Pular para o conteúdo principal

Gilmar soltou 15 presos desde o dia 15; décimo quinto libertado foi patrocinador de evento da faculdade do ministro

Imagem: Fellipe Sampaio / STF





















Desde o último dia 15 de maio, o ministro Gilmar Mendes mandou soltar 15 investigados 
que estavam presos por determinação do juiz Marcelo Bretas, responsável pela Lava
 Jato no Rio de Janeiro. O décimo quinto libertado foi Orlando Diniz, ex-presidente da 
Fecomércio-RJ, beneficiado por um habeas corpus concedido pelo ministro do Supremo 
Tribunal Federal (STF) nesta sexta-feira (1/6).

Detido preventivamente por suspeita de empregar funcionário fantasma e de ter 
lavado dinheiro de corrupção do esquema do ex-governador Sérgio Cabral, Diniz 
era presidente da Fecomércio-RJ quando a entidade patrocinou com R$ 50 mil um
 evento realizado pelo Instituto de Direito Público (IDP), instituição da qual Gilmar é 
sócio.

No HC, o ministro alega que os supostos crimes são graves, mas ocorreram 
em um tempo “consideravelmente distante da decretação de prisão”. O próprio Ministério
 Público Federal, diz Gilmar, não imputa delitos ao investigado após o ano de 2011.

Além disso, o magistrado diz que a prisão foi fundamentada na necessidade de assegurar 
a recuperação dos valores desviados, não no risco de Diniz fugir da Justiça. 
“Não vejo adequação da prisão preventiva a tal finalidade, na medida em que recursos
 ocultos podem ser movimentados sem a necessidade da presença física do perpetrador”, 
diz.

Na última quarta-feira, o Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2) havia decidido 
por unanimidade manter Diniz preso.

‘Decisão contribui com sensação de impunidade’

No mesmo dia, os desembargadores também entenderam que uma vez concedida uma 
liminar em HC pelo Supremo, não cabe mais ao TRF2 julgá-lo. Processualmente, então,
 a liminar de um ministro é um ponto definidor no julgamento de um habeas corpus,
 especialmente em grandes operações.

O julgamento se deu em outra decisão de Gilmar, sobre o empresário Sandro 
Alex Lahmann. O desembargador Paulo Espírito Santo chegou a registrar na sessão que 
perdeu tempo ao elaborar o voto e que o leria porque fazia questão de dizer o que pensa no caso.

A mudança no entendimento dos desembargadores da 1ª turma do TRF2 aumentou 
o ônus sobre ministros de Supremo Tribunal Federal (STF) que, individualmente, concedem 
liminares para soltar investigados em grandes operações policiais

Além de conceder quinze habeas corpus na Lava Jato do Rio de Janeiro, o ministro 
também libertou outros investigados por desvios de recursos em São Paulo, 
por exemplo, como o ex-diretor da Dersa, Paulo Preto, e sua filha, Tatiana de Souza.

A procuradora regional da República Adriana Scordamaglia, integrante da Força Tarefa
 da Lava Jato em São Paulo, afirmou que a decisão do ministro do Supremo Tribunal
 (STF) Gilmar Mendes de soltar o ex-diretor da Dersa Paulo Preto alimenta a sensação de
 impunidade.

Para ela, houve “supressão das instâncias já que nós temos um tribunal e o Supremo Tribunal 
Federal é a ultima instancia a que os réus devem recorrer”.

“A audiência estava se encerrando com a manutenção da prisão dos corréus José Geraldo
 e Paulo Vieira”, conta Adriana. “Causou-me inda mais estranheza o teor da decisão cujo HC
 foi concedido de ofício para a corré Tatiana [filha de Paulo Preto]”.

Veja os HCs concedidos por Gilmar contra decisões de Bretas desde 15 de maio:

Presos pela Operação Pão Nosso, que apura irregularidades no sistema penitenciário do
 Rio de Janeiro:

Marcelo Luiz Santos Martins – soltou em 21/05
Marcos Vinicius Silva Lips – soltou em 23/05
Sandro Alex Lahmann – soltou em 24/05
Carlos Mateus Martins – soltou em 24/05
Cesar Rubens Monteiro de Carvalho – soltou em 28/05
Sérgio Roberto Pinto da Silva – soltou em 28/05

Investigados por fraudes em contratos do governo do Rio de Janeiro, acusados de
 integrar
 o “núcleo Cabral”

Hudson Braga – soltou em 23/05
Carlos Miranda – soltou em 23/05

Detidos pela Operação Rizoma, que investiga esquemas em fundos de pensão
Milton Lyra – soltou em 15/05
Marcelo Sereno – soltou em 18/05
Adeilson Ribeiro Telles – soltou em 18/05
Carlos Alberto Valadares Pereira – soltou em 18/05
Ricardo Siqueira Rodrigues – soltou em 18/05
Arthur Pinheiro Machado – soltou em 23/05

Preso na Operação Jabuti, que investiga fraudes para beneficiar Cabral
Orlando Diniz – soltou em 01/06

Folha Política

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bolsonaro reage a Boulos: “Vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”

Em sua ‘live’ de domingo no Facebook, Jair Bolsonaro reagiu ao vídeo de um comício feito por Guilherme Boulos na quarta-feira passada, ao lado de Gleisi Hoffmann, em cima de um carro de som no Masp, em São Paulo, no qual o candidato derrotado do PSOL disse que só deixaria passar o feriadão para voltar a fazer mobilizações pelo país e a militância cantou em coro: “Ô Bolsonaro, presta atenção, a sua casa vai virar ocupação”. Boulos afirmou que “o MTST ocupa terreno improdutivo, e a casa do Bolsonaro não me parece uma coisa muito produtiva”. “Você deve ter visto um vídeo de ontem, ou anteontem, do Boulos insuflando uma massa enorme para invadir, ocupar a minha residência. O que você faria se o Boulos e 2 mil pessoas ameaçassem invadir a sua residência? Se eu for o presidente e se o Parlamento assim entender, nós vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”, disse Bolsonaro.
O Antagonista

Patrícia Pillar critica Regina Duarte por apoio a Bolsonaro

Através de comentário feito na postagem, Patrícia usou várias narrativas esquerdistas para indicar que o candidato do PSL não seria capaz de ocupar o cargo de presidente do Brasil.

Na tarde desta quinta-feira (11), a atriz Regina Duarte, da Rede Globo, que já havia sinalizado o apoio ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), usou as redes sociais para fazer novas críticas ao Partido dos Trabalhadores, do candidato Fernando Haddad.

A atriz global compartilhou uma imagem com uma comparação entre o salário mínimo e outra quantia com a indicação de “Bolsa Presidiário”, fazendo referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A imagem ainda traz o questionamento: “Tem certeza que o PT sabe governar?”

Após a publicação, a atriz Patrícia Pillar, colega de emissora, rebateu a postagem por meio de comentário, assumindo uma posição contra Bolsonaro.

A ex-mulher de Ciro Gomes (PDT) declarou:


Com toda admiração e respeito que tenho por você Regina, faço aqui uma ponderação: de antemão te digo que n…

Haddad tenta jogar católicos contra evangélicos

O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, participou de uma missa em São Paulo nesta sexta-feira (12). Em entrevista, logo após, o petista atacou Bolsonaro e tentou dividir cristãos. O dia de Nossa Senhora Aparecida foi utilizado pelo Partido dos Trabalhadores (PT) para tentar construir a imagem de um Fernando Haddad com bases religiosas. “Eu sou neto de um líder religioso”, respondeu o candidato do PT ao ser chamado de “abortista” por uma cristã após a missa na paróquia Santos Mártires, no Jardim Ângela, em São Paulo.