Pular para o conteúdo principal

Justiça argentina confirma que promotor que denunciou Cristina Kirchner foi assassinado

Imagem: Reprodução / Redes Sociais



















A Câmara Federal da Argentina confirmou nesta sexta-feira, dia 1º, que a morte do 
promotor Alberto Nisman, em janeiro de 2015, quatro dias depois de acusar a então 
presidente, Cristina Kirchner de acobertar supostos terroristas, se tratou de um
 homicídio e não um suicídio.


“Procede encomendar aos magistrados a cargo da investigação o sustentado avanço 
do curso instrutório visando à completa e cabal determinação dos responsáveis pelo
 homicídio de Natalio Alberto Nisman, com a rapidez e seriedade que tão grave fato
 impõe”, afirmou o tribunal de segunda instância em uma resolução.
Nisman foi encontrado morto em sua casa, um luxuoso apartamento na área portuária
 de Buenos Aires, em janeiro de 2015, ao redor de uma poça de sangue no banheiro,
 com um único disparo na cabeça. O crime aconteceu quatro dias após Nisman acusar 
a ex-presidente Cristina Kirchner de proteger iranianos envolvidos no ataque segundo
 a Justiça local. Em 2013, o kirchnerismo assinou com o Irã um pacto para que os 
acusados fossem ouvidos em Teerã.


Nisman dizia que o acordo previa impunidade em troca de uma transação comercial. 
Ele morreu na véspera de detalhar ao Congresso sua denúncia. A versão oficial da
 morte indicava suicídio, mas foi contestada por peritos da família de Nisman.


Para tentar determinar se foi um suicídio ou um homicídio, já no ano passado a 
promotoria encarregou uma junta de peritos para realizar uma reconstituição do 
momento da morte do promotor, na qual se estabeleceu que duas pessoas espancaram,
 drogaram com cetamina e assassinaram Nisman em sua casa.


O relatório da Promotoria também foi aprovado, e concluiu que a morte do promotor 
foi um homicídio "que ocorreu dentro do banheiro e da qual participaram dois agressores,
 um deles manipulou a arma, enquanto outro ajudou a manipular o corpo da vítima ".
 Tudo teria acontecido às 2:46 do domingo, 18 de janeiro de 2015.


Para a Justiça, o técnico em informática Diego Lagomarsino, que trabalhava com Nisman 
e era dono da arma que o matou, é “peça-chave” no assassinato, e entregou a arma com 
"pleno conhecimento do que aconteceria"; isto é, a morte do então procurador.


Segundo Lagomarsino, o promotor pediu a arma para proteger as filhas. Meses após a 
morte, uma pistola similar foi encontrada entre objetos de Nisman, o que levou a 
família a questionar por que ele pediria uma emprestada. Perícia contratada pelos 
parentes concluiu que a morte ocorreu 12 horas antes do apontado no laudo oficial, 
em um momento mais próximo do encontro com Lagomarsino.


Até o momento, na causa, que neste período sofreu constantes reviravoltas judiciais,
 inclusive acusações de contaminação da cena do crime e o afastamento da primeira
 promotora designada para caso, o técnico informático é o único indiciado. 
No entanto, o Tribunal não pôde provar sua intervenção no momento em que o
 assassinato foi consumado. Os responsáveis pelo crime ainda são "autores 
desconhecidos".

Folha Política


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileiros são acusados de machismo e racismo na Copa da Rússia

Em vídeo viral, um grupo de homens se aproveita do fato de uma jovem russa não saber português para assediar a moça





A Copa da Rússia mal começou e algumas atitudes de torcedores brasileiros provocaram reações inflamadas na internet. Em um vídeo publicado na noite de sábado (16/6), alguns homens se aproximaram de uma jovem estrangeira, aparentemente russa, e fizeram uma gravação com ela. Nas redes sociais, o ato foi apontado como uma demonstração de machismo e racismo. Entre outros impropérios, o grupo cantou “essa buceta é bem rosinha”, referindo-se à cor da mulher. A moça, que obviamente não entende uma única palavra em português, cantou junto a eles, sem ter noção do desrespeito. A objetificação pela qual a estrangeira passa – uma pessoa é reduzida aos órgãos genitais – foi considerada ofensiva pelos internautas. Além do machismo alarmante, tendo em vista que um grupo de adultos achou por bem fazer comentários grotescos sobre o corpo de uma desconhecida na rua, há indícios de racismo…

Veja a lista dos deputados que querem uma CPI para acabar com a Lava Jato

O PT está no centro da articulação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) com o objetivo de investigar a suposta venda de “proteção” em delações premiadas por parte de advogados e delatores. Trata-se da "CPI das delações", com potencial para afetar os trabalhos da operação Lava Jato e até extingui-la. 

Segundo o líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (PT-RS), trata-se de uma investigação sobre a "indústria da delação". Os pontos de partida serão as delações dos doleiros Vinícius Claret, o Juca Bala, e Cláudio de Souza, integrantes do esquema comandado por Dario Messer, chamado de “doleiro de todos os doleiros”, que acusam o advogado Antonio Figueiredo Basto, um dos maiores especialistas do País em colaborações premiadas, de cobrar uma “taxa de proteção” de US$ 50 mil mensais (cerca de R$ 185 mil) de outros integrantes do esquema entre 2005 e 2013.
Veja quem são os deputados que assinaram o pedido: 


Cármen Lúcia arquiva processo sobre menção de Joesley a ministros do STF Presidente do STF determinou extinção da investigação aberta, a pedido dela, para apurar citação a ministros na delação de executivos da empresa JBS Por Agência Brasil

Cármen Lúcia: "Não poderia pender qualquer tipo de mais leve dúvida sobre a conduta daqueles que compõe, que integram este Supremo Tribunal Federal" (Rosinei Coutinho/SCO/STF/Agência Brasil) A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, informou, na abertura da sessão plenária desta quinta-feira (21), ter determinado a extinção e o arquivamento definitivo da investigação aberta, a pedido dela, pela Polícia Federal, para apurar citação a ministros da Corte na delação de executivos da empresa JBS, do grupo J&F. A decisão foi tomada após o diretor-geral da PF, Rogério Galloro, entregar o relatório final das investigações à Cármen Lúcia. De acordo com o documento, “não foram encontradas gravações que indicassem qualquer participação de ministros do Supremo Tribunal Federal envolvidos e ou citados em qualquer ato ilícito”. Com base no relatório da PF, Cármen Lúcia afirmou que “não houve, não há qualquer dúvida, que tenha sido extraída de qualquer doc…