Pular para o conteúdo principal

Justiça argentina confirma que promotor que denunciou Cristina Kirchner foi assassinado

Imagem: Reprodução / Redes Sociais



















A Câmara Federal da Argentina confirmou nesta sexta-feira, dia 1º, que a morte do 
promotor Alberto Nisman, em janeiro de 2015, quatro dias depois de acusar a então 
presidente, Cristina Kirchner de acobertar supostos terroristas, se tratou de um
 homicídio e não um suicídio.


“Procede encomendar aos magistrados a cargo da investigação o sustentado avanço 
do curso instrutório visando à completa e cabal determinação dos responsáveis pelo
 homicídio de Natalio Alberto Nisman, com a rapidez e seriedade que tão grave fato
 impõe”, afirmou o tribunal de segunda instância em uma resolução.
Nisman foi encontrado morto em sua casa, um luxuoso apartamento na área portuária
 de Buenos Aires, em janeiro de 2015, ao redor de uma poça de sangue no banheiro,
 com um único disparo na cabeça. O crime aconteceu quatro dias após Nisman acusar 
a ex-presidente Cristina Kirchner de proteger iranianos envolvidos no ataque segundo
 a Justiça local. Em 2013, o kirchnerismo assinou com o Irã um pacto para que os 
acusados fossem ouvidos em Teerã.


Nisman dizia que o acordo previa impunidade em troca de uma transação comercial. 
Ele morreu na véspera de detalhar ao Congresso sua denúncia. A versão oficial da
 morte indicava suicídio, mas foi contestada por peritos da família de Nisman.


Para tentar determinar se foi um suicídio ou um homicídio, já no ano passado a 
promotoria encarregou uma junta de peritos para realizar uma reconstituição do 
momento da morte do promotor, na qual se estabeleceu que duas pessoas espancaram,
 drogaram com cetamina e assassinaram Nisman em sua casa.


O relatório da Promotoria também foi aprovado, e concluiu que a morte do promotor 
foi um homicídio "que ocorreu dentro do banheiro e da qual participaram dois agressores,
 um deles manipulou a arma, enquanto outro ajudou a manipular o corpo da vítima ".
 Tudo teria acontecido às 2:46 do domingo, 18 de janeiro de 2015.


Para a Justiça, o técnico em informática Diego Lagomarsino, que trabalhava com Nisman 
e era dono da arma que o matou, é “peça-chave” no assassinato, e entregou a arma com 
"pleno conhecimento do que aconteceria"; isto é, a morte do então procurador.


Segundo Lagomarsino, o promotor pediu a arma para proteger as filhas. Meses após a 
morte, uma pistola similar foi encontrada entre objetos de Nisman, o que levou a 
família a questionar por que ele pediria uma emprestada. Perícia contratada pelos 
parentes concluiu que a morte ocorreu 12 horas antes do apontado no laudo oficial, 
em um momento mais próximo do encontro com Lagomarsino.


Até o momento, na causa, que neste período sofreu constantes reviravoltas judiciais,
 inclusive acusações de contaminação da cena do crime e o afastamento da primeira
 promotora designada para caso, o técnico informático é o único indiciado. 
No entanto, o Tribunal não pôde provar sua intervenção no momento em que o
 assassinato foi consumado. Os responsáveis pelo crime ainda são "autores 
desconhecidos".

Folha Política


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bolsonaro reage a Boulos: “Vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”

Em sua ‘live’ de domingo no Facebook, Jair Bolsonaro reagiu ao vídeo de um comício feito por Guilherme Boulos na quarta-feira passada, ao lado de Gleisi Hoffmann, em cima de um carro de som no Masp, em São Paulo, no qual o candidato derrotado do PSOL disse que só deixaria passar o feriadão para voltar a fazer mobilizações pelo país e a militância cantou em coro: “Ô Bolsonaro, presta atenção, a sua casa vai virar ocupação”. Boulos afirmou que “o MTST ocupa terreno improdutivo, e a casa do Bolsonaro não me parece uma coisa muito produtiva”. “Você deve ter visto um vídeo de ontem, ou anteontem, do Boulos insuflando uma massa enorme para invadir, ocupar a minha residência. O que você faria se o Boulos e 2 mil pessoas ameaçassem invadir a sua residência? Se eu for o presidente e se o Parlamento assim entender, nós vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”, disse Bolsonaro.
O Antagonista

Patrícia Pillar critica Regina Duarte por apoio a Bolsonaro

Através de comentário feito na postagem, Patrícia usou várias narrativas esquerdistas para indicar que o candidato do PSL não seria capaz de ocupar o cargo de presidente do Brasil.

Na tarde desta quinta-feira (11), a atriz Regina Duarte, da Rede Globo, que já havia sinalizado o apoio ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), usou as redes sociais para fazer novas críticas ao Partido dos Trabalhadores, do candidato Fernando Haddad.

A atriz global compartilhou uma imagem com uma comparação entre o salário mínimo e outra quantia com a indicação de “Bolsa Presidiário”, fazendo referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A imagem ainda traz o questionamento: “Tem certeza que o PT sabe governar?”

Após a publicação, a atriz Patrícia Pillar, colega de emissora, rebateu a postagem por meio de comentário, assumindo uma posição contra Bolsonaro.

A ex-mulher de Ciro Gomes (PDT) declarou:


Com toda admiração e respeito que tenho por você Regina, faço aqui uma ponderação: de antemão te digo que n…

Haddad tenta jogar católicos contra evangélicos

O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, participou de uma missa em São Paulo nesta sexta-feira (12). Em entrevista, logo após, o petista atacou Bolsonaro e tentou dividir cristãos. O dia de Nossa Senhora Aparecida foi utilizado pelo Partido dos Trabalhadores (PT) para tentar construir a imagem de um Fernando Haddad com bases religiosas. “Eu sou neto de um líder religioso”, respondeu o candidato do PT ao ser chamado de “abortista” por uma cristã após a missa na paróquia Santos Mártires, no Jardim Ângela, em São Paulo.