliza que é contrário à novidade introduzida pela
 reforma trabalhista.


Em 35 páginas, o ministro destaca os argumentos trazidos ao STF pelas instituições 
que buscam a volta da obrigatoriedade, ressalta que vê fundamento relevante para 
conceder a medida cautelar na ação e diz que há possível “enfraquecimento dos 
direitos sociais com a redução da capacidade de financiamento das atividades
 sindicais”.


“Como se depreende das informações trazidas pelos diversos amici curiae 
(amigos da Corte) é significativo o impacto das alterações legislativas nas atribuições
 constitucionais dos sindicatos”, afirma Fachin no despacho.


Para o ministro, conforme o que está previsto no texto constitucional, “é necessário 
reconhecer” que a mudança pode ser “desestabilizadora” de todo o regime sindical.


“O legislador infraconstitucional reformador pode, assim, não ter observado, ao menos 
“prima facie“, o regime sindical estabelecido pela Constituição de 1988 em sua maior 
amplitude, desequilibrando as forças de sua história e da sua atual conformação
 constitucional, e sem oferecer um período de transição para a implantação de novas
 regras relativas ao custeio das entidades sindicais”, diz Fachin sobre a reforma trabalhista,
 que vigora desde novembro do ano passado.


O ministro ainda ressalta que, em sua visão, o fim da contribuição obrigatória “inviabiliza 
a atuação do próprio regime sindical”, tornando-se um instrumento de “obnubilação” do
 direito à sindicalização.


“In casu, é forçoso assentar, mormente ante a plena plausibilidade das alegações, que a 
lesão a ocorrer é grave e repercute, negativamente, na esfera jurídica dos trabalhadores,
 à luz do regime constitucional vigente sobre a contribuição sindical”, afirma Fachin.


Ao final do despacho, o ministro diz que, ao menos até dia 28 de junho, manterá a ação 
para análise direta do plenário, mas ressalta que examinará a “excepcional premência dos
 pedidos formulados” na eventualidade de o julgamento não ocorrer.

Politica na rede

Comentários

CANAAN NEWS BLOG disse…
SERÁ QUE O VELHINHO TEM PASSADO ENVOLVIDO OU RELACIONADO COM A CUT, MST, MILITÂNCIA SINDICAL EM BUSCA DO PODER, TAL QUAL AQUELE EX QUE ESTÁ PRESO EM CURITIBA? OU SERÁ QUE ESSA REFORMA APROVADA PELO CONGRESSO, NÃO TEM O CRIVO DE UM PODER LEGAL? QUE PERÍODO DE TRANSIÇÃO É ESSE ALEGADO? QUE COISA MAIS PARECIDA COM AS IDÉIAS DE QUEM MUITO TÊM MAL EDUCADO SEU POVO? ESTE POVO, QUE NA HORA DE PROCURAR SER POVO DE VERDADE E AGIR, SEMPRE VIVE À ESPERA E MENDIGANDO UM SINDICATO MAL INTENCIONADO? QUE SÓ VÊ A SI MESMO, EM BUSCA DE APROPRIAÇÃO DE UMA VIDA POLÍTICA CORROMPIDA? NÃO FOI ISSO A MISSÃO DO LULA? CHEGA DE ONG E SINDICATOS. ISSO TAMBÉM É ALGO QUE FAZ PARTE DA CARA OBSCURA DO BRASIL. É HORA DE MOSTRAR TUDO, SIM.
Poeta Munhoz disse…
Isso é mentira. Fake News.
Eu não pago mais sindicato nem a pauuuuuu!!
É uma cambada de vagabundos que não fazem nada pelo trabalhador, só vivem brigando pelos milhões recolhidos de nós

Postagens mais visitadas deste blog

Bolsonaro reage a Boulos: “Vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”

Em sua ‘live’ de domingo no Facebook, Jair Bolsonaro reagiu ao vídeo de um comício feito por Guilherme Boulos na quarta-feira passada, ao lado de Gleisi Hoffmann, em cima de um carro de som no Masp, em São Paulo, no qual o candidato derrotado do PSOL disse que só deixaria passar o feriadão para voltar a fazer mobilizações pelo país e a militância cantou em coro: “Ô Bolsonaro, presta atenção, a sua casa vai virar ocupação”. Boulos afirmou que “o MTST ocupa terreno improdutivo, e a casa do Bolsonaro não me parece uma coisa muito produtiva”. “Você deve ter visto um vídeo de ontem, ou anteontem, do Boulos insuflando uma massa enorme para invadir, ocupar a minha residência. O que você faria se o Boulos e 2 mil pessoas ameaçassem invadir a sua residência? Se eu for o presidente e se o Parlamento assim entender, nós vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”, disse Bolsonaro.
O Antagonista

Patrícia Pillar critica Regina Duarte por apoio a Bolsonaro

Através de comentário feito na postagem, Patrícia usou várias narrativas esquerdistas para indicar que o candidato do PSL não seria capaz de ocupar o cargo de presidente do Brasil.

Na tarde desta quinta-feira (11), a atriz Regina Duarte, da Rede Globo, que já havia sinalizado o apoio ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), usou as redes sociais para fazer novas críticas ao Partido dos Trabalhadores, do candidato Fernando Haddad.

A atriz global compartilhou uma imagem com uma comparação entre o salário mínimo e outra quantia com a indicação de “Bolsa Presidiário”, fazendo referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A imagem ainda traz o questionamento: “Tem certeza que o PT sabe governar?”

Após a publicação, a atriz Patrícia Pillar, colega de emissora, rebateu a postagem por meio de comentário, assumindo uma posição contra Bolsonaro.

A ex-mulher de Ciro Gomes (PDT) declarou:


Com toda admiração e respeito que tenho por você Regina, faço aqui uma ponderação: de antemão te digo que n…

Haddad tenta jogar católicos contra evangélicos

O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, participou de uma missa em São Paulo nesta sexta-feira (12). Em entrevista, logo após, o petista atacou Bolsonaro e tentou dividir cristãos. O dia de Nossa Senhora Aparecida foi utilizado pelo Partido dos Trabalhadores (PT) para tentar construir a imagem de um Fernando Haddad com bases religiosas. “Eu sou neto de um líder religioso”, respondeu o candidato do PT ao ser chamado de “abortista” por uma cristã após a missa na paróquia Santos Mártires, no Jardim Ângela, em São Paulo.