Pular para o conteúdo principal

FHC pediu ‘SOS’ a Marcelo Odebrecht e enviou dados bancários, diz laudo da PF



Imagem: Reprodução / Redes Sociais

















Um laudo da Polícia Federal anexado a uma ação penal em que o ex-presidente 
Lula é réu na Lava Jato revela e-mails enviados pelo ex-presidente 
Fernando Henrique Cardoso (PSDB), em 2010, ao empresário Marcelo Odebrecht 
com pedidos de doações para dois candidatos tucanos ao Senado, 
Antero Paes de Barros (MT) e Flexa Ribeiro (PA). Em um dos e-mails, FHC 
fala em pedido de ‘SOS’ para ajuda na campanha e chega a enviar dados bancários.
 Na troca de mensagens entre o ex-presidente tucano e o empreiteiro não há citação 
a valores. À época, Fernando Henrique Cardoso era presidente de honra do PSDB 
e não ocupava cargo público.


“Recordando nossa conversa no jantar de outro dia, envio-lhe um SOS. O candidato 
ao senado pelo PSDB, Antero Paes de Barros, ainda está em segundo lugar, porém 
a pressão do governismo, ancorada em muitos recursos, está fortíssima”, afirma FHC, 
em e-mail a Marcelo, no dia 13 de setembro de 2010.
“Seria possível ajudá-lo? Envio abaixo os dado bancários: Eleição 2010, Antero Paes
 de Barros Neto -senador, Banco do Brasil, agência 3325-1, conta corrente 31801-3,
 CNPJ 12189840/0001-23. Com um abraço, Fernando Henrique”, completa.


Mais tarde, no mesmo dia, Marcelo respondeu: “Presidente, Estou fora até amanhã, 
mas até 4ª dou uma olhada e retorno. Fique tranqüilo (no que depender de nós)”.


“Depois aproveito, e lhe dou o feedback dos demais apoios e reforços que fizemos 
na linha do que conversamos”, afirmou.


No dia seguinte, Marcelo voltou a fazer promessas ao tucano: “Ja solicitei que fosse 
feito o apoio ao Antero. Vou pedir para verificarem sua disponibilidade para lhe 
apresentar um balanço”.


No dia 21 de setembro, FHC insiste pela doação. “estimados amigos: desculpem a
 insistência e nem mesmo sei se já atenderam o que lhes pedi, mas olhando o quadro 
geral, há dois possíveis
senadores que precisam atenção: 1. Antero Paes de Barros, de Mato Grosso 2. 
Flexa Ribeiro, do Pará. Ainda há tempo para eles alcançarem, no caso na verdade
 é manterem, a posição que os leva ao êxito. Abraços, Fernando Henrique”.


Marcelo responde positivamente: “Já contactamos Antero, está fora, mas já sabe 
que iremos apoiá-lo. Flexa não sei dizer, mas vou verificar”.


Em outra troca de e-mails, com assunto ‘iFHC’, este de André Amaro, executivo 
da Odebrecht, para Marcelo, são mencionados valores.


“Em alinhamento com EO [Emílio Odebrecht, patriarca da empreiteira] informei 
a Daniel que nossa contribuição será de 1,8 mi em 24 meses, conforme acertado 
no último encontro dos empresários no Instituto. Daniel disse que, talvez, contribua 
com menos, se posicionando junto a um grupo de empresas relativamente menores”,
 afirmou André no dia 18 de dezembro.


O laudo foi produzido pela Polícia Federal com autorização do juiz Sérgio Moro,
 que atendeu pedido da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para 
determinar uma perícia no computador do empreiteiro.


Nesta ação penal, o ex-presidente Lula é investigado por supostas propinas de
 R$ 12,5 milhões da Odebrecht por meio da compra de um apartamento em 
São Bernardo do Campo e de um terreno em São Paulo onde supostamente seria
 sediado o Instituto Lula.


COM A PALAVRA, FHC


“Posso ter pedido, mas era legal. Não sei se deram e não foi a troco de decisões minhas,
 pois na época eu estava fora dos governos, da República e do estado”.


Folha Política

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileiros são acusados de machismo e racismo na Copa da Rússia

Em vídeo viral, um grupo de homens se aproveita do fato de uma jovem russa não saber português para assediar a moça





A Copa da Rússia mal começou e algumas atitudes de torcedores brasileiros provocaram reações inflamadas na internet. Em um vídeo publicado na noite de sábado (16/6), alguns homens se aproximaram de uma jovem estrangeira, aparentemente russa, e fizeram uma gravação com ela. Nas redes sociais, o ato foi apontado como uma demonstração de machismo e racismo. Entre outros impropérios, o grupo cantou “essa buceta é bem rosinha”, referindo-se à cor da mulher. A moça, que obviamente não entende uma única palavra em português, cantou junto a eles, sem ter noção do desrespeito. A objetificação pela qual a estrangeira passa – uma pessoa é reduzida aos órgãos genitais – foi considerada ofensiva pelos internautas. Além do machismo alarmante, tendo em vista que um grupo de adultos achou por bem fazer comentários grotescos sobre o corpo de uma desconhecida na rua, há indícios de racismo…

Veja a lista dos deputados que querem uma CPI para acabar com a Lava Jato

O PT está no centro da articulação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) com o objetivo de investigar a suposta venda de “proteção” em delações premiadas por parte de advogados e delatores. Trata-se da "CPI das delações", com potencial para afetar os trabalhos da operação Lava Jato e até extingui-la. 

Segundo o líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (PT-RS), trata-se de uma investigação sobre a "indústria da delação". Os pontos de partida serão as delações dos doleiros Vinícius Claret, o Juca Bala, e Cláudio de Souza, integrantes do esquema comandado por Dario Messer, chamado de “doleiro de todos os doleiros”, que acusam o advogado Antonio Figueiredo Basto, um dos maiores especialistas do País em colaborações premiadas, de cobrar uma “taxa de proteção” de US$ 50 mil mensais (cerca de R$ 185 mil) de outros integrantes do esquema entre 2005 e 2013.
Veja quem são os deputados que assinaram o pedido: 


Cármen Lúcia arquiva processo sobre menção de Joesley a ministros do STF Presidente do STF determinou extinção da investigação aberta, a pedido dela, para apurar citação a ministros na delação de executivos da empresa JBS Por Agência Brasil

Cármen Lúcia: "Não poderia pender qualquer tipo de mais leve dúvida sobre a conduta daqueles que compõe, que integram este Supremo Tribunal Federal" (Rosinei Coutinho/SCO/STF/Agência Brasil) A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, informou, na abertura da sessão plenária desta quinta-feira (21), ter determinado a extinção e o arquivamento definitivo da investigação aberta, a pedido dela, pela Polícia Federal, para apurar citação a ministros da Corte na delação de executivos da empresa JBS, do grupo J&F. A decisão foi tomada após o diretor-geral da PF, Rogério Galloro, entregar o relatório final das investigações à Cármen Lúcia. De acordo com o documento, “não foram encontradas gravações que indicassem qualquer participação de ministros do Supremo Tribunal Federal envolvidos e ou citados em qualquer ato ilícito”. Com base no relatório da PF, Cármen Lúcia afirmou que “não houve, não há qualquer dúvida, que tenha sido extraída de qualquer doc…