Pular para o conteúdo principal

Juiz federal condena Eduardo Cunha a 24 anos de prisão por desvios na Caixa




Imagem: Denis Ferreira / AP

A Justiça Federal condenou nesta sexta-feira (1) o ex-presidente da Câmara Eduardo
 Cunha (MDB-RJ) a 24 anos e dez meses de prisão por desvios na Caixa Econômica
 Federal.


O juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara em Brasília, o considerou culpado pelos
 crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e violação de sigilo funcional.


Este é o segundo revés do ex-deputado na Justiça, atualmente preso em Curitiba. 
No ano passado, em processo da operação Lava Jato, ele foi condenado a 14 anos e 
seis meses de prisão por receber propinas em troca de contratos da Petrobras.


A defesa de Cunha havia pedido que sua prisão preventiva fosse revogada, mas o juiz 
entendeu que não cabia liberá-lo. “É necessária a sua permanência na prisão para
 preservar não apenas a ordem pública e a aplicação da lei penal, mas também a ordem 
econômica”, escreveu.


Além de Cunha, a Justiça Federal em Brasília também condenou o ex-ministro e 
ex-presidente da Câmara Henrique Eduardo Alves (MDB-RN). A sentença impõe a 
ele oito anos e oito meses de reclusão, a serem cumpridos inicialmente em regime
 fechado, por lavagem. Alves, que cumpre prisão domiciliar em Natal, foi absolvido 
da acusação de corrupção passiva.


O magistrado decretou a perda de bens e valores obtidos pelos réus por meio de crime.
 Além disso, determinou que Cunha pague R$ 7 milhões e Alves, R$ 1 milhão a título
 de reparação dos danos causados à coletividade.


O MPF (Ministério Público Federal) havia pedido 387 anos de prisão para Cunha e 
78 para Alves, baseado no critério de concurso material, ou seja, a soma das penas
 privativas de liberdade referentes a cada crime. Mas o juiz não aplicou esse parâmetro.


Ele considerou que não havia provas suficientes para as condenações em relação a 
algumas operações apontadas como ilícitas na Caixa. Porém, entendeu que em outras 
cabia aplicar as penas.


O esquema de corrupção na Caixa foi investigado na operação Sépsis, deflagrada há 
exato um ano. Na denúncia, a Procuradoria da República no Distrito Federal apontou 
um esquema de pagamento de propinas milionárias a Cunha e seus aliados, em troca 
da liberação de aportes do Fundo de Investimentos do FGTS (Fundo de Garantia por 
Tempo de Serviço), gerido pelo banco público.


As liberações eram manipuladas por aliados de Cunha na Caixa, entre eles o ex-vice
 presidente do banco Fábio Cleto, primeiro a fechar acordo de delação premiada e
 entregar o esquema.


Outro colaborador, o corretor Lúcio Bolonha Funaro afirmou em seus depoimentos 
que atuava como operador de Cunha nas negociações ilícitas com empresas interessadas
 no dinheiro da Caixa e na captação dos subornos. Ele disse que o ex-deputado ficava 
com 80% do valor das propinas.


Os dois delatores foram condenados. A Funaro, foi aplicada pena de oito anos e dois
 meses de reclusão por corrupção ativa, lavagem de dinheiro e violação de sigilo 
funcional. Como colaborou, poderá cumpri-la em casa.


No caso de Cleto, a condenação é a nove anos e oito meses de prisão por corrupção ativa, 
corrupção passiva, lavagem de dinheiro e violação de sigilo funcional, mas também 
devem prevalecer os termos do acordo com o MPF.


Também foi condenado o delator Alexandre Margotto, parceiro de negócios de Cunha e 
Cleto, a pena de quatro anos de reclusão, inicialmente em regime aberto, por corrupção ativa.


Outros esquemas de desvios na Caixa continuam sob investigação, a exemplo do que 
envolve o ex-ministro Geddel Vieira Lima (MDB-BA), alvo da operação Cui Bono?
. O emedebista foi preso depois que a Polícia Federal encontrou R$ 51 milhões em 
espécie num bunker a ele atribuído, em Salvador.

Politica na Rede

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bolsonaro reage a Boulos: “Vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”

Em sua ‘live’ de domingo no Facebook, Jair Bolsonaro reagiu ao vídeo de um comício feito por Guilherme Boulos na quarta-feira passada, ao lado de Gleisi Hoffmann, em cima de um carro de som no Masp, em São Paulo, no qual o candidato derrotado do PSOL disse que só deixaria passar o feriadão para voltar a fazer mobilizações pelo país e a militância cantou em coro: “Ô Bolsonaro, presta atenção, a sua casa vai virar ocupação”. Boulos afirmou que “o MTST ocupa terreno improdutivo, e a casa do Bolsonaro não me parece uma coisa muito produtiva”. “Você deve ter visto um vídeo de ontem, ou anteontem, do Boulos insuflando uma massa enorme para invadir, ocupar a minha residência. O que você faria se o Boulos e 2 mil pessoas ameaçassem invadir a sua residência? Se eu for o presidente e se o Parlamento assim entender, nós vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”, disse Bolsonaro.
O Antagonista

Patrícia Pillar critica Regina Duarte por apoio a Bolsonaro

Através de comentário feito na postagem, Patrícia usou várias narrativas esquerdistas para indicar que o candidato do PSL não seria capaz de ocupar o cargo de presidente do Brasil.

Na tarde desta quinta-feira (11), a atriz Regina Duarte, da Rede Globo, que já havia sinalizado o apoio ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), usou as redes sociais para fazer novas críticas ao Partido dos Trabalhadores, do candidato Fernando Haddad.

A atriz global compartilhou uma imagem com uma comparação entre o salário mínimo e outra quantia com a indicação de “Bolsa Presidiário”, fazendo referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A imagem ainda traz o questionamento: “Tem certeza que o PT sabe governar?”

Após a publicação, a atriz Patrícia Pillar, colega de emissora, rebateu a postagem por meio de comentário, assumindo uma posição contra Bolsonaro.

A ex-mulher de Ciro Gomes (PDT) declarou:


Com toda admiração e respeito que tenho por você Regina, faço aqui uma ponderação: de antemão te digo que n…

Haddad tenta jogar católicos contra evangélicos

O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, participou de uma missa em São Paulo nesta sexta-feira (12). Em entrevista, logo após, o petista atacou Bolsonaro e tentou dividir cristãos. O dia de Nossa Senhora Aparecida foi utilizado pelo Partido dos Trabalhadores (PT) para tentar construir a imagem de um Fernando Haddad com bases religiosas. “Eu sou neto de um líder religioso”, respondeu o candidato do PT ao ser chamado de “abortista” por uma cristã após a missa na paróquia Santos Mártires, no Jardim Ângela, em São Paulo.