Pular para o conteúdo principal

Juiz federal condena Eduardo Cunha a 24 anos de prisão por desvios na Caixa




Imagem: Denis Ferreira / AP

A Justiça Federal condenou nesta sexta-feira (1) o ex-presidente da Câmara Eduardo
 Cunha (MDB-RJ) a 24 anos e dez meses de prisão por desvios na Caixa Econômica
 Federal.


O juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara em Brasília, o considerou culpado pelos
 crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e violação de sigilo funcional.


Este é o segundo revés do ex-deputado na Justiça, atualmente preso em Curitiba. 
No ano passado, em processo da operação Lava Jato, ele foi condenado a 14 anos e 
seis meses de prisão por receber propinas em troca de contratos da Petrobras.


A defesa de Cunha havia pedido que sua prisão preventiva fosse revogada, mas o juiz 
entendeu que não cabia liberá-lo. “É necessária a sua permanência na prisão para
 preservar não apenas a ordem pública e a aplicação da lei penal, mas também a ordem 
econômica”, escreveu.


Além de Cunha, a Justiça Federal em Brasília também condenou o ex-ministro e 
ex-presidente da Câmara Henrique Eduardo Alves (MDB-RN). A sentença impõe a 
ele oito anos e oito meses de reclusão, a serem cumpridos inicialmente em regime
 fechado, por lavagem. Alves, que cumpre prisão domiciliar em Natal, foi absolvido 
da acusação de corrupção passiva.


O magistrado decretou a perda de bens e valores obtidos pelos réus por meio de crime.
 Além disso, determinou que Cunha pague R$ 7 milhões e Alves, R$ 1 milhão a título
 de reparação dos danos causados à coletividade.


O MPF (Ministério Público Federal) havia pedido 387 anos de prisão para Cunha e 
78 para Alves, baseado no critério de concurso material, ou seja, a soma das penas
 privativas de liberdade referentes a cada crime. Mas o juiz não aplicou esse parâmetro.


Ele considerou que não havia provas suficientes para as condenações em relação a 
algumas operações apontadas como ilícitas na Caixa. Porém, entendeu que em outras 
cabia aplicar as penas.


O esquema de corrupção na Caixa foi investigado na operação Sépsis, deflagrada há 
exato um ano. Na denúncia, a Procuradoria da República no Distrito Federal apontou 
um esquema de pagamento de propinas milionárias a Cunha e seus aliados, em troca 
da liberação de aportes do Fundo de Investimentos do FGTS (Fundo de Garantia por 
Tempo de Serviço), gerido pelo banco público.


As liberações eram manipuladas por aliados de Cunha na Caixa, entre eles o ex-vice
 presidente do banco Fábio Cleto, primeiro a fechar acordo de delação premiada e
 entregar o esquema.


Outro colaborador, o corretor Lúcio Bolonha Funaro afirmou em seus depoimentos 
que atuava como operador de Cunha nas negociações ilícitas com empresas interessadas
 no dinheiro da Caixa e na captação dos subornos. Ele disse que o ex-deputado ficava 
com 80% do valor das propinas.


Os dois delatores foram condenados. A Funaro, foi aplicada pena de oito anos e dois
 meses de reclusão por corrupção ativa, lavagem de dinheiro e violação de sigilo 
funcional. Como colaborou, poderá cumpri-la em casa.


No caso de Cleto, a condenação é a nove anos e oito meses de prisão por corrupção ativa, 
corrupção passiva, lavagem de dinheiro e violação de sigilo funcional, mas também 
devem prevalecer os termos do acordo com o MPF.


Também foi condenado o delator Alexandre Margotto, parceiro de negócios de Cunha e 
Cleto, a pena de quatro anos de reclusão, inicialmente em regime aberto, por corrupção ativa.


Outros esquemas de desvios na Caixa continuam sob investigação, a exemplo do que 
envolve o ex-ministro Geddel Vieira Lima (MDB-BA), alvo da operação Cui Bono?
. O emedebista foi preso depois que a Polícia Federal encontrou R$ 51 milhões em 
espécie num bunker a ele atribuído, em Salvador.

Politica na Rede

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileiros são acusados de machismo e racismo na Copa da Rússia

Em vídeo viral, um grupo de homens se aproveita do fato de uma jovem russa não saber português para assediar a moça





A Copa da Rússia mal começou e algumas atitudes de torcedores brasileiros provocaram reações inflamadas na internet. Em um vídeo publicado na noite de sábado (16/6), alguns homens se aproximaram de uma jovem estrangeira, aparentemente russa, e fizeram uma gravação com ela. Nas redes sociais, o ato foi apontado como uma demonstração de machismo e racismo. Entre outros impropérios, o grupo cantou “essa buceta é bem rosinha”, referindo-se à cor da mulher. A moça, que obviamente não entende uma única palavra em português, cantou junto a eles, sem ter noção do desrespeito. A objetificação pela qual a estrangeira passa – uma pessoa é reduzida aos órgãos genitais – foi considerada ofensiva pelos internautas. Além do machismo alarmante, tendo em vista que um grupo de adultos achou por bem fazer comentários grotescos sobre o corpo de uma desconhecida na rua, há indícios de racismo…

Veja a lista dos deputados que querem uma CPI para acabar com a Lava Jato

O PT está no centro da articulação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) com o objetivo de investigar a suposta venda de “proteção” em delações premiadas por parte de advogados e delatores. Trata-se da "CPI das delações", com potencial para afetar os trabalhos da operação Lava Jato e até extingui-la. 

Segundo o líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (PT-RS), trata-se de uma investigação sobre a "indústria da delação". Os pontos de partida serão as delações dos doleiros Vinícius Claret, o Juca Bala, e Cláudio de Souza, integrantes do esquema comandado por Dario Messer, chamado de “doleiro de todos os doleiros”, que acusam o advogado Antonio Figueiredo Basto, um dos maiores especialistas do País em colaborações premiadas, de cobrar uma “taxa de proteção” de US$ 50 mil mensais (cerca de R$ 185 mil) de outros integrantes do esquema entre 2005 e 2013.
Veja quem são os deputados que assinaram o pedido: 


Cármen Lúcia arquiva processo sobre menção de Joesley a ministros do STF Presidente do STF determinou extinção da investigação aberta, a pedido dela, para apurar citação a ministros na delação de executivos da empresa JBS Por Agência Brasil

Cármen Lúcia: "Não poderia pender qualquer tipo de mais leve dúvida sobre a conduta daqueles que compõe, que integram este Supremo Tribunal Federal" (Rosinei Coutinho/SCO/STF/Agência Brasil) A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, informou, na abertura da sessão plenária desta quinta-feira (21), ter determinado a extinção e o arquivamento definitivo da investigação aberta, a pedido dela, pela Polícia Federal, para apurar citação a ministros da Corte na delação de executivos da empresa JBS, do grupo J&F. A decisão foi tomada após o diretor-geral da PF, Rogério Galloro, entregar o relatório final das investigações à Cármen Lúcia. De acordo com o documento, “não foram encontradas gravações que indicassem qualquer participação de ministros do Supremo Tribunal Federal envolvidos e ou citados em qualquer ato ilícito”. Com base no relatório da PF, Cármen Lúcia afirmou que “não houve, não há qualquer dúvida, que tenha sido extraída de qualquer doc…