Pular para o conteúdo principal

Gilmar Mendes indicou não ser responsável por caso Paulo Preto no STF, mas concedeu dois habeas corpus a ele


Imagem: Sérgio Lima / Folhapress




















Vinte dias antes de conceder o habeas corpus que livrou o engenheiro Paulo Vieira
 de Souza da prisão pela primeira vez, o ministro Gilmar Mendes sugeriu que
 não era, necessariamente, o responsável pelo caso no STF (Supremo Tribunal 
Federal).


A avaliação foi feita quando o ministro negou um dos recursos da defesa de Souza,
 mais conhecido como Paulo Preto. Ex-diretor da Dersa (estatal paulista de transportes),
 ele é apontado como operador de propinas do PSDB paulista.


Apesar da negativa inicial, em recurso seguinte, o pedido de habeas corpus, o ministro
 soltou Paulo Preto sem voltar a tocar no assunto da responsabilidade pelo processo.
Isso tudo aconteceu entre abril e o início de maio, antes de Paulo Preto ser novamente 
preso na última quarta-feira (30). Horas depois, ele foi solto mais uma vez por decisão
 de Gilmar Mendes.


Essa primeira prisão preventiva de Souza na Lava Jato aconteceu no dia 6 de abril, por, 
segundo o Ministério Público Federal, ele ter ameaçado uma ré colaboradora.


Souza havia sido denunciado sob suspeita de R$ 7,7 milhões nas obras do Rodoanel
 pela Procuradoria, que teriam de ser destinados ao realojamento de moradores da
 região das obras viárias.


No Supremo, ele é investigado em outro inquérito relacionado ao senador e ex-governador
 de São Paulo José Serra (PSDB). A investigação foi aberta após as delações da Odebrecht
 —em questões relativas a esse caso, Gilmar é o ministro responsável.


Foi em um recurso nesse processo que a defesa de Souza pediu a Gilmar que determinasse 
o envio do caso do Rodoanel da primeira instância para o STF. Segundo os advogados, 
havia conexão com a denúncia apresentada em São Paulo. Também pediram que a prisão
 fosse revogada.


Gilmar negou o pedido no dia 19 de abril, sob justificativa de que não via essa conexão. 
“O reclamante [Paulo Preto] foi denunciado, juntamente com outras pessoas sem 
prerrogativa de foro, por ‘desvios de recursos públicos do Programa de Reassentamento 
dos empreendimentos do Rodoanel Sul, Jacu Pêssego e Nova Marginal Tietê’”,
 disse Gilmar.


“Não se indica suspeita concreta quanto a autoridade com prerrogativa de foro”, 
acrescentou. “Assim, numa primeira vista, o objeto da investigação e da ação penal 
é diverso. A tese da defesa, no sentido de que a conexão decorre do
 PIC [Procedimento Investigatório Criminal] 944, precisa ser melhor esclarecida.”


No dia 8 de maio, no entanto, a defesa entrou com o pedido de habeas corpus
. O processo foi considerado conexo e distribuído pela secretaria do Supremo 
para o ministro.


Três dias depois, o habeas corpus foi concedido a Souza, sem Gilmar levantar a 
questão a respeito de quem seria o julgador responsável pelo caso.


Em sua fundamentação, critica a possibilidade de Vieira estar preso para ser forçado
 a oferecer um acordo de delação premiada. “Como ponto culminante do desvio de
 finalidade da prisão preventiva, produzem-se notícias buscando constranger o Poder 
Judiciário a compactuar com a ilegalidade”, e cita coluna de Mônica Bergamo, do jornal
 Folha de S. Paulo, que informa que o ex-diretor estudava a possibilidade de colaborar.


A Folha de S. Paulo mostrou as duas decisões de Gilmar a especialistas em direito penal
, que disseram que o procedimento é incomum, porque em geral o julgador analisa se 
seria ou não designado para o caso.


Procurado, o STF informou os motivos para o processo ter sido distribuído ao ministro.
 De acordo com o artigo 69 do regimento da corte, “a distribuição da ação ou do recurso
 gera prevenção [designação] para todos os processos a eles vinculados por conexão ou continência”.


Gilmar não se manifestou. A defesa de Souza tem negado que ele tenha cometido
 qualquer irregularidade.


Na quarta, quando Souza foi solto pela segunda vez, a procuradora Adriana Scordamaglia
 disse que “causou estranheza o teor da decisão” que veio de “ministro que não faz parte 
da relação processual ao qual estamos integrando”.
Politica na Rede

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné Equatorial e Congo não investirão mais no Brasil se Bolsonaro for eleito.

Bolsonaro já disse, não tem acordo com a esquerda, países como, Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné equatorial, Congo e entre outros, não levarão nenhum centavo do povo brasileiro.

O Paí já colocou R$ 42 Bilhões na Ilha que ficou mais conhecida como Ilha de Fidel. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.
Uma risonha presidente Dilma Rousseff inaugurou, ao do ditador cubano Raúl Castro, a primeira fase do Porto de Mariel, em Havana.

 Na época a presença de Dilma se devai a uma razão principal : a conta foi paga por ela- na verddae, por todos os brasieliros. O Mariel custou US$ 957 milhões de dólares, dos quais US4 802 milhões vieram de financiamento concedido pelo banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).

 O montante equivale a 2 bilhões. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.

Istoé notícia-Jornal 21 Brasil

TSE suspende propaganda do PT que associa Bolsonaro à tortura

Luis Felipe Salomão, do TSE, suspendeu a propaganda eleitoral em que a coligação petista associa Jair Bolsonaro à ditadura e à tortura.

O ministro atendeu o pedido da defesa de Bolsonaro, que alegou que o programa veiculado viola a lei eleitoral, “uma vez que incute medo na população ao sugerir que se o candidato Jair Bolsonaro for eleito vai perseguir e torturar eventuais opositores políticos”.

“O tribunal tem feito um esforço no sentido de elevar o nível do debate para se evitar a disseminação desse clima de pânico que estão criando”, disse o advogado de Bolsonaro, Tiago Ayres, a O Antagonista.

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…