Pular para o conteúdo principal

Fachin nega liberdade a Vaccari, condenado em segunda instância

Imagem: Luis Macedo / Câmara dos Deputados


















O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, negou seguimento – julgou inviável 
– ao Habeas Corpus (HC) 153002, no qual a defesa do ex-tesoureiro do PT João Vaccari 
Neto pedia que não fosse executada a pena de 24 anos de prisão que lhe foi imposta 
por corrupção passiva no âmbito da Operação Lava-Jato.
O ex-tesoureiro do PT foi condenado pelo juiz Sérgio Moro, da 13.ª Vara Federal de Curitiba 
a dez anos de prisão por corrupção passiva ’em razão do recebimento de vantagem indevida
 decorrente de cinco contratos da Petrobrás e da Sete Brasil com o Grupo Keppel Fels, para
 repasse à sua agremiação política’.

O Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4) aumentou a pena para 24 anos de reclusão 
e, após o julgamento de recursos naquela instância, determinou o cumprimento da pena.

A defesa argumentou que havia sido decretada a prisão preventiva de Vaccari em uma outra 
ação penal, ‘que foi estendida para o fim de alcançar os fatos associados ao processo em que
 ele acabou sendo condenado’.

A defesa alegou, no entanto, que a primeira custódia cautelar foi revogada em razão da
 absolvição ocorrida na primeira ação penal. Assim, não haveria ‘fundamentação concreta
 a lastrear a extensão do decreto prisional e não há justificativa concreta para o início 
da execução provisória da pena’.

Fachin apontou que a condenação na segunda ação penal ‘se encontra assentada pelas
 instâncias ordinárias, razão pela qual, no último dia 13 de maio, foi determinada a expedição
 de guia para início da execução penal provisória’.

“Nesse contexto, a custódia, até então de índole processual, passa a ostentar contornos 
penais, o que acarreta o prejuízo da impetração quanto ao questionamento cautelar”, destacou
 o ministro.

Em relação à prisão em segunda instância, o relator lembrou os precedentes do STF que
 assentam a possibilidade da medida, entre eles o julgamento do Recurso Extraordinário 
com Agravo (ARE) 964246, com repercussão geral reconhecida, no qual a Corte definiu 
a tese que a execução provisória de acórdão penal condenatório proferido em grau recursal, 
ainda que sujeito a recurso especial ou extraordinário, não compromete o princípio 
constitucional da presunção de inocência afirmado pelo artigo 5.º, inciso LVII, da
 Constituição.


Folha politica

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné Equatorial e Congo não investirão mais no Brasil se Bolsonaro for eleito.

Bolsonaro já disse, não tem acordo com a esquerda, países como, Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné equatorial, Congo e entre outros, não levarão nenhum centavo do povo brasileiro.

O Paí já colocou R$ 42 Bilhões na Ilha que ficou mais conhecida como Ilha de Fidel. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.
Uma risonha presidente Dilma Rousseff inaugurou, ao do ditador cubano Raúl Castro, a primeira fase do Porto de Mariel, em Havana.

 Na época a presença de Dilma se devai a uma razão principal : a conta foi paga por ela- na verddae, por todos os brasieliros. O Mariel custou US$ 957 milhões de dólares, dos quais US4 802 milhões vieram de financiamento concedido pelo banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).

 O montante equivale a 2 bilhões. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.

Istoé notícia-Jornal 21 Brasil

Justiça condena Juca Kfouri a pagar R$ 30 mil a Bolsonaro

A 26ª Câmara Cível do Rio determinou que Juca Kfouri e a ESPN paguem indenização de R$ 30 mil, mais correção e juros, por dano moral a Jair Bolsonaro, informa a Veja.

O presidenciável, porém, terá de indenizar o jornalista em R$ 6.000.

O caso começou em 2016, quando Kfouri criticou o comportamento de dois torcedores do Fluminense, comparando-os a torturadores e dizendo que deviam ser apoiadores de Bolsonaro.



Em resposta, o deputado gravou um vídeo com a camisa do Fluminense em que dizia que o jornalista estava “merecendo levar uns tabefes pra aprender a ser homem”.

Em seguida, Bolsonaro entrou com a ação por dano moral, alegando que na vida militar jamais participou de tortura. Na defesa, Kfouri negou ofensa à honra do hoje presidenciável.

RedeTV retirou o púlpito vazio de Lula por exigência de Bolsonaro

O púlpito vazio de Lula foi retirado pela RedeTv, após protesto de Jair Bolsonaro, que ameaçou não participar do debate.

 A Emissora consultou os demais concorrentes que concordaram segundo Igor Gadelha, da Crusoé.

 Diante dessa situação constrangedora, Bolsoanro tem moral mesmo sem ser o presidente, mas pode ser ainda no primeiro turno.