Pular para o conteúdo principal

FHC pediu ‘SOS’ a Marcelo Odebrecht e enviou dados bancários, diz laudo da PF



Imagem: Reprodução / Redes Sociais

















Um laudo da Polícia Federal anexado a uma ação penal em que o ex-presidente 
Lula é réu na Lava Jato revela e-mails enviados pelo ex-presidente 
Fernando Henrique Cardoso (PSDB), em 2010, ao empresário Marcelo Odebrecht 
com pedidos de doações para dois candidatos tucanos ao Senado, 
Antero Paes de Barros (MT) e Flexa Ribeiro (PA). Em um dos e-mails, FHC 
fala em pedido de ‘SOS’ para ajuda na campanha e chega a enviar dados bancários.
 Na troca de mensagens entre o ex-presidente tucano e o empreiteiro não há citação 
a valores. À época, Fernando Henrique Cardoso era presidente de honra do PSDB 
e não ocupava cargo público.


“Recordando nossa conversa no jantar de outro dia, envio-lhe um SOS. O candidato 
ao senado pelo PSDB, Antero Paes de Barros, ainda está em segundo lugar, porém 
a pressão do governismo, ancorada em muitos recursos, está fortíssima”, afirma FHC, 
em e-mail a Marcelo, no dia 13 de setembro de 2010.
“Seria possível ajudá-lo? Envio abaixo os dado bancários: Eleição 2010, Antero Paes
 de Barros Neto -senador, Banco do Brasil, agência 3325-1, conta corrente 31801-3,
 CNPJ 12189840/0001-23. Com um abraço, Fernando Henrique”, completa.


Mais tarde, no mesmo dia, Marcelo respondeu: “Presidente, Estou fora até amanhã, 
mas até 4ª dou uma olhada e retorno. Fique tranqüilo (no que depender de nós)”.


“Depois aproveito, e lhe dou o feedback dos demais apoios e reforços que fizemos 
na linha do que conversamos”, afirmou.


No dia seguinte, Marcelo voltou a fazer promessas ao tucano: “Ja solicitei que fosse 
feito o apoio ao Antero. Vou pedir para verificarem sua disponibilidade para lhe 
apresentar um balanço”.


No dia 21 de setembro, FHC insiste pela doação. “estimados amigos: desculpem a
 insistência e nem mesmo sei se já atenderam o que lhes pedi, mas olhando o quadro 
geral, há dois possíveis
senadores que precisam atenção: 1. Antero Paes de Barros, de Mato Grosso 2. 
Flexa Ribeiro, do Pará. Ainda há tempo para eles alcançarem, no caso na verdade
 é manterem, a posição que os leva ao êxito. Abraços, Fernando Henrique”.


Marcelo responde positivamente: “Já contactamos Antero, está fora, mas já sabe 
que iremos apoiá-lo. Flexa não sei dizer, mas vou verificar”.


Em outra troca de e-mails, com assunto ‘iFHC’, este de André Amaro, executivo 
da Odebrecht, para Marcelo, são mencionados valores.


“Em alinhamento com EO [Emílio Odebrecht, patriarca da empreiteira] informei 
a Daniel que nossa contribuição será de 1,8 mi em 24 meses, conforme acertado 
no último encontro dos empresários no Instituto. Daniel disse que, talvez, contribua 
com menos, se posicionando junto a um grupo de empresas relativamente menores”,
 afirmou André no dia 18 de dezembro.


O laudo foi produzido pela Polícia Federal com autorização do juiz Sérgio Moro,
 que atendeu pedido da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para 
determinar uma perícia no computador do empreiteiro.


Nesta ação penal, o ex-presidente Lula é investigado por supostas propinas de
 R$ 12,5 milhões da Odebrecht por meio da compra de um apartamento em 
São Bernardo do Campo e de um terreno em São Paulo onde supostamente seria
 sediado o Instituto Lula.


COM A PALAVRA, FHC


“Posso ter pedido, mas era legal. Não sei se deram e não foi a troco de decisões minhas,
 pois na época eu estava fora dos governos, da República e do estado”.


Folha Política

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O sumiço da Faca e o registro na Câmara: Adelio não agiu sozinho, alerta Alexandre Garcia (Veja o Vídeo)

Algo de muito podre ronda a Polícia Legislativa da Câmara dos Deputados.

Após o golpe em Jair Bolsonaro, Adelio se livrou rapidamente da faca. Tudo indica que repassou para alguém, tanto é que a ‘arma branca’ foi encontrada numa barraca de ambulante, nas imediações. Alguém jogou esta faca onde foi achada. Parece óbvio. A questão do registro na Câmara também deve ser cuidadosamente examinada. Algo de muito podre ronda a Polícia Legislativa da Câmara dos Deputados. O diretor do setor alega que um recepcionista registrou por engano a entrada de Adélio Bispo de Oliveira no local, no dia 6 de setembro, o dia do atentado contra Jair Bolsonaro. Ora, foram constatados os registros de duas entradas do criminoso. O tal servidor registrou por engano duas vezes? E o nome do servidor distraído agora é mantido sob sigilo? Parece óbvio que caso o atentado tivesse sido exitoso e no meio da multidão Adelio alcançasse a fuga, o álibi estaria pronto. Esse era o plano e isto parece bem claro. Veja o vídeo…

Alvaro Dias chama Bolsonaro de “vagabundo bandido” e “quase morto” e recebe resposta do senador Magno Malta

Sem saber que estava sendo gravado, Álvaro Dias aproveitou para destilar todo o seu veneno com comentários maldosos sobre Jair Bolsonaro. O candidato do Podemos afirmou que Bolsonaro é um “vagabundo bandido” e que ‘ta quase morto”. Ainda no mesmo trecho, Dias afirma que “se não fosse a facada eu estaria destruindo ele hoje.”
Alvaro Dias ataca Bolsonaro e recebe A RESPOSTA de Magno Malta

ADÉLIO NA TV- A defesa de Adélio Bispo de Oliveira, pede autorização a juíz, para que Adélio de entrevista a um programa de televisão

Por Claudio Dantas  ( O Antagonista) A defesa de Adélio Bispo de Oliveira, que tentou matar Jair Bolsonaro, pediu ao juiz Bruno Savino, da 3ª Vara da Justiça Federal de Juiz de Fora (MG), autorização para que o criminoso conceda entrevista a um programa de televisão.
O MPF se manifestou pelo encaminhamento do pedido à Direção da Penitenciária Federal de Campo Grande (MS), onde Adélio está custodiado. Savino concordou.