Pular para o conteúdo principal

Juiz federal condena Eduardo Cunha a 24 anos de prisão por desvios na Caixa




Imagem: Denis Ferreira / AP

A Justiça Federal condenou nesta sexta-feira (1) o ex-presidente da Câmara Eduardo
 Cunha (MDB-RJ) a 24 anos e dez meses de prisão por desvios na Caixa Econômica
 Federal.


O juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara em Brasília, o considerou culpado pelos
 crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e violação de sigilo funcional.


Este é o segundo revés do ex-deputado na Justiça, atualmente preso em Curitiba. 
No ano passado, em processo da operação Lava Jato, ele foi condenado a 14 anos e 
seis meses de prisão por receber propinas em troca de contratos da Petrobras.


A defesa de Cunha havia pedido que sua prisão preventiva fosse revogada, mas o juiz 
entendeu que não cabia liberá-lo. “É necessária a sua permanência na prisão para
 preservar não apenas a ordem pública e a aplicação da lei penal, mas também a ordem 
econômica”, escreveu.


Além de Cunha, a Justiça Federal em Brasília também condenou o ex-ministro e 
ex-presidente da Câmara Henrique Eduardo Alves (MDB-RN). A sentença impõe a 
ele oito anos e oito meses de reclusão, a serem cumpridos inicialmente em regime
 fechado, por lavagem. Alves, que cumpre prisão domiciliar em Natal, foi absolvido 
da acusação de corrupção passiva.


O magistrado decretou a perda de bens e valores obtidos pelos réus por meio de crime.
 Além disso, determinou que Cunha pague R$ 7 milhões e Alves, R$ 1 milhão a título
 de reparação dos danos causados à coletividade.


O MPF (Ministério Público Federal) havia pedido 387 anos de prisão para Cunha e 
78 para Alves, baseado no critério de concurso material, ou seja, a soma das penas
 privativas de liberdade referentes a cada crime. Mas o juiz não aplicou esse parâmetro.


Ele considerou que não havia provas suficientes para as condenações em relação a 
algumas operações apontadas como ilícitas na Caixa. Porém, entendeu que em outras 
cabia aplicar as penas.


O esquema de corrupção na Caixa foi investigado na operação Sépsis, deflagrada há 
exato um ano. Na denúncia, a Procuradoria da República no Distrito Federal apontou 
um esquema de pagamento de propinas milionárias a Cunha e seus aliados, em troca 
da liberação de aportes do Fundo de Investimentos do FGTS (Fundo de Garantia por 
Tempo de Serviço), gerido pelo banco público.


As liberações eram manipuladas por aliados de Cunha na Caixa, entre eles o ex-vice
 presidente do banco Fábio Cleto, primeiro a fechar acordo de delação premiada e
 entregar o esquema.


Outro colaborador, o corretor Lúcio Bolonha Funaro afirmou em seus depoimentos 
que atuava como operador de Cunha nas negociações ilícitas com empresas interessadas
 no dinheiro da Caixa e na captação dos subornos. Ele disse que o ex-deputado ficava 
com 80% do valor das propinas.


Os dois delatores foram condenados. A Funaro, foi aplicada pena de oito anos e dois
 meses de reclusão por corrupção ativa, lavagem de dinheiro e violação de sigilo 
funcional. Como colaborou, poderá cumpri-la em casa.


No caso de Cleto, a condenação é a nove anos e oito meses de prisão por corrupção ativa, 
corrupção passiva, lavagem de dinheiro e violação de sigilo funcional, mas também 
devem prevalecer os termos do acordo com o MPF.


Também foi condenado o delator Alexandre Margotto, parceiro de negócios de Cunha e 
Cleto, a pena de quatro anos de reclusão, inicialmente em regime aberto, por corrupção ativa.


Outros esquemas de desvios na Caixa continuam sob investigação, a exemplo do que 
envolve o ex-ministro Geddel Vieira Lima (MDB-BA), alvo da operação Cui Bono?
. O emedebista foi preso depois que a Polícia Federal encontrou R$ 51 milhões em 
espécie num bunker a ele atribuído, em Salvador.

Politica na Rede

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cid Moreira reaparece e comove o Brasil: ”Vivo minha fase final”

Apresentador que marcou a história do ‘Jornal Nacional’ fala sobre os 90 anos. Famoso durante muito tempo por dar o ‘boa noite’’ no ‘’Jornal Nacional’’, Cid Moreira agora é mais conhecido por ser a ‘’’voz de Deus’’ [VIDEO]. Aos 90 anos de idade, o jornalista investe o seu tempo nas narrações de textos bíblicos e comove milhares de cristãos. Cid Moreira recusou-se a fazer propaganda milionária ao lado de Fátima Bernardes Cid é casado com Fátima Moreira há 16 anos e deu uma entrevista ao portal de notícias UOL sobre o fato de estar completando 90 anos com a saúde em dia. “Vivo minha fase final”, afirmou. Entre os muitos fatos pitorescos de sua vida narrados na reportagem, Moreira revela que se recusou a receber R$ 2 milhões para fazer uma propaganda de carne ao lado de Fátima Bernardes. A celebridade, na época, teria recebido R$ 5 milhões para o comercial. O jornalista também chegou a injetar silicone líquido no rosto, o que o fez quase perder a visão de um dos olhos. Filho processa Ci…

Renan se recusa a receber notificação do STF sobre afastamento da presidência do Senado Oficial de Justiça não consegue entregar notificação na residência oficial

Renan se recusa a receber notificação do STF sobre afastamento da presidência do Senado Foto: Andre Coelho / Agência O Globo BRASÍLIA - O oficial do Supremo Tribunal Federal (STF) foi na noite desta segunda-feira à residência oficial do Senado para entregar ao senador Renan Calheiros (PMDB-AL) a notificação da decisão do ministro Marco Aurelio Melo sobre o afastamento da presidência do Senado. Renan se recusou a receber o oficial. O peemedebista foi até a porta e voltou sem a notificação. O oficial saiu alguns minutos depois com os papéis na mão. Segundo o secretário geral da mesa Senado, Bandeira de Melo, Renan alegou que não se pode receber notificação judicial após as 18h, segundo a lei. Perguntado sobre como Renan reagiu à decisão do ministro do Supremo, o líder do PMDB no Senado, Eunício Oliveira, disse que ele está tranquilo e que vai receber a notificação amanhã às 11h. - Normalíssimo, frio, traquilo. Marcou para receber a notificaçao amanhã às 11 horas. Há um entra e sai de ca…

Jair Bolsonaro revoga nomeações de Michel Temer

Bolsonaro revogou quatro nomeações do ex-presidente Michel Temer e nomeou seus novos diretores, que não precisarão de escrutínio dos senadores. Por meio de medida provisória publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta segunda-feira (14), o presidente Jair Bolsonaro revogou a exigência de o Senado sabatinar os diretores do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), registra o “Estadão“. A revogação da sabatina dos diretores está no art. 85, II, c, que revoga o art. 88, parágrafo único, da Lei 10.233. “Os diretores deverão ser brasileiros, ter idoneidade moral e reputação ilibada, formação universitária, experiência profissional compatível com os objetivos, atribuições e competências do DNIT e elevado conceito no campo de suas especialidades, e serão indicados pelo ministro de estado dos Transportes e nomeados pelo presidente da República”, diz o texto. Há apenas cinco meses no cargo, o diretor-geral José da Silva Tiago foi substituído pelo general Antônio Leit…