Pular para o conteúdo principal

Juiz federal condena Eduardo Cunha a 24 anos de prisão por desvios na Caixa




Imagem: Denis Ferreira / AP

A Justiça Federal condenou nesta sexta-feira (1) o ex-presidente da Câmara Eduardo
 Cunha (MDB-RJ) a 24 anos e dez meses de prisão por desvios na Caixa Econômica
 Federal.


O juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara em Brasília, o considerou culpado pelos
 crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e violação de sigilo funcional.


Este é o segundo revés do ex-deputado na Justiça, atualmente preso em Curitiba. 
No ano passado, em processo da operação Lava Jato, ele foi condenado a 14 anos e 
seis meses de prisão por receber propinas em troca de contratos da Petrobras.


A defesa de Cunha havia pedido que sua prisão preventiva fosse revogada, mas o juiz 
entendeu que não cabia liberá-lo. “É necessária a sua permanência na prisão para
 preservar não apenas a ordem pública e a aplicação da lei penal, mas também a ordem 
econômica”, escreveu.


Além de Cunha, a Justiça Federal em Brasília também condenou o ex-ministro e 
ex-presidente da Câmara Henrique Eduardo Alves (MDB-RN). A sentença impõe a 
ele oito anos e oito meses de reclusão, a serem cumpridos inicialmente em regime
 fechado, por lavagem. Alves, que cumpre prisão domiciliar em Natal, foi absolvido 
da acusação de corrupção passiva.


O magistrado decretou a perda de bens e valores obtidos pelos réus por meio de crime.
 Além disso, determinou que Cunha pague R$ 7 milhões e Alves, R$ 1 milhão a título
 de reparação dos danos causados à coletividade.


O MPF (Ministério Público Federal) havia pedido 387 anos de prisão para Cunha e 
78 para Alves, baseado no critério de concurso material, ou seja, a soma das penas
 privativas de liberdade referentes a cada crime. Mas o juiz não aplicou esse parâmetro.


Ele considerou que não havia provas suficientes para as condenações em relação a 
algumas operações apontadas como ilícitas na Caixa. Porém, entendeu que em outras 
cabia aplicar as penas.


O esquema de corrupção na Caixa foi investigado na operação Sépsis, deflagrada há 
exato um ano. Na denúncia, a Procuradoria da República no Distrito Federal apontou 
um esquema de pagamento de propinas milionárias a Cunha e seus aliados, em troca 
da liberação de aportes do Fundo de Investimentos do FGTS (Fundo de Garantia por 
Tempo de Serviço), gerido pelo banco público.


As liberações eram manipuladas por aliados de Cunha na Caixa, entre eles o ex-vice
 presidente do banco Fábio Cleto, primeiro a fechar acordo de delação premiada e
 entregar o esquema.


Outro colaborador, o corretor Lúcio Bolonha Funaro afirmou em seus depoimentos 
que atuava como operador de Cunha nas negociações ilícitas com empresas interessadas
 no dinheiro da Caixa e na captação dos subornos. Ele disse que o ex-deputado ficava 
com 80% do valor das propinas.


Os dois delatores foram condenados. A Funaro, foi aplicada pena de oito anos e dois
 meses de reclusão por corrupção ativa, lavagem de dinheiro e violação de sigilo 
funcional. Como colaborou, poderá cumpri-la em casa.


No caso de Cleto, a condenação é a nove anos e oito meses de prisão por corrupção ativa, 
corrupção passiva, lavagem de dinheiro e violação de sigilo funcional, mas também 
devem prevalecer os termos do acordo com o MPF.


Também foi condenado o delator Alexandre Margotto, parceiro de negócios de Cunha e 
Cleto, a pena de quatro anos de reclusão, inicialmente em regime aberto, por corrupção ativa.


Outros esquemas de desvios na Caixa continuam sob investigação, a exemplo do que 
envolve o ex-ministro Geddel Vieira Lima (MDB-BA), alvo da operação Cui Bono?
. O emedebista foi preso depois que a Polícia Federal encontrou R$ 51 milhões em 
espécie num bunker a ele atribuído, em Salvador.

Politica na Rede

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné Equatorial e Congo não investirão mais no Brasil se Bolsonaro for eleito.

Bolsonaro já disse, não tem acordo com a esquerda, países como, Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné equatorial, Congo e entre outros, não levarão nenhum centavo do povo brasileiro.

O Paí já colocou R$ 42 Bilhões na Ilha que ficou mais conhecida como Ilha de Fidel. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.
Uma risonha presidente Dilma Rousseff inaugurou, ao do ditador cubano Raúl Castro, a primeira fase do Porto de Mariel, em Havana.

 Na época a presença de Dilma se devai a uma razão principal : a conta foi paga por ela- na verddae, por todos os brasieliros. O Mariel custou US$ 957 milhões de dólares, dos quais US4 802 milhões vieram de financiamento concedido pelo banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).

 O montante equivale a 2 bilhões. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.

Istoé notícia-Jornal 21 Brasil

TSE suspende propaganda do PT que associa Bolsonaro à tortura

Luis Felipe Salomão, do TSE, suspendeu a propaganda eleitoral em que a coligação petista associa Jair Bolsonaro à ditadura e à tortura.

O ministro atendeu o pedido da defesa de Bolsonaro, que alegou que o programa veiculado viola a lei eleitoral, “uma vez que incute medo na população ao sugerir que se o candidato Jair Bolsonaro for eleito vai perseguir e torturar eventuais opositores políticos”.

“O tribunal tem feito um esforço no sentido de elevar o nível do debate para se evitar a disseminação desse clima de pânico que estão criando”, disse o advogado de Bolsonaro, Tiago Ayres, a O Antagonista.

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…