Pular para o conteúdo principal

Gilmar soltou 15 presos desde o dia 15; décimo quinto libertado foi patrocinador de evento da faculdade do ministro

Imagem: Fellipe Sampaio / STF





















Desde o último dia 15 de maio, o ministro Gilmar Mendes mandou soltar 15 investigados 
que estavam presos por determinação do juiz Marcelo Bretas, responsável pela Lava
 Jato no Rio de Janeiro. O décimo quinto libertado foi Orlando Diniz, ex-presidente da 
Fecomércio-RJ, beneficiado por um habeas corpus concedido pelo ministro do Supremo 
Tribunal Federal (STF) nesta sexta-feira (1/6).

Detido preventivamente por suspeita de empregar funcionário fantasma e de ter 
lavado dinheiro de corrupção do esquema do ex-governador Sérgio Cabral, Diniz 
era presidente da Fecomércio-RJ quando a entidade patrocinou com R$ 50 mil um
 evento realizado pelo Instituto de Direito Público (IDP), instituição da qual Gilmar é 
sócio.

No HC, o ministro alega que os supostos crimes são graves, mas ocorreram 
em um tempo “consideravelmente distante da decretação de prisão”. O próprio Ministério
 Público Federal, diz Gilmar, não imputa delitos ao investigado após o ano de 2011.

Além disso, o magistrado diz que a prisão foi fundamentada na necessidade de assegurar 
a recuperação dos valores desviados, não no risco de Diniz fugir da Justiça. 
“Não vejo adequação da prisão preventiva a tal finalidade, na medida em que recursos
 ocultos podem ser movimentados sem a necessidade da presença física do perpetrador”, 
diz.

Na última quarta-feira, o Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2) havia decidido 
por unanimidade manter Diniz preso.

‘Decisão contribui com sensação de impunidade’

No mesmo dia, os desembargadores também entenderam que uma vez concedida uma 
liminar em HC pelo Supremo, não cabe mais ao TRF2 julgá-lo. Processualmente, então,
 a liminar de um ministro é um ponto definidor no julgamento de um habeas corpus,
 especialmente em grandes operações.

O julgamento se deu em outra decisão de Gilmar, sobre o empresário Sandro 
Alex Lahmann. O desembargador Paulo Espírito Santo chegou a registrar na sessão que 
perdeu tempo ao elaborar o voto e que o leria porque fazia questão de dizer o que pensa no caso.

A mudança no entendimento dos desembargadores da 1ª turma do TRF2 aumentou 
o ônus sobre ministros de Supremo Tribunal Federal (STF) que, individualmente, concedem 
liminares para soltar investigados em grandes operações policiais

Além de conceder quinze habeas corpus na Lava Jato do Rio de Janeiro, o ministro 
também libertou outros investigados por desvios de recursos em São Paulo, 
por exemplo, como o ex-diretor da Dersa, Paulo Preto, e sua filha, Tatiana de Souza.

A procuradora regional da República Adriana Scordamaglia, integrante da Força Tarefa
 da Lava Jato em São Paulo, afirmou que a decisão do ministro do Supremo Tribunal
 (STF) Gilmar Mendes de soltar o ex-diretor da Dersa Paulo Preto alimenta a sensação de
 impunidade.

Para ela, houve “supressão das instâncias já que nós temos um tribunal e o Supremo Tribunal 
Federal é a ultima instancia a que os réus devem recorrer”.

“A audiência estava se encerrando com a manutenção da prisão dos corréus José Geraldo
 e Paulo Vieira”, conta Adriana. “Causou-me inda mais estranheza o teor da decisão cujo HC
 foi concedido de ofício para a corré Tatiana [filha de Paulo Preto]”.

Veja os HCs concedidos por Gilmar contra decisões de Bretas desde 15 de maio:

Presos pela Operação Pão Nosso, que apura irregularidades no sistema penitenciário do
 Rio de Janeiro:

Marcelo Luiz Santos Martins – soltou em 21/05
Marcos Vinicius Silva Lips – soltou em 23/05
Sandro Alex Lahmann – soltou em 24/05
Carlos Mateus Martins – soltou em 24/05
Cesar Rubens Monteiro de Carvalho – soltou em 28/05
Sérgio Roberto Pinto da Silva – soltou em 28/05

Investigados por fraudes em contratos do governo do Rio de Janeiro, acusados de
 integrar
 o “núcleo Cabral”

Hudson Braga – soltou em 23/05
Carlos Miranda – soltou em 23/05

Detidos pela Operação Rizoma, que investiga esquemas em fundos de pensão
Milton Lyra – soltou em 15/05
Marcelo Sereno – soltou em 18/05
Adeilson Ribeiro Telles – soltou em 18/05
Carlos Alberto Valadares Pereira – soltou em 18/05
Ricardo Siqueira Rodrigues – soltou em 18/05
Arthur Pinheiro Machado – soltou em 23/05

Preso na Operação Jabuti, que investiga fraudes para beneficiar Cabral
Orlando Diniz – soltou em 01/06

Folha Política

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné Equatorial e Congo não investirão mais no Brasil se Bolsonaro for eleito.

Bolsonaro já disse, não tem acordo com a esquerda, países como, Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné equatorial, Congo e entre outros, não levarão nenhum centavo do povo brasileiro.

O Paí já colocou R$ 42 Bilhões na Ilha que ficou mais conhecida como Ilha de Fidel. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.
Uma risonha presidente Dilma Rousseff inaugurou, ao do ditador cubano Raúl Castro, a primeira fase do Porto de Mariel, em Havana.

 Na época a presença de Dilma se devai a uma razão principal : a conta foi paga por ela- na verddae, por todos os brasieliros. O Mariel custou US$ 957 milhões de dólares, dos quais US4 802 milhões vieram de financiamento concedido pelo banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).

 O montante equivale a 2 bilhões. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.

Istoé notícia-Jornal 21 Brasil

TSE suspende propaganda do PT que associa Bolsonaro à tortura

Luis Felipe Salomão, do TSE, suspendeu a propaganda eleitoral em que a coligação petista associa Jair Bolsonaro à ditadura e à tortura.

O ministro atendeu o pedido da defesa de Bolsonaro, que alegou que o programa veiculado viola a lei eleitoral, “uma vez que incute medo na população ao sugerir que se o candidato Jair Bolsonaro for eleito vai perseguir e torturar eventuais opositores políticos”.

“O tribunal tem feito um esforço no sentido de elevar o nível do debate para se evitar a disseminação desse clima de pânico que estão criando”, disse o advogado de Bolsonaro, Tiago Ayres, a O Antagonista.

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…